1. Spirit Fanfics >
  2. Dear Alpha - Kim Taehyung >
  3. IX. Eu finalmente vou te encontrar pt.1

História Dear Alpha - Kim Taehyung - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oi, meus amores!! Vou contar uma fofoca pra vocês agora!!

Quando chegarmos ao capítulo 10, eu me programei para fazer uma boa revisão na história, mas vou mudar apenas o estilo das capas... para ficar algo mais bonitinho. Outra coisa, vou começar a colocar o link da playlist da fanfic nas notas (sim, temos uma playlist kkkk).

TALVEZ eu consiga fazer o cap 10 ainda hoje então...a atualização está mais próxima que vocês imaginam!

Boa leitura❤

Capítulo 9 - IX. Eu finalmente vou te encontrar pt.1


Fanfic / Fanfiction Dear Alpha - Kim Taehyung - Capítulo 9 - IX. Eu finalmente vou te encontrar pt.1

[ New York - 2050, 09:30 a.m ]

| Akirah |

- Chamei vocês duas aqui para falarmos tanto sobre os sonhos, quanto sobre a suposta droga, tudo bem?

Estávamos na manhã seguinte desde que eu encontrara o prédio no qual sonhei. Eu cheguei em casa primeiro que Luiza noite passada, como estava previsto mas... eu não sonhei com ele novamente, e se sonhei, eu certamente não me recordo.

- Sim. - eu e Luiza dissemos uníssono.

- Sobre os sonhos, Akirah, você tem mais algo que queira compartilhar conosco? - nego com a cabeça me sentindo um pouco frustrada.

- Eu parei de sonhar com ele desde o incêndio.

- Oh, certo... - Namjoon digita algo em seu computador e volta a atenção para nós. - Como não temos nada sobre os sonhos, devo dizer à vocês que eu tenho uma boa e uma má notícia sobre nosso neutralizante. Qual vocês querem ouvir primeiro?

- A má notícia. - Luiza o responde.

- A má notícia é que: Se essa droga chegar a realmente existir, dependendo da forma como ela vai ser inserida no corpo pode não ter cura. - eu e Luiza o olhamos confusas e ele suspira. - Certo, venham aqui comigo. - todos nos aproximamos de um microscópio, que tinha logo abaixo de sua lente, uma lâmina transparente. - O que difere entre o sangue híbrido comum e o sangue do híbrido lupus, é a quantidade de leucócitos, que são responsáveis pela imunidade e pela defesa.

- Vai mesmo dar uma aula de anatomia? - Luiza o interrompe.

- Vai ser melhor de se explicar se for dessa forma. - ele suspira. - Continuando, essa é a diferença entre os sangues, isso é o que faz o lupus ser tão mais forte... seus níveis de leucócitos são extremamente elevados. O curioso é que o organismo do lupus pode ser sim potente, mas ele possui uma única fraqueza

- Qual seria? - eu o indago.

- Sangue humano. - eu e Luiza nos entreolhamos confusas.

- Isso ainda existe?? Quer dizer... - ri soprado. - Os humanos não existem mais há anos.

- Alguns laboratórios encontraram formas de preservar tanto órgãos quanto diversos tipos de sangue dos humanos, isso para nós usarmos em estudos anatômicos e colocar em museus. A questão é que, aproximem-se... - faz um movimento com a mão indicando que devemos ficar mais perto do microscópio e então com um conta gotas, ele coloca uma gota apenas de sangue. - esse é o sangue da Akirah, vejam. - olhamos no microscópio e pudemos ver várias " bolinhas " de diferentes tamanhos - Quando eu coloco sangue humano... - assim ele faz e então, percebemos que pouco a pouco as " bolinhas " foram sendo... engolidas? - o sangue dos lupus se torna uma espécie de sangue humano, e como o sangue humano é fraco em comparação ao dos lupus... não é o suficiente para manter o híbrido vivo.

- E como que o mataria? - indago.

- Pouco à pouco os órgãos iriam falhando... creio que para isso acontecer não demora nem 24 horas, mas em compensação, isso só acontece se o sangue humano for diretamente injetado na veia do híbrido.

- Devemos nos preocupar? Deve existir bem pouco de sangue humano. - digo.

- Existem cinco bolsas no mundo todo, mas menos de uma gota já é o bastante pra matar um lupus. Ou seja, cinco bolsas seria o suficiente pra acabar com a espécie.

- E caso não seja injetado, o que acontece? - Luiza dessa vez se manifesta.

- Para o sangue humano ter aguentado todos esses anos sem secar, ele passou por muitos processos de conservação, então ele tecnicamente é " fraco ". - anuncia Namjoon fazendo aspas com os dedos - Logo, se misturado com mais substâncias para se fazer uma droga por exemplo, ele perderia entre 50% e 70% de sua eficiência. Em outras palavras, ele não mataria mas seria o neutralizante no qual Akirah sonhou, então possivelmente haveria sim uma cura. - anuncia orgulhoso, sorrindo por fim.

Eu e Luiza suspiramos aliviadas. Se eu estiver certa e esses meus sonhos serem na verdade previsões, então ainda teríamos esperança.

- E tem como você, desde já, procurar por essa cura? - indago animada.

- Sim, mas para isso eu teria que criar a droga primeiro... - coça a nuca.

- Isso leva tempo... - observa Luiza roendo a unha do dedão direito.

- De quatro à sete meses... - diz sem graça. - Mas não custa tentar, não é?

- Eu sei que você consegue! - digo e sorrimos um para o outro.


[ ... ]

12:10 p.m


Ainda fazendo um bom proveito do atestado de dois dias que Namjoon me dera, eu estava agora em frente ao prédio no qual Luiza trabalha, farei companhia à ela durante o horário de almoço.

Não demorou muito até eu ver a cacheada sair com sua blusa social branca, seus saltos baixos em um tom vinho acompanhados de uma meia calça preta, seu blazer e sua saia colada no mesmo tom. Em sua mão esquerda havia sua carteira e em sua destra seu celular, no qual ela mexia concentrada. Sua cauda felpuda e seu par de orelhas extremamente bem cuidados e hidratados era apenas um detalhe diante de tanta beleza em apenas uma esbelta mulher.

Se ela não fosse minha melhor amiga eu certamente a pediria em namoro.

- Buh!! - digo pulando logo atrás da garota, que dera um pulinho acompanhado de um " baixo grito " por conta do susto.

- Akirah? O que faz aqui? - indaga após se virar.

- Hoje é meu último dia de descanso... resolvi te acompanhar no almoço.

Então sua expressão muda de focada em minhas palavras à uma abobada, com direito ao seu sorriso bem alinhado e o micro fechar de seus olhos.

- Vem, vai ser um prazer! Eu conheço um restaurante que você vai adorar! - diz entrelaçando seu braço ao meu.

Andamos algumas quadras enquanto falávamos sobre seu trabalho e o último encontro que eu terei esta noite... céus, nem me lembrava mais desses caras.

Após algum tempo, passamos por uma porta de vidro que dava à um restaurante bem glamoroso, com detalhes e detalhes em ouro e cristal, tocando algumas boas músicas.

Nos sentamos em uma das mesas e logo fomos atendidas por uma mulher simpática, que nos entregara um cardápio para cada. Luiza pediu um espaguete ao molho branco e eu uma torta de palmito que estava me atentando desde que cheguei aqui.

- Você ainda não me contou sobre como foi seu encontro com o Jungkook... - observo enquanto cortava mais um pedaço da torta para mim.

- Rendeu muitas emoções na verdade. - ela ri. - Ele me levou pra casa dele e fizemos o jantar... mas a sobremesa teve que esperar, se é que me entende. - rimos. - O curioso, é que depois que a gente transou ele disse que me amava. - eu arregalo os olhos e levo minha destra à boca.

- Você disse que também o ama, certo? - Luiza revira os olhos e da de ombros. - Luiza, eu não acredito!!!! - choramingo.

- Ele é muito impulsivo e eu não quero arriscar meus sentimentos de novo! - diz séria.

- Mas, Luzi... e se for de verdade?

- Se for de verdade, ele já sabe minha opinião, que devemos ir bem devagar e que ele deve me provar que não quer apenas um rolo!

- Certo, - suspiro. - eu posso te dar um conselho? - ela assente. - Não deixe isso apenas nas mãos dele, afinal você também o ama. Mostre à ele que vale a pena o esforço que ele supostamente fará por você apartir de hoje.

- Mas é óbvio que vale a pena, quer dizer, olha pra mim! Eu sou uma grande gostosa! - rimos.

- O amor nasce da beleza que está dentro de você... o que está por fora é só um brinde! E você é extremamente linda por dentro assim como é sua feição. - a vi corar e sorrir um pouco tímida. - Este é meu conselho, faça valer a pena.

- Já disse que você é um dengo? - gargalhamos. - Eu te amo muito!

- Eu também amo muito você! - sorrio e sinto minhas bochechas ficarem rubras.

- Mas e você? O que fez enquanto eu estava fora?

- Eu saí. - digo indiferente e vejo a garota à minha frente proferir-me um peteleco na testa.

- Eu disse pra você não fazer isso!!!

- Em compensação... eu encontrei uma coisa. - dei de ombros. - O prédio que eu e o garoto invadimos no meu sonho. - agora era Luiza que levava sua mão à boca em susto. - Confesso que eu não estava acreditando muito em Namjoon sobre a sua teoria de que era assim que os lupus estavam conhecendo suas almas gêmeas, eu nem cogitava totalmente a ideia de que o garoto ou os cenários existiam, mas depois que eu vi o prédio... foi como se eu tivesse caído na real, entende?

- Entendo. - diz rindo. - De fato é uma coisa muito louca de se pensar...

- Luzi... eu estou mais disposta a encontrá-lo do que antes.

- Quem sabe aquele amigo do Namjoon possa te ajudar? O tal do Sr. Kim.

- Talvez ele pudesse, passamos por situações muito parecidas, mas eu não conheço nenhum meio de contato à ele.

- Relaxa! Já que amanhã vamos voltar ao hospital para falarmos com o Namjoon, pedimos o número dele, pode ser? - sorrimos uma pra outra.

Estava tudo correndo bem... até que uma melodia familiar atingisse meus ouvidos e me fizesse arrepiar.

"Quero tornar isso mais precioso ainda".

Me lembro de colocar essa música para tocar em meu sonho, sendo envolvida em seguida à um selar de lábios intenso, que me fazia revirar os olhos apesar de estarem cerrados. Os suspiros dele misturados com os meus... eu podia me lembrar claramente do que houve no tal quarto de número cinco naquela noite qualquer... eu me lembro da música... " You're All I Want ", Cigarettes After Sex.

Isso quer dizer que existe uma forma de me lembrar dele.

Eu finalmente vou te encontrar.


Notas Finais


ai que capítulo gostoso de se escrever.....no próximo tem surpresa pra vocês💃🏽💃🏽💃🏽💃🏽💃🏽


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...