1. Spirit Fanfics >
  2. Das cores frias para as cores quentes - Kim Taehyung - BTS >
  3. Capítulo-5- shopping

História Das cores frias para as cores quentes - Kim Taehyung - BTS - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus solzinhos, tudo bem com vocês?
trouxe mais um capítulo para vocês, espero que gostem e muito obrigada pelos favoritos, Tenham uma boa leitura.

Beijinhos da Sol<3

Capítulo 5 - Capítulo-5- shopping


Fanfic / Fanfiction Das cores frias para as cores quentes - Kim Taehyung - BTS - Capítulo 5 - Capítulo-5- shopping

 

 

- Olha só você, nem tenta sequer disfarçar preocupação com uma pessoa que foi atropelada, fica aí pulando a sorrisos no meio do shopping, quando esbarrar com alguém vou fingir que não te conheço, certo?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Você pensa demais Taehyung, e também, você esta muito bem para mim, está agindo como se tivéssemos fugido do hospital.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Olho para o lado sem argumentos para resposta dela, era realmente constrangedor, o que eu estava fazendo no shopping e ainda mais com ela? Fui tentado de certa forma por uma pessoa que viu o bem nos meus olhos que viram muitas tragédias e em minhas mãos que mataram sem saber o porque, apenas pelo meu desejo de dinheiro, o valor menor que fosse, para mim,aquelas almas que matei tinham feito coisas piores que eu, por isso não tinham valor, mas olhando por outro lado, e encarando s/n sorrindo e se distraindo com as coisas como se estivesse vendo pela primeira vez, penço que talvez essas almas tinham mais valor que a minha e que o dinheiro que eu ganhava. Era estranho pensar nisso após eu ter feito tantos crimes, o que eu deveria fazer após meu último trabalho?me entregar e falar a verdade para a polícia ou apenas viver e ser perseguido pelo peso na coinsciência?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A forma de como meus pensamentos mudavam de uma hora para outra era intrigante, ainda mais pelo fato de sempre chegar ao mesmo assunto no final, após muitos rodeios. Suspirei alto e coloquei as mãos no bolso da bermuda em que eu usava, olhava para os lados, para as tantas lojas, as coisas tinham mudado um pouco, o que me deu um pouco de esperança afinal, mas foi decepada após voltar o olhar para s/n e ver um homem segurando seu braço.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Me desculpe senhor, não foi minha intenção fazer o senhor sujar sua roupa. - dizia s/n aos prantos e se contorcendo para tirar seu braço da mão do homem que o apertava e o arranhava deixando vermelho.

 

 

 

 

 

 

 

 

- Ei, sabe quanto custou essa blusa sua vadia? acha que seu salário de merda conseguirá pagar?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- O senhor sabe por acaso onde eu trabalho?- diz s/n assustada.

 

 

 

 

 

 

 

 

- Claro que sei - diz o homem passando a mão no cabelo de s/n a deixando assustada - você não é uma daquelas mulheres que fazem de tudo por dinheiro?- sorri debochado.

 

 

 

 

 

 

S/n se enfurece, bate na mão do homem a qual "acariciava" seu cabelo e diz em seguida se sentindo completamente humilhada, porém mais forte do que nunca:

 

 

 

 

 

 

- Seu velho nojento, como ousa dizer que sou esse tipo de mulher? Quando parar de ser esse vagabundo filho da mãe você será considerado um ser humano decente, que você pague no inferno todas as suas dividas que deixou nesses lugares ao qual diz que trabalho, seu verme.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Aish, como ousa sua vadia, como tem coragem de dizer essas coisas para mim? Sabe quem eu sou? - ele levanta sua mão a fim de bater em s/n, que se encolhe,mas antes que o mesmo pudesse encostar na garota é interferido por mim, que seguro seu braço e digo com firmeza:

 

 

 

 

 

 

 

- Acho que já chega senhor Jo. - o homem me olha com os olhos arregalados e logo abre um sorriso debochado.

 

 

 

 

 

 

 

- Olha só se não é o Kim Taehyung, eu ia apenas ensinar uma lição para essa garotinha.

 

 

 

 

 

 

- Eu não quero que essa lição vá além daqui, não tem o direito de ficar batendo em quem quiser apenas porque falou umas verdades na sua cara.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Então ela deve ser sua amiga certo? Ou namorada?

 

 

 

 

 

 

- Me desculpe, mas isso senhor Jo, não lhe interessa.- Digo tirando a mão dele do braço de s/n e levando a mesma para atrás de mim, o homem olha isso com desprezo e diz:

 

 

 

 

 

 

- Ela pelo menos sabe o que você faz Taehyung? - pego em seu terno furioso e o mesmo me olha debochado e sorrindo, eu me controlava ao máximo para não bater naquele velho ao qual já tinha me dado um " serviço" .

 

 

 

 

 

 

 

- O seu serviço já está feito, então me deixe em paz. - digo o empurrando para trás, pegando na mão de s/n e nos direcionando para a saída, até ouvir o homem falar :

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Também foi um prazer rever você Taehyung. - não evitei em mostrar o dedo para aquele filho da mãe, ao sair do shopping nos sentamos e não exitei em olhar o braço de s/n que ainda estara vermelho e com alguns arranhões do homem, confesso que me culpei um pouco, fui á uma farmacia e comprei remédios e curativos, ela não havia falado nada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eu fiquei com medo de ela aindar estar pensando no que aconteceu então decidi não começar a conversa, enquanto me consentrava em fazer o curativo, ouvia seus fungados e podia sentir seu olhar pesado sobre mim.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando terminei levantei o olhar ainda com a mão entrelaçada com a dela.

 

 

 

 

 

- Porque fica me encarando assim? E porque ainda está chorando?

 

 

 

 

 

 

 

- Foi a primeira vez em que você cuidou de mim, e a primeira vez que alguém sem ser da minha familia se preocupou de verdade. - fala ela chorando, e eu que percebo que estamos de mãos dadas solto sua mão imediatamente e digo nervoso:

 

 

 

 

 

 

- Não pense que me importo, e também tem seu namorado, vai me dizer que ele não se importa com você?

 

 

 

 

 

 

 

 

- Ele vive ocupado com maratonas e records e medalhas, mesmo o amando eu sinto que ele não se preocupa, mas depois eu me sinto mal por pensar assim quando o encontro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Porque se sente mal?

 

 

 

 

 

 

- Porque ele não age como alguém frio mas fica apenas falando de medalhas e eu sinto que ele não me ama.

 

 

 

 

 

 

 

 

- Você não pode tirar conclusões preciptadas sobre as pessoas. Não sabe como deve estar sendo difícil para ele.

 

 

 

 

 

 

 

- Certo, eu farei isso o que disse. - diz ela abaixando a cabeça ainda chorando.

 

 

 

 

 

 

 

 

- E pare de chorar, assim vai desidratar e vai ficar parecendo doente, acabada, com olheiras e pálida. Não chore se não a maquiagem vai borrar e você ficará feia.

 

 

 

 

 

 

 

- Então está preocupado agora? E me acha bonita também? - diz ela abrindo um sorriso e me deixando desconfortável.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Oque? Que sorriso é esse, isso está me deixando um pouco sem graça, pare com isso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Então eu acertei, por isso está envergonhado certo?- diz com um brilho nos olhos.

 

 

 

 

 

 

 

- Aish, deixa eu limpar seu rosto antes que continue falando mais bobagens.- digo pegando um lenço e me aproximando dela limpando seu rosto e sua maquiagem borrada, enquanto cruzei meu olhar com o de s/n senti meu coração acelerado e não tinha sequer vontade de tirar meus olhos dos dela, seu olhar me prendia, seus olhos negros e "transparentes" contiam um brilho que fazia os mesmos reluzirem contra a luz e me fazia sentir uma sensação única de selar meus lábios aos dela sem êxito algum.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Será que eu poderia te beijar agora?



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...