1. Spirit Fanfics >
  2. Dear Cherry >
  3. Piadas sem graça e términos

História Dear Cherry - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


OI, MEUS AMORES

Esse novo projeto significa muito pra mim e confesso que amei escrever esse primeiro capítulo, porque amo clichês e eu já queria uma história de romance colegial há bastante tempo. Juntou com o Jin, que é meu utt, e surgiu DC.
A fic é baseada em "Para todos os garotos que já amei", então terão algumas cenas PARECIDAS, mas não iguais, porque as histórias não são idênticas, serviu apenas como inspiração.

Boa leitura!!!

Capítulo 1 - Piadas sem graça e términos


Fanfic / Fanfiction Dear Cherry - Capítulo 1 - Piadas sem graça e términos

Ser popular não era tão fácil quanto todos pensavam. Quer dizer, pensem comigo, imagine a dor nas costas por carregar o peso de sempre ser a rainha do baile e por ter o título de "melhor beijo de toda a Bloon High School"? Claramente não é para qualquer um.

Faltavam seis meses para que as aulas terminassem e confesso que não me sentia pronta para deixar a escola. Quem comandaria aquilo tudo na minha ausência? Não acho que tenha alguém competente para o cargo. E as líderes de torcida? Meu Deus, elas ficarão arrasadas sem mim! Negando com a cabeça, abri meu armário e me olhei no pequeno espelho que havia ali, ajeitando os cabelos vermelhos mais compridos do que eu me lembrava. Depois de passar um gloss sabor cereja nos lábios, senti braços fortes rodearem minha cintura e sorri.

— Oi, gatinha — Jungkook sussurrou, beijando minha bochecha. — Você está linda hoje, como sempre.

Virei-me em sua direção e passei meus braços ao redor de seu pescoço, boba pela nossa diferença de altura. Jeon Jungkook, sem dúvidas, era o sinônimo de perfeição. Tinha porte atlético e olhos escuros que eu simplesmente amava, desde que a primeira vez que o vi. O time de basquete não seria nada sem ele, é um fato universal e inegável. Jeon é o melhor e todos sabem disso.

— Oi, gatinho — cumprimentei, selando nossos lábios rapidamente. — Tudo certo para amanhã?

O sorriso que ele esboçou me tirou o ar.

— Claro! Por acaso eu perderia a oportunidade de ficar sozinho com a minha namorada?

Eu e Jeon já estávamos juntos a três anos, mas toda vez que ele me chamava de "namorada" meu coração batia mais forte. Formávamos o casal mais bonito da escola, isso também é um fato inegável.

— Ótimo — concordei, enterrando meus dedos em seus cabelos compridos e macios. — Você vai adorar.

— Eu adoro tudo que você faz, gatinha.

Meu sorriso saiu de forma involuntária. Jungkook tem esse poder sobre mim, sempre teve. Sem me importar com os alunos ao nosso redor, segurei a gola do casaco dele e ergui meus pés, unindo nossos lábios em um beijo apaixonado. Com as mãos na minha cintura, Jeon me puxou para perto, me abraçando com aqueles braços fortes.

— Santo Cristo, não são nem nove da manhã e vocês já estão se pegando — Hoseok comentou, interrompendo nosso momento. Nos afastamos, Jeon com a cara em emburrada e eu rindo da situação.

— Você ama ser um estraga prazeres, não é, Jung? — Jungkook perguntou, sua voz acusatória denunciando sua irritação.

Hoseok deu de ombros, exibindo um sorriso de canto.

— Na verdade, estou salvando minha melhor amiga de ser engolida no meio da escola — brincou, e eu soltei mais uma risada. — Anda, Kat, precisamos ir para a aula. Depois vocês continuam com a pegação, vão ter muito tempo para isso.

Assim que meu amigo terminou de falar, o sinal tocou, indicando que as aulas iriam começar. Suspirando, me voltei para Jeon e o beijei mais uma vez, mais rápido do que eu realmente gostaria.

— Nos vemos mais tarde, gatinha.

— Boa aula, gatinho.

Jeon me lançou uma piscadela e acenou antes de ir embora, sumindo entre os alunos que se apressavam para entrar em suas respectivas salas. Fiquei observando-o até que perdi sua silhueta de vez e caminhei com Hobi até o laboratório de química, nosso primeiro horário do dia. Só existiam duas coisas que eu odiava nesse mundo: Cabelo mal feito e química. O segundo não era pela matéria em si, mas por quem era minha dupla. Kim Seokjin é o garoto mais chato, incoveniente e irritante que eu já conheci.

— E então, o que vocês vão fazer para comemorar o mesversário? — Hobi perguntou, talvez mais para puxar assunto do que por interesse genuíno.

Abri um largo sorriso e suspirei, lembrando de tudo que planejei para o dia seguinte. Eu estava ansiosa e queria que Jungkook gostasse da surpresa, porque passei muito tempo planejando tudo nos mínimos detalhes.

— Sabe o píer perto da minha casa? — Jung assentiu com a cabeça. — Vamos jantar lá, é uma surpresa. Comprei algumas velas e vou tocar violino. Você não tem ideia do quanto foi difícil aprender a música favorita dele, mas eu consegui.

Hoseok sorriu, porém senti que tinha algo errado. Jung, desde o começo, tinha se mostrado contra meu namoro com Jungkook, embora sempre tenha me apoiado. Yoongi e Ashley, meus outros dois melhores amigos, também não gostavam de Jeon, mas o que eu podia fazer? Sou apaixonada pelo capitão do time de bastante e isso nunca vai mudar.

— Sei que vai ser perfeito, Kat — afirmou, passando os braços pelos meus ombros. — E fico feliz em saber que voltou a tocar violino, sei que ama esse instrumento.

Assenti com a cabeça, sorridente. Apesar de Hoseok, Ash e Yoongi não serem populares, eu jamais conseguiria me separar dos três. Éramos amigos desde a infância e não quero perdê-los por nada nesse mundo, temos um laço que é impossível de ser quebrado. Quando estamos juntos, eu prefiro ignorar os resmungos de Jeon ou os comentários nada agradáveis das pessoas, porque, naquele caso específico, eu não iria deixar de ser amiga deles porque os outros não aprovavam.

— E como vão as coisas com o Yoongi? — indaguei, curiosa, entrelaçando nosso dedos. Jung bufou.

Hobi e Min estavam ficando há seis meses, o que não foi uma surpresa nem para mim nem para Ashley, já sabíamos que isso iria acontecer. O problema é que Yoongi, embora seja um cara incrível que eu admito demais, tinha dificuldades em se expressar no quesito amoroso. Ainda mais nesse caso, já que ele e Hobi se conhecem há anos e são melhores amigos.

— Sinceramente, Kat, estou quase desistindo — confessou, soltando um suspiro dramaticamente longo. Hoseok era uma graça, deveria entrar para o clube de teatro por ser tão exagerado. — Eu realmente não sei o que ele quer de mim e cansei de esperar por um sinal dele.

— Hobi, você sabe que o Yoongi é mais lerdo uma mula — respondi, entrando no laboratório de química, que não já estava cheio e meu amigo riu, balançando a cabeça. — E isso ainda é um insulto às mulas. Por que você não conversa logo com ele?

Jung pareceu considerar a ideia, pois pendeu a cabeça para os lados.

— E se ele acabar sentindo que estou o pressionando a tomar uma decisão?

— Bobagem. Você não vai estar pressionando ninguém, é seu direito saber para onde a relação está indo! Caramba, você está investindo seu tempo e sentimentos nele, o mínino que você merece é que o Guinho seja honesto com você, o que sei que ele será.

Yoon tinha vários defeitos, mas enrolar as pessoas não era um deles. Ele é tão sincero que às vezes chega a machucar, mesmo que não seja sua intenção. Hoseok ficou em silêncio por alguns segundos, até que abriu um sorriso e me abraçou.

— Obrigada, Kit Kat. Você é a melhor.

— Isso eu já sei — brinquei, arrancando dele uma risada sincera. — Você não precisa me agradecer, Hobi, estou aqui pra isso.

— Vamos, pessoal, todos em seus devidos lugares! — a professora Adams exclamou, chamando a atenção dos alunos e impedindo que meu amigo falasse mais alguma coisa.

Grunhindo, eu e Hobi fomos para nossos devidos lugares, em cantos opostos da sala. Infelizmente, o destino me colocou justamente na mesma mesa que Seokjin, aquele idiota que fazia piadas ruins durante a aula inteira. Pelo menos ele entendia que havia um abismo entre nós e a inimizade era recíproca. Quando cheguei perto dele, que estava de costas para mim, apenas o ignorei, como de costume, e me sentia na mesa para duplas. Kim estava conversando com o irmão, o imbecil do Taehyung, e com Namjoon, rindo como uma hiena histérica.

É como diz o ditado: Hoje Kim Seokjin vai estragar o meu dia.

— Whitmore — ele cumprimentou, virando-se para mim com aquela expressão irritante de falsa simpatia.

— Kim — cumprimentei-o de volta, mas sem ao menos me dar o trabalho de encará-lo.

Não sei quando exatamente eu passei a não gostar de Seokjin. Talvez depois de começar a namorar com Jungkook, porque eu nem sequer sabia da existência dele. Quando entrei na escola, ele já era considero um dos melhores jogadores que a Bloon já teve e sua fama já estava solidificada. Sendo justa, ele até que é bom, mas não chega aos pés do meu namorado. O problema é que Jeon e Seokjin são rivais — não me pergunte o motivo porque eu mesma não sei —, o que me faz sua rival também. É uma coisa idiota? Provavelmente, mas não se pode mudar anos de hierarquia social da noite para o dia.

A real questão é que, além disso, Seokjin me irrita. A existência dele me deixa estressada, o fato dele respirar perto de mim já é o suficiente para que eu queira matá-lo com minhas próprias mãos. Ele é incoveniente, convencido e o pior de tudo: Não dá a mínima para a popularidade que tem. Como alguém pode ser assim? Basicamente tudo o que temos na escola são os nosso seguidores e o Kim age como um estúpido que é amigo de todo mundo, um "cool vibes" totalmente forçado.

Ele faz parte do outro grupo, o grupo dos populares que simplesmente não ligam pra isso. Se não fosse um astro do basquete, duvido que teria algum tipo de reconhecimento. Argh, pensar em Seokjin me dá nos nervos! Ele não sabe nada sobre exercer seu papel de influenciador na Bloon High School e ainda tenta atrapalhar Jungkook em absolutamente tudo! Ele, com certeza, é a pior pessoa com quem já tive o desprazer de conhecer.

E aquelas piadas sem graça? Meu Deus, ele parece um tiozão chato. Sem contar a risada escandalosa, a mania esquisita em fazer danças esquisitas sem motivo algum e o jeito infantil de lidar com eventos importantes. Por exemplo, no ano passado nosso time ganhou o torneio esportivo contra as outra escolas de Los Angeles e o que o cretino fez? Vamos, vou dar opções.


1°) Comemorou como um pessoa normal

2°) Ofereceu a casa dele para que pudéssemos fazer a festa

3°) Depois que recebeu a medalha simplesmente SUMIU do ginásio com seus fiéis escudeiros


Se você escolheu o item três, parabéns, é a resposta correta! Eu realmente não conseguia entender o que se passava pela cabeça desse louco. Várias pessoas passam o ensino médio inteiro tentando se encaixar entre os grupos ou sentar na mesa dos populares e Kim tinha os dois, mas não aproveitava nada! Se eu pudesse defini-lo como algum personagem de filme, ele seria o Troy Bolton, mas sem a parte do charme e atração. Kim Seokjin quer mudar a maneira como as coisas funcionam e ninguém gosta disso.

— Whit, seu cabelo é natural? — Seokjin perguntou, voltando a falar comigo.

— Não me chame assim — resmunguei, ainda sem olhá-lo.

— Ah, vamos, me responda. Apostei cinco dólares com o Namjoon, preciso saber se estou certo ou não. Ele acha que é artificial, mas eu acredito que seja natural, porque a cor vem desde a raiz.

Respirei fundo e continuei calada, pois eu sabia que ele estava fazendo aquilo para me irritava, como sempre. Se eu pudesse, imitava a cena em que o Anne dá uma lousada no Gilbert depois que ele puxa seu cabelo, mas eu não estava com vontade de ir parar na diretoria, então apenas permaneci quieta e fingi que não havia ninguém ao meu lado, somente eu e Deus.

Essa manhã vai ser longa.

                           [...]

No dia seguinte, pensei que as aulas não fossem acabar. Eu e Jungkook não ficamos juntos, porque éramos de salas diferentes e nossos horários não bateram, mas ele prometeu chegar cedo no nosso encontro. Eu era pura expectativa, a sensação de ansiedade se apossava de cada uma das minhas células e a eletricidade percorria minha pele.

Quando cheguei em casa, me tranquei no quarto para repassar a música preferida de Jeon no violino e para verificar se tudo estava realmente sob medida. Eu havia cozinhado na noite anterior, o que foi um sacrifício porque eu faziam anos que eu não pegava em uma panela. Não por não lembrar como se cozinha, mas porque eu e minha avó costumávamos fazer inúmeras receitas juntas nos finais de semana e depois que ela morreu não fazia mais sentido continuar. Talvez ela estivesse orgulhosa de mim por ver que eu voltei aos velhos hábitos, pelo menos por algumas horas.

Depois de tocar o instrumento, tomei um banho longo e relaxante, com o coração batendo forte dentro do peito. Antes de começar a namorar com Jungkook, eu nem ligava para a fama dele ou os boatos que corriam sobre ele nossos corredores — sobre seu beijo incrível, sua pegada forte e talentos imensuráveis na cama. Nunca tive curiosidade de descobrir, mas parece que atraímos justamente aquilo que não estamos procurando. Em um dia de verão, na festa de praia da queridíssima Bethany Evans, ele me chamou para sentar ao lado dele na roda da fogueira e me beijou quando ninguém estava olhando. Posso afirmar com praticidade, os boatos são verdadeiros.

Sorrindo ao lembrar desse dia, me enxuguei assim que terminei o banho. Voltei para o quarto e coloquei meu vestido azul escuro, sem mangas longas, parando em frente ao espelho para analisar minha aparência. Apesar de todos dizerem que pareço com minha mãe, o que não sei porque não cheguei a conhecê-la, a diferença entre nós duas é o cabelo. Tinham a mesma cor, mas o dela era liso, enquanto o meu tinha cachos que eu, sinceramente, nunca gostei. Depois que descobri a chapinha, nunca mais tive problemas com isso.

Ajeitei meus cabelos para que ficassem assentados e passei uma maquiagem leve, acentuando meus lábios com um batom vermelho. Satisfeita, desci as escadas e levei meu violino comigo, completamente animada. Meu irmão mais novo, Michael, estava treinando flauta no canto da sala, enquanto minha madrasta o incentivava a continuar. Segurei a vontade de revirar os olhos e segui meu caminho, os ignorando por completo.

Felizmente, nenhum dos dois falou comigo. Apenas saí de casa e comecei a caminhar para o píer que não ficava muito longe dali. Agradeci pelo meu pai ser maníaco por música e ter me obrigado a tocar vários instrumentos quando era criança, pois meu repertório era altíssimo. Respirando fundo, cheguei no píer e iniciei a arrumação do local, utilizando a mesinha que já tinha no local para colocar os aperitivos que cozinhei. Distribuí as velas pelo tecido branco, acendendo-as enquanto o sol se punha atrás de mim. Encarei as ondas do mar e mordi o lábio, verificando as horas no relógio. Jungkook estava atrasado.

Quando voltei a olhar para frente, alguns segundos se passaram e Jeon finalmente apareceu, caminhando na minha direção. Sorri e senti meu coração se tranquilizar, mas a sensação não durou muito, pois o semblante do meu namorado, que sempre é alegre e me passa tranquilidade, agora estava sério. Sem me intimidar, peguei o violino e o posicionei entre o ombro e a cabeça, pronta para começar a tocar, até que a voz de Jungkook soou pelo ambiente inteiro:

— Olá, Katherine — cumprimentou, com o timbre receoso e ao mesmo tempo distante. — Preciso que preste atenção em mim.

Engoli em seco. Deixando o violino de lado, fui ao seu encontro, completamente confusa. Tentei beijá-lo, como sempre fazia, mas Jeon se afastou, virando o rosto para o lado. Aquilo só piorou a situação.

— O que aconteceu? — perguntei, quase sem voz.

Jungkook respirou fundo e olhou para os dois lados antes de focar seu olhar no meu. Droga. Eu sabia o que ele diria, sabia.

— Kat, acho melhor terminarmos.

Foi como levar um soco no estômago, ter uma faca cravada no coração. Eu sabia que tinha alguma coisa errada, desde mais cedo, e quando ele chegou me chamado pelo nome, foi o suficiente para ter consciência de que algo desastroso iria acontecer. Abri a boca para falar alguma coisa, mas a voz simplesmente não saía, as palavras estava presas na garganta. Diante do meu silêncio, Jungkook continuou:

— Eu preciso de um tempo para mim, entende? — Ele coçou a nuca. — Não é você, sou eu.

— Mas nós estávamos tão bem. O que te levou a tomar essa decisão?

Jeon suspirou.

— Por favor, não torne as coisas mais difíceis. Eu só... Percebi que que preciso de um tempo para mim mesmo, focar no basquete. A faculdade está bem aí e você me distrai, Kat.

Soltando mais um suspiro, meu namorado — agora ex —, me olhou uma última vez e foi embora, me deixando para trás em uma completa confusão e com o coração partido dentro do peito.

                        [...]

— Kat, ele foi um idiota! — Ash exclamou, quando contei tudo o que aconteceu na sexta-feira.

Respirei fundo e passei as mãos pelo rosto, afastando qualquer vestígio de tristeza. O final de semana foi um completo desastre. Fiquei trancada no quarto, comendo inúmeros carboidratos e assistindo a todos os filmes tristes existentes. Até tentei faltar a escola, mas meu pai não permitiu, faltou infartar quando perguntei se poderia ficar em casa.

— Ele pode ter tido um dia ruim, não é? — questionei, saindo do banheiro com minha melhor amiga, que revirou os olhos com força. — Tenho certeza que Jeon vai mudar de ideia, somos o casal sensação da escola. Estamos juntos há três anos, as coisas não podem acabar desse jeito, certo? Certo?

Eu me sentia uma idiota falando assim. Estava desesperada, sem entender como minha vida poderia ter mudado tanto de um dia para o outro.

— Kat, não quero me meter na relação de vocês, mas o Jeon é um idiota — respondeu, caminhando comigo até Yoongi e Hobi. — Ele não te merece, ruiva, talvez o melhor seja vocês ficarem separados mesmo.

Eu escutava a voz de Ashley, mas suas palavras não faziam sentido na minha cabeça. Eu só conseguia pensar em como voltar com Jungkook, mostrar a ele como podemos continuar juntos e que não vai afetar seu basquete. Nunca afetou, por que começaria agora?

— Como a Emmeline sabe de todas as coisas que acontecessem nessa escola? — Yoongi comentou, com o jornal da instituição em mãos. — Ela já sabe que... Ai!

Hoseok beliscou o braço de Min, impedindo-o de continuar a falar.

— Yoon, pare de falar.

— O que eu fiz agora?

Hobi apertou o braço do nosso amigo com mais força, apontando discretamente na minha direção, achando que não vi. Min pareceu entender a situação.

— Ah, é — Yoongi pigarreou, sorrindo amarelo para mim.

— O que foi? O que aconteceu?

Nenhum dos três me respondeu. Cruzei os braços, a espera de uma resposta.

— Kat... — Hobi começou. — Bom, você e o Jeon...

— Estão na coluna da Emme — Yoon terminou por Jung e eu puxei imediatamente o jornal de suas mãos.


"Ah, bom dia Bloon! Não precisamos de apresentações, então vamos direto ao ponto: Jeon Jungkook e Katherine Whitmore, nosso casal sensação e o mais querido da escola, infelizmente chegou ao fim! Fontes confiáveis me contaram que nosso capitão do time de basquete terminou com a nossa querida ruiva na última sexta-feira e que a possível causa para o término foi Bethany Evans, que finalmente resolveu dar uma chance ao nosso coelhinho favorito!

Para quem não se lembra da história, vou relembrá-los. Em 2016, Jungkook paquerava Bethany todos os dias, mas ela nunca quis dar a ele uma chance. Muitos dizem que Kim Seokjin foi o motivo disso e muitos também especulam que esse é o motivo pelo qual ele e Jungkook não se dão bem, mas nunca tivemos nenhuma confirmação. Então, alguns meses depois, Katherine e Jeon começaram a ficar, deixando Bethany furiosa! Essa autora desconhece qualquer tipo de traição vinda do capitão, mas se o verdadeiro motivo da separação da ruiva e do coelhinho foi Evans, teria esse namoro sido apenas mais uma tentava de Jeon de conseguir conquistar Bethany?

Essa autora acredita que sim"


Quando terminei de ler, meu coração parecia ter sido ainda mais partido. Não, não, não. Emmeline não podia estar certa, não fazia sentido. Jeon me provara muitas vezes que também era apaixonado por mim, que me amava como eu o amava. Esse lance com Bethany ficou no passado, não é?

— Não acredito nela — falei, desconcertada, entregando o jornal para Yoongi. Meus amigos pareciam desconfortáveis com a situação.

— Eu sei que Jeon é um babaca, mas não acho que chegaria a tanto — Hoseok opinou, tão sem reação quantos os outros.

Estávamos no refeitório e nos sentamos juntos, porque agora eu não me sentaria na mesma mesa que Jungkook até que nos resolvêssemos. Emmeline adorava falar sobre todos, mas eu não acreditava que nem metade das coisas de sua coluna eram verdade.

— Pessoal, ele me ama — afirmei, forçando um sorriso. Os três se entreolharam. — Só estamos passando por uma fase ruim. Nós vamos... — As expressões horrorizadas no rostos de Yoongi e Ahsley me silenciaram, fazendo com que me perguntasse o que tinha acontecido. — O que foi, gente?

— Como seu amigo, Kat, aconselhe que olhe para trás — Yoongi falou, ainda com a expressão de choque.

Franzindo as sobrancelhas, virei-me para trás, seguida por Hobi. A cena me fez querer vomitar, apesar de não ter comido nada. Contradizendo tudo que falei sobre Emmeline estar errada, vi minha maior rival no lugar que até dois dias atrás era meu. Bethany e Jungkook estavam juntos, aos beijos e amassos, sem se importar que ninguém os visse.

— Kat, não... — Hoseok tentou falar algo, mas eu já tinha me levantado e seguido na direção dos do cretino traíra.

Talvez por obra do destino, um corpo se chocou contra o meu antes que eu fosse até os dois, cobrindo totalmente meu campo de visão. Bufei e me afastei do ser em questão, que, infelizmente, era Kim Seokjin.

Universo, você só pode estar de brincadeira comigo.

— Olhe por onde anda, Whit! — ele retrucou, me encarando com aquela expressão de superioridade.

Se eu não estivesse com tanta raiva do meu ex-namorado, eu teria rebatido a provocação, mas meus pensamentos estavam todos voltados ao casal que se pegava loucamente no fundo do refeitório. Olhei por baixo do braço de Seokjin na direção daqueles imbecil, porque o Kim era muito alto e tinha ombros absurdamente largos, e os dois ainda estavam aos beijos. Sério que eu seria considerada a encalhada, a única que não seguiu em frente? Enquanto eu passei dois dias chorando sem parar, Jungkook estava aproveitando seu "tempo para si" se agarrando com outra.

— Kim, me desculpe por isso.

Sem pensar nas consequências e agindo por puro impulso, passo mais braços em volta do pescoço de Seokjin e ergui meus pés para alcançar seu rosto, então selei nossos lábios e o beijei. Meu Deus, eu o beijei. Só percebi que estava o beijando quando suas mãos encontraram minha cintura, embora ele tenha continuado parado, apenas movendo um pouco os lábios. A sensação foi estranha, mas não incômoda.

Afastei-me bruscamente quando me dei conta de que realmente tínhamos encostado nossas bocas, porque eu me recusava a chamar aquilo de beijo. Ele me encarou confuso, em um misto de choque e total desentendimento.

— Nos vemos por aí, Kim — foi a única coisa que eu consegui dizer antes de sair do refeitório o mais rápido que minhas pernas bambas permitira.

O que eu acabei de fazer?


Notas Finais


Me digam o que acharam nos comentários, amorzinhos!
Ainda não tenho dia certo para postar, vai depender do feedback de vocês e da minha agenda de escrita, que ainda tá bem desorganizada KKKKKKKKKKKK.
É isso, estrelinhas! Obrigada por lerem até aqui. Se cuidem!

Beijinhos
💖💖💖


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...