1. Spirit Fanfics >
  2. Dear Ômega (Kaisoo) >
  3. 05- Submeter

História Dear Ômega (Kaisoo) - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Fiquem com o capítulo de hoje!

Capítulo 6 - 05- Submeter


Fanfic / Fanfiction Dear Ômega (Kaisoo) - Capítulo 6 - 05- Submeter

Minhas lágrimas não cessaram em momento algum, encarar aquele espelho era como ver o meu mundo desabar. Tive que dar um fim nesse choro quando ouvi algumas batidas na porta e alguns chamados, eram às vozes de Junmyeon, Baekhyun junto da de Chanyeol, me olhei ao espelho novamente e percebi que eu teria de esconder isso para eles não me perguntarem o que aconteceu, peguei o travesseiro da maca e o coloquei depressa a minha cara, tampando os possíveis olhares dos meninos em mim.

— Kyunnie estamos entrando... - Disse Junmyeon que já estava dentro da sala, caminhando até mim.

— Por que vieram aqui? - Ainda bem que minha voz foi abafada pelo travesseiro que estava na minha cara, disfarçando o tom choroso da minha voz.

— Ficamos sabendo que teve uma briga perto do banheiro dos ômegas e... viemos ver se você estava bem... - Chanyeol respondeu preocupado e foi com está resposta que não me aguentei, às lágrimas retornaram a cair em meu rosto e o travesseiro que antes tampava minha cara havia sido abaixado dando espaço a minha "nova" aparência.

Os sons de supresa e todos olhos arregalados me encaravam naquele momento, Baekhyun e Junmyeon vieram de braços abertos me confortando num abraço caloroso.

— Não chore Soo... não chore... se você chorar eu também não vou me aguentar... - Repetia Junmyeon com uma voz de choro fazendo um cafuné a minha cabeça.

Baekhyun permaneceu calado, apenas alguns carinhos a bobecha e seus dedos secando meus olhos cheios d'água foram o que fizera para mim e óbvio que quando eu me acalmei eles pediram uma explicação clara sobre o que havia acontecido comigo, e mesmo não querendo eu tive que falar, contando tudo o que aconteceu enquanto eu estava ainda consciente, Baek não hesitou em dizer:

— Ela é uma pessoa morta apartir de agora, eu é que vou raspar aquela loira de quinta! - Proclamou alto já dando meia volta e indo em direção a porta mas para o impedir de fazer qualquer coisa, puxei seu uniforme chamando sua atenção.

— Por favor Baekkie... não faça nada... deixe isso para lá...

— Ele está certo Byun... deixa Wheeln pra lá... - Pediu um Chanyeol chorão segurando o ombro do mesmo.

— Deixar isso pra lá?! Aquela vagabunda raspou seu cabelo! - Falou raivoso apontando para mim.

— Não importa... o cabelo crescerá de volta afinal... deixe isso quieto Baekkie... - Pedi voltando a lacrimejar.

— Mas e se ela voltar a te implicar novamente Kyungsoo?! Eu vou ter que ficar aqui parado sem fazer nada enquanto você é humilhado!?

— Deixe ela voltar! Se me humilhar faz ela melhor deixe ela voltar! - Gritei com ele.

Assim que soltei esse grito, Baekhyun me olhou com um ódio nos olhos, tirou as mãos que seguravam ele e cruzou os braços em prontidão, me encarando com feições sérias e uma áurea pavorosa que emanava dele.

— É isso que você quer Do Kyungsoo? Ficar em silêncio enquanto te maltratam e te façam chorar? Até quando vai ficar calado? - Abaixei a cabeça com medo de o encarar. — OLHE 'PRA MIM KYUNGSOO! - Gritou raivoso, e com o susto o encarei. — É isso que você quer da sua vida? Servir de tapete pra qualquer um limpar os pés?

Apenas desviei o olhar novamente, ele estava certo como sempre, eu mesmo estava me despedaçando aos poucos, me fazendo ficar ao fundo do poço. Eu estou me privando dos bons privilégios que a vida tem a oferecer apenas para alimentar mais o ego das pessoas.

Estou me fazendo de... trouxa.

— ME RESPONDA KYUNGSOO! - Esbravejou o ômega de cabelos azuis.

— NÃO!!! - Falei a mesma altura. — Eu não quero viver desse jeito... Eu nunca quis viver desse jeito mas se eu não viver dessa maneira quem é que vai ficar no meu lugar?! - Falei aos prantos, eu estava soluçando tanto que ficou difícil respirar um pouco, tentei limpar minhas lágrimas mas foi a mesma coisa de tapar o sol com uma peneira.

Fechei os olhos apenas sentindo um abraço e o silêncio que dominou aquela sala, estava quieta apenas o meu chorinho e alguns soluços se escutavam. Baekhyun segurou meu rosto e limpou às lágrimas, falando calmamente para mim, abri meus olhos novamente eencarando seu olhar profundo com aqueles olhos escuros que tinha:

— Você não precisa se submeter a nada disso Soo... - Fechei meus olhos assim que senti seus dedos acariciarem meus pequenos fiozinhos. — Você não precisa ficar aguentando tudo calado, sofrendo pelo ego dos outros, isso machuca Soo, dói bastante você sabe disso e sabe também que se não cuidar disso cedo você não encontra mais a cura... no futuro você irá se arrepender de não ter levantado a voz 'pra se defender... - Ele depositou um selar em minha testa continuando. — Me prometa que está será a última vez que vai ficar de cabeça baixa...

Abri meus olhos, mordiscando um pouco os lábios mas tentei falar o mais firme possível:

— Eu pro-prometo Baekkie...

— Ótimo. - Sorriu pequeno para mim e um novo abraço em grupo foi feito mas dessa vez com a participação do Chanyeol.

Ficamos caladinhos apenas podendo escutar nossas respirações, sentindo as mesmas baterem em nossos corpos.

— Obrigado gente... por estarem c-comigo... - Agradeci recebendo alguns cafunés a cabeça.

— Você sabe que estaremos sempre aqui. - Disse Junmyeon sorridente.

A enfermeira havia retornado a sala e quando ela se deparou com a cena de todos abraçados, soltou um "cof cof" que fez todos nós nos separarmos de imediato, um sorriso pequeno foi o que se formou ao rosto dela, me entregando um frasco com algumas pílulas de vitaminas e pediu para eu engolir duas e quando fiz ela disse já para eu pegar minhas coisas na sala para voltar 'pra casa, eu não queria ir até a sala então pedi para os meninos buscarem meu material e após alguns minutos, minha mochila chega na companhia de... JongIn?

— Então Wheeln realmente fez essa crueldade com você Soo... - Falou tocando em meu rosto com a mão desocupada, o que me fez corar e tirar a mesma mão do meu rosto.

— O que 'cê 'tá fazendo aqui?! - Resmunguei baixinho ao mesmo.

— Eu pedi para os meninos para levar seu material e eles aceitaram, eu fiquei sabendo também o que aconteceu mais cedo e eu fiquei preocupado. - Falou o Alfa de cabelos castanhos.

Bufei insatisfeito, aqueles dois queriam a todo custo jogar o JongIn para cima de mim, babacas, saí do meu pé chulé, que nem morto vou querer namorar meu amigo, principalmente um que muita gente quer tirar pedaço.

— Aish. Tudo bem só vamos logo, vou ter que ir até a diretoria avisar ao Jiyong Seunbae que estaremos indo...

— Ah, Do Kyungsoo não precisa! - A enfermeira Joy me interrompeu. — Eu já falei com o diretor que você está indo para casa com a companhia de JongIn.

Certo, então foi por isso que ela demorou tanto e pera aí como ela sabia que JongIn iria comigo?

Ela também faz parte do plano de me juntar com ele?!

Aliás por que ele não está assustado com minha aparência mas sim bastante preocupado comigo?

Ah, quer saber não importa... eu só quero voltar logo para casa.

— Kyungsoo. - Chamou o castanho.

— O que foi? - Olhei para sua cara.

— Você está bem? - Perguntou com aquela voz calma que me fez arrepiar, gente o que tá acontecendo comigo?

Desviei meu olhar e tornei a olhar para frente abrindo a porta e falando:

— Não, eu não estou bem.

— Tem algo que eu possa fazer por você?

Claro que tem, é só você me deixar voltar pra casa sem a sua companhia e você parar de me deixar envergonhado ou fazer meu coração palpitar acelerado!

— Só me deixe em casa logo...

...

O caminho até minha casa foi bem... digamos que estranho. JongIn estava bem preocupado, o caminho inteiro ele levou a minha bolsa e a dele, estava tão atento a mim que quando tropecei em uma pedrinha ele me segurou um tanto forte, deveria ser o medo de me ocorrer mais um desmaio ou ele estava sendo muito gentil.

— Obrigado por me acompanhar até em casa e me desculpe por te fazer perder às aulas do professor Kwan.

— Que nada, eu que te agradeço, foi um alívio escapar do professor Kwan 'pra poder te admi– q-quero dizer, para poder te acompanhar! - Se corrigiu bem rápido que eu pude rir fraco, JongIn era tão fácil de se decifrar. Aí gente, que droga me deram para ficar tendo esses pensamentos bobos?

— De qualquer forma muito obrigado JongIn... - Falei me virando para pegar a chave de trás do vaso.

— Espera! - Falou entusiasmado o que me fez olhar para trás um pouco confuso com a eufória repetina de JongIn.

— O que foi dessa vez?

— Eu... eu, eu queria...

— Queria o que?

Ele mordiscou os lábios e seu rosto que antes moreno agora estava um pouco ruborizado, não me diga que é isto que estou pensando?

— Eu poderia entrar? Eu queria te contar algo no particular...

Ufa mas espera um pouco aí.

— Mas só estamos nos dois aqui JongIn.

— Mas eu sinto que estou sendo vigiado Soo... - Falou baixinho o que me fez o encarar desconfiado mas aceitei sua suposta desculpinha deixando ele entrar também.

Abri a porta, entrando na casa vazia, tirando os sapatos e sentindo o frio do chão gelado.

— Aceita uma água ou um suco? - Falei pegando minha mochila das costas do mesmo.

— Não valeu... muito obrigado pela gentileza. - Agradeceu com um sorriso aberto e que sorriso lindo, aí mas que droga que estou pensando!?

— Pois bem, diga logo o que quer me contar... - Pedi educamente.

— Ah! Sim claro. - Falou se aproximando de mim com uma postura tensa, ele parecia bastante nervoso com algo mas espera aí, não é isso que estou pensando... ou será que é?

— Kyungsoo. - Chamou-Me, se aproximando de meu rosto.

— J-JongIn!? - Gemi, puta que pariu eu gemi o nome dele!?

— Eu esperei tão pouco para ter uma resposta sua... e quando a recebi... me decepcionei um pouco... como pode ser tão humilde ao ponto de recusar meus elogios...

— Do q-que está falando?

— Da carta Kyungsoo. - Olhei para seu rosto, bem surpreso com isso, quero dizer, eu queria que fosse o JongDae!

— Então era você esse tempo todo... - Falei baixinho enquanto sentia às mãos molhadas de suor do JongIn tocarem minhas bochechas.

— Eu queria tanto poder te dizer quem eu era mas tive tanto medo de você me rejeitar de primeira...

Ele tem razão, se ele contasse de primeira que era ele eu recusava na hora.

— Como saberia que eu iria lhe rejeitar? - Perguntei me fazendo de desentendido.

— Você sempre diz que sou rodeado de vários olhares famintos, que anseiam minha presença. - Falou puxando um biquinho fofo nos lábios.

— Tá mas e daí?

— Obviamente que para evitar olhares tortos dos outros, você iria me dar um fora. - Até que ele tem razão que garoto esperto, me conhece tão bem. — Estou certo?

— Babaca, você só está alimentando esse seu ego se achando a última bolacha do pacote, quem foi que te disse que recusaria 'pra evitar atenção?

— Soo não minta pra mim... - Pediu manhoso para mim dando um beliscão fraco na minha bochecha o que fez corar e desviar o olhar.

— Estou te falando a verdade. - Quero dizer meia verdade, eu não queria que namorar o JongIn pelo fato de muitas pessoas estarem de olho nele mas não só por isso mas também porque ele era meu amigo de leitura e não queria correr o risco de se apaixonar pelo meu bom amigo.

— Se você que diz que não está mentindo então me diga...

— D-Dizer o que? - Cara eu já tava muito nervoso, suando igual peru em dia de natal.

— Kyungsoo. - Me chamou ganhando novamente a minha atenção.

— O-Oi?! - Esse moleque está me fazendo perder a postura, isso é jogo sujo!

— Quero saber qual é a sua resposta.

Rapaz, aquilo foi como "eu não sei se eu vou pra lá ou se vou pra cá, só sei que pra onde eu for vai dar merda".

— JongIn.

— Me chame de Kai, por favor. - Atrevido tá me fazendo chamar pelo apelido.

— K-Kai.

— Diga Soo, estou todos ouvidos. - Sorriu fechado para mim, gente que tentação.

— Me dê um tempo para pensar.


Notas Finais


Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...