História Dear Dom - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Personagens Originais
Tags Bts, Daddy Kink, Dom, Jungkook, Sub
Visualizações 80
Palavras 3.121
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - 2


Hoje era a folga de Jungkook.

Isso significa que vou poder passar o dia inteirinho grudadinha com ele.

Geralmente, nas folgas do papai ele gosta de me levar pra sair, ou vamos no shopping, ou em um munch...

Mas faz tanto tempo desde a última folga dele que eu só quero ficar em casa, só nós dois.

E nós precisamos aproveitar esse dia inteirinho, desde o começo.

Ou seja, papai ja dormiu demais, está na hora de acordar.

Olhei no relógio, ainda não marcava sete horas, mas era exatamente por esse horário que Jungkookie acordava normalmente para ir trabalhar com as criancinhas.

Joguei as cobertas para o lado e subi nas costas do papai.

Ele estava dormindo de bruços então eu me sentei no meio de suas costas e deitei o resto do tronco em seu corpo o abraçando e colando minha bochecha em seu ombro.

-está na hora de acordar papai- chamei baixinho.

Ele nem se mexeu.

-Dada?- cutuquei sua bochecha com a ponta do dedo o vendo respirar fundo.

Parecia estar acordando.

-vamos Dada, acorda!- continuei chamando, dessa vez me remexendo sobre o seu corpo.

Ele resmunga longamente até começar a piscar pequeno.

-princesa eu estou de folga, não preciso acordar agora.

-eu sei Daddy, mas o senhor tem que acordar para ficar comigo- falei manhosa.

-vamos princesa, deixe o papai dormir- ele pediu e eu choraminguei.

Por que ele não queria ir ficar comigo?

-Mas Jungkookie...

-s/n eu já pedi, deixe o papai descansar só mais um pouco... Você não quer ser punida, quer?- perguntou mais severo.

-não senhor- murmurei saindo de cima de seu corpo.

Não queria ser mal criada, mas estava chateada.

Por que ele acorda todos os dias nesse horário para ir ver as criancinhas mas na folga não pode acordar para ficar comigo?

Emburrada saí do quarto e fui para a cozinha pisando forte.

Queria comer cereal, minha sorte é que Jungkook deixa ele na bancada baixa.

Depois que minha tigela estava cheia fui para a sala.

Sentei no sofá em posição de índio e liguei a televisão, de manhã cedo é quando os melhores desenhos passam.

Fico ali comendo e olhando desenho sozinha ja que Jungkook prefere dormir do que ficar comigo.

Não eu não estou emburrada... Talvez um pouco.

Depois que meu cereal acabou, ainda olhei desenho por quase uma hora até ouvir barulhos do quarto.

Cruzei os braços esperando meu Dom descer as escadas, coisa que ainda demorou mais uns dez minutos.

-bom dia princess- não respondi.

Ele deu de ombros e foi para a cozinha.

Voltou pouco tempo depois com uma xícara em mãos.

-o que está assistindo bebê?- perguntou sentando a meu lado, novamente não respondi.- o que foi uh?

-nada.

Jungkook ergueu a sobrancelha e me encarou mais firme.

-esqueceu as boas maneiras?

-nada, senhor.

Ele riu incrédulo e desligou a televisão.

-hey eu estava assistindo!- reclamei e ele me olhou feio.

Me encolhi esperando suas próximas palavras.

-anda, me conta o que aconteceu- pediu mantendo a voz calma.

Suspirei e deixei um bico se fazer em meus lábios.

-o Daddy prefere as criancinhas do que eu- murmurei e ele franziu o cenho.

-por que diz isso amor?

-porque eu chamei o senhor pra ficar comigo e o senhor preferiu dormir mas se fosse para ver as criancinhas o senhor acordaria.

Ele ri baixo e tenta me puxar para um abraço mas eu recuo.

-ah não faz assim amor- pediu mais manso e eu olhei pelo canto dos olhos.

Ele tinha os cabelos ainda bagunçados, um bico(forçado) nos lábios e estava sem camisa.

Sim, meu Dom é muito gostoso mas não posso perder o foco.

Balancei a cabeça e ele suspirou fazendo uma cara de pensativo.

-senta aqui- bateu nas proprias coxas.

Eu pensei em negar por pura birra mas ele voltou a falar antes que eu pudesse me manifestar.

-eu não estou pedindo- avisou e eu me sentei de frente para ele ainda sem olhar em seus olhos.- agora me escute, e olhe para mim quando eu estiver falando entendeu?

Ele segurou meu maxilar me fazendo o encarar.

-sim senhor- respondi baixo.

-você sabe que eu trabalho bastante não é?- perguntou olhando no fundo dos meus olhos.

Claro que eu sabia, ele quase nunca está em casa.

-sei, mestre.

-e você entende que eu preciso fazer isso para a gente poder continuar tendo a nossa vida boa como ela é, não entende?

Confirmei com a cabeça, estava começando a me sentir envergonhada.

-você sabe que eu fico cansado né? Mas mesmo assim eu dou o máximo de mim pra você não sabe?

Abaixei a cabeça.

-sei Dada.

Meu Dom realmente da o melhor dele para mim.

Sempre.

-e você sabe o por que de eu fazer isso tudo?- perguntou e voltou a segurar o meu rosto, dessa vez com carinho.

Encarei todos os detalhes daquele rosto que eu tanto amo.

Eu sei o porque.

-porque o Daddy me ama- eu disse baixinho e ele sorriu.

-exatamente meu bem, eu te amo tanto que nada nesse mundo é mais importante que você.
Eu gosto sim, muito das criancinhas.
Mas você é o meu bebê, a minha garota e eu não prefiro nada ao invés de você.

Eu me senti envergonhada por ser tão egoísta com meu Dom.

Passei os braços pelo seus ombros e o abracei forte.

-me desculpa Dada- pedi contra a pele de seu pescoço sentindo aquele perfume maravilhoso e familiar.

-Está tudo bem, você entende agora baby?

-sim senhor.

Ele acaricia minhas costas e deixa leves beijos no topo de minha cabeça.

Estava dizendo que estava tudo bem.

-Eu te amo muito Jungkookie- disse ainda grudada no corpo dele e ouvi uma risadinha baixa.

-Eu também te amo, anjo. Agora vai se trocar para sairmos.

Saí de seu colo num pulo, por mais que antes só quisesse ficar por ali com ele, agora sair não parecia uma ideia ruim.

-Certo Dada.

Sorri e corri para o andar de cima.

"Sem correr"

Ouvi meu Dom alertar la de baixo e diminuí a velocidade dos passos.

Fui para o nosso quarto pensando em que roupa usaria para agradar o Daddy.

Jungkookie gosta de me ver de rosa.

Vesti um moletom que ficava mais colado no corpo. Era rosa bebê e tinha a palavra "baby" escrita com glitter bem no peito.

Vesti também uma saia branca com a cintura mais alta deixando o moletom por dentro dela.

Calcei um par de tênis também brancos e fui para o quarto de brinquedos.

Eu precisava escolher minha coleira.

Eu amava meu quarto de brinquedos, Daddy tinha feito especialmente para mim.

As paredes eram todas com prateleiras e armários que iam do chão ao teto.

Tinha de tudo la.

Desde minhas coleiras do dia a dia, até os meus plugs, grampos e as cordas e palmatorias que o papai usava para me punir.

Tinha um tapete felpudo na cor preta no chão e o resto do quarto era todo mobiliado em tons rosa e branco.

Peguei uma coleira rosinha que era até bem discreta e ia combinar com minhas roupas.

Fui até o espelho e coloquei a mesma admirando como se encaixava bem em meu pescoço.

-eu gosto dessa- ouvi a voz do Daddy e me virei o encontrando na porta.

Ele estava escorado, vestia uma roupa simples e me encarava atento.

-gosta papai?- perguntei voltando a me virar para o espelho.

Jungkook caminha pelo quarto até parar atrás de mim me encarando imtensamente pelo reflexo.

Ele me vira lentamente até me deixar de frente para o seu corpo e ergue meu queixo para cima me fazendo o encarar.

Daddy não gostava que eu desviasse o olhar quando ele fazia isso.

Ele leva a mão até meu pescoço cobrindo a minha coleira e apertando brevemente.

-você está linda meu anjo- disse me analisando.

-obrigada Daddy.- ele sorri e solta meu pescoço se afastando.

-quer saber onde vamos?- ele pergunta me estendendo a mão.

-claro, onde o senhor vai me levar?-nós descíamos as escadas e paramos na sala para ele pegar o que precisava.

-vamos no shopping e assistiremos a um filme, o que acha? - perguntou e eu sorri contente.

-perfeito Daddy.

Ele pega minha mão novamente e entrelaça nossos dedos antes de levar as costas de minha mão aos lábios e deixar um beijo carinhoso ali.

Nós vamos para a garagem e antes que eu pudesse me dirigir ao banco do carona, Daddy me chama.

-s/n? você vai no banco de trás meu bem.

O olhei com o cenho franzido, essa é nova.

-mas por quê?

-por que você é minha bebê, e bebês não andam no banco da frente.

Pensei em argumentar mas isso só o irritaría.

Suspirei pesado e fui para o banco de trás.

Logo Jungkook estava na porta me ajudando com o cinto.

-você não vai fazer manha não é little? -perguntou com a mão pousada em minha coxa com certa firmesa.

Ele me encarava como se me desafiasse a desobedecê-lo.

Daddy estava me testando.

-não senhor- dei meu melhor sorriso inocente e ele pareceu satisfeito.

É claro que eu não o desafiaría, ja havia escapado de uma punição mais cedo por conta do bom humor do Daddy, não procuraria encrenca.

Ele da a volta no carro e entrou logo dando partida e nos levando rumo ao shopping.

Ele deixou o radio ligado baixinho e fomos conversando sobre coisas aleatórias até chegarmos la.

Quando chegamos andamos por todo o lugar.

Daddy comprou algumas roupas para ele e para mim, depois fomos a uma loja de brinquedos e ele me deu um urso bem grandão.

Tipo, bem grandão mesmo.

-meu Deus Daddy olha como ele é lindo!- exclamei ainda abraçada na pelúcia.

Ele riu de leve e me puxou para dar um beijo em minha testa.

-você gostou amor?

- eu amei Daddy obrigada, obrigada!- o olhei e ele sorria.

Daddy gosta de me mimar.

-o daddy precisa ir comprar uma outra coisa agora- ele diz e eu concordo.

-então vamos- disse e ele segurou minha mão.

-você não vai poder entrar lá com esse urso enorme... E eu também não quero que veja o que vou comprar- ele piscou.

-mas por que Dada?

-porque quero fazer surpresa.

Sorri.

-tudo bem Daddy, vou esperar o senhor aqui- disse e ele assentiu.

-eu não demoro.

Daddy saiu e eu fiquei ali esperando.

Algumas pessoas passavam me encarando de cara feia, papai ja havia me falado dessas pessoas.

Disse para responder a careta com um sorriso dos mais bonitos.

Ninguém tem o direito de me julgar por causa do meu relacionamento com o Daddy, por causa das minhas roupas e muito menos por causa do meu modo de agir.

O Daddy sempre cuidou muito de mim e me acalmou por causa de comentários maldosos.

Hoje eles ja não são nada.

-o que uma princesa faz sozinha por aqui?- me virei vendo um rapaz loiro me encarando de cima a baixo.

Não respondi, não posso falar com estranhos.

-eu gostei do seu urso, ele é bem bonito- ele disse e eu abracei mais a pelúcia.

-ok, você não vai falar comigo?

Novamente não respondi.

-é uma pena baby... Eu tenho um pirulito aqui.

Olhei pelo canto do olho.

Ele realmente acha que pode me convencer com doces?

Virei para o outro lado... Cade o Daddy?

-e quanto a chocolate? Você gosta de chocolate baby?

-não pode me chamar assim- falei um tanto irritada com a voz do rapaz.

-oh ela fala... Por que não quer ser chamada de baby? Não é o que você é?

Revirei os olhos.

-não te ensinaram a ter educação?- perguntou e eu franzi os lábios.

Senti sua mão em meu braço e antes que pudesse falar alguma coisa ouvi a voz de meu Dom.

-o que acha que está fazendo?- Jungkook perguntou firme olhando para o rapaz que ainda segurava meu braço.

-o que você tem a ver com isso?- ele perguntou debochado.

Fiz um bico olhando para meu Dom.

-Daddy...- murmurei baixinho apertando meu urso e puxei meu braço das mãos do rapaz.

Jungkook seguia encarando o rapaz intensamente.

Ele suspirou olhando de mim para Jungkook e então assumindo uma pose debochada.

-não devia deixar o bichinho solto sozinho- disse e Jungkook deu um passo a frente querendo avançar sobre ele.

-kookie, não- sussurrei vendo um segurança ali perto que começava prestar atenção no que acontecia ali.

Jungkook me encarou e se recompôs fazendo o rapaz o olhar debochado mais uma vez.

-olha que Dom adestrado.

Merda.

Jungkook pareceu soltar faíscas pelos olhos, era hora de ir.

-Dada, por favor vem- pedi baixinho tentando o acalmar e ele soltou alguns palavrões finalmente se virando e começando a andar comigo.

"A gente se vê baby"

Daddy quase voltou la mas eu entrelacei nossos dedos com força o levando pra longe.

Ele respirava descompassado, estava muito irritado.

-você está bem?- ele perguntou e eu assenti na hora.

-sim Daddy não foi nada.

-se eu ver ele de novo eu... Merda!

-Dada vamos pra casa sim? Por favor se acalme.

Ele parou de andar e respirou fundo.

-tudo bem não assistirmos o filme hoje?- pergunta

-claro Daddy, vamos pra casa, você precisa se acalmar.

Ele nos guia para o estacionamento e dessa vez o caminho para casa foi silencioso, eu podia ver o Daddy apertando as mãos no volante repetidas vezes.

Ja em casa, eu desço do carro levando meu urso enorme direto para o quarto de brinquedos.

Ouvi o Daddy vindo logo atrás com as sacolas do que tinha comprado, ele entra no quarto e deixa as sacolas em um canto.

Vou até ele com calma, ele precisa relaxar e eu sei como ele gosta de fazer isso.

-Daddy?- chamei e ele me encarou.

-sim, anjo?- ele estava se controlando.

Fiz mais um bico e acabei com a nossa distância passando os braços pelos ombros dele.

Ele respira fundo.

-não posso mesmo me descuidar de você não é?- ele acaricia o meu rosto e adentra a mão em meus cabelos os segurando- eu só não quebrei a cara dele por sua causa.

-esquece ele Daddy, era só um idiota.

-é verdade mas ele me deixou estressado. Eu podia arrebentar ele só pela forma como te segurou.

-mas você viu que eu me soltei Daddy? E eu nem conversei com ele.

-eu vi meu amor, você é incrível.

Uma das melhores coisas no meu Dom é que ele me faz sentir amada em todas as situações.

Mesmo sem ter sua permissão eu avancei sobre seus lábios, beijar meu Daddy é definitivamente uma das melhores coisas que existem.

Ele de cara assume o controle do beijo puxando meu cabelo para trás e colando nossos corpos.

Um gemido meu é abafado por nossas bocas e ele encerra o beijo mordendo meu lábio inferior.

-eu não quero que se contenha hoje Baby... Quero ouvir você gritando bem alto enquanto te fodo.- Daddy disse olhando no fundo dos meus olhos e meu corpo respondeu instantaneamente.

-sim senhor- respondi e ele voltou a me beijar, mais intenso que da outra vez.

Demos alguns passos até eu sentir a parede atrás de mim.

Jungkook pressionou meu corpo com força, ergueu meus dois braços acima da cabeça e segurou com uma mão enquanto a outra serpenteava por dentro de minha saia.

Ele aperta minha coxa com possessividade e continua subindo a mão até chegar em minha intimidade coberta pelo fino pano da calcinha.

-minha- ele separa nossos lábios novamente castigando os meus, para dizer com a voz rouca e eu me contorço entre seu corpo e a parede.

Ele solta meus braços e leva as duas maos para minhas coxas as impulsionando para cima me colocando em seu colo.

Enrosco minhas pernas em sua cintura e volto a conectar nossos lábios.

Sinto que estamos nos movimentando, logo Daddy está me jogando deitada em nossa cama.

-tira tudo- mandou no mesmo momento em que começou a se despir com pressa.

Tirei tudo o mais rápido que consegui, deixando apenas a coleira em meu pescoço.

Ainda deitada, deixei as pernas abertas na direção de meu Daddy.

Ele morde os lábios e puxa minhas pernas até a beirada da cama para então me fazer virar e ficar de quatro na mesma.

Não contenho um gemido ao sentir o Daddy esfregando seu membro duro em minha bunda.

Ele defere um tapa forte em minhas nadegas me fazendo dar um gritinho surpreso.

-você lembra da sua Safeword baby?- perguntou em um falso tom manso.

Daddy sempre me perguntava isso quando ia me foder estando irritado ou chateado.

A verdade é que ele tinha as emoções a flor da pele e tinha medo de perder o controle e acabar me machucando.

Nunca precisei usar minha Safeword.

-Roxo- respondi de prontidão em meio a outro gemido.

-hmm eu não vou prender você mas acredito que vá ser uma boa garota nao é?- perguntou provocador e eu concordei.

-sim senhor.

Ele desce mais um tapa em minha bunda antes de eu sentir seu membro me invadindo sem prudência alguma.

Abafei um grito quando senti seu membro completamente dentro de mim sem nem me dar um momento para me acostumar com a invasão antes de começar as estocadas fundas.

Sinto meus cabelos serem puxados e ergo as costas acompanhando.

-eu disse para não abafar os gritos- tirou seu membro de dentro de mim apenas para entrar com toda a força novamente me fazendo delirar.

Gemi em alto e bom som o quanto aquilo era bom e ele pareceu satisfeito com isso.

Soltou meus cabelos e passou a segurar em minha cintura se impulsionando mais.

Eu comecei a sentir os joelhos falharem, meus dedos estavam esbranquiçados de apertar os lençóis.

Meus cabelos começavam a grudar na nuca, os gemidos de Jungkook também eram altos assim como o barulho que nossos corpos faziam ao colidir.

Minha intimidade se contraia involuntariamente em volta dele, eu sentia meu ápice chegando arrebatador.

Ele não diminuía o rítmo ou parecia satisfeito.

-DADDY... AH!

-Você gosta assim não é?-gemeu arrastado- gosta quando o Daddy mete em você desse jeito!

-ooh sim senhor Daddy!

Eu não conseguia mais formar nenhuma frase, meu corpo entrou em combustão e só quando todos os tremores começaram denunciando meu orgasmo, é que pude sentir meu Dom parando de estocar.

Uma serie de gemidos mais parecidos com gritos saíram de minha boca e assim que o membro de Jungkook não estava mais em meu interior, meus joelhos falharam me fazendo cair deitada na cama novamente.

-eu não disse que podia descansar. Sentada, agora!- Daddy manda e eu vejo que ele se masturba me encarando profundamente.

Mesmo exausta, me sento esperando para ver o que o Daddy iria fazer.

Ele segura o próprio membro perto do meu rosto e eu abro a boca automaticamente, pronta para recebê-lo.

Ele segura meu queixo mais uma vez.

-eu ja disse o quanto é bom foder sua boca não é?- perguntou e eu assenti- então chupa! E engole tudo- mandou mais uma vez.

Soltou meu queixo e colocou seu membro dentro de minha boca.

Deixei minha língua trabalhar onde conseguia e sugava a extensão com vontade.

Forçava seu membro contra minha garganta e gemia junto com ele.

Ele passou a segurar meus cabelos novamente e estocava contra minha boca.

O gosto agridoce já se fazia presente, eu sabia que meu Dom estava quase gozando, por isso decidi dar mais atenção para a cabecinha de seu membro chupando lentamente enquanto olhava no fundo de seus olhos.

-oh porra!-  segurou minha cabeça e se enterrou em minha boca.

Pude sentir seu gozo descer por minha garganta.

Ele retirou o pau de minha boca e eu passei a língua pelos lábios limpando o resquício do que sobrou de gozo ali.

-obrigada Daddy!

Ele se inclina sobre mim e me toma em um beijo bem mais calmo que o anterior.

-você foi uma garota muito boa Baby... É assim que eu gosto.

Sorri pra ele e ele acariciou meu rosto.

-eu amo você bebê.

-também te amo papai.- respondi feliz me aninhando ao corpo dele.

-não, não. Levanta e vamos tomar um banho.

Ele saiu da cama e foi em direção ao banheiro.

-mas Dada- manhei atirada na cama.

-não me faça ir te buscar- disse mais firme.

"Não seria má ideia"

Suspirei indo atrás dele.

-to indo, Dada.

(Continua?)

______________________________










Notas Finais


Gostam desse tipo de fic?? Espero que sim😉
~Vi


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...