1. Spirit Fanfics >
  2. Dead walking on earth >
  3. Certeza

História Dead walking on earth - Capítulo 32


Escrita por: luzinanda

Notas do Autor


Bom dia e boa leitura.

Capítulo 32 - Certeza


Fanfic / Fanfiction Dead walking on earth - Capítulo 32 - Certeza

Armin e Mikasa observavam curiosos as barracas verdes em seus braços, haviam sido levados até uma parte do que parecia ser um enorme acampamento onde várias daquelas estavam dispostas em um longo gramado, de um lado podiam ver uma cozinha improvisada com fogão a lenha e mesas rústicas feitas de madeira, do outro uma pequena horta separada por cercas de arame e em um canto pequenos animais, como galinhas, cabras e porcos pequenos eram separados por uma tela.

Nos fundos algumas barracas maiores estavam dispostas, lá era o único lugar que foram proibidos de ir sem permissão pois se encontravam os armamentos e era onde os soldados dormiam.

E eles ficariam com os civis, diferente de Jean e os outros militares que foram convocados para uma conversa antes de se instalarem.

Armin estava aliviado pois não precisaria ficar muito tempo na presença de Annie, bem diferente de Mikasa que tentava disfarçar o descontentamento em ficar tanto tempo sem Jean em suas vistas, ele sabia como amiga sabia ser controladora.

Também estavam preocupados com Levi e Eren, o primeiro estava desmaiado e ninguém havia dado informação nenhuma acerca disso, e Eren, bem, não foi confortável ver o alfa machucado daquele jeito. Estavam temerosos com a reação do ômega baixinho quando acordasse e percebesse a situação que o seu alfa estava.

Seu alfa, pois na visão de Armin, estava tão claro quanto água que aqueles dois estavam juntos e era questão de tempo até que eles mesmos percebessem isso.

O loiro também se perguntava o que tinha acontecido para que tudo que planejaram desse tão errado, Levi ter aparecido sozinho e desmaiado era uma incógnita, assim como o motivo de terem pego Eren e dele receber aquele tratamento, quase como se ele fosse um criminoso altamente perigoso.

-Eu ainda acredito nele. -A voz de Mikasa despertou Armin de seus pensamentos.

-Fala do Eren? -A amiga fez um movimento positivo com a cabeça.

-Independente do que essa gente acha que ele é, mesmo que ele seja alguém diferente -Engoliu em seco, se lembrando claramente do machucado desaparecido do Jaeguer -Não tem como ele ter fingido esse tempo todo com a gente, o Eren que se negou a deixar para trás as mesmas pessoas que prenderam ele.

Armin observou a amiga por alguns instantes, se sentindo então orgulhoso da determinação exposta nos olhos escuros.

-Você tem razão, Mika, o Eren que conhecemos não merece passar por isso, também acredito nele.

Um sorriso cúmplice foi trocado entre eles antes de começarem a ajeitar o objeto ainda fechado em suas mãos.

Mais tarde foram guiados até uma das mesas de madeira para comerem algo, acabaram se sentando junto de Jean e os outros.

-Você está bem? -O Kirsten perguntou claramente preocupado.

-Sim. -Respondeu de forma simples a asiática.

-Também estou bem Jean, obrigado. -Disse Armin em uma falsa chateação, Jean revirou os olhos percebendo que aquela era a forma do loiro disfarçar o desconforto que sentia sempre que Annie estava por perto.

-Eles já conversaram com vocês? -Perguntou Hitch, levantando uma das sobrancelhas finas.

-Ainda não...

-Então devem fazer logo, não paravam de perguntar sobre Eren Jaeguer e como conhecemos o bastardo.

-Como assim?

Quem indagou a Hitch fora Mikasa, estranhando todo aquele assunto.

-Jaeguer é o sobrenome do maldito que fez todo esse caos acontecer, estávamos sob o mesmo teto que um dos malditos. -Marlo falou com deboche.

-Você não conhece o Eren, não fale o que não sabe. -Defendeu Armin, sua voz tremeu, apesar de não duvidar da boa índole do alfa, as informações que recebeu bateram com força em sua mente.

-E você conhece? -Quem perguntou foi Annie, falando diretamente com o ômega depois de tantos dias ignorando sua existência, mas foi tão ignorada quanto antes.

Mikasa abriu a boca para defender o homem de olhos verdes, mas uma presença se aproximando da mesa chamou a atenção de todos.

O ômega de cabelos negros olhou cada pessoa naquela mesa e todos prenderam a respiração, já sabendo quem ele obviamente procurava, o desespero em sua feição foi ficando cada vez mais evidente enquanto o clima entre eles ficava cada vez mais tenso, Mikasa desviou seus olhos dos cinzentos azulados e Armin foi o último e único que sustentou o olhar, deixando claro nas suas feições que a situação não era boa, logo a voz forte de Rivaille se fez presente.

-Onde está Eren?!

Todos arregalaram os olhos sem saber como responder aquilo, pois eles não faziam ideia de onde o moreno estava e pouco sabiam sobre o motivo de sua prisão, apenas que ele tinha um sobrenome famoso negativamente.

A mulher de óculos ao seu lado que parecia totalmente alheia ao clima se assustou com a citação daquele nome, não fazia ideia de que Rivaille tinha qualquer coisa a ver com o Jaeguer.

A atenção então foi roubada por um barulho de tiro abafado, vinha da floresta atrás do acampamento e poucos se alarmaram com aquilo, Hanji já sabendo exatamente de onde vinha o barulho, seguiu com Levi a tira colo até onde havia deixado o homem de olhos verdes.

Os outros foram barrados pelos soldados que abriram espaço apenas para que a Zoe e o Ackerman passassem, os outros considerados civis não tinham qualquer acesso aquela parte do lugar.

A visão que Levi teve ao chegar naquela clareira foi assustadora, seus olhos se abriram como jamais alguém havia visto, seu peito subia e descia de forma irregular e uma angústia antes crescente trouxe a certeza de que algo muito errado tinha sim acontecido, seu ômega interior gemia de tristeza e raiva e por segundos precisou respirar fundo para não se descontrolar.

A sua frente preso por uma corrente no pescoço e nos braços estava Eren, seus braços estavam torcidos e claramente quebrados, toda sua pele exposta continha cortes, arranhões e hematomas roxos e vermelhos, seu bonito rosto estava inchado e de seu peito uma enorme quantidade de sangue saia.

Ele respirava devagar deitado no chão sem se mexer e na sua frente segurando uma arma e respirando com dificuldade estava História, totalmente descontrolada.

-Levi...-Sussurrou a loira, se dando conta apenas naquele momento do que tinha feito.-Eu...

Tentou falar, mas o baixinho passou rápido por si ignorando sua presença, seguindo correndo até Eren se ajoelhando ao seu lado enquanto verificava seu ferimento de bala.

-Eren, merda, porque não está se curando? Eren, por favor, olha para mim.

O desespero era palpável e com receio de que tudo piorasse, Hanji fez sinal para que os soldados que estavam por perto levassem História, que seguiu com eles tremendo e sem resistir, logo a Zoe se aproximava dos dois homens no chão, curiosa e receosa.

-Eren por favor. -Pedia Levi batendo de leve em seu rosto, mas o Jaeguer parecia fora de órbita, olhava para o nada e para quem visse de fora, acharia que estava morto.

-Levi, acho melhor largar o corpo e... -Começou Hanji, tocando no ombro do menor, porém o que recebeu foi um tapa na mão e um rosnado agressivo.

-Saia...

Levantando as mãos e ainda mais curiosa Hanji deu alguns passos para trás, puxou sua arma e se preparou para caso o Jaeguer estivesse vivo e tentasse contra a vida do seu amigo teimoso.

-Levi...-O sussurro saiu dos lábios do alfa, trazendo a atenção do Ackerman que juntou seus lábios em um selinho, acariciando o rosto machucado com as mãos trêmulas.

-Estou aqui, estou aqui Eren, se cure, sim?

O moreno confirmou e Levi percebeu o brilho dourado em seus olhos, Eren não estava consciente, aquele era seu alfa respondendo ao seu chamado.

Estava vivo, porém fraco, sentia sua pulsação no pescoço fraca, viu quando o buraco no peito se fechou e o sangue parou de jorrar, respirou fundo menos angustiado, porém ainda estava preocupado e nervoso. Passou as mãos pelos cabelos sujos e tentou chamá-lo novamente, sussurrando seu nome, novamente os olhos dourados estavam em si.

-Se cure, alfa, ainda está machucado.

-Não podemos, estamos fracos. -Foi sincero, a voz estava fraca e arranhada, havia perdido muito sangue e precisava de um tempo antes de curar o corpo inteiro.

Rivaille mordeu os lábios nervoso, porque Eren estava naquela situação? Ele não merecia, era gentil, inocente e bom. Olhou para as correntes presas no corpo maior e praguejou.

-Você pode ajudar, Ômega. -A voz fraca do Jaeguer saiu como um sussurro em seus ouvidos e com um movimento de cabeça, o pescoço moreno estava exposto para si, automaticamente suas presas saíram, seu ômega entendendo perfeitamente o que era aquele pedido.

Rivaille pensou antes de deixar que aquilo acontecesse, mas fosse as suas emoções a flor da pele falando mais alto, fosse seu peito batendo forte, fosse um alfa sendo tão submisso mostrando toda a confiança que possuía em si, apenas fechou os olhos enquanto mordia em uma parte específica do pescoço, cravando fundo suas presas e misturando seus cheiros, seus sentimentos, suas vontades.

E sem que percebessem os feromônios de ambos se espalhou, se misturando e deixando claro de forma possessiva a quem pertenciam.

Hanji estava paralisada com o desenrolar dos acontecimentos, quem era Eren Jaeguer e porque seu melhor amigo estava marcando ele? Estava confusa porém racional, independente dos sentimentos do amigo precisava fazer a coisa certa.

Se aproximou novamente com a arma em punho e o que viu fez com que vacilasse, o buraco de bala no peito daquele alfa havia sumido e enquanto Levi mantinha as presas no pescoço do outro, os braços quebrados pareciam se retorcer e voltar ao normal.

Apertou a arma que segurava com força tremendo e apontou na direção de Eren.

-Rivaille! Se afaste agora desse homem.

Levi levantou o rosto, a marca já tinha sido feita e no momento passava um pouco da própria força para o parceiro por meio da marca, interrompeu o contato e olhou com raiva para a mulher de óculos apontando uma arma para o seu alfa.

Rosnou mais alto dessa vez, deixando claro que não se seguraria mais.

Com uma marca recente, a parte mais dominadora e possessiva do casal se aflora, aumentando os instintos de proteção em um nível perigoso para terceiros.

E Levi já estava em seu limite de raiva quando encontrou Eren e naquele momento se segurava por um fio para que não perdesse a cabeça de vez.

-Por que deu uma marca a ele? Ele é um monstro!

Em um movimento impressionante a arma nas mãos da Zoe foi puxada, para em seguida um punho sujo de sangue se encontrar com o rosto bonito da mulher, que caiu sentada com a força e com os lábios atingidos sangrando.

-Não ouse dizer qualquer merda novamente, Hanji, ou eu esqueço que já fomos amigos.

-Você está fora de si.

-Quem mandou que prendesse o Eren?

Sua voz saiu rouca e baixa, bem diferente de segundos atrás, Hanji abriu a boca para responder qualquer coisa, mas passos se aproximando rapidamente fez com que o ômega se posicionasse na frente de Eren e levantasse sua arma, em uma clara ameaça para quem ousasse se aproximar.

Eram Oluo, Hannes, Rico, Shadis, Pixis e Ewrin, foram atraídos pelos feromônios e proibindo qualquer soldado de baixa patente de se aproximar eles mesmos foram ver que o tinha acontecido.

-Foi eu quem ordenei que o prendessem, Rivaille. -Ewrin respondeu à pergunta se aproximando, entre todos os betas ali, além de Eren e Levi, era o único alfa, e por isso não teve qualquer dificuldade em escutar a última frase do amigo baixinho.

-Ewrin...-Levi não esperava ver o antigo comandante, mas ficava aliviado por ele estar vivo e bem.

O loiro se aproximou até encostar na arma que o ômega carregava.

-Podemos conversar sobre isso. -Apontou para Eren -Com calma? Tenho certeza que assim como nós, você tem muita coisa para cont-

Sua frase foi interrompida pelo soco no estômago que recebeu, não teve tempo para reagir pois em seguida recebeu uma série de socos fortes no nariz, queixo e olho, no quarto soco segurou o braço do Ackerman que usou uma das pernas para chutar o corpo maior para longe.

E teria continuado a bater em cada um deles, sua fúria ainda estava presente e mesmo que Eren estivesse menos pior do que quando o encontrou nada justificava que o tratassem daquele jeito.

-Levi...- Era o próprio Eren quem o chamava, olhou em seus olhos sentindo-se aliviado ao ver o verde azulado novamente.

-Já chega Rivaille!

Dessa vez quem falava era Pixis.

-Não ousem encostar mais um dedo no Eren.

-Capitão. -Quem chamou foi Oluo, antigo subordinado do baixinho -Você sabe quem é o homem que defende?

Levi trincou a mandíbula e não respondeu, levantando a arma que ainda segurava.

-Não vou repetir.

-Ele é um maldito Jeaguer, capitão Ackerman, sobrenome do mesmo cientista que transformou minha família e o resto do mundo em titã.

A informação pegou o ômega de surpresa, mas apesar disso, não desfez a pose que mantinha, protegeria Eren.

-E o que faz vocês pensarem que Eren tem algo a ver com isso?

Ele sabia muito bem que naquele caos Eren era o mais inocente, ele nem ao menos sabia quantos anos tinha, quem eram seus pais, Eren foi criado como uma máquina em um laboratório, ele era o que menos tinha culpa de qualquer coisa naquele mundo.

-Nós o prendemos por segurança, Riv, iríamos interroga-lo para descobrir. -Hanji se meteu, ainda confusa sobre tudo que acontecia.

-Bate primeiro e pergunta depois?

-Você sabe como funciona, deve deixar suas relações pessoais de lado e pensar racionalmente, capitão Ackerman, o tratamos como um Jaeguer deve ser tratado.

Em resposta Levi rosnou, mas a voz de Eren, agora desperto e prestando atenção no que falavam, fez com que se acalmasse.

-Capitão Ackerman? Uau, Levi, não imaginava que tinha uma batente tão alta.

O alfa falava com orgulho e um sorriso mínimo no rosto, ainda estava bastante machucado mas conseguia se manter consciente, não tentou mais se curar para não levantar suspeitas. Olhou em volta e percebeu que novamente, por sua culpa, Levi estava em perigo.

-Abaixe a arma, Levi, responderei tudo que eles quiserem saber.

-Eren...

-Não precisa-

-Idiota, claro que precisa, não sairei daqui, podem começar a fazer a merda das perguntas.

-Você não manda em nada aqui, Ackerman, nós não- Tentou dizer Rico, mas Pixis levantou uma das mãos, aproveitando a oportunidade ao ver o Jaeguer disposto a responder tudo, via claramente a necessidade de proteger o ômega e isso seria bom para arrancar tudo que precisasse saber.

-Onde está Grisha Jaeguer? -Começou o careca, cruzando os braços.

-Não sei quem é esse. -Eren foi sincero.

-E sabe quem é Zeke Jaeguer?

O moreno confirmou com a cabeça.

-Ele é o médico que me aplicava as injeções e me avaliava no final do dia após o treinamento, foi ele quem me deu o nome de Eren Jaeguer, antes disso eu era chamado de zero um.

-Historia ouviu ele te chamar de irmão, como explica isso?

-Eu não sei por que ele me chamou assim.

-De quem é filho, Eren? -Perguntou Pixis com um tom mais suave na voz, não via qualquer mentira nos olhos verdes diante de si.

-Eu não sei.

-Está mentindo. -Disse Oluo se aproximando pronto para chutar o Jaeguer e fazê-lo abrir a boca, mas Levi foi mais rápido e segurou sua perna, chutando o meio das suas pernas em seguida, enquanto o homem agonizava encolhido no chão, chutou seu estômago duas vezes enquanto direcionava os olhos para o restante presente.

-Não ousem mais encostar qualquer dedo nele.

-Riv.

-Soltem ele.

-Tenha calma, Rivaille, ainda não terminarmos -Disse Ewrin com o rosto inchado e machucado.

O resto da conversa se seguiu com Eren contando como cresceu em um lugar sem nome, recebendo injeções suspeitas e treinando até a exaustão, além de fazer parte de uma futura tropa chamada ‘tropa especial’, o Jaeguer omitiu somente o fato de poder se regenerar, pois Levi lhe encarava deixando óbvio sua vontade de não revelar aquela informação.

Pixis se manteve calado durante a explicação e sua expressão deixava claro que acreditava no rapaz preso, como alguém acostumado a lidar com pessoas ele havia enxergado com muita clareza a sinceridade na forma gentil que Eren respondia tudo.

-Podem solta-lo, mas ele permanece aqui como medida de segurança, apenas o capitão Ackerman terá acesso direto a ele além de eu mesmo e Ewrin, capitão, você será responsável por qualquer problema causado por ele, mandarei que tragam uma barraca para os dois.

Levi rosnou mas não respondeu, de certa forma confiava no bom senso de Pixis, que diferente de Ewrin não via necessidade de chegar ao extremo para conseguir o que precisava.

-E disfarcem os feromônios, os dois, não queremos atrair titãs. -Quem disse foi Hannes após sair e voltar com uma mochila e uma barraca, estendendo para Rivaille enquanto Hanji soltava as correntes presas no homem.

O Ackerman enrugou o cenho só percebendo naquele momento que não segurava seu cheiro e em um piscar de olhos ninguém mais sentia, nem o dele nem o de Eren, que se mantinha em silêncio e pensativo.

-Tem um lago naquele lado. -Disse Hannes em um tom empático antes de se retirar, todos foram saindo lançando um olhar de desconfiança para o Jaeguer antes de sumir em direção ao acampamento.

Quando se viram sozinhos Levi pôde respirar aliviado, durante toda a conversa se manteve tenso com medo de que tentassem machucar Eren.

-Levi...-A troca de olhares foi intensa, mais uma vez a confiança de ambos era colocada a prova e lá estava, um protegendo o outro com a própria vida, não era preciso palavras para descrever os sentimentos refletidos nos olhos, eles sabiam, sentiam pela marca recém feita o turbilhão de sentimentos descobertos naquele momento, seus rostos se iluminaram e em seus peitos o coração se aqueceu, não se sentiam mais sozinhos. -Obrigado.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...