História De repente é amor - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Shingeki no Kyojin (Attack on Titan)
Personagens Armin Arlert, Connie Springer, Eren Jaeger, Erwin Smith, Hange Zoë, Jean Kirschtein, Keith Shadis, Levi Ackerman "Rivaille", Mikasa Ackerman, Mike Zacharius, Moblit Berner, Nanaba, Petra Ral, Sasha Braus
Tags Aot, Comedia Romantica, Levihan, Mistério, Romance, Snk
Visualizações 150
Palavras 2.733
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá meus amores tudo bem? :333
Espero que sim >---<


Muito obrigada por todos favoritos e comentários. ❤❤ Eles sempre me deixam muuuito feliz ❤❤

Os dois últimos capítulos da Abnormal Lovers vão atrasar mais um pouquinho, pois quero postar ambos consecutivamente. :33 Aguardem só mais um pouquinho que além disso, vem surpresa boa por aí :33

Boa leitura meus anjos.

Capítulo 17 - Não agora...


Fanfic / Fanfiction De repente é amor - Capítulo 17 - Não agora...

Depois de mais de 15 tentativas frustradas, Levi resolveu adiar a ligação para a única pessoa que podia lhe ajudar. Ele bem sabia que seria mais fácil falar com o presidente dos Estados Unidos do que com o tio, mas naquele momento era a coisa mais relevante a se fazer. Não podia mais contar com o suporte do departamento do FBI e agora que tinha uma pista tão importante, não mediria esforços para averiguá-la. 

 

— Ah, você está aqui! O que está fazendo? — perguntou Hanji entrando de repente no escritório. Parecia eufórica. 

— Telefonando. — respondeu o dando os ombros. 

— E conseguiu? 

— Não. Tentarei mais tarde, mas mudando de assunto... O que o merda do seu pai queria? — perguntou ele cruzando os braços com uma expressão séria. Não, talvez irritado. 

Hanji deu uma breve risada. " O merda do seu pai", Levi parecia bem mais ressentido do que ela, pelo tapa que havia levado. E ela não sabia bem o porquê, mas achou aquilo tão... lindo.  

Podia soar idiota, mas ainda assim, quando ele se preocupava com ela daquela forma, Hanji tinha vontade de agarrá-lo, como uma louca. Mas ela se controlaria dessa vez... 

— Ele veio se desculpar. Disse que vem ao casamento amanhã. — contou ela . 

Levi suspirou fundo, parecendo não gostar muito da ideia. No entanto, depois da pista que tinha descoberto, aquilo não seria de todo mal. 

— Espero que não banque o merda de novo. Dessa vez não terá muita sorte. — ameaçou ele. 

— Certo, vamos esquecer as "merdas" do meu pai, quero mostrar o salão. Eu me esforcei muito dessa vez! — diz ela se dirigindo animada até a porta. 

O moreno se ergueu da cadeira e entrelaçou seu braço ao dela. 

—  Então, surpreenda me, quatro olhos. — desafiou ele dando um lindo e inusitado sorriso.  

Ela sorriu de volta, confiante. 

— Você vai se orgulhar de ter uma namorada tão talentosa, meu caro francês! 

 

Hanji levou Levi ao salão de festas, deixando o moreno mais que impressionado. Realmente Zoe tinha se superado desta vez. Ainda que tivesse reaproveitado algumas coisas de eventos anteriores, tudo estava lindo e impecável.  

— Você caprichou dessa vez, Hanji. — declarou ele a puxando para si. — Imagino quando for o nos- — Levi pigarreou. O que ele estava dizendo tão de repente... 

— Ah, Nana merece! E... Aaah! Levi quase ia me esquecendo tenho que buscar o meu vestido e o seu smoking! Somos os padrinhos, temos que estar impecáveis! — diz a morena entusiasmada, parecia não ter entendido nada do que ele dissera. Levi apenas respirou aliviado. 

— Certo, quer que eu vá com você? 

— Tudo bem, eu combinei de ir com a Nana, afinal ela queria fazer compras...você não se importa, né? 

— Não, nos vemos mais tarde. Afinal, tudo tem que estar pronto pra amanhã. 

Levi se despediu da morena com um beijo, e voltou ao restaurante o mais rápido que pode. Lembrou-se de ter esquecido de trancar a gaveta antes de sair. Um terrível descuido. Ao entrar, se deparou com a prima sentada sob sua mesa. Ela o encarou com um olhar sugestivo, e deixou escapar um largo sorriso. 

— Capitão... isso é surpreendente. Você está tão apaixonado que cogita casar com ela? 

— Sim, é o que pretendo, embora eu não saiba como... — respondeu ele, com a mais profunda sinceridade. Ele não sabia como ou quando, mas desejava ter Zoe ao seu lado, sempre. 

— Pedir? É simples! Você fica de joelhos e- 

— Cale a boca pirralha, antes que eu te mande de volta pra Tóquio. — disse ele em tom ameaçador, arrancando as alianças da mão da prima. 

Mikasa não pareceu se importar. Se aproximou e o abraçou. 

— Você não faria isso. Sabe que eu não tenho mais ninguém além de você, que se importe comigo. Me salvou daquele inferno...amo você, e quero que seja feliz. Sabe disso. 

— Está sentimental demais hoje. — retrucou suavizando a voz. 

— Sim, é que eu queria que o Eren me pedisse em casamento também. Mas... 

— Ele pedirá, quando deixar de ser burro. 

Mikasa riu. Seu sarcasmo a deixou com certa esperança. Porém, se o namorado não o fizesse, ela mesmo o faria. 

— Mikasa. 

— Sim? 

— Temos muita coisa pra terminar, mas poderia conseguir dar um recado ao Kenny? 

— Kenny... mas porquê? 

— Descobri algo importante, no caso do Vincent Zoe. Ou melhor, se esse for mesmo o nome dele. 

— Hn? O que quer dizer com isso? 

— A menos que ele saiba algum segredo não descoberto pela ciência de como crescer 10 centímetros em dois anos, aquele homem não pode ser o pai da Hanji. — contou o moreno deixado a jovem perplexa. Como aquilo havia passado despercebido? 

— Mas isso... Espera, você já contou a ela? 

— Ainda não. Vou contar depois do casamento, ela está muito feliz agora. Seria injusto eu estragar essa felicidade. 

— Tem razão. Vou tentar telefonar agora mesmo. Qual é o recado? 

— Apenas marque um horário, para que eu possa explicar tudo. Se ele concordar... terei acesso ao banco de dados e muito mais. 

— Entendido. 

 

Após a prima deixar o escritório, Levi guardou em segurança as alianças. Agora, era necessário manter o foco nos últimos acabamentos do casamento. 

 

 

— 

 

 

Em um restaurante próximo a beco um escuro, ao leste do Brooklin, Ashley barganhava com alguns ladrões, o plano que tivera para obter o dinheiro que precisava para cobrir seus prejuízos e despesas agora que tinha sido praticamente despejada por Shadis. Talvez, não só isso, se tudo ocorresse como planejado, poderia até mesmo disfrutar do restante da quantia consigo mesma. 

 

— Muito bem, aqui está a primeira parcela. Se fizerem tudo corretamente, darei a segunda. — explicou a loira entregando um envelope com dinheiro. 

— Claro, senhorita. Mas, não se preocupe, não haverá erros. Somos profissionais. — gabou-se o homem, dando mais um gole em seu whisky. Apesar da promessa em dinheiro ser ótima, sabia que estava se metendo em algo grande e perigoso. 

— É o que espero, caso contrário não serei apenas eu a perder coisas. — disse Ashley, com um certo tom de ameaça. 

— Isso é uma ameaça, moça? — perguntou ele. 

— Entenda como quiser. Já estão bem informados de tudo. Aguardo o "bom serviço " de vocês.  

— Irá se surpreender moça. Eu garanto. 

Ashley pegou a bolsa e saiu triunfante pela porta do restaurante "barato". Teve que empregar um bom dinheiro, naquele investimento arriscado, e já podia sentir o dinheiro em suas mãos. 

 

 

— 

 

 

Aquele dia passou mais rápido do que Levi havia imaginado. Talvez devido ao fato de ter passado grande parte dele na cozinha, nos preparativos finais do buffet do casamento. Mal conseguiu trocar duas palavras com Hanji, já que a morena se dividia entre ser a madrinha de casamento e a promotora daquele evento. Contudo, depois de inúmeras tentativas, o tio finalmente havia retornado suas ligações, e isso era uma enorme vitória para aquele dia. 

 

— Jean, Connie levem ao salão as últimas entregas. Depois estão dispensados, já que Hanji convidou todos vocês como convidados. — relembrou ele. 

— Sim senhor.  

 

 

Assim que terminou tudo, Levi se arrumou o mais rápido que pode, afinal como padrinho devia chegar pontualmente ao casamento. Enquanto terminava de arrumar sua gravata, Hanji adentrou em seu quarto linda e radiante. Vestia um lindo vestido preto com as costas nuas, o qual valorizava cada centímetro daquele corpo lindo e esguio, que o moreno conhecia bem. 

— Quer ajuda com esse nó? — disse ela o puxando pela gravata e lhe dando um beijo de leve nos lábios. 

— Você está linda...Se esse casamento não fosse daqueles dois... 

— Se não fosse... O que faria? — perguntou ela mordiscando os lábios, sentindo as mãos do francês percorrerem suavemente em suas costas nuas. 

Levi cochichou "aos mínimos" detalhes, o que faria, fazendo ela corar e rir muito. Ah, se ele soubesse como aquilo era tentador... 

— Faremos tudo isso mais tarde.... — diz ela ao pé do seu ouvido. — Agora vamos antes que a Nana e o Mike fiquem seus os padrinhos. 

— Realmente... 

Hanji o arrastou para fora. Afinal de contas. O pequeno flerte dos dois haviam resultado em um atraso de 5 minutos. 

 

 

Poucos minutos depois, a cerimônia ocorreu sem problemas. Nana e Mike estavam visivelmente emocionados. Ambos deixaram lágrimas sinceras escorrerem de seus rostos enquanto trocavam juras de amor ao pronunciarem os votos. Fora um lindo casamento. 

Após a chuva de arroz, os noivos e o restante dos convidados se dirigiram ao salão de festas, afim de comemorarem a felicidade dos recém-casados. A decoração e toda estrutura organizada por Hanji, pareceu impressionar a todos os convidados, principalmente sua mãe, que parecia mais que orgulhosa do trabalho da filha. 

 

— Filha... está tudo absolutamente lindo! Não sabia que tinha tanto talento querida! — elogiou a mãe, fazendo a morena coçar a nuca sem jeito. 

— Mãe...obrigada eu nem sou tão boa assi- 

O moreno deu um pequeno cutucão nela a impedindo de completar a frase. Estava sendo modesta demais para seu gosto. 

— Apenas aceite a realidade Hanji. Sua mãe está certa. Você fez um bom trabalho. — reforçou ele. 

Hanji corou com o comentário. Ah, se ele soubesse como seu coração se enchia de felicidade com aquilo... 

— Obrigada meu amo-...q-quero d-dizer... Levi. — gaguejou Hanji. De onde veio aquilo tão de repente? Amor???.... 

Levi entendeu, e sentiu seu rosto arder. 

— Desculpe a pergunta, mas vocês dois, voltaram? — perguntou Jamie, sendo o mais direta possível. 

— Sim, mãe. Mas não conte ao papai...err... nós não queremos... 

— Não se preocupe. Não direi nada meu amor. Fico feliz, principalmente depois de ter conhecido o senhor Ackerman. 

— O prazer é todo meu, senhora Zoe. Tanto pela mãe... quanto pela filha. 

— Ora, filha, parece que tirou a sorte grande, hein! — exclamou a senhora Zoe, dando um pequeno aperto na bunda do moreno. 

— M-Mãe! 

— Hahah até mais, vocês dois, tenho que achar seu pai e Shadis. Nos vemos daqui a pouco!— disse Jamie antes de sumir por entre os convidados. 

 

— Desculpe a mamãe... ele é assim mesmo, bem animada.  

— Não muito diferente da filha. — disse Levi sarcástico. 

Hanji fez uma careta, mas logo voltou a sorrir. Se serviu de mais uma taça de champanhe e voltou para o lado do francês saltitante. 

— Essa é a última que vai beber, sabe como você é fraca pra bebida. — advertiu tomando a taça das mãos da jovem. 

— Não se preocupe, sei meus limites, francês. Vem! Vamos procurar a Nana e o Mike! Aqueles espertinhos sumiram de repente...espero que não estejam pensando em antecipar a lua de mel!  

— Espera. — o moreno a interrompeu, a segurando pelo braço.  

— O que? 

— Agora a pouco, você disse... meu amor? — arriscou ele vendo o rosto de Hanji corar  provavelmente por ter sido pega no flagra. 

— E-Eu não! V-Você ouviu errado eu... Aaah Levi!  

— Farei você gemer isso pra mim depois. — sussurrou ele ao seu ouvido como uma doce ameaça. E, claro ela se arrepiou. Aquilo não soava nada ruim... 

 

— 

 

A primeira coisa que Nanaba fez ao avistar a amiga ao longe, foi acenar e gritar. Estava a procurando por pelo menos duas horas, porém era comum, que Hanji não parasse quieta em apenas um lugar, já que era a promotora daquele casamento.  Cruzou o salão arrastando a enorme calda de seu vestido, seguida por Mike que a observava hipnotizado pela beleza de sua esposa.  

 Ansiosa demais pela viagem, a loira pensou em pedir para que as coisas fossem aceleradas. Mal podia esperar para conhecer Roma, agora como senhora Zacharias. 

 

— Hans, será que podemos cortar o bolo e jogar o buquê? Não estou me aguentando de ansiedade! Quero sair logo daqui e ir para o hotel, antes de pegarmos o avião. — relatou a loira, claramente eufórica. 

 

Hanji soltou uma pequena gargalhada e cochichou algo para Levi. 

 

—  Claro Nana! E vamos seguir a tradição! Venham, vocês precisam cortar o primeiro pedaço! 

 

Hanji organizou para que o bolo fosse cortado o mais breve possível. E como esperado, Levi fora muito elogiado pelo sabor único provado pelos convidados. A fama e o bom conceito da agência, estava crescendo até mesmo para os convidados mais críticos.  

 Juntos, Levi e Zoe estavam tornando o nome da NO NAME, cada vez mais conhecido.  

 

 

Assim que Nanaba anunciou que iria jogar o buquê, um grande tumulto se organizou próximo a ela por todas as convidadas que ansiavam por aquele cobiçado objeto. Mesmo casada, Jamie não deixou de se juntar ao restante das mulheres naquele salão, que animadas gritavam para que a loira acabasse logo com aquela espera agonizante. 

 

Levi se aproximou de Hanji por trás e a cutucou de leve.  

 

— Parece que todo casamento é igual. Ao menos nessa parte. — ressaltou o moreno fitando aquela cena um tanto cômica. Mulheres frenéticas empurrando umas as outras por algo que lhes soava como uma "promessa futura". 

— É. Hunm... mamãe não devia estar ali olha só a cara do meu pai... 

Levi suspirou fundo ao ouvir aquilo. E ele bem sabia o porquê. "Aquele homem não pode ser seu pai", pensou consigo mesmo, ao voltar sua atenção ao rosto da morena. 

" Vou jogar...1...2...3 e.... 

— E você, não vai? — perguntou ele propositalmente. 

— O que? Eu? Lá? Eu não! Já tive minha chance no casamento dos gregos. Além do mais, isso seria tecnicamente impossi- 

 

Hanji achou que tinha bebido demais quando o buquê de delicadas rosas brancas, caiu sobre seu colo. Olhou com o canto do olho, vendo a felicidade da mãe e sua amiga e os olhares condenadores das outras mulheres que não conseguiram tal façanha. 

Levi simplesmente não pode conter a risada. Duas, vezes. Aquilo só podia ser um sinal. A morena corou, o moreno já estava lindo o suficiente de smoking, rindo então era uma visão no mínimo provocante. 

— Levi! I-Isso não tem graça! E se isso prejudicar meu trabalho! — reclamou Zoe fazendo biquinho. 

— Fique calma, quatro olhos. Só começarão a te condenar se pegar uma terceira vez. — retrucou ele a provocando. Na verdade, estava se divertindo internamente com a confusão no olhar dela. Isso a deixava apenas mais linda. 

— Hn... tenho que guardar isso aqui! Antes que chame muita atenção! 

O moreno revirou os olhos. 

— Não demore. Aqueles dois não vão querer esperar muito pela lua de mel. — advertiu ele, dando espaço para que ela passasse. 

— Pode deixar, volto em dois minutos!  

 

 

Não, Hanji não voltou em dois minutos, muito menos em dez. Levi bufou impaciente, se erguendo da mesa para sair em busca dela.  Acaso ela não tinha escutado suas recomendações? Passou pelo salão e adentrou no corredor do escritório da NO NAME. 

Tudo estava estranhamente silencioso... 

 

— Hanji? Porque está demorando tanto? Se- 

 

Levi notara que o escritório estava estranhamente revirado. E um envelope grande se destacava bem em cima da mesa, era endereçado a Vincent Zoe. Pouco se importando com aquilo, leu o conteúdo, sentindo seus joelhos temblarem. Aquilo não podia estar acontecendo, não agora.  

— Hanji... não... — murmurou ele, sua voz estava abalada, com um tipo de dor que nunca tinha sentido antes.  

— Capitão, os noivos pergun-... 

O moreno praticamente atropelou Connie ao correr desordenado, para fora do escritório. 

— Mas, o que aconteceu aqui???— se perguntou o jovem, sem entender nada. A expressão desconcertada que viu no rosto de seu superior, não lhe era comum... 

 

— 

 

Ao sair da banheira, Ashley atendeu ao telefone com um ar triunfante, afinal de contas, esperava impaciente por aquela ligação. As notícias deveriam ser positivas, caso contrário, não teria como manter sua agradável suíte por muito tempo. 

— Boas notícias senhorita Ashley. Estamos com a moça. Só não sabia que era tão linda.  

— Me poupe seu imbecil, acaso você é cego? Mas enfim, já que conseguiram, prossigam com o plano. Depois que conseguirmos arrancar dinheiro da família dela, podem fazer o que quiser com essa vadia. Eu não me importo. 

— Ora, isso é ótimo. Até logo senhorita, nos falamos em breve. 

— Sim, muito breve. — a loira desligou o telefone, tomada de uma estranha alegria. Tudo estava ocorrendo segundo sua vontade...  

 

Continua... 


Notas Finais


E então Gostaram?
>--< Me conte por favor, sua opinião é importante pra mim e para o desenvolvimento da história :33

Ah, obrigada apoio e por ler até aqui >--<
até o próximo :333
Kissus da Tia Zoe.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...