1. Spirit Fanfics >
  2. Daydream >
  3. Hangsang (feat. Supreme Boi)

História Daydream - Capítulo 3


Escrita por:


Capítulo 3 - Hangsang (feat. Supreme Boi)


Fanfic / Fanfiction Daydream - Capítulo 3 - Hangsang (feat. Supreme Boi)

Ele estava ansioso, não podia negar. Uma semana era muito pouco, na opinião dele, para definir conceito, roteiro e gravação de um vídeo clipe. Sua vida não era calma, verdade, e desde que o grupo tinha alcançado o sucesso no resto do mundo também, era cada vez mais difícil fazer as coisas com calma. Mesmo assim uma semana era um tempo recorde até para eles. Começava a duvidar da capacidade dessa diretora em fazer tudo nesse curto período, mas tinha aceitado o desafio.

Assim que se acomodou em seu assento no avião, decidiu fazer uma pesquisa com mais calma sobre Tatiana Hamilton. Apesar de mais velha que ele, ainda era uma mulher jovem e ele precisava ver se isso se refletia no trabalho dela como diretora. Assim como esse era seu primeiro trabalho com uma diretora americana, também era o dela com um ato coreano, estavam os dois pisando em solo desconhecido e isso tornava tudo no mínimo interessante.

Quando jogou o nome da moça nas buscas tudo o que conseguiu foi uma lista de artistas com quem ela tinha trabalhado. A maioria dos trabalhos eram com cantores latinos e artistas que podiam ser considerados cult. Passou o voo inteiro assistindo aos mv’s feitos por ela, cada vez ficando mais empolgado com as possibilidades que surgiam agora que iam trabalhar juntos. Não tinha ideia do que ela queria fazer visualmente com sua música, mas depois de ver tanta coisa bem feita, começou a criar expectativa no que viria a seguir.

Foi só quando o piloto anunciou que estavam chegando ao aeroporto de LA que ele se deu conta que ainda não sabia como era a tal da Tatiana. Voltou sua pesquisa atrás de uma foto dela, mas sem sucesso. Tudo o que conseguiu foi uma foto distante, onde só dava para ver o cabelo longo e volumoso dela enquanto saía de um restaurante. Era uma notícia de fofoca, mas ele não tinha tanta facilidade para ler em inglês, então desistiu.

— Acha que vai dar certo fazer tudo isso em uma semana? - perguntou para Choi Jaesub, que apesar de ser cotado para manager de um futuro grupo em processo de criação, agora ia fazer as vezes de segurança-acompanhante-manager improvisado para se acostumar com a rotina.

— Ouvi dizer que ela é a única diretora que topa esse tipo de desafio. Acho que vocês vão dar conta. — respondeu com um sorriso confiante. Aquilo animou Hoseok mais ainda.

Reconheceu Tatiana antes mesmo de ler a plaquinha que ela segurava. O cabelo era exatamente como na foto e isso facilitou muito. Era longo, volumoso, com algumas mechas mais claras que o castanho natural. Combinavam bem com os olhos verdes bem maquiados atrás de óculos de armação redonda. A plaquinha que ela segurava com uma mão dizia “Bem-vindo, BTS!”, o que fez ele rir um pouco antes de finalmente se aproximar e interromper a conversa acalorada que ela estava tendo com um homem mais baixo que ela e com uma camiseta amarela neon que podia ser vista a quilômetros de distância.

 

***

 

— O que a gente faz agora? — perguntou Agustín depois que os quatro se acomodaram na sala de reuniões do estúdio que iam usar para as gravações.

Havia um café da manhã farto servido numa mesa paralela à mesa que estavam sentados. Tinha comida de todo tipo e para todos os gostos, porque Tatiana fizera questão de contratar um buffet que servisse comida coreana e americana, e a combinação das duas coisas fez com que a mesa parecesse a de uma festa. Serviu-se de um copo grande de café preto e estava prestes a colocar na boca quando a mãozinha atrevida de Agustín o tirou de sua mão.

— Você não pode tomar café.

— O que seria da minha vida sem você? — perguntou sarcasticamente. Desviou os olhos dele para Hoseok e seu amigo e sorriu sem jeito. Não tinha ideia de como ia sair dessa situação sem um bendito intérprete de inglês-coreano para ajudá-la. Sabia que não aguentaria ficar só sorrindo o tempo todo, por mais lindo e gostoso que aquele homem fosse.

— Café? — perguntou. O sorriso dele – que era dos mais desconcertantes de tão amplo – abriu de novo, iluminando a sala e fazendo com que ela mesma sorrisse de volta. Pelo menos essa palavra eles iam conseguir dizer sempre que quisessem. Café era universal.

Os dois se aproximaram da mesa e começaram a conversar rápido naquela língua fascinante e incompreensível, esquecendo que ela e Agustín também deveriam participar do café da manhã com eles.

— O que a gente faz agora? — o assistente repetiu a pergunta, parando ao lado dela com outra versão do mesmo café que tinha acabado de tirar de sua mão.

— Chora?

— Eu to falando sério!

— Eu choro, você vai atrás de um intérprete, pelo amor de Deus, Leon!

— AGUSTÍN, TATIANA! — exclamou ele, fazendo com que os outros dois parassem sua conversa e os encarassem.

— Agora você se vira explicando. — falou ela pegando o copo e indo para a mesma só com ele. Tinha perdido a fome. Abriu o notebook e jogou no Google “tradutor simultâneo” enquanto esperava.

— Muito prazer, me chamo Agustín. Sou assistente da diretora Hamilton. — explicou ele falando bem devagar como se Hoseok tivesse algum problema cognitivo. Ela revirou os olhos e ligou o microfone do primeiro site que apareceu como resultado de sua busca. O tradutor prontamente fez sua parte.

— É um prazer dizer que meu nome é Agustín. A diretora Hamilton é minha dona. — repetiu a voz robótica na língua deles. Os dois trocaram um olhar confuso e sorriram sem jeito.

— Dona? Porque ela é sua dona? — perguntou Jaesub.

— Proprietária? Ela é a proprietária? — repetiu a voz em inglês.

— Não exatamente. Eu tenho uma parceria com o estúdio. A maioria dos clipes que gravei, foi feito aqui. Espero que gostem. — respondeu ela.

— Não é bem assim. Tenho uma parceria com o estúdio e aqui as coisas funcionam assim. Espero que gostem. — respondeu o aplicativo.

Os dois trocaram outro olhar confuso entre si e apenas acenaram com a cabeça, sem saber o que fazer. O segurança se serviu de chá, enquanto Hoseok se limitou a uma garrafa de água antes de sentar-se de frente com Tatiana para que finalmente começassem a reunião. Já não sabia se gostava ou não da diretora, mas estava disposto a dar um voto de confiança. Uma semana não era muito tempo, então talvez o sacrifício valesse a pena no fim das contas.

— Não vão comer nada? Fiz questão de conseguir o melhor café da manhã coreano que pudesse arrumar em LA. Vamos trabalhar muito, não quero que se sinta pressionado. — falou ela. Aos poucos começava a ficar confortável com o tradutor simultâneo que tinha conseguido com uma simples busca no Google. Quem precisa de assistente, não é mesmo?

— Não gostaram da comida? Foi difícil conseguir comida coreana em LA. — respondeu o tradutor.

— Agustín, o que pensa que tá fazendo? — perguntou ela antes que respondessem sobre a comida. O assistente estava sentando-se ao lado de Hoseok como se fossem amigos intimos, com um pratinho de comida numa mão e uma xícara de café para si mesmo na outra, mas parou no ar em choque por ela ter acertado seu nome sem ele precisar brigar.

— Eu ia comer…? — respondeu confuso.

— Ainda não temos um intérprete, lembra?

— Só depois de conseguir um intérprete. — respondeu a voz robótica antes mesmo que ela apertasse o botão.

— Ela é grossa, né? — comentou o segurança apenas para Hoseok. O rapper ficou encarando a moça confuso, porque num primeiro não tinha tido essa impressão dela, mas agora começava a ficar irritado com o modo como ela tratava o próprio assistente. Primeiro dizendo que era dona dele e agora o impedindo de comer.

— Acho melhor você ir com ele… — sussurrou de volta, ainda com os olhos presos na moça e no assistente.

— Tem certeza? Vai ficar bem, sozinho com ela? — perguntou ele de volta.

— Tudo bem, ela não vai conseguir me irritar tão fácil, hyung. Pode ir. Duas pessoas pensam melhor que uma, não é? — respondeu. — Eu acho que ele precisa mais de você do que eu, coitadinho. — completou ao ver o rapaz levando o pratinho de volta para a mesa de comida e fazendo menção de sair.

— Precisa de ajuda? Posso acompanhá-lo, se quiser. — falou o segurança em voz alta, aguardando a tradução feita pelo computador.

— Claro! Eu vou precisar. — respondeu Agustín, entre o desesperado e o aliviado.

— Por favor, me ajude. — respondeu o tradutor.

Depois que os dois sairam, Tatiana e Hoseok ficaram em silêncio sem saber o que fazer em seguida. Ela não queria e nem se sentia segura o suficiente para começar a trabalhar sem um intérprete. Já estava começando a se irritar com a voz robótica do aplicativo escolhido, então decidiu voltar a usar o aplicativo do celular, apenas para variar o som.

— Fale um pouco do seu trabalho. Vamos passar bastante tempo juntos, é bom nos conhecermos bem. — falou com um sorriso sem jeito. Estranhamente o sorriso dele já não tinha o mesmo calor, mesmo que continuasse amplo e gentil para com ela. Apertou o botão da tradução do celular e esperou que o sorriso fosse de novo mais convidativo, mas os olhos ficaram mais frios ainda. Pelo jeito o tradutor era uma merda. — Você prefere esperar por eles?

 

*********************************************************************************

 

 


Notas Finais


NOTA DA AUTORA: Quase que esse capítulo não sai a tempo. A semana foi super corrida e eu não consegui escrever e revisar num tempo hábil. Mesmo assim espero que gostem.

boa leitura <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...