1. Spirit Fanfics >
  2. Dead walking on earth >
  3. Desordem

História Dead walking on earth - Capítulo 30


Escrita por: luzinanda

Notas do Autor


Olha quem atualizou cedo depois de um capítulo tenso. 👁️👄👁️

Gente, deixa eu esclarecer aqui, os acontecimentos do capítulo 25- Alienação, são acontecimentos em uma linha de tempo diferente da que acompanhamos com os protagonistas, a História não sabia quanto tempo ficou em sina, e quando foi resgatada, estávamos alguns dias no futuro em relação aos acontecimentos com Eren e Levi.
Quero deixar claro, coisa que esqueci de fazer antes, que quando mudo o ponto de vista posso estar mudando a linha do tempo também, ok? Assim como aconteceu quando fiz o capítulo extra para a história e Ymir, naquele caso era passado.
Boa leitura, qualquer dúvida que ficar comentem que eu esclareço aqui nas notas também.

Capítulo 30 - Desordem


O tanque sacudiu quando passou por cima de mais um titã, estranhamente, aquela região normalmente deserta parecia estar com uma quantidade a mais de criaturas.

-Parece que alguém fez uma bagunça por aqui.

Comentou a mulher de cabelos acobreados no alto da máquina de matar, na posição de apontadora, como a munição era automática, só contavam com o homem careca como condutor e Ewrin era o chefe de carro.

-Vou fazer um desvio, não quero atrair uma horda para o acampamento.

-Pode ir, Connie. -Disse Ewrin observando História e Hanji de onde estava, não confiava na mulher loira, mas a amiga de óculos parecia muito interessada na pasta que tinha nas mãos e daria o benefício da dúvida caso a informação fosse importante.

Havia também o nome Eren Jaeguer, nunca havia sequer ouvido falar de alguém com esse nome, já que a família Jaeguer era conhecida pelo patriarca, Grisha, sua esposa Dina e seu único filho, Zeke.

Pessoas inescrupulosas e responsáveis pelo apocalipse que viviam no momento, infelizmente, tinham o apoio do governo e pessoas remanescentes das três tropas do poder militar de Paradis que não concordavam com aquilo se juntaram em uma tentativa de derrubar os cientistas sem caráter.

E o antigo comandante da tropa de exploração fazia parte do grupo rebelde, Ewrin Smith.

Hanji, Sasha e Connie, as pessoas que ocupavam junto com ele e História aquele tanque, eram poucos dos sobreviventes da tropa praticamente extinta após o vírus biológico se espalhar.

Um tranco fez todos se surpreenderam, Connie parara o veículo de uma só vez.

-Merda Connie, alguma coisa explodiu aqui perto.

-Estou vendo, Sasha, tem fumaça por todo lado.

-Vamos desviar. -Disse Ewrin, sem se abalar, era comum que pequenos grupos de sobreviventes tentassem a sorte com os titãs.

-Comandante, não é uma explosão comum, é algo grande, usaram equipamento do exército com certeza.

-Não é melhor irmos dar uma olhada? – Pediu Hanji, desviando dos olhos dos documentos que analisava a bons minutos, História se mantinha em silêncio reclamando vez ou outra baixinho de dor, estava perdendo sangue.

Ewrin analisou a situação, mesmo que fosse a favor de ajudar sobreviventes e conseguir juntar pessoas para o grupo, não considerava o momento adequado, estavam com os soldados ocupando veículos comuns atrás e História sangrava ali dentro, talvez não tivessem nem espaço para resgatar quem quer que fosse.

-Desvie. -Manteve sua postura, mas o grito surpreendido de Sasha chamou a atenção de todos os presentes.

-Sasha, o que foi? -Perguntou Hanji preocupada.

-Tem alguém correndo na nossa direção.

-É muito pequeno para ser um titã. -Confirmou Connie.

-É só um? -Perguntou Ewrin enrugando as sobrancelhas grossas, seria possível?

-Sim, está armado, alguns titãs vem atrás, ajudamos ou seguimos em frente, comandante?

Suspirando o loiro apertou os comandos necessários para abertura do tanque.

-Tudo bem, ajudaremos.

Sasha retirou o capacete protetor que usava e os óculos, acenando freneticamente.

-Ei você, sobe aqui!!

Mesmo estranhando o homem desconhecido não tinha muita escolha, estava correndo a alguns minutos e não tinha onde se esconder ou qualquer veículo para se locomover mais rápido, alguns titãs já se curavam da imensa horda que ele explodiu e seguiam atrás de si.

Ainda com a adrenalina alta correu o máximo que conseguiu forçando seus músculos inferiores, porém, antes que pudesse pular para dentro da segurança do veículo oferecido por estranhos, uma voz forte soou lá de dentro.

-Jogue as armas primeiro!!

O homem apertou o rifle que segurava claramente contrariado, não conhecia aquelas pessoas e não se sentia seguro estando desarmado, mas não tinha qualquer escolha quanto aquilo, pois uma quantidade grande de titãs já se acumulava na esquina.

-Permissão para atirar, senhor.- Pediu Sasha, angustiada com a quantidade de criaturas que se aproximava.

-Negada, vai chamar muita atenção.

Respondeu Ewrin.

O homem sem escolha recolheu sua pistola e rifle, além da adaga em sua cintura e jogou antes de subir, entrando finalmente no veículo gigante, dando de cara com quatro pessoas desconhecidas e uma ao qual ele encarou como se tivesse visto um fantasma.

Coçou os olhos sentindo seu peito acelerar com a visão da loira sangrando.

-HISTORIA?!

-Eren. -O nome saiu em um tom até então desconhecido para o moreno, que não entendia o que estava acontecendo, aquelas pessoas eram aliadas de Zeke?

Seus músculos tensionaram e Eren se encolheu, colocando o corpo em posição de defesa.

Havia se colocado nas mãos do inimigo.

-Merda, te machucaram. -Afirmou olhando de canto para a mulher de óculos e o loiro a sua frente, não pareciam abalados.

-Eu estava com Zeke e eles me pegaram. -Afirmou a loira, não sabendo exatamente como agir frente ao Jaeguer.

-Eren Krueger? -Perguntou Hanji, curiosa.

-Jaeguer. -Quem respondeu foi História, vendo uma sombra passar pelos olhos das pessoas presentes naquele ambiente apertado.

Hanji se moveu, sacando sua pistola em uma velocidade incrível e apontando na cabeça do homem resgatado, Ewrin puxou algemas.

-Não atreva a se mover, Jaeguer maldito, ou estouro os seus miolos, entendeu?

Mesmo sem entender aquela agressividade repentina, Eren concordou com a cabeça, mordendo os lábios nervoso, estava confuso e perdido, quem eram aquelas pessoas? Por que História não fazia nada para lhe defender?

Ewrin prendeu suas mãos com as algemas e se manteve ao seu lado, enquanto Hanji estava na sua frente segurando a arma com uma expressão ameaçadora no rosto antes tranquilo.

-Não acredito que finalmente conseguiremos interrogar um deles.

-Espere, Hanji, quando chegarmos resolvemos esse problema.

Olhou com nojo para o homem de olhos verdes, realmente era um Jaeguer, aqueles olhos idênticos aos de Grisha não negava tal fato.

Eren resolveu se manter em silêncio, já estava em uma situação ruim, falar qualquer coisa naquele momento tenso, desarmado, seria perigoso.

Ele precisava ficar bem para voltar para Levi.

-Acelera, Connie, estamos em situação de urgência.

Sem esperar mais o careca aumentou a velocidade, atropelando os titãs que apareciam no caminho.

(...)

Armin estava impaciente com a ansiedade óbvia de Mikasa, que andava de um lado para o outro, já cansada de esperar dentro do carro.

-Mikasa...

-Por favor Min, não me impeça de andar, ficar parada é pior e...

-Vai ficar tudo bem ok? Precisamos confiar neles.

Mal terminou sua frase e um barulho alto de explosão seguida de uma batida forte foi ouvida, a primeira parecia ser mais longe, entretanto, a batida, era bem perto e cansada daquilo a asiática se pôs a correr na direção do barulho.

-Mikasa!! -Chamou Jean, pronto para correr atrás.

-Droga, entra, Jean. -Gritou o ômega desesperado, já ligando o carro para sair dali, os militares não entenderam a comoção, mas seguiram os outros.

A Azumabito dobrou a esquina e se surpreendeu com a fumaça que saia do fim da rua, onde um carro havia batido e alguns Titãs se acumulavam, porém, não teve tempo para observar mais, pois um corpo no meio da via fez com que se desesperasse e voltasse a correr.

Seu coração se apertou quando viu que era Levi desmaiado e com a cabeça sangrando, gemeu nervosa avaliando seu pulso e suspirou aliviada quando percebeu que estava vivo.

-Levi..- tentou acorda-lo, mas ele não se movia, se levantando pegou o Ackerman no colo disposta a voltar com ele para onde os amigos estavam e se surpreendeu quando os carros se aproximaram, Jean foi o primeiro a sair preocupado e nervoso.

-Mikasa, não faça mais isso, entendeu? -Segurou o rosto dela olhando em seus olhos, percebendo toda a angústia presente, respirou fundo tentando se acalmar e analisou a pessoa que ela carregava, tomando-o para o próprio colo e se dirigindo até o carro parado com Armin no volante, descansando o corpo pequeno nos bancos traseiros.

-É o Levi...

Disse o Arlet analisando por cima a situação.

-Mikasa...-Continuou o loiro em uma expressão assustada- Onde está o Eren?

Os três se encararam em um sentimento de pesar compartilhado, não seria possível, seria? Eren havia se sacrificado? Como? Porque? Os olhos da asiática se encheram de lágrimas quentes que desceram sem permissão, Armin tremeu se esforçando para não perder o controle dos feromônios naquele momento, já que poderia atrair titãs, a realidade batendo com força em todos, estavam no meio do caos de um apocalipse e mortes aconteciam a todo o momento, mas mesmo assim a perda era dolorosa, os olhos seguiram até Levi desmaiado no banco de trás e um sentimento mórbido tomou conta, o Ackerman seria quem mais sofreria com aquilo.

Porém, antes que qualquer um deles abrisse a boca para falar, um grupo de carros seguindo um grande tanque militar vinha da rua onde aconteceu a explosão e ao invés de passar direto pelas pessoas paradas na rua, cercaram a todos com armas em punho saindo pelas janelas.

Sem escolha, mesmo armados mas em menor quantidade, Armin, Mikasa e Jean se renderam, levantando as mãos, enquanto que os militares saíam dos carros faziam o mesmo, visualmente irritados.

Annie observava tudo aquilo enquanto estalava a língua no alto da boca, a situação não era das melhores e agora estavam cercados por desconhecidos fortemente armados.

-Se afastem dos carros. -Mandou um dos homens, Armin arregalou os olhos, amedrontado.

-Por favor, tem um amigo nosso ferido dentro do carro...

-Se afastem, e encostem as mãos na cabeça.

Obedeceram fazendo uma fila indiana com as mãos na cabeça, Mikasa e Armin olhavam preocupados para o carro onde Levi estava.

Um dos homens abriu a porta e analisou o machucado na cabeça do baixinho, que sangrava, além dos cortes e arranhões pelo corpo.

-Mandem chamar a Tenente Zoe, ela é médica.

Um dos soldados correu até o tanque, voltando com a mulher de óculos que resmungava ao seu lado.

-Não temos tempo, no acampamento podemos conversar com todos, temos uma pessoa ferida no- Parou de falar quando percebeu quem era a pessoa deitada no banco, seus olhos se abriram exageradamente em surpresa óbvia, sua boca tremeu sem conseguir falar o nome daquele que a muitos anos Hanji Zoe não via e acreditava estar morto.

-Rivaille?

Finalmente sua voz saia, confusa e quebrada, lembrava bem do passado e ele não era bonito, sacudiu a cabeça afastando aqueles pensamentos e passou a analisar o ferimento sério na cabeça do antigo companheiro, focando apenas no presente.

Felizmente todos os ferimentos, incluindo o da cabeça, eram superficiais, pediu que pegassem o baixinho e levasse para um dos carros que seguia o tanque e pediu para que cuidassem dele até chegarem.

-Vocês virão conosco, Oluo -Sinalizou para o soldado que organizava os sobreviventes encontrados- Coloque dois para dirigir os carros deles e os divida pelos lugares disponíveis, recolha as armas, não queremos incidentes.

Rapidamente passou todas as instruções e seguiu de volta para o tanque, mesmo que a saudade apertasse seu peito, não poderia ir com Levi, a prioridade no momento era transportar o prisioneiro Jaeguer.

E mesmo amedrontados, os sobreviventes seguiram as ordens do grupo sem fazer alarde, analisavam a situação ao invés de iniciar uma briga em que não ganhariam.

Mikasa estava perturbada e olhava para frente sem expressão, seus olhos estavam opacos e inchados pelo choro recente, ainda sentia a morte hipotética de Eren.

-Não se preocupe, nós não vamos machuca-los, como estavam armados, fizemos um procedimento para que pudéssemos transportar vocês em segurança.

Disse a mulher ao lado da asiática, possuía cabelos cor de mel e olhos castanhos, sua voz era gentil.

Mesmo com a simpatia da outra a Azumabito não esboçou qualquer reação, apenas afundou o rosto no cachecol vermelho em seu pescoço.

Não foi uma viagem muito longa, em alguns minutos alcançaram uma estrada apertada de terra em uma área que parecia ser de fazendas e sítios com grama alta e cercas, não haviam casas em toda a área que podiam visualizar.

E alguns minutos depois cortaram por um caminho sem estrada, amassando as folhas da grama seca até alcançar um pequeno morro, subiram devagar e no fim daquela rua havia um grande portão, onde homens armados guardavam de pé em cada lado.

Abriram os trincos que guardava o lugar e entraram parando os carros lado a lado.

Armin, Jean, Mikasa, Hitch, Flock, Marlo e Annie foram postos lado a lado novamente, não tinha mais armas apontadas ou necessidade de rendição, apenas esperavam que dissessem que merda estava acontecendo.

Levi foi levado imediatamente para dentro e viram quando cinco pessoas desconhecidas saiam do tanque, uma deles, uma loira com um machucado no braço, foi levada enquanto muitos soldados surgiam apontando suas armas para o imenso veículo enquanto uma figura conhecida saia de lá com as mãos na cabeça, quando saiu, não conseguiram disfarçar a surpresa de vê-lo naquela situação.

-EREN. -Mikasa foi a primeira a reagir, tencionado a correr até ele, nitidamente perturbada, precisava toca-lo para ter certeza que estava vivo, de que aquilo não era coisa de sua cabeça.

Mas Jean agarrou seu corpo, sussurrando em sua orelha.

-Acalme-se Mika, presta atenção, se correr até lá vão te prender junto com ele.

Mesmo contrariada a beta não se mexeu, deixando que lágrimas descessem de suas orbes escuras, estava emocionalmente desgastada, em seu limite.

Viram com pesar quando os soldados cercaram o Jaeguer, começando uma série de golpes em seu corpo, não dando chance para ele revidar. O homem de sobrancelhas grossas e cabelos loiras assistia a tudo junto com a mulher de óculos.

Armin desviou os olhos enquanto o de olhos verdes caia inconsciente no chão.

E todos observaram quando o rapaz machucado foi arrastado dali.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...