História De volta ao passado - Capítulo 1


Escrita por: e Alan_Victor

Postado
Categorias Mamamoo, TWICE
Personagens Chaeyoung, Solar
Tags Chaeyoung, Mamamoo, Solar, Twice
Visualizações 16
Palavras 1.412
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá caros leitores dessa novíssima fanfic!
Eu sou o Gabriel, tomara que gostem do jeito que eu escrevo 👍
até 👋

Capítulo 1 - Capítulo 1


Fanfic / Fanfiction De volta ao passado - Capítulo 1 - Capítulo 1

~Point Of Views S/n~

Olá, meu nome é S/n/i, tenho trinta e um anos. Hoje em dia trabalho em um mercado, como atendente, não é o trabalho dos sonhos, porque eu nunca tive um sonho de emprego, já que na minha adolescência passava dias me drogando e bebendo. Eu consigo me estabelecer em uma casa por causa do meu irmão mais velho, Jackson, ele é muito bem sucedido e sempre me ajuda quando preciso.

Eu fui a pessoa que com certeza aproveitou a adolescência, já que ia para todas as festas, pegava várias pessoas. Hoje em dia, eu tenho idade de beber e afinal eu nem bebo, sou outra pessoa, passo o dia inteiro no mercado, me arrependo de ter virado algo diferente, já que vivo em uma situação horrível.

{...}

Acordo com o despertador tocando, logo bato em meu celular e vejo que estava atrasada.

~Merda~

levanto rapidamente e vou para o banheiro, aonde faço minhas higienes e tomo um banho rápido.

saio de casa as pressas, vejo que meu ônibus já tinha passado.

- Droga, tá tudo dando errado hoje para mim. - Penso caminhando até o ponto de ônibus. - Só falta eu ser roubada.

Vejo um carro parrar na frente do ponto, ele abaixa a janela e me deparo com Seulgi.

Seulgi - S/n? - Ela diz abaixando seus óculos. 

Seulgi era uma das minhas melhores amigas no colegial, ela sempre ia nas festas comigo, era muito legal.

- Seulgi?? A viada do sétimo andar que canta e dança? Como foi seus dias de trainee, foi despejada?

Seulgi - Fui, na minha segunda semana, os caras da SM São um bando de idiotas, agora eu tô assim, toda cagada com trinta e um anos...

- Com a cara cheia de plástica né Seulgi?

Seulgi - Pois é, minha esposa, a Irene que pagou, pagou para mim e para ela.

- Então vocês se casaram mesmo? O que no início era um ship besta entre duas melhores amigas agora é real.

Seulgi - Da última vez que te vi foi na festa de despedida do terceiro ano, na festa da Moon Byulyi.

- Pois é, eu me lembro que bebi até não querer mais.

Seulgi - Eu lembro. - Ela ri. - Então... Tá indo aonde? Eu posso te levar.

- Eu perdi meu ônibus, eu vou apé, tudo bem. - Sorrio a ela. - Eu tô indo trabalhar, sabe naquele mercadinho lá do lado da padaria de SamoGuy. Sabe?

Seulgi - Eu sei sim, aquele mercado é uma maravilha, quando trabalhava lá eu roubava comida, ninguém nunca suspeitava de mim.

- Nossa, perigosa você né?

Seulgi - Sim, sim, até algum dia S/n barraqueira. - Ela dá partida no carro e eu começo a andar.

Fico pensando no meu passado, bem, se eu voltasse no tempo eu iria mudar tudo, desde minhas noites a baladas estupidas até ficar com Minatozaki Sana, aquela garota era sadomasoquista caralho, doieu de mais minha bunda, fiquei um tempão com dores.

Logo que volto ao meu mundo real percebo que já estava na frente do mercado, entro de fininho para o meu chefe não perceber meu atraso de meia hora.

- fudeu. - Penso logo que vejo um cara com várias entradas, meia idade, roupa social muito cafona, meu chefe. - Olá Senhor Park. - Digo fazendo reverência.

Park - Um atraso de quinze minutos S/n?

??? - Na verdade foi de Meia hore chefe! - Um garoto com sorriso no rosto me olhando, mas é claro que é Kim Joung-Yee, o puxa saco do dono do mercado.

- Olha, fica na sua viu Joung? - Digo olhando fixamente para o menor que ria da minha cara.

Park - Obrigado senhor Kim.

- O QUÊ? SENHOR KIM? Sabe eu sou muito mais velha que ele e o senhor nunca me chamou de senhora.

Park - Ah, mas eu pensei que ficasse incomodada, já que senhora te deixa mais velha... Aish, já é a quinta vez S/n, da última vez eu disse o quê?

- Eu não me lembro senhor Park.

Joung - Eu lembro. - Ele disse vindo até a nós. - Você iria para rua instantâneamente.

- Quem?

Joung - você!

- Te perguntou. A conversa é minha e do senhor Park, e crianças como você não deveriam entrar na conversa. - Ouço Park rir.

Park - Ok, senhora S/n...

- Pode me chamar se S/n mesmo.

Park - Tá, S/n você pode pegar suas coisas e se retirar da loja? - ele diz e eu assinto.

Vou correndo para minha mesa pegar minhas coisas, depois de alguns minutos já estava saindo do mercado, com uma caixa de papelão não mão e lágrimas pelo meu rosto inteiro.

~Ok, cá entre nós a melhor opção de fazer depois de perder seu emprego e ah, perder seu ônibus e sua dignidade você vai no bar ou em qualquer balada para ficar com alguém, mas como estou naqueles dias eu vou optar por beber mesmo.~

Deixo minhas coisa encima da mesa e peço bebidas, as mais baratas no caso.

[...]

Quando percebo estava em um banheiro da recepção de um motel. Eu acho que bebi de mais.

Vou até minha casa, o céu já estava escuro, então quer dizer que passei muitas horas no bar.

Estava atravessando a rua, que só tinha eu, coisa bem bizarra, já que as ruas de Seul são muito lotadas, mais que uma balada inaugurado com bebida de graça.

Meu pensamento é afastado quando ouço uma buzina indo em direção a mim, na verdade um carro muito grande vindo na minha direção, bem, não tinha muito o que fazer, já que ele está quase no meu nariz e eu estou no ponto de morrer.

[...]

Acordo em uma cama, parecia ser de um hospital bem velho, eu tô viva, caralho, eu posso até colocar no meu currículo "Eu fui atropelada, mas estou viva agora".

Me deparo com um cara segurando minha mão, solto rapidamente e me deparo com meu pai? Ele morreu faz moh tempão.

- Ei, eu tô no céu? - Digo cutucando meu pai.

Pai - Pare de falar bobagens S/n! - Ele me bate. - Você sobreviveu a um acidente S/n, deveria agradecer.

- Tá mais por que você está aqui? Morreu faz muito tempo, tipo quatorze anos atras.

Pai - Eu não morri, eu tô vivo! Agora levanta dessa cama, você já recebeu alta e tem que ir para a escola.

- Fazer o que lá? Eu já me formei e tô toda fudida, a escola não me ajudou.

Pai - Que formou o que, você tá no último ano do ensino médio... E quem te ensinou a falar palavriados feios?

- O senhor, o senhor que fica falando no celular e xingando todos.

Pai - Você tá em 2004, agora vamos para a escola que eu preciso ir ao meu trabalho. - ele me levanta e coloca uma roupa do meu lado, era o uniforme.

Pera, 2004, uniforme ridículo, hospital cafona, eu voltei no tempo?

Coloco o uniforme rapidamente e saio do hospital, meu pai iria me levar a escola.

Pai - Só estou te levando porque eu quero ter certeza que você foi a escola! Agora vamos vamos. - Ele dá a partida no carro.

Mas que bosta eu tô fazendo? Indo para a escola de novo? Que mundo eu tô? Só uma pessoa doida o suficiente pode me ajudar, Myoui Mina, a doida do segundo ano, ela é muito rica no presente, conseguiu muita grana com um livro de viagens no tempo, que para mim era uma tremenda idiotice.

Logo que saio do carro umas garotas me fecharam.

- Com licença. - Digo tentando sair só que elas não deixavam. - Vocês podem me dar licença por favor? Eu quero passar!

??? - S/n, você tá bem? - Essa voz era familiar, viro para trás e dou de cara com Eunha.

- Oi Eunha. Suas amigas podem deixar eu passar? Eu preciso ir urgentemente para um lugar.

Eunha - Eu fiquei preocupada con você, na hora que ouvi que você foi atropelada eu só chorei, pensando que iria te perder. - Ela ignora meu pedido.

- Eu preciso ir, tipo agora. - Empurro uma garota qualquer e vou em direção a sala do Segundo ano.

Bato na porta e a professora abre. - Oi, a diretora tá chamando a Myoui Mina. 

Prof - Myoui Mina! A diretora tá te chamando. - logo a menor desce e sai da sala.

- Ei. - Seguro seu braço. - Eu preciso falar com você.

Mina - A diretora que precisa falar comigo, por favor, com licença.

- Eu inventei isso, a diretora não quer te ver, eu preciso falar com você!

Mina - Eu tô perdendo a aula de física, tomara que isso seja bem importante, porque eu amo física.

- É muito importante! Myoui Mina, eu voltei no tempo!


Continua...


Notas Finais


Eai, gostaram da fanfic? Se gostaram mesmo comentem e favoritem a história!
Tchau.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...