1. Spirit Fanfics >
  2. Dc - Terra Zero >
  3. Superman Vol-2 Parte: 2 de 3

História Dc - Terra Zero - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Superman Vol-2 Parte: 2 de 3


Fanfic / Fanfiction Dc - Terra Zero - Capítulo 10 - Superman Vol-2 Parte: 2 de 3

Era de dia. Clark estava em pé terminando de colar seu casaco na sala enquanto Lois e kara já estavam trocadas.


- Então vamos até a sede da A.R.G.U.S. mesmo? - Disse ele.


- Não. - Disse Lois. - Eu já te disse, nós queremos derrubar o Lex. Não podemos derrubar um governo com a ajuda de uma organização governamental.


- Mas a A.R.G.U.S. é especialista em pesquisas de meta-humanos. Com certeza eles devem ter alguma tecnologia que possa nos ajudar.


- Mas não podemos contar com eles.


- Então onde nós vamos?


- Uns anos atrás durante a aparição dos ratos gigantes em Gotham City eu conheci outra repórter. A gente andou se falando por um tempo e ela me disse que ela tem uns amigos que trabalham em um laboratório com tecnologia avançada. Talvez eles possam nos ajudar.


- E onde fica esse laboratório?



Central City


Os três estavam caminhando pelas calçadas de Central City quando Clark disse:


- Será que ela vai te reconhecer?


- Acredito que sim.


Eles viraram mais algumas esquinas e finalmente chegaram no tal laboratório.

Clark estava esperando algo bem menor, algo mais local. Mas aquele local  era extremamente grande. Um prédio largo e alto com acabamento com vidro espelhado. No topo do mesmo estava o letreiro que mostrava o nome do lugar: LABORATÓRIOS STAR.


- É aqui. Disse Lois.


- Uau. - Disse Kara.


Os três ia entrando no prédio quando o porteiro os barraram pedindo identificação e perguntando o que eles queriam ali.


- Eu sou Lois Lane repórter do Planeta Diário, esse é meu marido Clark que trabalha comigo e essa é sua prima Kara. Nós viemos aqui para falar com Iris West. Ela disse que podíamos encontrá-la aqui.


- Só um segundo. - Disse o porteiro.


Depois de fazer uma ligação o porteiro finalmente liberou a entrada deles no prédio dizendo:


- Podem entrar. Ela está no último andar.


- Obrigada. - Disse Lois.


Lois, Clark e kara pegaram o elevador e subiram. Chegando lá eles viraram que esse andar se tratava de uma sala única que pegava todo o espaço.


Iris apareceu e disse:


- Oi Lois! Quanto tempo!


- Oi Iris!


Elas se abraçaram e Lois apresentou Clark e Kara.


- Como você tá? - Disse Iris.


- Eu tô bem. - Disse Lois. - Você ainda está trabalhando no Central City Picture News?

- Não. Agora eu estou no The Central City Citizen. No momento eu estou trabalhando naquele caso de Coast City.


- Ah sim.


Iris sorriu e disse:


- Mas que surpresa você aqui. Aliás… vocês. Estão precisando de algo?


- Para falar a verdade, sim. - Disse Lois.


- E o que eu posso ajudar?


- A história é meio longa. - Disse Lois sorrindo.


- Então eu acho melhor a gente se sentar. - Disse Iris também sorrindo. - Venham, eu vou apresentá-los ao resto da turma.


Eles deram alguns passos e logo avistaram mais três pessoas.

Iris então começou a apresentá-los:


- Esse é Cisco, ele é o que cuida de toda parte tecnológica daqui. Essa é Caitlin, ela é médica e cientista. E esse é Joe, ele detetive da polícia e também é meu pai. Ainda tem o Barry, meu namorado, mas ele está trabalhando. Ele é um cientista forense.


Todos se cumprimentaram e Iris disse:


- Então… como que é aquela longa história que você me falou?


Um tempo havia se passado desde que Lois começou a contar a história para Iris omitindo é claro a parte de que Clark era o Superman e que Kara estava indo para o mesmo caminho.


Cisco disse:


- ...Deixa eu ver se eu entendi… Vocês querem derrubar o Lex Luthor da presidência?


- Sim. - Disse Lois – Mas vocês entenderam o motivo?

Caitlin disse:


- Desculpa mas… isso que você falou pra gente não passa de suspeitas, até mesmo isso tudo tá me parecendo bem pessoal.


- Talvez não sejam só suspeitas. - Disse Joe que até então estava só escutando pensativo.


- Como assim pai? - Perguntou Iris.


- De um tempo pra cá a polícia de Central City vem investigando um aumento no número de armas ilegais que entraram na cidade. Esse número disparou depois que Lex assumiu a presidência. O meu amigo, o comissário da polícia de Gotham City, James Gordon também disse que o número disparou depois que Luthor virou presidente. Embora se tratando de Gotham não acho que os números de lá devem ser considerados. Mas os daqui sim.


Iris disse:


- O senhor concorda com eles então? Devemos fazer alguma coisa?


- Sim.


Lois sorriu e Joe continuou:


- Mas não ativamente. Pelo menos não por enquanto. Temos que ser passivos, estamos pisando em ovos aqui.


Caitlin disse:


- Nós vamos mexer com a presidência dos Estados Unidos e se a Lois tiver certa a gente pode estar mexendo com um mafioso. Isso tudo pode ser muito perigoso.


Joe disse:


- Mas Central City tem uma coisa que nem a Casa Branca tem. - Joe fez uma pausa e disse – O Flash.


Clark disse:


- E Metrópolis tem o Superman.


Lois disse sorrindo e olhando rapidamente para Kara:


- E agora temos a Supergirl também.


Cisco disse sorrindo:


- E quem nós somos? Os Super Amigos?


- É isso aí. É o que somos. - Disse Joe.


Todos sorriram.


- Tá certo. - Disse Iris. - Então o que vamos fazer?


Lois disse:


- Como Joe disse, não podemos ser ativos. Então eu pensei em infiltrar alguém pra ficar dia a dia com o Luthor. Para ver se descobre algum podre dele.


Cisco disse:


- Ai meus Deus isso tá piorando.


- O Clark pensou em pedir ajuda na A.R.G.U.S. mas eles nunca toparia. - Continuou Lois.


Cisco disse:


- Eu já sei onde isso vai parar.


- E como a Iris uma vez me disse que tinha um amigo que entendia muito de tecnologia eu pensei: “ E se ele puder nos ajudar?” - Completou Lois.


- Eu sabia. - Disse Cisco – Sobrou pra mim. Olha, não é porque eu manjo de tecnologia que eu vou ficar usando ela pra infiltrar pessoas em lugares que elas não deveriam estar.


- Mas você consegue? - Disse Lois sabendo da resposta.


- Consigo. Mas…


Caitlin interrompeu dizendo:


- Mas ele não pode fazer isso. É contra a lei.


Joe disse:


- Metrópolis manteve um imigrante alienígena ilegal escondido por anos. - Ele olhou para Lois, Clark e Kara e viu que os dois últimos estavam com o cenho franzindo – Sem ofensas. Lex veio de Metrópolis, por mim estamos quites. É um aval policial que você quer Cisco, agora você tem. Pode fazer.


- Tá bom. - Disse Cisco. - Na verdade eu já tenho uma coisa que pode ajudar.


Ele foi até a uma gaveta e pegou algo co  uma textura que parecia muito pele de um rosto humano.


- O que é isso? - Disse Lois com uma mistura de medo e nojo.


- Isso faz parte de um dos momentos mais vergonhosos de toda a minha vida. - Disse Cisco.


Caitlin disse:


- Cisco usou isso para enganar o Trapaceiro. - Ela começou a rir e disse – Ele se transformou em uma mulher.


Cisco disse:


- Tudo isso só porque meus cabelos chegam nos ombros. Por que ninguém fala sobre o fato de eu ter conseguido enganar o rei da trapaça.


- Porque isso não é engraçado. - Caitlin ergueu seu celular que na tela mostrava a imagem de Cisco tirando a roupa de mulher que havia colado e disse – Sua foto é.


- Você ainda não apagou isso?


Caitlin fez um não com cabeça e Cisco começou a falar um monte de coisa aleatória até que Lois interviu e dizendo:


- Ei gente! Vamos voltar aqui! Cisco, como isso funciona?


- Você só precisa colocar no rosto e tocar no sensor. Automaticamente ele mudará toda a sua face. Algum voluntário?


- Eu vou. - Disse Kara.


Cisco fez um sinal como dispositivo  chamando Kara. Ela foi, Cisco colocou o dispositivo em seu rosto e disse onde ficava o sensor. Kara tocou no mesmo. Rapidamente seu rosto havia mudado para um rosto moreno que não combinava com o restante da cor de seu corpo.


Cisco disse:


- Eu sei que não combinou mas eu programei esse dispositivo para mim. Mas isso pode ser alterado.

Lois disse:


- O importante é que funciona.


Ela foi até Kara que desativou e tirou o dispositivo e disse:


- Kara… você estaria disposta a se infiltrar nos afazeres de Lex?


Kara pensou um pouco e disse:


- Pelas coisas que você me contou que ele fez, sim.


- Ótimo. - Disse Cisco. - Vou reprogramar o dispositivo e fazer uma identidade para kara.  E… precisamos de um plano também.


- Eu tenho um. - Disse Lois – Amanhã é o dia em que o Superman vai se encontrar com Lex, certo?


Todos assentiram e Lois completou:


- Então eu já sei o que fazer.


.


Washington DC


O dia do encontro de Superman com Lex finalmente chegou.

No grande quintal da Casa Branca havia dezenas de jornalistas, incluindo Lois Lane e “ Janet Parker “ ou pelo menos era esse nome que estava sendo mostrado no crachá de Kara. No mesmo crachá havia o logo do Planeta Diário.
Kara estava irreconhecível. Ela ainda estava loira e com seus óculos especias mas seu rosto estava completamente mudado. Ela e Lois estava próximas uma da outra.

Lex subiu no palco montado e começou a falar:


- Senhoras e senhores, eu agradeço a presença de cada uma de vocês aqui hoje. Muito em breve o nosso convidado irar chegar e eu quero que vocês recebam ele com muito carinho pois não é todo dia que podemos ficar tão perto assim do nosso amado Superman.


Um som cortou o ar e os jornalistas olharam para o céu.

- Falando nele… -  Disse Lex

Superman então apareceu planando no ar. Sua capa vermelha balançava suavemente.


Lex disse apontando para ele:


- Senhoras e senhores, com vocês, o Superman!


Todos presentes começaram o aplaudir. Super chegou mais perto e pousou ao lado de Lex no palco montado. Eles deram as mão com uma fitada de olho mortal.

Uma enxurrada de flashes foram disparados.


- Certo, certo pessoal. - Disse Lex – Agora eu e o Super vamos no recolher para podermos conversar mais a sós, espero que compreendam.


E então os dois viram as costas e entraram na Casa Branca. Alguns passos depois já estavam na sala de Lex. Eles entraram e Lex trancou a porta enquanto Superman ficou parado no meio da sala.


- Superman! - Exclamou Lex enquanto andava em direção a ele.


Super disse:


- Você tentou me matar.


- E a única coisa da qual eu me arrependo foi de não ter conseguido.


- Por que você me odeia tanto?


Lex olhou em seus olhos e disse:


- Você não entenderia.


E depois se sentou em sua poltrona.


- Por que me chamou aqui? - Disse Super.


- Porque eu quero deixar as nossas diferenças de lado. Uma trégua. Só isso.


- Você não dá um passo maior que a perna, Lex. Não foi só por isso que chamou.


- Você até que é inteligente. Mas em parte eu disse a verdade. Eu não quero mais brigar com você. Eu não quero nos transformar em um Batman e Coringa. Eu só quero seu fim. E se eu não posso te matar… então fala pra mim, quanto você quer pra sumir?


- Você quer me comprar?

- Ahh por favor, para de ser bonzinho. Todo mundo tem seu valor, algumas pessoas tem até seu preço.


- Não negocio vidas, Lex. Diferente de você.


- Certo. Tudo bem. - Disse Lex assentindo. - A nossa conversa foi mais rápida do que eu imaginei que seria.


Ele se levantou e disse:


- Vamos embora.


Eles começaram a caminhar em direção a porta quando Lex parou de repente e disse:


- Só mais uma coisa. - Ele olhou novamente nos olhos de Super e disse – Você vai se arrepender de não ter aceitado a minha proposta.


Depois do silêncio ambos saíram da sala e da Casa Branca.

Ao chegarem no quintal uma nova chuva de flashes começou.


Lex se aproximou dos jornalistas e disse:


- Certo senhoras e senhores, foi uma conversa rápida porém muito produtiva. Eu cheguei a conclusões fantásticas.


Superman continuou caminhando até que esbarrou em “ Janet “ que soltou um leve grito e caiu no chão.

Rapidamente os flashes mudaram de alvo e foram para “ Janet “ e Superman.

Lex se aproximou e disse em reprovação:


- Superman, tenha mais cuidado!


- Me desculpe. - Disse Super começando a planar.


E em seguida disparou voo.


- Você está bem? - Disse Lex a levantou.


- Sim. - Disse Janet.


- Vou te levar até a Casa Branca para ser atendida. Consegue andar?


-  Acho que sim.


Então Lex a levou. Lois só observava de uma distância segura que ela tomou após ver que Lex e Super saíram de dentro da Casa Branca.

Alguns minutos havia se passado. Janet estava e uma sala com Lex. Ela estava sentada em um sofá de couro tomando um copo d’água.


- Está melhor? - Disse Lex.


- Estou. - Disse Janet olhando para baixo.


- Não precisa ficar acanhada só porque está falando com o presidente. - Disse Lex sorrindo.


- Não é por isso.


- Então é por quê?


- É que hoje é  meu último dia de aviso prévio no Planeta Diário. Eu vou ser demitida.


- Por quê?


- Corte de funcionários. E eu fui uma das escolhidas.


- Fique tranquila, você não vai ficar sem emprego.


- Claro que vou.  Eu não sei o que fazer.


- Não, não vai. Eu estava precisando mesmo de uma assessora.


- O que você está querendo dizer?


- Que você acaba de ser contratada. Mas não pra cá, pra LexCorp.


-  Sério? Eu… eu nem sei como agradecer.

- Só faça um bom trabalho.


- Com certeza farei.


- Tem mais uma coisa.


- O quê?


- Você vai ver coisas lá que tem que ficar só entre nós. Entendeu?


- Tipo o quê?


- Digamos apenas que ninguém fica rico nesse país de modo cem por cento lícito.


Janet assentiu e disse:


- Entendi. Fique tranquilo.


- Ótimo. Eu não posso sair daqui mas vou providenciar alguém de confiança para fazer a integração com você amanhã por lá.


Janet assentiu novamente e disse:


- Certo. Obrigada mais uma vez senhor Lex. E fique tranquilo. Seus segredos são meus segredos agora.


Lex assentiu.


Metrópolis


Amanheceu. Kara estava vestindo seu blazer azul escuro quando disse:


- Eu nem acredito que isso deu certo.


- Claro que deu, eu que dei a ideia. - Disse Lois.


- Engraçadinha. - Disse Clark.


Lois sorriu, olhou para Kara e disse:


- Certo Kara mas agora tem que ter foco. Você é Janet Parker, entedeu?


- Sim. Eu sou Janet Parker.


- Isso aí. Agora vai.


Kara se despediu e foi em direção a LexCorp.

Chegando lá ela apresentou seu documento dizendo:


- Eu sou Janet Parker. Vim fazer a integração.


Alguns segundos depois um homem apareceu e disse:


- O Lex me falou de você. Vem comigo.


Foi uma longa caminhada. Janet conheceu quase todos os andares e salas que havia no prédio. Ela e esse homem então desceram até o subsolo 1 e entraram em uma nova sala. A mesma era cheia de computadores e havia até um servidor local.


O homem disse:


- Aqui é onde Lex guarda seus segredos. Por você ser a assessora dele você tem que saber.


- E o que tem aqui?


- Tudo. Dados de transações bancárias, documentos… tudo.


- Se… todas as outras assessoras sabiam de tudo isso, como que vocês conseguem manter o sigilo mesmo depois das demissões delas?


- Nós damos um jeito.


O “ jeito “ que eles davam era uma bala na testa e uma ocultação de cadáver, e Janet ( Kara ) sabia disso, ela só perguntara por perguntar.


- Fique a vontade para entrar em alguns arquivos pra estudar um pouco sobre Lex. Se precisar de alguma coisa é só me chamar.


O homem saiu da sala e Janet ficou sozinha.

Ela começou entrar nos computadores e abrir os documentos.

Um após o outro ela foi vendo que Lois tinha razão. Tráfico de armas, tráfico de influência e não era só isso. Depois que Lex virou presidente os documentos apontavam que tinha dos seus também no congresso e até como juízes. Isso explicava o porque ele nunca era pego e muito menos preso. Ela pegou seu celular e ligou para Lois.


- Oi Kara. - Disse Lois.


- Oi. -  Disse kara baixinho quase sussurrando – Eu não posso falar muito alto porque pode ter gente me escutando. Mas você tinha razão. Eu estou em uma sala cheia de computadores. Ganhei livre acesso neles e estou vendo aqui… Lex realmente faz parte de um esquema criminoso. Mas ele é muito maior do que você pensava.


- Excelente. - Disse Lois.


Clark chegou perto e disse:


- É a Kara?


- Sim. - Disse Lois – Pegamos ele.


Clark sorriu.


Kara disse:


- Eu estou enviando uma cópia desses documentos para o seu e-mail.


Lois abriu seu e-mail e viu que os documentou havia chegado. Ela abriu os arquivos e pop-ups de informações não paravam se surgir em sua tela.


- Minha nossa! - Disse ela.


- É muita coisa né? - Disse Kara sorrindo.


De repente alguém apareceu na porta da sala onde ela estava dizendo:


- Toc toc.


Kara levantou a cabeça e um cala frio percorreu a sua espinha. Era Lex.

A ligação ficou muda.


- Kara? Você está aí? - Disse Lois.


- O que aconteceu? - Disse Clark.


- Eu não sei, ela parou de falar. Kara!


- Eu tenho que desligar. - Disse Kara.


- Ela desligou. - Disse Lois.


- Droga. - Disse Clark.


Quatro homens armados com metralhadoras apareceram e ficaram dois de cada lado de Lex apontando suas armas para ela.


Lex disse:


- Janet… eu te contrato e é assim que você me agradece? 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...