História Darling, you're different! - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Red Velvet
Personagens Irene, Seulgi
Tags Red Velvet, Seulrene
Visualizações 73
Palavras 1.290
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorei aaaa

Escrevi esse cap morrendo de sono, conclui ele bem rápido. Então me perdoem qualquer erro e etc.

Espero que gostem e é isso.

Beijo da tia hana 🌺

Capítulo 3 - Corrente.


Meu pai nos olhou completamente confuso enquanto eu ainda tentava assimilar o que estava acontecendo. Então a a namorada do meu pai era nada mais nada menos a garota a qual eu simplesmente não parei de pensar desde o momento em que a vi? 

— V-vocês se conhecem? - Papai sorriu sem jeito, fazendo um gesto para sentarmos. 

— Sim. - Respondeu Seulgi antes de mim. — Conheci Irene na cafeteria! Me dei bem com ela, e agora eu sinto grande alívio por saber que tenho mais chances de mostrar o quão legal eu sou. - Ela respondeu com facilidade porém eu sentia um certo... Desconforto em sua palavras? 

— É. - Assenti sem graça. Aquilo já estava constrangedor antes mesmo de começar. 

— Neste caso... - Papai pousou sua mão em uma das de Seulgi e a mão livre em cima da minha. — Creio que se darão bem. - Sorriu. 

— Eu espero. - Murmurei para mim mesma. 

Quando menos esperei já estávamos em um jantar constrangedor onde o único que pronunciava era papai. Eu sabia que ele estava se esforçando mas por um motivo eu me sentia um tanto desconfortável com a situação. Ok, eu até havia ficado feliz por saber que era Seulgi a namorada do meu pai, mas por outro eu senti um certo incômodo, obviamente seria algo passageiro já que como eu disse, Seulgi era uma pessoa maravilhosa. 

Principalmente para meu pai. 

— Então... - Papai engoliu. — Já que se conhecem, creio que saibam algo de cada uma. 

— Oh, não... - Lamentou Seulgi. — Conversamos bastantes, mas nada sobre a vida da Irene. - Sorriu. 

— Podemos fazer isso agora, huh? - Papai sugeriu. — Por quê não conta para Seulgi sobre seu colégio querida? 

— Meu colégio? - Desviei o olhar. — Não é lá aquelas coisas mas... - Fui interrompida. 

— Irene é super inteligente, vive recebendo elogios e tem notas excelentes! - Me senti constrangida mas só ruborizei quando vi Seulgi me encarar com um sorriso ladino, provavelmente sobre os exageros do meu pai. — Passou em uma prova importante e agora concorre a uma bolsa em uma das faculdades mais renomadas de Seul. 

— Isso é ótimo! - Seulgi falou ainda com um sorriso atrativo nos lábios. — Imagino o quão incrível ela deve ser no colégio. - Senti uma certa firmeza em sua voz, seu olhar se dirigiu até o meu e no mesmo momento tossi forçadamente. 

— Claro, eu sempre pego no pé dela e ajudo em algumas coisas, como nos estudos. Mas algumas vezes não posso dar a atenção devida então o namorado da Ire....

— Pai! - O repreendi antes que terminasse. 

— Namorado? - Seulgi riu sem graça. 

— Ele não é meu namorado. - Revirei os olhos. — É apenas o sonho do meu pai me ver namorando com ele. 

— E quem é o sortudo? — A encarei um pouco constrangida com o que disse. Em seguida olhou para meu pai.

— Filho de um amigo meu. Kim Taehyung, um doce de garoto. 

— E a Irene gosta dele? - Voltou a me fitar. Ela parecia bem curiosa com o assunto. 

— Bom... 

— Não. - O interrompi e respondi simplista. — Taehyung não faz meu tipo, mas papai insiste em me empurrar para um garoto que eu sequer considero como colega.

— Oras, eu só quero o bem da minha filha. - Arregalou os olhos. — Não é Seulgi? 

Naquele momento eu fitei a mulher que balançava a cabeça negativamente. — Não querendo ir contra a sua palavra mas... - Suspirou. — Irene é jovem, e eu creio que pra ela o mais adequado não é força-la a namorar um garoto a qual a mesma não gosta. 

— Viu só. - Sussurrei enquanto cutucava o pedaço de peixe em meu prato. 

— Mas... 

— Ela é jovem, merece seguir as escolhas do coração. Não é Irene? - E novamente a Seulgi me olha causando uma sensação estranha, é como se seus olhos indecifráveis me fizessem render a qualquer sensação. 

— Bom, se você está dizendo. - Papai deu de ombros.

O silêncio reinou sobre nós enquanto o barulho agonizante dos talheres se chocando contra os pratos de vidro ecoavam pela sala de jantar. 

Depois de terminar minha janta preferi nem esperar a sobremesa. Pedi licença e fui até meu quarto me trancando no mesmo, desejando que tudo não passasse de um pesadelo. Encarei o teto bufando de nervosismo misturado com a pior tensão de todas, ainda não era claro que Kang Seulgi fosse a nova namorada do meu pai, eu não conseguia aceitar. 

Tentei evitar os pensamentos e me ajeitei melhor sobre a minha cama, fechando os olhos afim de cair no sono sem ao menos vestir meus pijamas.

[...] 

Acordei um pouco tonta com batidas repetidas batidas na porta e pacientemente me levantei indo abrir a mesma. Se eu soubesse nem levantado eu teria. 

— Seulgi? - Assustei ao ver a mesma com o rosto um pouco corado. 

— Você estava dormindo? - Rolou os olhos para dentro do meu quarto. 

— E-eu?. - Desviei meu olhar. — Enfim, pode entrar. - Dei espaço e ela entrou, me sentei em minha cama e fiz um gesto para que Seulgi também se sentasse. 

— Desculpa te chamar agora, mas antes de ir embora eu queria lhe entregar algo. - E só assim eu percebi que ela carregava uma pequena caixinha vermelha entre as mãos. — Eu não quero forçar nem nada mas eu achei que deveria. - Me entregou a pequena caixa. 

Sem reação alguma apenas aceitei, abrindo o pacote aveludado vermelho delicadamente tirando de lá uma corrente banhada em ouro com um pingente fofo de uma menina. 

— Eu não sabia exatamente o que comprar, mas quando vi essa correntinha pensei no que poderia significar.

Engoli seco. — E o que poderia exatamente significar? 

— Eu quero ter uma amizade com você Irene. - Pousou suas mãos sobre as minhas. — Nós nos demos bem e eu quero preservar isso, creio que começando uma amizade é a melhor forma. - Soltou suas mãos as levando até seu pescoço me dando a visão de uma bela corrente assim como a minha, também com um pequeno pingente de uma garotinha, um pouco diferente da minha. — Me desculpe a péssima ideia. 

— Eu adorei! - Respondi rápido parecendo até desesperador. — Quer dizer... Já vi piores. - Riu. - Mas eu realmente gostei, e concordo plenamente com você. 

— Ótimo! - Seulgi em ato não esperado por mim, me puxou para um abraço acolhedor. 

— Agora somos oficialmente amigas. - Pude ouvir seu riso. — Até porque seria estranho me chamar de mãe, mesmo eu sendo tão jovem. 

Cessei nosso abraço e a fitei. — Sim, seria muito estranho. - Levei uma mecha do meu cabelo para trás. — Obrigada. 

— Eu que agradeço. - Seulgi se levanta e eu me levanto junto. — Preciso ir agora. 

— Certo. - Respondi. — Obrigada por ter vindo e... - Antes que eu terminasse senti os lábios gélidos de Seulgi pousarem sobre minha bochecha, dando um selar breve no pequeno espaço que havia entre meus lábios. Pude sentir a pouca distância dos seus lábios e os meus. Estranhamente sorri após o ato e a mulher acenou saindo do meu quarto. 

Fechei a porta de madeira e me joguei na cama novamente, ainda com a corrente em mãos a encarei um pouco apreensiva, mas logo afastei qualquer pensamento estranho relacionado sobre o jantar e a principal causa dele. Cuidadosamente coloquei a corrente sobre a minha cômoda e respirei fundo, desejando internamente que qualquer tensão que me prejudicasse no futuro deixasse de existir.

E que tudo não passasse de uma mera coincidência.



Notas Finais


Eita, eita

Espero que tenham gostado! Favoritem a história e comentem caso tenham alguma opinião :) [apenas não sejam leitores fantasmas]

Até a próxima! Beijo da tia hana 🌺


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...