História De cabeça pra baixo - Imagine Wendy - Capítulo 5


Escrita por:

Visualizações 63
Palavras 1.883
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Fluffy, LGBT, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


n sei oq fala

boa leitura ;)

Capítulo 5 - Quinto


Como se nada pudesse piorar, hoje mais cedo quando eu estava treinando Wendy apareceu na sala e ela estava muito pálida, vou explicar mais ou menos o que aconteceu



" Eu estava praticando minha dança como sempre, X - Chris Brown tocava no meu celular, eu olhava atentamente todos os passos e tentava os reproduzir em frente ao espelho, desviei meu olhar por um segundo e vi Wendy parada na porta da sala, dei um sorriso e me aproximei dela percebendo sua falta de cor, ela não sorria ou fazia alguma piadinha como sempre


Eu apenas tive tempo de segurá-la quando ela pendeu para frente desacordada, eu me desesperei, havia passado alguns dias desde que ela havíamos nos encontrado na cafeteria da empresa e tudo isso me deixou preocupada


A peguei no colo e arregalei os olhos, peguei meu celular e liguei para Isa pedindo para que ela chamasse um táxi o mais rápido possível


– Eu te explico quando chegar aí, chama a droga do táxi – desliguei e coloquei o celular no bolso, coloquei a garota nas costas e sai do prédio pelas portas do fundo para que ninguém me parasse e perguntasse porque eu estava com ela desacordada em meus braços, corri até o dormitório e encontrei Isabela parada na frente de um táxi olhando para os lados com um semblante preocupado


Cheguei mais perto a assustando, ela arregalou os olhos quando viu quem eu carregava, fiz um sinal para que eu pudesse explicar depois e pedi para o taxista dirigir o mais rápido possível para o hospital. Quando chegamos eu paguei o taxista e corri para a emergência com Wendy em meus braços, logo apareceram alguns médicos que a colocaram numa maca até alguma sala


Me dirigi até a sala de espera e me sentei em uma cadeira vendo Isa se aproximar de mim, sem que ela precisasse perguntar eu suspirei e expliquei tudo pra ela


– Achei que ela estava bem pois havia dito isso – ela me mostrou uma imagem em seu celular que dizia que Wendy havia dito que observar as outras membros comerem a satisfazia e que se ela voltasse a comer provavelmente ganharia peso de novo. Bufei frustrada


– Merda, ela mentiu pra mim – abaixei a cabeça e baguncei meus cabelos impaciente. Wendy me prometeu que iria se alimentar direito depois da conversa que tivemos, senti algo quente escorrer pela minha bochecha, eu estava chorando "



Depois de vários minutos um médico apareceu e eu fiquei atenta, ele se aproximou de mim


– A senhorita é acompanhante de Son Seungwan? – perguntou em um tom calmo


– Sim senhor, ela está bem? – eu perguntei agitada


– Digamos que sim, ela está com Anemia Ferropriva – o olhei confusa – resumindo, a falta de ferro no seu corpo fez a produção de hemácias abaixar, então algumas partes do seu corpo recebem muito pouco oxigênio


– Certo, eu posso vê-la? – perguntei me levantando, ele assentiu e antes que eu fosse até Wendy ele me deu a receita de alguns remédios, me disse que ela deveria comer alimentos com muito ferro e me deu um tipo de cardápio contendo algumas coisas que ela deveria comer até se recuperar, o agradeci e segui até o quarto onde a castanha estaria


Adentrei o quarto e a vi deitada naquela cama conectada a um fio que lhe dava soro, mordi o canto da boca e me aproximei, ela me olhou e eu comecei a chorar


– Merda Wendy, eu fiquei preocupada, porque você faz isso comigo – me aproximei mais dela e segurei em sua mão – Por favor não faça isso comigo nunca mais, você não sabe o quão desesperada eu fiquei


– E-eu… – ela tentou dizer mas eu a interrompi


– Não Wendy, não peça desculpas, você mentiu pra mim, prometeu que iria se alimentar bem. Eu confiei em você e do nada você aparece na minha porta e desmaia – eu não estava brava, eu só precisava dizer o que eu sentia – Você sabe o quão é importante pra mim?


Ela negou e eu sequei meus olhos, eu não sabia o que estava fazendo, meu corpo estava extasiado


– Você é praticamente tudo pra mim Wendy, você é como o oxigênio que eu respiro, como a água que eu bebo, sem você não existiria eu, eu aprendi a viver na sua presença e se você não estivesse aqui hoje eu provavelmente também não, então por favor me entenda, que sem você eu seria o nada. Desde o dia que nós dançamos naquela sala eu me perdi em você, eu me perdi na sua doçura, na sua voz incrivelmente bela, no seu jeito de ser você mesma. Merda, eu te amo tanto garota


Abaixei minha cabeça e soltei sua mão, pensei em tudo que eu havia falado não tinha nada programado eu falei com o coração, tudo o que eu sentia e estava escondendo de mim mesma


– S/N...Por favor olhe pra mim – ela disse, não parecia brava e sim surpresa, eu esperava que ela dissesse o quanto aquilo era ridículo mas ela não o fez – Eu não sou capaz de dizer palavras bonitas mas eu posso concretizar nosso sentimento em um ato


Então ela se aproximou e eu senti a maciez de seus lábios bem desenhados sobre os meus, ela havia me beijado. Foi apenas um singelo toque mas já significava tudo, ela se afastou e me olhou com os olhos brilhantes, dei um meio sorriso mesmo que tudo o que eu quisesse era gritar para o mundo que eu amava aquela garota e que ela se tornou meu mundo em tão pouco tempo




『.•▼•.』



Depois de um tempo saí do quarto e deixei Wendy deitada esperando que seu soro acabasse e ela tivesse alta, sentei ao lado de Isa e ela sorriu fraco pra mim. Senti meu celular vibrar no bolso da calça e o atendi


– Alô? – eu disse com uma voz cansada


– Oi nenenzinho – disse com uma voz fina forçada e eu reconheci na hora


– Já disse pra não me chamar assim pai! – ri


– Mas você é meu bebê – ele deu uma risadinha


– Certo, por que o senhor está me ligando a essa hora?


– Oras, eu posso ligar pra você quando eu quiser né? Mas eu estou ligando pra pedir pra você me encontrar na frente da Lotte Tower


– Ue, pera, quê?


– Ue o quê vem logo filha!


– Tá mas depois você vai me explicar essa história direito


– Tá certo


Desliguei o celular e olhei pra Isa que me olhava confusa, pedi para que ela levasse Wendy para o dormitório dela quando ela tivesse alta, sem claro tomar cuidado com paparazzis e sai correndo do Hospital, eu estava no Asan medical Center então eu estava bem perto da Lotte Tower


Quando cheguei pude ver meu pai com uma roupa social e me perguntei o que ele estava fazendo ali, quando me viu ele veio em minha direção e me deu um abraço apertado


– Oi papai – inspirei seu cheiro e sorri


– Oi filhota


– Certo, agora me diz o que o senhor tá fazendo aqui – disse me soltando dele e sentando em um banco que tinha ali por perto, olhei pra cima e vi aquele prédio gigante que me deu um pouco de medo


– Como você sabe, seu paizão aqui é um médico muito bem renomado… – ele disse se gabando, se bem que não era nenhuma mentira – Então me mandaram pra cá, e quanto a sua mãe está tentando uma transferência, já que o ramo dela é mais complicado


Fiquei meio chocada mas quando processei tudo meu sorriso não cabia no rosto de tão grande que era


– Pai? – ele me olhou – Onde nós vamos morar?


– Bom, eu já tinha pensado nisso antes então eu procurei alguns apartamentos grandes mais ou menos perto da agência – Ele sorriu orgulhoso – E eu achei um perfeito, ele fica meio longe mas tem uma ótima qualidade, se quiser nós podemos ir depois lá


– Certo – sorri – vamos comer no Hard Rock, só vamos caminhar um pouco


Depois de comermos e colocarmos a conversa em dia meu pai disse que teríamos que pegar um táxi já que não tínhamos nenhum carro, demorou um bom tempo mas logo chegamos em frente à um grande prédio luxuoso e eu me perguntei se era realmente ali


– Pai? esse prédio é de gente extremamente rica o que a gente ta fazendo aqui?


– Bom, como nós estamos na Coreia e eu tive que “abandonar” minha vida pra vir pra cá eles me deram um aumento muito grande e é nesse prédio que a gente vai morar


Pisquei os olhos ainda meio impactada com a notícia afinal não é todo dia que seu pai aparece e te leva pra um prédio chique dizendo que você vai morar lá, maneei a cabeça lentamente e saí do táxi vendo meu pai dar uma boa quantia de dinheiro ao cara


Ele seguiu andando pra dentro e eu o segui, eu estava meio mal vestida pra um lugar como aquele mas eu realmente não estava ligando muito, meu pai falou com o recepcionista e logo nós já estávamos subindo no elevador para o 13º andar, saímos do elevador e meu pai tirou a chave do apartamento do bolso, tinham mais 3 apartamentos naquele andar e eu esperava me dar bem com todos os vizinhos


– Me disseram que nesse apartamento aqui do lado mora um grupo de kpop da sua empresa, mas não conte à ninguém sobre isso


Ri com a possibilidade de ser o Red Velvet, as chances eram um pouco pequenas mas não era impossível certo? me calei quando vi a porta do tal apartamento abrir rapidamente e duas garotas com máscaras saírem dali, eu não vi muito bem mas eu reconheceria aqueles olhos de longe


– Seulgi? – perguntei um pouco alto de mais e coloquei as mãos na boca me virando de costas para as meninas e entrando no meu apartamento já que meu pai havia acabado de abrir a porta, pude ver a outra garota (que julguei ser irene) olhar pra mim com os olhos arregalados e fechei a porta mais rápido do que tinha aberto


– Eu disse – ouvi a voz do meu pai e revirei os olhos soltando um suspiro, ele me mostrou o apartamento todo, que era bem grande por sinal


Ao entrar eu dei de cara com a cozinha, que estava separada da sala por um balcão, do lado esquerdo havia um porta que dava para a lavanderia. Na sala havia uma grande parede de vidro que dava pra uma espécie de quintal com uma janela bem grande. Na sala havia uma porta que dava para um corredor que tinha 3 portas, todas davam para um quarto, à direita a suíte do casal e na minha frente a minha suíte. no quarto vago meu pai sugeriu fazermos uma sala de jogos já que nós dois temos essa paixão em comum


– E quando vamos comprar os móveis?


– Eu já trouxe uma decoradora aqui e já encomendei os móveis planejados, e sobre o seu quarto nós podemos ver depois, vai querer pintar as paredes? – ele perguntou e eu assenti, meu quarto do Brasil tinha as paredes cinzas e nesse eu queria fazer a mesma coisa – Certo, podemos ver isso depois, se nada sair do prazo semana que vem nós já estaremos instalados aqui


Dei um sorriso ao ouvir isso, apesar de ser mais cansativo para eu ir à empresa eu estaria com minha família de novo, e bom como eu já suspeito, no dormitório ao lado da garota que dominava meus pensamentos







Notas Finais


espero que tenham gostado pps

adios


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...