1. Spirit Fanfics >
  2. Dead walking on earth >
  3. Afligido

História Dead walking on earth - Capítulo 31


Escrita por:


Notas do Autor


Bom dia xuxus, vim atualizar bem cedinho hoje 😚.

Queria também dedicar esse capítulo a @_Leviy_ que fez a capa nova da fanfic, vocês gostaram? Pois eu amei, muito obrigada, você é maravilhosa 😍♥️

Capítulo 31 - Afligido


Hanji estava sentada em uma das cadeiras dispostas em volta da grande mesa de madeira localizada no meio da maior barraca do acampamento, ali era onde os líderes e organizadores do lugar discutiam e planejavam seus passos e naquele dia existia muita coisa para ser discutida, no momento a mulher de óculos segurava a pasta com o nome ‘Eren Krueger’ nele e encarava as pessoas dispostas ali.

Ewrin Smith estava do seu lado e Oluo Bozado do outro, os três foram membros com posições importantes dentro da tropa de exploração, no outro lado da mesa estava Dot Pixis, comandante da tropa militar e Rico Brzensk ao seu lado, capitã da mesma tropa, outros dois homens se encontravam do lado de Pixis, eram Hannes e Shadis, capitães da tropa estacionária.

-O que é isso? -Quis saber Pixis cruzando as pernas, o homem era do tipo simpático, simpático demais, na opinião de todos, pois eram assim que ele manipulava tudo.

-Uma mulher, História, conseguiu isso em um dos laboratórios Jaeguer, Zeke sequestrou ela.

-Porque? -Rico estava claramente impaciente com a demora de Hanji em esclarecer tudo logo.

-Não sabemos ainda, mas logo ela virá nos contar, Petra está cuidando do braço dela.

Todos concordaram com a fala de Ewrin, com o silêncio, Hanji continuou.

-Ao que parece, aqui temos algumas informações sobre Eren Krueger, o paciente zero.

-O que? -Os olhos de todos se arregalaram e a Zoe sorriu divertida.

-Ele foi o primeiro titã, além de ter sido usado para algum experimento, que não foi detalhado aqui. Mas aparentemente ele se descontrolou em algum momento e destruiu parte do laboratório, então foi morto.

Não era muita coisa, entretanto era alguma coisa, depois de semanas no escuro finalmente tinham alguma informação sobre os passos de Grisha.

-Então esse é o nome da primeira vítima dos Jaeguers?

Ewrin acenou com a cabeça e Hanji suspirou retirando os óculos.

-Não é uma situação boa, isso só comprova que eles realmente deram início a isso tudo, todas as outras informações nesse documento não são novidades para nós.

Pixis coçou o queixo, pensativo, tinham uma grande suspeita em cima da família Jaeguer ser responsável pela propagação do vírus pois o laboratório que explodiu era o que carregava aquele sobrenome, o documento nas mãos de Hanji confirmavam algo que praticamente já sabiam. Dot também possuía outras suspeitas, mas não as revelaria até que tivesse qualquer coisa que comprovasse minimamente.

-Oluo, peça a Petra que traga História, falaremos com ela primeiro. -Mandou Ewrin, sendo um dos homens na linha de comando junto com Pixis acima dos demais.

Aguardaram que a loira chegasse e depois que Petra saiu, pediram para que se sentasse em qualquer uma das cadeiras vazias e dissesse o que sabia.

A beta se sentou ao lado de Ewrin tomando cuidado para não esbarrar com o braço encaixado e dolorido em qualquer lugar, retirar a bala sem anestesia e costurar havia sido difícil e muito, muito doloroso, porém era melhor do que a dor emocional que se acumulava em sua mente.

-Historia, certo? -Começou Pixis, assumindo o interrogatório.

Ela apenas confirmou com a cabeça, observando as pessoas naquela barraca grande.

-O que fazia na companhia de Zeke Jaeguer?

A loira perdeu alguns segundos para reorganizar seus pensamentos.

-Eu...não sabia quem ele era até vocês aparecerem. -Ela olhava na direção de Hanji e Ewrin, a primeira sorriu, dando apoio para que continuasse falando. -Bom, eu e minha falecida esposa...

Sua voz embargou e História precisou de um minuto para se recuperar, ninguém ousou falar nada, respeitando a dor dela, todos entendiam aquilo, pois também sentiam na pele a sensação de perder pessoas importantes.

-Nós fomos sequestradas e... Enfim, aquele Jaeguer, Eren, me salvou e eu estive com ele por alguns dias até Zeke aparecer e me levar.

-Eren Jaeguer? Tem certeza que esse é o nome dele? -Rico naturalmente já era alguém desconfiada e por isso não se importou em perguntar aquilo de forma rude.

-Sim, ele mesmo se apresentou assim, não sei muito bem de onde veio ou porque, mas ele fugia do Zeke...

-Fugia? -Hannes perguntou cruzando os braços, confuso com aquilo.

-Sim, e quando Zeke me levou, chamou ele de irmão...

-Não existe nenhum filho de Grisha e Dina além de Zeke nos registros, é impossível que o garoto seja-

-O Eren também parecia confuso, Zeke me levou pois achou que éramos namorados. -Historia interrompeu Shadis, arregalando os olhos e falando rápido, a loira não conseguia entender o moreno, ao mesmo tempo que queria dizer que ele era tão inocente quanto ela mesma naquela situação, não conseguia parar de pensar na conversa que teve com Zeke, sua cabeça doía quando lembrava da gentileza do Jaeguer mais novo na floresta e então vinha as palavras de Zeke martelar

na sua cabeça.

-‘ O quanto ele te contou? Suponho que não, não é como se ele soubesse o quanto é perigoso.’

E sem perceber havia repetido aquelas palavras em voz alta.

Com o clima na sala, apenas Hanji e Ewrin pareciam ter prestado atenção ao que a beta loira falava.

-Quem disse isso, História?

-Zeke...-A mulher respondeu, se abraçando e apertando o braço machucado, seu peito doía e sua respiração estava ficando errática, ela só queria que fizessem parar.

Hanji se levantou amparando a menor e a conduziu para fora, antes de sair da barraca olhou para trás, onde os outros discutiam nervosos.

-Terminamos depois, quando formos interrogar o Jaeguer.

Não esperou resposta e saiu, levando a mulher até Petra, que a ajudou a se deitar em uma das pequenas barracas disponibilizadas e lhe acariciou seus cabelos loiros até que finalmente dormisse, parando de tremer e sussurrar o nome Ymir, coisa que acontecia desde que Hanji a tirara da barraca grande.

-Ela passou por situações traumáticas, não é bom que forcem.

Hanji concordou, não dando muita atenção ao assunto, infelizmente, lidaram com aquele tipo de reação por muitos anos enquanto lutavam na tropa de exploração, era comum encontrarem ômegas em situação psicológica até pior e por isso, não se deixava mais abalar emocionalmente.

E falando em ômegas, se lembrou do amigo baixinho, se virou para a mulher delicada ainda parada na frente da barraca de História.

-Onde deixaram o baixinho? -Petra apenas deu as costas e começou a andar, sendo seguida pela Zoe que começou a ficar ansiosa.

-Ele já deve estar acordando, provavelmente ficou tanto tempo apagado por conta de estresse acumulado, o corpo aproveitou o baque para se recuperar em todos os aspectos.

-Faz sentido, espero que seja isso mesmo, não teremos qualquer chance em ajudá-lo caso tenha algum dano no cérebro.

Comentou Hanji, sendo conduzida até uma barraca mais afastada, alheia aos olhos curiosos dos civis resgatados daquele lugar.

Quando se aproximaram, escutaram com clareza a voz grossa do Ackerman, estava nervoso e uma beta tentava evitar que saísse dali sem antes verificar seu ferimento na cabeça.

-Rivaille!! -Chamou Hanji com os olhos castanhos marejados, seu amigo estava bem e vivo na sua frente, parecia inacreditável demais.

-Hanji? -Rivaille virou a cabeça parecendo tão chocado quanto a mais alta, que se aproximou rápido, espremendo o corpo menor e dolorido em um abraço de urso repleto de saudades.

-Eu não consigo acreditar. -Dizia a Zoe em resmungos chorosos enquanto lágrimas desciam sem parar em seu rosto contorcido por conta do choro.

-Não babe em mim, quatro olhos.

-Desculpe, você não mudou nada. -Se afastou minimamente enquanto observava o amigo emocionada, continuava igual em tudo, até na aparência, apesar de sua pele não ter mais nenhuma mancha vermelha ou roxa, como costumava nos últimos anos que conviveram.

-Nem você, mulher insana, tirando por essa marca no pescoço. -Apontou para a cicatriz da mulher que sorriu boba, corando.

-Moblit também está aqui.

Levi apenas concordou com a cabeça, aqueles dois já namoravam a muito tempo e fazia sentido que resolvessem se marcar, mesmo que estivesse confuso e quisesse saber como tinha parado ali, também queria conversar com a melhor amiga, a quem não falava por muitos anos.

-Você parece bem, Riv, bem diferente de quando ele te prendia e-

-Onde estão os outros? -Perguntou interrompendo o assunto desconfortável que a amiga sempre insistia em tocar, notando sua gafe a Zoe ajeitou os óculos.

-Estão todos bem, logo poderá vê-los, só precisamos que deixe que a Hanna te avalie, sim?

-O que aconteceu, quatro olhos?

Os olhos cinzentos desviaram para as duas betas conversando um pouco distante dali, dando privacidade para que ele e Hanji conversassem.

-Eu e Ewrin estávamos passando quando encontramos vocês, você estava machucado e desmaiado, mas nenhum deles sabia dizer porquê.

-Eu..-Tentou falar, um estalo em sua mente fez com que se lembrasse de Eren pulando do carro e da preocupação que guardara no fundo dos seus sentimentos, tentou perguntar mas a voz animada da amiga lhe interrompeu.

-Com certeza fez alguma loucura, você não mudou nada, Raviolle. -Bufando com o apelido, Levi socou a cabeça da amiga, que riu divertida e jocosa com a nostalgia que o momento lhe dava. -Agora fica quietinho para que eu possa te levar para seus amigos, sim?

Rivaille revirou os olhos e Hanji acenou para que Hanna, a beta enfermeira, se aproximasse e fizesse o que tentava desde que o ômega despertou.

Depois de avaliado foi levado até o grupo de pessoas sentadas em uma mesa de madeira com bancos de madeira retos, correu os olhos por casa rosto se decepcionando por não encontrar os olhos verdes que sempre o confortava, naquele momento, uma angústia crescia em seu peito enquanto Hanji chamava a atenção de todos na mesa.

Os olhos voltaram para o Ackerman e o clima tenso era quase palpável, apenas a Zoe parecia não notar, Levi olhou para Mikasa e Jean e por último Armin, sentindo desespero tomar conta de si com a expressão abatida dos três.

-Onde está Eren?! -Perguntou em um tom alto e alterado, assustando não só os outros ocupantes da mesa, mas também Hanji que arregalou os olhos castanhos em sua direção.

(...)

Eren despertou sentindo seu corpo dolorido e gosto de sangue em sua boca.

Respirou fundo abrindo os olhos percebendo estar acorrentado como um cachorro em uma barra de ferro enfiada no chão, estava largado no chão duro sem qualquer tipo de conforto, percebeu que não tinha muita coisa por perto, provavelmente era algum lugar isolado dos demais para que não machucasse ninguém.

Era uma clareira com muitas árvores cercando e escondendo o lugar, mas diferente de quando ele se refugiou em uma com Levi e História, aquela era cercada com arame farpado amarrado as árvores.

Só esperava que Levi estivesse bem, não lembrava de vê-lo junto com os outros. Esperava que ele tivesse comprido sua promessa, era isso que importava.

O Jaeguer não se importava com sua situação, no fundo se sentia um monstro e se era assim que deveria ser tratado para que todos ficassem em segurança, ele não se importaria.

Parou o processo de regeneração do seu corpo, não queria que soubessem daquilo naquele momento pois não sabia até que ponto sabiam do seu envolvimento com Levi, tinha medo de usarem o ômega para tentar atingi-lo, então não daria qualquer informação, podiam quebrar quantos ossos quisessem do seu corpo, não abriria a boca.

Observou seu braço virado em um ângulo estranho, claramente quebrado e ignorou, enfiando a dor no mais fundo possível do seu subconsciente e se concentrou em se manter controlado e racional.

A prioridade era a segurança de Levi, Armin e dos outros.

Foi despertado dos seus pensamentos com o barulho de passos se aproximando, ergueu os olhos vendo História se aproximar, ela vinha com as mãos para trás e seus olhos piscavam de um jeito esquisito.

-Historia, o que está fazendo?

-Ela disse.

-O qu-

-Ela disse que você é perigoso.

-Quem?

-Ymir...

-Historia, Ymir está-

-O que você fez com o Levi? Ele não estava quando Zeke me sequestrou.

-Ele está bem, fica calma, ok?

-Disseram que você é perigoso, perigoso para todos e para o Levi, não posso deixar que machuque mais ninguém...me desculpe, Eren.

De trás de seu corpo a loira tirou uma pistola, apontando na direção do Jaeguer e sem hesitar, atirou enquanto o alfa arregalava os olhos, recebendo a bala no peito.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...