História Dear Kim... - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jin, Namjin, Namjoon, Seokjin
Visualizações 24
Palavras 1.613
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Então gente... Nem terminei a fic ABO e já comecei outra, mas é por uma boa causa, afinal, este é o meu presente para a Alice, vulgo meu Amorzinho, que faz aniversário hoje, 7 de agosto!! Aeeeee Parabéns!!!
O shipp é Namjin porque é o OTP dela!!
A história é baseada no filme Mary Max, e no livro Dear John, caso não conheçam, recomendo muito!!
Uma última coisinha, essa capa que está na fanfic é provisória, pois a burra se esqueceu de fazer o pedido da capa com antecedência, mas quando estiver pronta irei trocar...
Bom, é isso! Sem mais enrolação, boa leitura!!

PS: Leiam as notas finais, é importante!

Espero que gostem e que a Alice não me mate! Kkk

Capítulo 1 - Ideia maluca


Fanfic / Fanfiction Dear Kim... - Capítulo 1 - Ideia maluca

Era pra ser apenas mais um dia rotineiro na vida de kim SeokJin, com o pai no trabalho até altas horas da noite, para que quando chegasse, descontasse todo o estresse batendo em sua mãe, esta que passava o dia inteiro bebendo e fumando, quando não estava por ai, jogada nos cantos, dormindo.

O rapaz, após presenciar isso sua vida inteira, já estava, de certa forma, acostumado. Sua válvula de escape da realidade eram livros de romances e seu celular, por onde conversava com seu melhor amigo Jimin, através de mensagens de texto.

Porém, hoje, o tédio parecia consumir o Kim, pois ele não tinha mais celular para mandar mensagens, após o mesmo ser estragado por sua mãe, que derramou vodka no aparelho, e todos os livros que tinha em sua estante, já foram lidos no mínimo três vezes cada.

Poderia ir para a casa do melhor amigo, jogar no PlayStation dele ou apenas assistir um filme com o mesmo, sua mãe nem notaria a sua ausência, mas provavelmente o Park estava com seu namorado Jungkook, fazendo coisas que Jin preferia não imaginar.

Suspirou e decidiu arrumar o seu quarto, que estava deveras bagunçado. Pegou uma flanela e um lustra móveis, começando por sua estante.

O rapaz retirava livro por livro do móvel empoeirado, sorrindo ao ler cada título e se lembrar das histórias que aqueles exemplares traziam, contos de romances onde a mocinha se apaixonava a primeira vista pelo mocinho e assim eles viviam felizes para sempre.

Jin sempre se perguntava se era possível alguém viver um romance arrebatador na vida real, se realmente alguém era capaz de se apaixonar à primeira vista. Ele não sabia se podia ou não acontecer, porém, o rapaz sempre mantinha a esperança de encontrar a sua alma gêmea.

Perdido em meio a devaneios, algo chamou a atenção do Kim, havia uma lista telefônica entre seus livros, e ele tentava entender como aquilo havia parado ali, o mesmo não se lembrava de tê-lo colocado lá, e mais ninguém entrava em seu quarto.

Começou a folhear as páginas do livro grosso de páginas cinzas, vendo a diversidade de nomes que possuía ali, uns engraçados, outros diferentes, porém, a maioria era comum.

Deixou a lista de lado e voltou a limpar, entretanto, o próximo exemplar que retirou da estante feita de uma madeira nobre fora o livro do Nicholas Sparks, chamado Dear John. Com toda a certeza do mundo este era o autor preferido de SeokJin, e este título era um dos seus preferidos, tendo lido o mesmo mais de 3 vezes.

Suspirou apaixonado ao se lembrar da linda história de amor entre John e Savannah, na qual eles se correspondiam através de cartas enquanto o rapaz servia ao exército. Passou a flanela na capa do livro, retirando a poeira, e o colocou em cima da lista telefônica. Ao se atentar a este fato, uma ideia maluca passou pela cabeça do jovem Kim.

Ele iria escrever uma carta, contendo pensamentos e questionamentos e a mandaria para uma pessoa aleatória, e esperaria para ver se recebia uma resposta, de fato, uma ideia totalmente maluca. Jin não sabia nem como havia chegado a tal plano, e também não sabia o motivo de querer fazer aquilo, porém, naquele momento, parecia algo legal a se fazer.

Ele não buscava um romance desses dos livros que ele lia ao colocar seu plano em ação, afinal ele achava que era impossível se apaixonar por um desconhecido, mas o rapaz almejava ao menos uma nova amizade, ou alguém que lhe sanasse seus questionamentos e lhe ajudasse com suas questões.

“Eu não tenho nada a perder!” – o jovem pensava, e de fato não tinha, o pior que poderia acontecer seria ele não receber uma resposta.

Com a ideia em mente, Jin pegou a lista telefônica e fechou os olhos, abrindo em uma página aleatória, apontando para um canto qualquer da folha. Abriu os olhos novamente e olhou para o nome a qual seu dedo pairava, aquele era o seu escolhido.

- Kim Dongsun... – leu em voz alta.

“Será que este será o meu novo amigo?” – pensava enquanto lia o telefone e o endereço relacionado à aquele nome, constatando ser de Seul.

Anotou o endereço e o CEP em um papel e foi direto para sua escrivaninha, pegando uma folha A4 e uma caneta preta.

Suspirou e começou a escrever.


Dear Kim,

Meu nome é Kim SeokJin, e apesar do mesmo sobrenome, creio que não somos parentes. Tenho 23 anos e moro na cidade de Gwacheon, na província de Gyeonggi. Acredito que seu endereço seja de Seul, certo?

Peguei o seu nome e seu endereço na lista telefônica, e meu objetivo com esta carta é fazer um novo amigo e poder conversar sobre os mistérios da vida. Será que você poderia me ajudar?

Sou um rapaz solitário e tenho apenas um amigo, chamado Jimin, porém, ele tem que se dividir entre mim, seus outros amigos e o namorado, acabando por não termos tanto tempo para ficarmos juntos.

Nós conversávamos bastante por mensagem, porém estou sem celular, que foi estragado por minha mãe, esta que toma Prozac e enche a cara o dia inteiro. Sua mãe também é assim? Ou ela é como as mães normais, que cozinham as comidas preferidas de seus filhos e lhes dão amor e carinho?

Os dias em minha casa tem sido massivos e entediantes. Eu fico com a tarefa de “dono de casa” enquanto meu pai trabalha e minha mãe vive em um coma alcoólico e outro. A minha única forma de distração são meus livros de romances, porém já li várias vezes os que tenho, e não possuo dinheiro para comprar um novo.

Acho que essa ideia de mandar uma carta para um desconhecido surgiu do meu total tédio e da minha falta do que fazer, por isso, peço-lhe desculpas por estar incomodando ou qualquer outro tipo de transtorno.

Aliás, comecei esta carta com “Dear Kim” baseado em um dos meus romances preferidos do Nicholas Sparks, chamado Dear John, então espero que não ache estranho. Além disso, não sei seus gostos literários e nem sei se realmente gosta de ler, porém lhe recomendo este livro, ele é muito bom!

Tendo o assunto romance em pauta, gostaria de lhe fazer algumas perguntas:

Você acredita em amor a primeira vista?

Você acredita em destino?

Você acredita em amor eterno e verdadeiro?

Você gostaria de viver um romance como os dos livros?

Lhe faço estes questionamentos pois eu sou um rapaz sonhador e esperançoso, e gostaria de saber se você também é... Nem sei sua idade, mas gostaria de saber sua opinião sobre o assunto.

Eu sonho com o dia em que eu irei no Starbucks e encontrarei um rapaz que faça meus olhos brilharem, assim como nas fanfics, ou quando eu irei esbarrar em alguém na faculdade, fazendo meus livros caírem, e assim que nos abaixarmos para pega-los nossas mãos se encontram e soltam faíscas de amor como nos filmes, ou em uma situação aleatória qualquer, em que eu encontre o amor da minha vida, como nos livros.

E sim, você leu certo, me referi a homens pois sou um homem gay, e espero que minha sexualidade não lhe incomode e que você não tenha preconceito.

Por favor, não me responda com uma carta de ódio e mais uma vez lhe peço desculpas.

Mas, mudando de assunto, gostaria de saber se você tem algum animal de estimação, pois eu amo animais, porém meus pais não me deixam ter um.

Sabe qual animal eu gostaria de ter? Um macaco.

Pode parecer estranho, mas eu acho os macacos realmente fofos.

Eu tive um vizinho que tinha um Mico chamado Fred, adorava brincar com ele e sempre levava banana para o mesmo, porém este vizinho se mudou e eu nunca mais tive contato com um macaco.

Você já foi ao zoológico?

Eu não, e realmente gostaria de ir em algum um dia.

Eu gostaria de ser veterinário ou biólogo, porém meus pais não deixam. Faço faculdade de medicina, pois meu pai quer um filho médico e que ganhe muito dinheiro e fique rico. Ele vive dizendo que eu não devo ser um fracassado igual a ele, e que biólogo ou veterinário não ganham dinheiro o suficiente.

Eu realmente não ligo para dinheiro e nem quero ser rico, só gostaria de poder fazer o que eu gosto, mas eu devo respeitar os meus pais e lhes dar um pouco de orgulho, já que eles vivem dizendo que eu fui um acidente que não deveria ter acontecido...

Bom... Acho que esta carta já está longa demais, então me despeço aqui.

Ps1: Eu sei que deve estar achando tudo isso muito estranho e esquisito, então entenderei se não quiser responder e realmente não precisa responder se não quiser, apenas lhe agradeço por ter lido até aqui. Foi bom desabafar e deixar os pensamentos fluir...

Ps2: Estou lhe mandando um origami do Pikachu que eu mesmo fiz. Aprendi semana passada vendo um vídeo na internet na casa do Jimin. Eu dei um para ele, e gostaria de te dar um também, nem sei se você gosta, mas guarde com carinho.

“Ass: Kim SeokJin.”


Após terminar de escrever, o rapaz dobrou a folha cuidadosamente e a colocou em um envelope para cartas. Depositou o origami dentro também e lacrou o envelope, colocando os dados do remetente e do destinatário, colando o selo por último.

Após estar tudo pronto, Jin saiu de casa rapidamente, levando a carta consigo e a colocando na caixa de correios mais próxima de sua casa, enviando-a para Kim Dongsun.

- Espero que possa ser meu amigo... – sussurrou, voltando para casa, sem saber o que o futuro lhe reservava.


Notas Finais


*Prozac é um medicamento de uso psiquiátrico para depressão e outros tipos de transtornos psicológicos.

*Aqui no Brasil, as listas telefônicas contém apenas o número do telefone da pessoa, porém, em alguns países, as listas telefônicas também vem com o endereço. Eu pesquisei para saber se a da Coréia vinha só o número ou se também vinha com o endereço da pessoa, porém não achei esta informação, então vamos fingir que sim.

*A foto do capítulo é o origami que o Jin enviou junto com a carta.

*Pra quem lê minha outra fic, gostaria de avisar que irei atualiza-lá mais tarde.

Bom, é isso. Gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...