História De uma nerd para uma bad girl - Capítulo 34


Escrita por: e enciumar

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Bia, Castiel, Dakota, Debrah, Kentin, Leigh, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Rosalya
Tags Amor Doce, Castiel, Romance
Visualizações 149
Palavras 2.060
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Literatura Feminina, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaaa mais um epizinho bad :(
Calma já já melhora hahaha (ou não)
Espero aue estejam gostando da fic, dêem o favorito se gostam da fic (ngm é obrigado rsrs) e deixem seu comentário para saber oque gostam ou não na fic :)

Ps. Não me matem por estar fazendo eps mais bad haha

~Podem ler eu deixo ^^

Capítulo 34 - Me d-desculpa...


Fanfic / Fanfiction De uma nerd para uma bad girl - Capítulo 34 - Me d-desculpa...

Se passaram os minutos assim o teste ficando pronto, Carlos olhou primeiro os três e me deu um olhar de canto

- você espera aual resultado lucy? - ele falou ainda fitando os testes 

- negativo não tenho tempo nem para mim vou ter para uma criança - sussurei ainda abaixada perto do vaso já que não sentia vontade de levantar 

- eu tenho uma boa e uma má notícia..

- para de enrolar caralho se não vou fazer você engolir essas porras - gritei irritada 

- você não vai ser mamãe Lucy - carlos falou rindo 

- Sério? - levantei pulando na mão de carlos e olhando os testes - você é um completo idiota 

Carlos ria, bom dois testes deram negativo mais um deu positivo dando na data certa que provavelmente teria engravidado

- foram dois negativos lucy - carlos colocou a mão em meu ombro 

- e um positivo acertando até o dia em que transei com Ryan caralho - grunhi pronta para matar carlos e seu "lado positivo" - você tem noção a complicação que é minha vida? Eu causei aquilo a Ryan por deixar ele entrar nela e não prentendo colocar uma criança nela 

- calma lucy...

- calma o caralho carlos! Eu não aguento mais....eu vou estorar...eu...eu - preciso de uma velha amiga..

- você oque lucy? - carlos falou vendo eu paralisar 

- preciso ficar sozinha...de um tempo sozinha...

- para quê? 

- não importa...ou vai sair do meu quarto por bem..

- ok mais se acalma eu vou ver se consigo marcar um teste de sangue para você -  ele falou jogando os teste no lixo e saindo do banheiro 

- tá mais amanhã to sem cabeça - sussurei levando ele até a porta de meu quarto - cece leva o carlos até a porta 

Gritei e fechei a porta a trancando rapidamente, senti uma grande dor no peito e me joguei contra a porta deslizando por ela. Ryan eu precisava dele, ele não me deixaria sozinha com meus pensamentos nesse momento, ele me acalmaria, ele diria que tudo iria ficar bem e que ele estaria ao meu...lado, mais não está, minha cabeça parecia rir de mim mesma, parecia apontar o quão idiota eu sou, parecia me prender lá dentro em meio a muitas lembranças...muitos momentos felizes, eu não queria mais a vontade veio quando me vi estava com a lâmina em minha mão, aquela lâmina parecia me chamar, parecia ter um imã a minha pele, ela era minha psicóloga, sentia todos os meus problemas e os aliviava com sangue, sentir aquele arder da lâmina em meu pulso era como entrar em êxtase, logo pareci não ter controle de meu corpo, precisava de mais sangue, mais dor, precisava descontar meus problemas, não foi suficiente só um braço lanhado a cortes fundos, os dois estavam cheios de sangue que escorriam fazendo uma poça no chão, senti minha cabeça tontiar e uma franqueza, minhas pernas falharam, mais desta vez não iria ao hospital, eu peguei a garrafa de álcool encima da cômoda e acabei drixando ela cair pois estava perdendo o movimento do pulso, me joguei no chão mordendo meu lábio fortemente e consegui agarrar a garrafa de álcool, a abri com dificuldade e derramei sobre meus braços sentindo aquela imensa dor, segurei meus gritos em meio as lágrimas e abaixei meus braços vendo o sangue escorrer pouco e logo apaguei no chão pela fraqueza 

- Lucy acorda - escutei um sussuro sentindo meu olhos queimarem e meus braços doerem - por favor não quero ter que te levar no médico 

Eu abri meus olhos vendo embaçado um vermelho gritante, pisquei vendo o rosto de castiel perto do meu, seu cabelo encostava em meu rosto e sua expressão era de desespero, ele pareceu ver eu acordando e segurou minha mão 

- por que você faz isso ruiva - ele sussurou - fica acordada

- e-eu... - ele colocou o dedo em minha boca e senti ele grudar algo em meu braço 

- fica quieta antes que eu te estrangule por ser tão idiota - ele esbravejou

Eu acabei fechando meus olhos novamente mais castiel me acordou ao apertar meu braço 

- c-caralho cas..tiel - falei em um sussuro mais queria gritar com ele 

- já mandei calar a boca ruiva - ele falou termnando oque fazia em meus braços e me segurando, percebi que estava em seu colo - se não recebo a ligação de carlos e entro aqui oque aconteceria com você sua idiota 

- u-um sonho...

- você tá drogada ou oque peste - ele gritou nervoso, pude sentir sua respiração forte contra minha pele - Ryan não vai gostar de saber que fez isso novamente 

- desde...quando se importa c-com oque os outros gostam - falei baixinho 

- não me importo mesmo, particularmente com aquele retardado...mais me importo com você - ele falou a última parte como em um sussuro - nem deveria você tem uns dez baba ovos...mais mesmo assim nenhum deles sabe como sua cabeça funciona ou consegue te cuidar direito 

- e v-você sabe? - perguntei o olhando naqueles olhos sombrios cinzentos, por mais friu que seu olhar fosse ele ainda parecia caloroso sobre mim 

Ele não me respondeu continuou me olhando  fixamente, seu olhar não sai de meus olhos, ele parecia querer dizer algo mais se prendeu, eu fui sentindo minha visão escurecendo novamente e meus olhos querendo fechar 

- fica acordada Lu..cy...p-por favor - ele sussurou e eu me surpreendi por escutar ele falando daquela forma, preocupado, nunca tinha ouvido ele pedir por favor e ele não me chamava de "lucy" sempre 

- e-eu to tentando - sussurei abrindo novamente meus olhos - fiz besteira denovo 

- uma baita de uma besteira - ele afirmou - quer ir ao médico? 

- não...por favor não quero todos me oljando e me julgando denovo - falei baixinho parecendo me faltar ar 

- mandei cece fazer algo para você comer...

- e-ela me viu? - perguntei preocupada 

- não, não deixei ela entrar no quarto - ele falou passando a mão por minha bochecha - você está muito quente Lucy 

- e-eu to me sentindo...gela...como se estivesse...

Senti minha vista escurecer novamente e perdi os sentidos de meu corpo, foi como se meu corpo estivesse...vibrando? Vi uma luz forte novamente mais rapidamente me acordei com um susto vendo que estava no hospital 

- ai - senti a grnade dor de cabeça colocando a mão nela e me deitando novamente 

Observei aquele quaeto branco, vi as máquinas e os soro, olhei para a poltrona vendo o ruivo dormir ao lado de bia, eu tentei me lembrar como vim parar aqui e minha última lembrança fora de eu com carlos vendo os testes, gemi sentindo meu braço arder todo enfaixado 

- ruiva - escutei a voz de sono de castiel e olhei para ele 

- hum.. - bia pareceu acordar também 

Castiel se levantou vindo até mim e acordou bia que em um pulo me olhou assustada 

- bia vai chamar a enfermeira - castiel falou indiferente e se aproximou - ruiva está bem? 

- t-to - resmunguei-  tirando estar nesse lugar 

- pensa que virá para cá  antes de se cortar novamente - ele esbravejou me assustando com sua irritação 

- não pendei que viria para cá....pensei que iria para um tumu..

- CALA A PORRA DA BOCA SEM NOÇÃO - ele gritou me assustando, eu me calei olhando para ele que logo mudou a expressão de raiva para preocupação. Bipolar - eu não sou o Ryan para aturar suas criancices e ficar quieto 

- não Ryan é fofo você é um escroto - mostrei a língua me emburrando 

A enfermeira entrou no quarto e retirou os dois fazendo oque fez da última vez, ela ficou calada enquanto fazia seu trabalho e depois saiu deixando apenas bia entrar 

- eu te odeio sua bruxa - bia gritou e correu me abraçando 

- eu também me odeio - senti o tapa de bia em minhas costas e ri - quantos dias estou aqui 

- quase duas semanas - ela sussurou - carlos me falou o possível motivo de você ter feito isso...

- foi o motivo - resmunguei baixinho 

- castiel te encontrou e te trouxe para cá, tadinho ele estava tão desesperado com medo de você...

- não iria morrer da última fez foram mais fundos - ironizei 

- você tava indo tão bem...

- era isso que eu queria que vocês pensassem, não quero nenhum de vocês preocupados comigo vocês tem suas próprias vidas e a minha eu resolvo - dei de ombros mais ela me abraçou 

- não fala isso Lucya -  ela sussurou parecendo chorar - todos precisamos de você exclusivamente uma pessoa que te ams muito e está lutando para acordar 

- você...tem notícias d-dele? - perguntei preocupada 

- a mãe dele falou que na noite passada ele sussurava seu nome enquanto dormia e o médico falou que os remédios estão dando efeito - suspirei aliviada 

Olhei ainda abraçada a bia o castiel e o lys entrarem no quarto, lys nem me olhava, eu sabia oque deveria passar na cabeça dele... mais me surpreendi quando a bia e o castiel sairam do quarto me deixando sozinha com ele, lys se aproximou se sentando nos pés da cama de cabeça baixa 

- não fala o que você pensa sobre isso, eu não preciso ouvir oque já ouvi uma vez..

- não vou...minha opinião iria te machucar mais meu coração só quer te abraçar e dizer que isso vai passar...dizer que tudo vi ficar bem...e que você sempre vai poder contar comigo...pequena 

Senti meu coração acelerar ao uovir o apelido, meus olhos se encheram de lágrimas ao ouvir oqie eu queria tanto ouvir de Ryan, depois de tanto tempo longe de lys ele ainda me causa uma sensação de quando estávamos juntos...eu queria tanto poder desabar oque sinto encima dele mais a função dele é acalmar a bia e não a mim, mesmo me doendo muito, eu terminei tudo...mesmo ainda amando ele

- para de se julgar Lucy, a culpa não foi sua a culpa foi do jogo...de debrah - ele sussurou e se aproximou me abraçando contra ele - você era uma pessoa de bom coração...doce e debrah se aproveitou

- eu só fugia dos problemas, fingia qur nada acontecia e me machucava como agora, mais parece que todos os problemas que ignoravam voltaram contudo e cairam encima de mim....todos de uma vez, eu me sinto sufocada, machucada, perdida e s única pessoa que me mantia viva eu quase tirei a vida - falei entre soluços e senti lys me abraçar mais forte afagando meus cabelos, sua respiração me arrepiava pois seu rosto estava próximo a meu pescoço 

- para de se culpar pequena, nem tudo foi sua culpa, Ryan foi imprudente ao sair com o carro daquela forma, seu pai apenas usou você por seu bom coração e te afetou no lado mais dolorido...o carinho por quem ama...você foi movida por medo de perder ele..

- e acabei quase perdendo...

- não estou ajudando..

- não...tá sim....e muito...me ouvindo já me ajuda muito..sério - sussurei soltando ele, ao soltar ele do abraço nossas bocas quase se colaram ficando a centímetros de distância

- Lucy...

Eu fechei meus olhos sentindo seu lábio roçar nos meus, foi uma invasão de emoções, fazia muito tempo que não me sentia tão perto de lys, levemente e calmamente ele foi levando a mão ao meu rosto e a outra pegou em minha cintura, ele pediu passagem com a lingua e logo sedi, seu beijo era calmo deixando um gosto de saudade, sua boca parecia um mel, seus lábios macios, senti ele mordiscar meu lábio e sorrir acariciando minha bochecha, meus olhos estavam cheios de lágrimas, tantas lembranças em um beijo, a mais machucada de nossa separação, quando ele separou nossos lábios eu demorei a abrir os olhos vendo aqueles imensos olhos bicolores, sua respiração ofegante com a minha e meus lábios formigando querendo mais, mais uma dose, ele limpou minhas lágrimas sorrindo e me puxou para um abraço, ele estava chorando, mais como todas as vezes ele não quis me deixar ver ele chorar, eu o abraçei 

- me d-desculpa....não devia - sussurei 

Ele continuou abraçado a mim e pude ouvir seus soluços abafados, mais um coração partido por minha culpa...


"Amor que é verdadeiro, 

jamais será esquecido, 

ficará apenas escondido, 

na lembrança do primeiro beijo, 

sentido com o coração, 

na paixão de um desejo"


[...] continua..



Notas Finais


:(


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...