História De Inocente, Só o Rosto! - Capítulo 1


Escrita por: e bravesick

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin)
Tags 95line, Baú De Plots, Vmin
Visualizações 349
Palavras 5.349
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, LGBT, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, cajus! <3 (apelido meio meh...) Esse é o meu debut no 95LineProjectx, e sim, dessa vez teremos uma PWP hehe E por quê? Simples, dizem que a primeira impressão é a que geralmente fica, então eu já estou querendo mostrar para todo mundo que sou uma pervertida de primeira (risos) e claro, terão mais fics quentinhas no futuro (se é que me entendem) Gostaria de agradecer ao Gguk-ssi aka @gabubisz pela betagem super top e à @Mayuah pela capa e banner maravilhosos que ela fez para a fanfic aaaaa vocês são demais. E a vocês que vão ler essa delicia, obrigada meus anjos!

Capítulo 1 - De inocente, não tem nada!


Fanfic / Fanfiction De Inocente, Só o Rosto! - Capítulo 1 - De inocente, não tem nada!

― Taehyung, ou você é idiota, ou se faz de um. ― Disse seu amigo, se jogando na cama do mais novo sem permissão e a bagunçando.

  ― Não, cara. Isso vai ser completamente diferente do que nós estamos pensando, tenho certeza disso. ― Suspirou, cruzando os braços. ― Jimin nunca gostaria de alguém como eu.

   ― Bom, você é retardado, lerdo, gosta de ver pornô, mas até que é bonito e um bom amigo.
 

 Hoseok também não estava ajudando. Há dois dias atrás, o alfa mais novo tinha recebido um convite um tanto… peculiar, assim dizendo, pois era ninguém mais, ninguém menos, que Park Jimin, um dos ômegas mais cobiçados daquele bairro o chamando para ir até sua casa.

    O mais inacreditável nem era isso. E sim a mensagem que quase fez o Kim cair para trás e ter altas imaginações nada inocentes ao ler aquele pedaço de textinho.

“Vou te mostrar meus brinquedinhos.”

Não. Aquilo era muito outra coisa. Não podia ser o que ele achava que seria. Jimin era um anjinho, mesmo sendo um pedaço de mau caminho com aquele corpo que… Céus. Além disso, haviam se conhecido há pouco tempo, graças a um amigo em comum, durante uma ida ao cinema para ver o filme que todo mundo queria. 

  Tinha que respeitar seu hyung ômega. E não ser iludido por uma simples mensagem instantânea, pois sabia que Jimin era muita areia para o seu caminhãozinho.
 

 ― Eu prefiro mil vezes acreditar que vou chegar lá e me deparar com action figures de algum jogo de RPG ou bonecas da Barbie do que ser atacado por um ômega sedento. ― Comentou, mas quase soltou um “se bem que eu não reclamaria se fosse a segunda opção.”

    ― Você que sabe, mas a minha opinião é que ele realmente gosta de você.

    ― Não sei não. Prefiro não me iludir.

    ― Porra, Taehyung! Investe nele! ― Hoseok jogou um travesseiro no mesmo, que estava distraído o bastante para se assustar e fazer cara feia, assim que o objeto caiu de seu rosto para o chão.

    ― Vai à merda, Hoseok. ― Revirou os olhos.

    ― Vai à merda você, respeite seu hyung.

    ― Rispiti siu riiungui. ― Imitou o mais velho, debochando do mesmo com uma voz aguda e infantil.

    O Jung poderia ter achado engraçado, se não tivesse ficado um pouco puto.

    ― Mas enfim, quando que você vai lá? ― Voltou para o assunto principal.

    ― Hoje.

    ― O QUÊ?! ― Se levantou de supetão. ― E você não tá se arrumando por quê?! Vai logo ‘pro banheiro, caralho!

    Empurrou o amigo para o banheiro do quarto, ouvindo alguns xingamentos e um suspiro de desistência para, finalmente, parar de reclamar e tomar logo um banho. Taehyung fechou a porta e mordeu o lábio inferior, muito nervoso para um alfa que já tinha perdido a virgindade séculos atrás.

    Se despiu para depois entrar embaixo do chuveiro e ligá-lo, lavando todo o corpo, inclusive o cabelo. Estava longe de ser a primeira vez que se encontrariam, mas ainda queria passar uma boa impressão, fora que havia jogado basquete com Hoseok e Yoongi antes de chegar em casa, estava todo sujo e fedorento.

    Demorou mais que o normal para sair dali, o Jung tinha até batido na porta, perguntando se ele tinha morrido, e só recebeu um “vai tomar no cu” como resposta, mandando, também, um outro “vai tomar no cu” para o mais novo. Bom, tecnicamente, talvez não seria ele que iria fazer isso, não é mesmo?

   If you know what I mean.
 

  Se secou por completo, tendo paciência até mesmo para usar o secador em seu cabelo. Olhou o próprio reflexo no espelho, com a toalha na cintura e… É, não estava tão ruim assim. Deu de ombros e saiu dali, indo para o guarda roupa em busca de algo que desse para o gasto.

    Porém, foi interrompido no meio do caminho, pelo braço do alfa mais velho.

    ― Deixa que eu resolvo isso.

    ― Virou entendedor de moda agora, hyung?

    ― Cale a boca, eu estou é te fazendo um favor. Me agradeça depois, quando você perceber que eu tenho bom gosto e que, dessa vez, não saiu de casa parecendo um mendigo.

    Dito isso, ele se sentou na cama, bufando e observando Hoseok começar a fuçar o seu guarda roupa. Passaram-se dois, três minutos, e nada do maior achar algo que preste.

    ― Taehyung, puta merda, você não tem nada bom aqui. ― Reclamou. ― Por isso que tá sempre parecendo uma aberração.

    ― Ih, alá. Falou a Miss Coréia.

    Não ouviu resposta nenhuma e ficou aliviado, porque Hoseok era muito bom de patadas. Deveria ter aprendido com Yoongi, o ômega mais mal humorado que já conheceu em toda sua vida. Os dois até faziam um par perfeito, para falar a verdade.

    ― Como vão as coisas com o Yoongi-hyung?

    Hoseok gemeu de dor ao bater a mão na quina da gaveta aberta.

    ― Nossa, o dia hoje tá meio frio, melhor separar um agasalho pra você. ― Tentou mudar de assunto.

    ― Hyung…

    ― Tá bom, eu falo! Eu ainda não o chamei para sair! ― Admitiu, erguendo as mãos na altura de seus ombros.

    ― Tá me zoando, não tá? ― Estreitou os olhos. Logo Hoseok, que mais cedo naquele mesmo dia estava pagando de conselheiro amoroso barra incentivador de pegação.

    ― Ah, cara, sabe como o Yoongi-hyung é. Se você fala algo errado, ele te manda um “vai se foder” bem gratuito. Ele é… difícil. ― Suspirou.

    ― Nunca percebeu o jeito que ele te olha? ― Hoseok fitou Taehyung. ― Aí depois você fala que o idiota sou eu.

    ― Mas você é um idiota.

    ― Então, nós somos dois idiotas. ― Concluiu o Kim.

    ― Acho que é isso mesmo. ― Concordou, suspirando logo em seguida. ― Ah, achei essa calça aqui, tá meio surrada, mas é melhor que nada.

    Jogou em direção ao mais novo, a jeans escura, junto de um par de timberlands e, para completar, uma blusa branca e larga.

    ― Hyung, você tá andando muito com o Jeongguk? ― Franziu o cenho, reconhecendo logo de cara que aquele estilo era muito parecido com o alfa mais novo do grupo.

    ― Sim, mas essas roupas vão ficar boas em você. Confie em mim. ― Se levantou do chão e estalou o pescoço, movendo a cabeça para os lados.

    ― Está bem… Vai ficar aqui e me ver trocando de roupa ou vai me esperar lá fora?

    ― Primeira opção, aproveite e faça um strip tease de leve, que tal? ― Sorriu pervertido.

    ― Opa, sai fora! ― Empurrou o mais velho para a porta, enquanto o mesmo apenas ria.

    Fechou a porta e deu uma leve risada. Hoseok era um idiota mesmo. Sem mais delongas, vestiu as roupas e se olhou no espelho, e teve que concordar que aquilo tinha ficado bom nele, como o Jung havia dito. Pegou seu celular, a chave de casa, passou um perfume antes de sair do quarto e ver a cara de biscoito do alfa que o aguardava.

    ― Olha, você civilizado é até bonitinho. ― Debochou, levando um soco fraco no braço. ― Eu vou embora agora, boa sorte com o Jimin, e tenha juízo.

    ― Já vai embora, Hobi? Você não vai ficar para comer o bolo que acabei de fazer? ― Gritou a mãe do Kim, ocupada na cozinha.

    ― Não faz mal ficar mais um pouquinho, não é mesmo? ― Coçou a nuca. ― Sua mãe nem é gente, é anjo. Eu tô com uma fome do cão.

    ― Nossa, a gente tinha comido numa lanchonete antes de vir para cá e você diz que ainda tá com fome? Hyung, o que você tem na sua barriga, um buraco negro? ― Perguntou Taehyung, incrédulo.

    ― Pô, me respeita, eu preciso comer para sustentar tudo isso! ― Apontou para si mesmo, enquanto os dois desciam as escadas.

    O Kim revirou os olhos, se despedindo do mais velho, que correu para a cozinha. Saiu de sua casa, respirando fundo e caminhando em direção à casa do ômega, que não era muito longe. Chegaria lá em, no máximo, cinco minutos.

    No meio do caminho, recebeu uma mensagem no celular, e agradeceu por ainda ter seu 3G funcionando, pois era o contato do Jimin.

[Jiminnie]

Tae, já tá chegando?

[You]
Estou sim, hyung.

[Jiminnie]

Ok!
Tô tão ansioso!

 

Sorriu para a tela do celular, guardando-o no bolso depois de receber a última mensagem. Estava nervoso, começando a odiar a si mesmo por criar expectativas onde não podia, porque poxa, Jimin era muito inocente ― pelo menos era essa a impressão que tinha pego do ômega ― e um amor de pessoa, Taehyung se sentia um monstro por imaginar coisas erradas com ele.

    Chegando em frente à casa do Park, tocou a campainha, e logo um certo loirinho veio o receber com um sorriso no rosto, fazendo seus olhos se tornarem risquinhos. Ah, tão fofo…, pensou o Kim, adentrando o lugar assim que teve a permissão concedida por seu hyung baixinho.

    ― Como vai, Tae? ― Perguntou, puxando o alfa pela mão enquanto andava pelos cômodos.

    ― Vou bem, e você, hyung?

    ― Também. Não me chame assim, me chame de Jimin! Gosto de apelidos fofos, também.

    Tomara que eu exploda de fofura, pensou novamente, vendo o Park sorrir para si. A mãozinha gordinha era bastante desproporcional à sua, grande e magra, e isso só fazia o alfa querer ainda mais proteger o ômega com todas as suas forças, apertar aquelas bochechas e morder aqueles lábios cheinhos e rosados.

    Foi guiado até a sala e, como o esperado, Jimin mostrou a ele vários jogos da Marvel, actions figures da DC Comics e tudo o que esses universos podem nos proporcionar. Taehyung ficou feliz por ter acertado no palpite e por Jimin ser realmente um anjinho, mas também ficou decepcionado, porque, vejamos, ele era um alfa com hormônios à flor da pele, e o loirinho era simplesmente um ômega irresistível.

    ― O que acha de jogarmos um pouco, Tae? ― Ligou o console, já conectado à TV, oferecendo uma manete para o mais alto.

    ― Claro, hum… Mo… Mochi! ― Inventou um apelido para o ômega, sorrindo e pegando o objeto.

    ― Adorei esse apelido. ― Sorriu radiante, corando de leve.

“E eu adorei esse seu sorriso aí.”

O jogo iniciou, mostrando na tela o seu nome, Marvel: Ultimate Alliance. Já havia jogado algumas vezes, por isso Taehyung se animou e ficou aliviado por conhecer o jogo e alguns dos controles. Como o esperado, Jimin selecionou o modo multijogador.

    ― Tae?

    ― Sim?

    ― Hum… Posso ficar no seu colo?

    O alfa quase engasgou com sua própria saliva, desviando os olhos da tela da televisão para o ômega manhosinho ao seu lado, que ainda estava em pé. Não tinha como resistir aquele pedido, no entanto estava muito receoso. Engoliu em seco, assentindo positivamente.

    Jimin comemorou e se ajoelhou no chão, engatinhando para perto do Kim, que teve que se conter com a cena para não se sentir tenso. Mas assim que sentiu o corpo do menor em seu colo, fechou os olhos com força, tentando não pensar em nada com conotação sexual.

    E estava difícil, ficando mais complicado ainda à medida que a estória do jogo se desenrolava, pois a cada conflito que aparecia — com os inimigos, mesmo a maioria sendo fraca e insignificante —, o ômega se remexia em cima do seu baixo ventre. Oh, droga, suas curvas e seu bumbum não eram nada pequenos, muito pelo contrário, Jimin era um ômega gostoso para caralho que parecia estar rebolando no colo do alfa, o provocando.

    Taehyung estava muito tenso.

    — Tae, você tá morrendo! — Alertou o Park, vendo a barra de vida do amigo cada vez menor.

    — Ah, desculpa, pera… — Voltou sua atenção para o jogo, acabando com alguns inimigos.

    — Você joga bem! — Elogiou. — Estava pensando em alguma coisa?

    — Não, não, só fiquei um pouco… distraído. — Justificou.

    A conversa morreu, pois os dois passaram a se concentrar na tela, pelo menos era o que se podia dizer. Taehyung estava concentrado em duas coisas: no jogo e em não ficar excitado, claro. Ofegou quando Jimin se esfregou com força em si, sem querer, causando um pequeno espasmo no seu corpo.

    — Tae… Você tá bem? — Jimin virou-se para o alfa, preocupado.

    — E-estou sim, Mochi. — Murmurou.

    — …Tem certeza? Se quiser, podemos parar um pouco, você parece tenso…

    — Não precisa, pequeno. — Sorriu. — Eu vim aqui para ver seus brinquedinhos, se nós pararmos de jogar, não teria mais nada para fazer, eu acho.

    Jimin ficou pensativo, mas logo sorriu, se levantando e desligando o console de videogame. Taehyung ficou confuso.

    — Na verdade, tem outros brinquedinhos que eu ainda não te mostrei, Tae. —disse, pedindo para o maior se levantar e acompanhá-lo até as escadas do segundo andar.

    O Kim, dessa vez, estava muito confuso mesmo. E triste também, pois pensava que Jimin tinha deixado de jogar por sua causa, o levando para o quarto para que eles pudessem jogar algum jogo de cartas ou tabuleiro, ou para apenas ficar à toa. Mas como o ômega havia dito, tinha outros brinquedinhos, então não ficariam no tédio.

    Talvez alguns bonecos da Marvel e da DC Comics, o alfa já viu que o Park era doido por esse tipo de coisa.

    De novo, a mãozinha do menor pegou a sua, entrelaçando ambas para que o loirinho o puxasse escada acima, para logo chegarem ao quarto do mesmo. Assim que adentraram o local, Taehyung pôde ver o quanto era tudo arrumado e limpinho, tanto que até teve um pouco de inveja da organização do ômega.

    Se fosse o seu quarto, estaria tudo bagunçado.

    — Tae, me espere aqui, eu vou buscar umas coisinhas. — Pediu Jimin.

    — Oh, tudo bem então. — O alfa se sentou na cama, que era bem macia e mole.

    Teve vontade de se jogar e dormir, ainda mais com o cheirinho do ômega impregnado nos lençóis, e para falar a verdade, no cômodo todo. Tinha um agradável aroma de baunilha. Amava baunilha.

    Jimin pegou uma caixa e colocou no chão, próximo aos pés do Kim, a abrindo e revelando vários bonecos de super-heróis. Taehyung não ficou nem um pouco surpreso. Mas talvez tenha ficado sim, porque eram tantos bonecos que achou que o Park tinha uma grande coleção deles.

    — Pode brincar com eles, por enquanto, o que eu quero pegar é bem difícil de alcançar. — Apontou para os objetos.

    — Ok. Ah, não quer ajuda com isso? — Perguntou, se ajoelhando no chão para mexer na caixa.

    — Não precisa, mas obrigado. É uma surpresa, para falar a verdade. — O ômega sorriu e andou em direção a outra porta, era seu closet.

    Taehyung pegou um boneco do Thor e outro do Hulk, lembrando-se da época de quando era criança, sorrindo bobo. Ah, como amava inventar estórias para suas brincadeiras, mas quase nunca tinha criatividade para isso, então ou só colocava seus bonecos para lutar, ou repetia a mesma estória que havia guardado na cabeça, várias e várias vezes.

    Ficou com medo de quebrar, mas decidiu brincar de luta sozinho. Pegou o boneco do Homem de Ferro com uma mão e devolveu o Hulk para a caixa, ficando com o Thor. Era meio constrangedor, mas começou a fazer barulhos de golpes e vozes — basicamente, dublado tudo o que os bonecos faziam —, enquanto colocava os dois para lutarem entre si.

    Seria mais épico se fosse com o Capitão América, em vez do Thor.

    Estava ficando tão entretido na brincadeira que não viu Jimin chegar no quarto.

    — Mochi, quer brincar comigo? Você pode ser o Capitão América e eu posso ser…

    Quando se virou para o ômega, seu sorriso morreu por completo. Sua boca ficou entreaberta e nem chegou a completar a frase, pois havia se perdido nas pernas desnudas do ômega, que apenas vestia uma blusa azul bebê, cobrindo somente seu íntimo e um mínimo pedaço de suas coxas. A vestimenta era larga e mostrava a pele e as clavículas leitosas do menor, jogada para o lado, onde aparecia, também, seu ombro direito.

    Ele estava sério.

    — Jimin… — Chamou o outro pelo seu nome, num muxoxo.

    Seria desnecessário dizer que o lobo de Taehyung se agitou.

    — Eu sempre senti seus olhares sobre mim, Tae. — O ômega começou a falar. — Desde que nos conhecemos.

    O Kim se levantou cautelosamente, ficando em frente ao Park. Notou que havia uma pequena caixa de couro na cama, colocada ali pelo menor, e franziu o cenho. Aquilo poderia ser o que Jimin tanto procurou.

    — Onde quer chegar com isso? — Perguntou.

    — Durante todo esse tempo, não consegui parar de pensar em você. Foi em questão de dias para aqueles sonhos não saírem da minha cabeça, me fazendo ter as mais sujas imaginações, Tae.

    Se aproximou do alfa, que permanecia parado, tentando se conter. Sorriu com isso, chegando bem perto do corpo alheio, ficando na pontinha dos pés para alcançar a orelha esquerda do maior.

    — Não sabe o quanto eu te quero dentro de mim.

    — Jimin… Não faça isso. — Disse Taehyung.

    Sua voz rouca fez com que Jimin ficasse excitado. Aquele alfa era mesmo uma perdição, afinal de contas, e teria o maior prazer — literalmente — em dominá-lo, isso se ele não o dominasse primeiro.

    Ah, sim, Jimin gostava daqueles joguinhos de dominação.

    — Fazer o quê, Tae? — Abraçou o pescoço do maior com seus braços, o encarando firmemente.

    A coloração dos olhos do Kim pareceu ter mudado de cor, do castanho para o azul escuro, num curto período de tempo. O ômega estava tão perto que a vontade do mais alto era de atacar os lábios alheios e depois se embriagar com o cheiro do outro, afundando seu rosto na curvatura do pescoço dele.

    — Não me provoque. — Respondeu sério.

    Jimin não poderia estar mais empolgado com o efeito que causava no mais novo. Lambeu os lábios — fazendo o alfa desviar sua atenção para sua língua —, saindo de perto do Kim para buscar a caixa. A abriu, e Taehyung não podia acreditar no que vira.

    A caixa surpresa do Park. Brinquedos eróticos. Jimin pegou um par de algemas e olhou sugestivo para o maior.

    — Vamos brincar?

    Foi a gota d’água. Taehyung empurrou Jimin na cama, ficando por cima do mesmo para atacar sua boca com um beijo afoito.

    O ômega, por sua vez, retribuiu no mesmo instante, comemorando internamente por, enfim, estar fazendo o que tanto ansiava. Taehyung era simplesmente seu sonho de consumo desde que o viu pela primeira vez, quem sabe não poderiam evoluir a relação de “conhecidos” para “ficantes” ou “namorados”? Ou então, ficar apenas na amizade colorida?

    Taehyung mordeu o lábio inferior do Park, o puxando levemente para voltar ao beijo incessante, explorando a boca alheia com sua língua voraz. Passou uma das mãos pela coxa esquerda do ômega, a apertando e sentindo a carne farta dali. Levou a mão para dentro da blusa larga e ofegou de surpresa ao não sentir nada por cima da intimidade do mais velho. As consequências dessas ações resultaram em um Jimin arfando e fechando os olhos.

    De uma coisa o loirinho teve certeza, o Kim tinha pegada.

    Rapidamente, o menor inverteu as posições, ficando por cima do alfa, que o olhou desafiador. Riu fraco com a audácia do outro, rebolando lentamente no baixo ventre do maior, suspirando por conseguir sentir o íntimo alheio mesmo com as roupas abaixo de si. Elas precisavam sair dali, depois.

    — Você estava apenas fingindo, não é? — Perguntou o Kim, segurando a cintura de Jimin de ambos os lados. — Fingindo ser inocente, com toda aquela história de jogos e outras coisas.

    — Por que você acha que eu pedi para sentar no seu colo naquele momento, hum? Pensou que aquelas reboladas não eram de propósito, Taetae? — Sorriu devasso. — Não acha que essa nossa atual brincadeira é mil vezes melhor?

    — Claro que sim. Ah, Jimin… Eu sabia que tinha algo errado com você. — Gemeu ao que as reboladas se tornaram mais intensas. — De inocente, você só tem o rosto, mesmo.

    Jimin riu, mordendo os lábios logo em seguida. Estava ficando duro, e já sentia seu lubrificante natural descer em sua entrada. As mãos grandes e firmes segurando sua cintura o davam uma excitação extra, imaginando o que elas eram capazes de fazer consigo.

    Lembrou-se das algemas. Oh, sim, as algemas.

    — Então, o nosso jogo vai funcionar assim. — Disse enquanto prendia os pulsos do maior com as algemas e as prendia na cabeceira na cama. — Durante dez minutos, você fica preso e eu vou poder fazer diversas coisas com você. Claro, nada que você não queira eu irei fazer. E depois do meu tempo acabar, será a sua vez, podendo fazer o que quiser comigo, tendo a mesma condição que eu disse antes. Nós dois vamos sair ganhando, no final. Combinado?

    — Por que não posso ir primeiro? — Sorriu de lado.

    — Porque eu te prendi primeiro, portanto é minha vez. Combinado? — Retribuiu o sorriso, refazendo a pergunta.

    — Combinado.

    — Ótimo. — Pegou o celular no criado mudo, ativando o cronômetro e o colocando ao seu lado, na cama.

    Jimin retirou a calça do mais novo, vendo um volume nada discreto por baixo da cueca que o Kim usava, um pouquinho manchada pelo pré-gozo. A retirou também, salivando ao ver o membro do alfa desperto e livre, bem na sua frente. O envolveu com sua mão, não conseguindo fechá-la, porque era pequena para uma circunferência daquela. Passou a movê-la lentamente, ouvindo um suspiro por parte do maior.

    — Tão grande… Nem sei se vai caber em mim… — Murmurou.

    O ego de Taehyung ameaçou inflar, mas o moreno estava mais concentrado nos toques e sensações que o loirinho o proporcionava para se importar com o elogio. Deitou a cabeça no travesseiro macio e confortável, fechando os olhos.

    O ômega passou a lamber toda a extensão do membro, ainda o bombeando, para chegar na glande e chupá-la com vontade, fazendo o Kim gemer. Continuou com aquilo, contornando as veias saltadas e chupando aqui e ali, dando atenção, também para os testículos, os chupando vez ou outra.

    Taehyung estava adorando aquilo. Se Jimin queria levá-lo à loucura com apenas um boquete, estava conseguindo.

    Jimin abocanhou o membro de uma só vez, relaxando sua garganta para que não acabasse engasgando, e o que sobrou fora de sua boca, passou a masturbar enquanto chupava tudo o que cabia dentro de sua cavidade. Taehyung soltou um gemido mais alto, mordendo os lábios em puro deleite.

    O ômega olhou de canto para o celular, vendo que já havia se passado quase a metade do seu tempo, aumentando a velocidade das chupadas no membro do alfa, que gemia em aprovação. Por um momento, parou, tirando-o de sua boca fazendo um barulho molhado e rodeando a glande com seu polegar.

    Taehyung abriu os olhos, irritado pelo fato do Park ter parado com aquilo, ainda um pouco desnorteado. Seus pulsos doíam por causa das algemas, mas nada que pudesse o atrapalhar.

    — Por que parou?

    — Estou admirando o quão lindo você está assim.

    Jimin se ajoelhou no colchão, observando o peitoral ofegante do alfa, sua boca entreaberta e seus olhos nublados no desejo, junto do seu membro pulsante. Poderia tirar uma foto para guardar em recordação para que pudesse ficar horas e horas a vendo, talvez até se tocando também.

    Lambeu os lábios e levantou a blusa que o alfa usava até os seus ombros, e como não vestia nada além da camisa grande em seu corpo, sentou-se no colo do Kim e passou a rebolar em seu baixo ventre, arrancando gemidos de ambos. O pênis roçava em sua entrada, que pulsava e implorava para ser preenchida.

    Passou as mãos pelo peitoral nu de Taehyung, arranhando-o levemente com suas unhas pequenas e contornando os gominhos destacados em seu abdômen. O mais novo trincou os dentes e forçou as algemas, machucando mais ainda seus pulsos, tentando se libertar para atacar o ômega.

    O Park tremeu em expectativa com aquilo, pois estava louco para ficar à mercê do Kim, rebolando com vontade em seu membro e gemendo fraco. Se inclinou para a frente, alcançando os lábios entreabertos do alfa e os beijando lentamente, com direito a mordidas e chupadas.

    Taehyung nunca esteve tão sedento quanto naquele momento, esperava impacientemente o cronômetro chegar aos dez minutos em ponto para finalmente ser solto, coisa que não acontecia, mesmo que faltasse um minuto para o tempo de Jimin acabar.

    — T-tão duro… — Jimin gemeu manhoso, ao que rebolou com força no membro alheio. O lubrificante natural saía de sua entrada e se misturava com o pré-gozo do maior.

    — Jimin… — Taehyung também gemeu.

    O ômega mordeu o lábio, encarando os olhos do alfa antes de posicionar o pênis em sua entrada e descer bem devagar, gemendo arrastado. O Kim arqueou as costas e mordeu o lábio até sangrar, forçando mais ainda as algemas para se soltar.

    Com um puxão bem forte e agressivo, Taehyung quebrou a corrente, murmurando um “finalmente”, fazendo Jimin arregalar os olhos antes de ser atacado e as posições serem invertidas. Agora estava embaixo de um alfa ofegante e louco por si. Sorriu em expectativa, pois aquilo era tudo o que ele queria. Mas gemeu em desaprovação quando o Kim se retirou de dentro de si.

    Os dois nem se importavam mais com o cronômetro ao lado, mesmo já passando dos dez minutos combinados. Taehyung viu que havia outro par de algemas na caixa e o pegou, prendendo os pulsos do ômega assim como ele havia feito consigo, porém sem colocar em volta da cabeceira, apenas deixando seus braços acima de sua cabeça. Passou a dar chupões e mordidas no pescoço do Park, maltratando a pele alva com sua boca. Jimin apenas gemia e arfava.

    Parou para observar as manchas roxas e rosas que tinha feito, algumas estavam até nas clavículas do ômega e sorriu satisfeito, descendo para judiar dos mamilos do mais velho, chupando-os e mordiscando-os. Ah, como Jimin era sensível ali.

    Arqueou as costas e levou as mãos para os fios de cabelo do moreno, puxando-os de leve, arfando e lambendo os lábios.

    — Tae… — Gemeu manhoso.

    Foi calado com os dedos do alfa em sua boca, num pedido mudo para que os chupasse. Não reclamou, chupou os dígitos como se estivesse chupando outra coisa — que era maior e mais grossa —, molhando-os com sua saliva.

    Enquanto isso, Taehyung desceu para o íntimo do ômega, lambendo a glande rosada do menor e colocando todo o membro em sua boca, chupando com vontade. Jimin gemeu alto, e seu gemido foi abafado pelos dedos do Kim, que logo saíram de sua boca assim que o mesmo percebeu que estavam bem molhados.

    Rodeou a entrada necessitada do Park com o indicador, fazendo o mesmo se remexer e rebolar contra seu dígito.

    — Tae, por favor…

    Taehyung parou de chupar o membro do outro para encará-lo.

    — Por favor o quê? — Ainda rodeava a entrada pulsante, ameaçando enfiar seu dedo vez ou outra.

    — Faz isso logo…

    — Fazer o quê, Jimin? Não vou saber o que você quer até me dizer.

    O Kim definitivamente não estava colaborando. Jimin ficaria com raiva se não estivesse tão submisso.

    — Me fode logo!

    Arqueou as costas quando os dois dígitos lhe invadiram, gemendo manhoso. Taehyung estava satisfeito, ficava cada vez mais duro ao ver Jimin daquele jeito — se é que isso era possível. Seu membro latejava e seu lobo queria muito se enterrar naquele ômega, mas precisava se controlar.

    O interior quente e úmido apertava seus dedos, fazendo-o imaginar como seria se fosse seu pau em vez deles. Movimentou-os, voltando a chupar o membro do mais velho, lambendo toda a extensão de baixo para cima, vendo o pré-gozo sair em abundância, junto do lubrificante natural, que melava seus dígitos cada vez mais.

    Jimin gemia e implorava por mais. Suas pernas tremiam e sua respiração estava irregular, tremida e rápida, seu lábio inferior vermelho e maltratado de tanto que o mordia, chegando a arder.

    Taehyung retirou seus dedos e tirou o membro alheio de sua boca, fazendo Jimin gemer e o fitar com raiva. Riu e deitou-se ao lado do Park, virando-o um pouco para se encaixar em sua entrada e, numa estocada certeira, entrar com tudo.

    O ômega gritou de prazer, tendo uma de suas pernas levantada e segurada pelo alfa, que começou a se mover dentro de si, em investidas lentas, porém fundas e fortes. Seu rosto foi virado pela mão esquerda do Kim para iniciarem mais um beijo.

    Ambos gemiam, e o ósculo era atrapalhado e constantemente interrompido por gemidos e arfares à medida que Taehyung aumentava a velocidade das estocadas, movendo seu quadril com força contra a bunda do menor, que gemia alto e manhoso. Aquilo era como música para seus ouvidos.

    — Gostoso… — Taehyung rosnou, mordendo o ombro do Park para conter os gemidos.

    Ficaram naquela posição até que o Kim se levantou de novo, pedindo para que Jimin ficasse de bruços. O ômega o fez e sentiu seu quadril ser levantado para que se apoiasse em seus joelhos. Sua entrada se contraia assim como o membro do alfa pulsava.

    Taehyung se posicionou atrás do Park, depositando um tapa em sua nádega direita, deixando-a rosada enquanto sua outra mão bombeava seu pênis para espalhar um pouco mais o pré-gozo. Lambeu os lábios, agarrando a cintura do ômega e entrando no mesmo novamente, dando estocadas rápidas e fortes, dessa vez.

    Jimin gemeu um pouco mais alto, revirando os olhos em meio ao prazer que sentia, tentando se apoiar com os cotovelos na cama macia. Seu corpo dava leves solavancos para a frente a cada investida que o alfa dava em si, acertando seu ponto sensível várias e várias vezes, o levando à loucura.

    O Kim rangia os dentes, gemendo e rosnando. Seu membro era apertado pela entrada pequena do menor, que parecia o expulsar dali, tanto que se contraia. Depositou mais um tapa, dessa vez um pouco mais forte, se debruçando em cima do ômega para dizer o quanto ele era apertado e delicioso.

    Agarrou o membro do Park, masturbando-o rapidamente. Jimin estava cada vez mais perto de ter um orgasmo, gritando ao finalmente atingi-lo, sujando a mão do Kim e o edredom de sua própria cama com seu esperma.

    Taehyung veio logo depois, após algumas estocadas brutas, se despejando no interior do menor. Sua glande veio a inchar e com isso fez o nó. Ambos estavam suados e ofegantes, esperando o nó se desfazer para que pudessem se deitar e descansar.

    Feito isso, os dois se jogaram na cama, recuperando a respiração.

    Jimin não tinha como ficar mais satisfeito. Taehyung praticamente o destruiu, sentia seu quadril e seu bumbum doloridos, e as marcas em seu pescoço e clavículas iriam provavelmente demorar semanas para saírem. Estava completamente cansado.

    Taehyung, por sua vez, definiu aquela como a melhor transa de sua vida, Jimin era incrível e muito sexy. Assim como o Park, estava cansado também, e adoraria repetir a dose posteriormente.

    O ômega deitou sua cabeça no peitoral do Kim, sorrindo ao receber um cafuné em seus fios de cabelo.

    — E agora? — Perguntou Taehyung, fitando o teto.

    — Vamos dormir um pouco. Meus pais viajaram, então não tem risco de alguém chegar aqui e nos ver.

    — Sim, mas… Eu estava querendo dizer sobre nós dois.

    Desviou sua atenção para Jimin, que o olhava com o cenho franzido e cabeça erguida.

    — Você… quer algo comigo?

    O alfa assentiu.

    — Mas… não acha que isso é apenas algo carnal? Mal nos conhecemos, Tae.

    — Eu sei. Mas podemos mudar isso… O que me diz?

    Jimin sorriu, fechando os olhos e voltando a deitar sua cabeça no peitoral do mais novo.

    — Aceito. Só… não me decepcione ou me abandone depois.

    — Nunca faria isso.

    — Como tem tanta certeza?

    — Jimin, eu nunca achei que você tivesse interesse em mim, mas agora vejo o contrário e… Hum, acredito que possamos nos dar bem. Realmente quero tentar algo contigo.

    Sorriu bobo, fechando os olhos logo em seguida ao não ter mais nenhuma resposta do ômega. Porém, sentiu seu corpo ser abraçado e depois ouviu um “eu também” bem baixinho por parte do menor, antes de, enfim, se entregar ao sono.


Notas Finais


Espero que tenham gostado! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...