História De repente - Fillie - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Stranger Things
Personagens Dustin Henderson, Eleven (Onze), Lucas Sinclair, Maxine "Max" Mayfield / "Madmax", Mike Wheeler, Will Byers
Tags Cadie, Fillie, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Romance
Visualizações 48
Palavras 1.489
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Festa, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


🤠

Capítulo 2 - Party Apatow


Fanfic / Fanfiction De repente - Fillie - Capítulo 2 - Party Apatow

Eu não seria Finn Wolfhard se não passasse pelo menos uma vergonha por dia. Não seria eu mesmo, e eu meio que estava acostumado a passar por essas situações estranhas. 

O que Millie poderia estar pensando agora? Na pior das hipóteses ela poderia estar pensando que eu sou um doida obcecado por ela. Na melhor das hipóteses ela nem deve mais se lembrar disso. Deve estar aos beijos com Jacob Babaca Sartorius. 

Eu estava acostumado a ser invisível - pelo menos pela Millie -, então não haveria problema. Mas eu acho que esqueci de citar um detalhe, Millie Brown tem aula de cálculo comigo e, nossa!, agora é aula de cálculo!

- Finn Wolfhard! - A voz melodiosa de Millie Bobby Brown ecoou pelos meus ouvidos. 

- Ah, ah, oi, M-Millie - Gagueira desgraçada!

Millie dá uma risada nasal e se senta atrás de mim. Ela nunca sentiu atrás de mim!

Stacy Morgan, que sempre sentou atrás de mim e ficou comigo numa festa qualquer havia adentrado a sala de aula.

- Hã, Brown? Esse lugar é meu! - Ela fala sorrindo pra mim.

- O lugar que você senta não lhe impede de assistir a aula, uh? A não ser que você queira se sentar aqui para ficar inalando o perfume de Finn Wolfhard. - Millie pisca e sorri descaradamente para Stacy. A sala  inteira sorriu e fez barulhos irritantes que queriam dizer "Mandou bem!" ou algo do tipo para Millie, sinceramente, achei desnecessário, mas foi engraçado. Eu realmente estava cansado de Stacy Morgan me encher o saco sempre.

- De nada, viu! - Millie fala - Se não fosse por mim ela ficaria arrancando fios de cabelos seus para fazer a magia do amor... - Ela fala como uma criança contando uma história de terror. Dou uma risada baixa.

- Obrigada, Brown! - Eu falo virando para trás.

- Isso aí! - Ela dá um sorriso satisfeito. 

Claro que o comentário sobre a Stacy e sua magia não foi legal. Stacy não era feiticeira nem nada disso, ela era normal. Millie simplesmente fez uma piada, se eu fosse Stacy iria sair correndo e chorar em silêncio no banheiro. Esses tipos de brincadeira não são nada legais e eu admiro quem as aguenta e as encaram com maturidade. Porém não conseguia odiar Millie por isso.

- Hã, me desculpe por hoje mais cedo, antes da aula. - Ela fala assim que o sinal bate.

- Tudo bem! Eu entendo. - Eu falo tentando amenizar sua culpa.

Millie dá um suspiro.

- Não entende. Ninguém entende. - E simplesmente sai. Sai andando como se estivesse numa passarela. Linda, livre e leve. 

Ela tem razão, nós nunca entendemos e nunca vamos entender uns aos outros. Nós falamos isso para consolar o outro mas ninguém entende ninguém. Cada um com seus problemas, cada um com suas dores, cada um com suas cicatrizes. Nós, na maioria das vezes mal conseguimos entender a si mesmo, quem dirá o outro. Acho que deveríamos parar de mentir tão por impulso, deveríamos pensar mais antes de fazer ou falar algo.

O resto do dia se arrastou. Eu cheguei em casa fui direto para o meu quarto ler. O livro falava sobre um teórico labirinto do sofrimento e quando iríamos sair dele. A verdade é que todo mundo sofre um pouco, mesmo que por coisas bobas como acnes em dia de baile, e cabelo difícil de arrumar. Mas só a pessoa pode dizer o quanto aquilo está lhe fazendo sofrer. Nós nunca saberemos o grau disso.

Depois eu conversei com a galera, discutimos as fantasias de cada um e decidimos que os garotos vão todos de Caça-Fantasmas e Sadie de Gatinha. Falei que poderíamos pensar em algo mais original para ela mas ninguém me escutou. Depois eu fui tomar banho e fiquei assistindo séries até Winona me chamar para jantar.

Eu e minha família conversamos sobre coisas típicas de família e então eu fui me deitar. 

A mesma rotina chata se estendeu por uma semana, chegou a ficar monótono. Nada de diferente ocorria. Cheguei a implorar por sexta, dia da festa de Apatow. E então ela finalmente chegou.

Nos encontramos todos na minha casa antes de irmos para a festa. 

Sadie estava realmente uma gata com aquela fantasia. Ela era uma gata ruiva, como o Garfield, só que mulher. Eu havia dado essa ideia já que, provavelmente iríamos encontar muitas gatinhas por lá.

Caleb, Jack, Noah e eu estávamos adoráveis com as fantasias de Caça-Fantasmas. 

Chegando na festa eu confirmei que estava certo.

- Eu falei que a maioria das meninas viriam de gatinhas. - Eu falei. 

Havia lindas garotas, variedades infinitas, dentro delas estavam as gatinhas, coelhinhas, marinheiras e bombeiras, tinha até como escolher. Logo me repreendo pelo breve pensamentos babaca.

Sim, as garotas estavam lindas mas Íris Apatow estava muito linda! Ela vestia uma fantasia de Marilyn Monroe. Simplesmente impecável.

Claro que eu não chegaria nela. Nem a pau, eu era tímido demais para isso. Mas eu não esperava que ela viesse até mim. 

- Oi, Wolfhard. - Ela fala sedutoramente, de verdade.

- O-oi, Íris.

- Você está um gato nessa fantasia de Detetizador. - Eu poderia bater nela se não fosse uma garota. Estetizador? Vai se fu... 

- É totalmente repugnante seu comentário. Detetizador? Jura? E você veio de doméstica de luxo? - Espera... Millie estava corrigindo Íris por sua total falta de noção? Essa eu pagaria para ver.

- Brown? Não deveria estar transando com o Sartorius dentro de um armário? - Íris fala e sorri descaradamente para mim. - Vem. Vamos nessa.

E eu fui. Acho que estava prestes a ficar com Apatow. Claro que ela estava linda mas Millie... Poxa, Millie.

Ela estava vestida de policial. Shorts curto e azul marinho. Por cima, uma camiseta com guarda-armas - isso se chama assim? Dane-se - e distintivo. Na cabeça uma boina na mesma cor que as roupas e um batom bem vermelho na boca. Ela estava com uma bota preta vernizada e alta. Muito linda mesmo.

Depois de ficar com Íris Apatow e me sentir o cara mais incrível do mundo por isso eu comecei a procurar os caras. Sadie e Caleb provavelmente estariam transando em algum quarto mas Noah não. Noah sempre está ali.

Ah não, não achei Noah. Parece que minha frase fofa não fez tanto sentido agora. Odeio quando isso acontece.

Logo me puxaram para fora da casa. Era Millie. O que essa garota queria?

- Eu não acredito que você ficou com Íris Apatow. - Ela admite e me soca.

- Está doida? - Falo passando a mão por onde ela bateu.

- Wolfhard, ela não é flor que se cheire, ok? Eu sei da reputação de nerd pegador que você tem mas não precisa fazer isso sempre, ta? - Do que ela estava falando?

- Eu não estou acreditando! - Eu falo e ela arqueia as sobrancelhas - Eu não estou acreditando! 

- No que? 

- Que você vem gritar comigo por eu ter simplesmente beijado alguém depois de SEIS anos sem falar comigo. O que há com você, uh? - Ela fica com o olhar triste.

- Finnie, só não faz isso. Por favor, eu só quero o seu bem. Eu sei, eu sei. Fiquei a porra de seis meses sem trocar sequer uma palavra com você. Eu fiquei muito popular com o tempo e você foi se escondendo, falava até com Papa Francisco se tivesse que falar mas nunca falava comigo. Eu pensei que quisesse ter essa vidinha nerd de merda e então parei de esperar. Você podia se dar o trabalha de vir falar comigo.

- Eu não tenho uma vida nerd de merda. Minha vida é ótima, nunca reclamei dela! Me desculpe mas quando foi que você me chamou para conversar mesmo? Ah não, você não chamou, só o seu ego que subiu demais e você virou uma idiota junto com seu namoradinho de merda e seus amiguinhos de merda! - Ela me olhava com os olhos marejados.

Me senti mal, claro. Mas ela tinha parte nisso, foi ela quem falou que minha vida era uma merda. Não podia deixar ela pensar isso de mim. Uau, isso soou muito infantil. A droga já está feita.

Percebendo que ela não ia falar mais nada eu fui procurar os garotos para avisar que eu ia ir embora. Meu clima para festa havia pegado as malas e ido embora.

Por sorte estavam todos no sofá da sala jogando alguma coisa no PS4 de Íris.

- Hã, oi. Já vou indo. - Falo.

- O que? Já? - Sadie grita.

Assinto com a cabeça.

- Por que? - Caleb pergunta.

-  Pessoas idiotas tornam o ambiente chato. E aqui está cheio delas. 

- Hum, ok. Vamos na cafeteria. - Jack sugere. Sim, éramos todos viciados em cafeína. 

- É, já deu da Party Apatow! - Sadie fala e todos vamos embora no meu carro. 

Eu tinha os melhores amigos do mundo.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...