História Dear One - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Tags Bakudeku, Female!midoriya
Visualizações 355
Palavras 3.672
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Fluffy, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Shounen, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yo Minna outra vez!!! Bem, eu to atrapalhada com minha faculdade então, vou postar o máximo de capitulos que eu puder por aqui, pois acredito que depois eu desapareça um tempo e não sei quando volto, espero que compreendam! De verdade espero ter apoio com essa fanfic, estou fazendo no estilo que eu acho que pode agradar, pelo menos estou tentando. Prometo dar meu melhor em cada postagem! Outra vez espero que vocês tenham compreendido o intuito da fanfic, ou pelo menos parte dele.
Obrigada pela atenção!

Capítulo 2 - Menina De Cabelos Verdes


Fanfic / Fanfiction Dear One - Capítulo 2 - Menina De Cabelos Verdes

Midoriya

            Eu estava em choque total, aquilo só podia ser uma ilusão, tinha que ser apenas coisa da minha imaginação, como minhas mãos ficaram daquele tamanho tão de repente? COMO AGORA EU TENHO UM PAR DE SEIOS?!

            Esquecendo completamente da minha tontura e enjoou na barriga, me levantei do chão com rapidez e corri até o vidro mais de loja mais próximo que ali tinha. Foi quando fiquei frente a frente com a enorme vidraça de uma padaria local.

-Ai Meu Kamisama...!- disse de forma abismada com meu rosto repleto em pânico ao ver minha imagem refletida ali.

            Minha aparência estava completamente feminina, desde as pernas até a cabeça! Como eu estava em forma de menina?! Como aquilo aconteceu? Por que aquilo aconteceu?

            Toquei meu rosto com a mão direita delicadamente sentindo assim as lágrimas caírem pelos meus olhos vagando pelas minhas bochechas,  ao mesmo tempo que sentia o choro sufocar minha garganta querendo se libertar. Minha pele estava macia demais, meu corpo cheio de curvas, meus olhos com cílios longos, e para piorar meu cabelos estava longos indo diretamente até a cintura de forma rebelde.

            Funguei ainda olhando para aquele pesadelo ali parado, eu não era mais eu mesmo, parecia um completo estranho, ou melhor, uma completa estranha  parada.

-Preciso de ajuda...- disse a mim mesmo embriagado em lágrimas enquanto me afastava do vidro.

            E com um único lugar em mente que eu poderia ir se ser visto por alguém da escola, comecei a correr com o rosto encharcado pelo choro enquanto o sentimento de desespero se alojava em meu peito.

{...}

            Aos poucos fui abrindo a porta de minha casa tentando não  fazer muito barulho, não queria acordar minha Okaasan naquela hora, ela com certeza piraria ao me ver desta maneira.

Meu choro já havia se sessado a um tempo, o que me ajudaria mais no silêncio absoluto. Fechei a mesma atrás de mim com lentidão e na ponta dos pés  fui caminhando em direção a escada para logo me enfiar no quarto e pensar em uma solução para este enorme problema. Entretanto, assim que comecei a subir os primeiros degrais da escada pude escutar a voz de minha okaasan.

-Izuko? É você meu filho?- pelo som  pude perceber que a mesma vinha da direção da cozinha.

Droga! Má hora para me chamar mãe!

            Parei de andar por um breve segundo enquanto fazia uma careta preocupada pensando rapidamente no que fazer para mante-la longe.

-Hai, sou eu.- na hora em que proferi essas palavras notei que minha voz havia saído fina demais. Tapei na mesma hora a boca sentindo o suor escorrer pela testa.

-Você esta bem querido?- percebi que a mesma se aproximava.- Sua voz está estranha.

-A-ah não é nada!-  forcei a voz ficar grossa enquanto subia mais alguns degraus.- Estou apenas um pouco doente, não se preocupe comigo.

-Oh filho, me deixe medir sua temperatura então.- disse preocupada parecendo ainda se aproximar.- Se não vamos ao médico agora.

-Não precisa!- me apressei em dizer vendo a sinueta de sua sombra perto da escada, o que me fez encolher um pouco para ela não me notasse.- Ficarei bem, só preciso descansar um pouco.

-Pelo menos venha jantar.- insistiu.- Vou preparar uma sopa quente e depois você toma um remédio.

-Fica  para depois.- devagar fui subindo até a ponta da escada.- Estou sem fome.

-Não mesmo senhor Izuko.- escutei seus passo pesados irem em direção a escada.- Você vai comer!

-Depois.- respondi o mais rápido possível.

            Sem perder tempo e pouco antes dela chegar ali para me ver, corri direto para o quarto fechando a porta do mesmo.

 Me encostava contra a enorme madeira enquanto suspirava de alivio e ainda tremia pela adrenalina. Aquela foi por pouco!

            Assim que desgrudei dali comecei a caminhar pelo meu quarto analisando  a mim mesmo cada parte desse corpo estranho. Passava minhas mãos pelo  mesmo sentindo as várias curvas que ali tinham se criado a as apertando. Vi meu espelho no canto do quarto e logo fui direto para ele observando outra vez meu reflexo.

-Tão real.- comentei baixo e ao mesmo tempo triste.Não havia nada do meu EU, ali na frente.

 Brevemente olhei meu quarto e ate que meus olhos pararam em minhas roupas masculinas dobradas em cima da cama junto de uma boxe. Fui me aproximando dali aos poucos, segurei minhas roupas nas mãos abraçando as mesmas com força sentindo outra vez meus olhos marejarem.

            De uma forma surpreendente minha porta é aberta com rapidez, fazendo-me olhar em sua direção com os olhos arregalados e cheios de água.

-Izuko você...- minha okaassan já ia falando assim que entrou no quarto, mas parou de repente quando me viu.

            Seus olhos se arregalaram e seu rosto tomou um tom de espanto total, no segundo seguinte ela começara a gritar desesperadamente parecendo que teria um ataque ainda m olhando.

-Calma, calma Okassan!- falei soltando minhas roupas e correndo até ela agitado.- A senhora precisa se acalmar! Não grite!

            Mas nada do que disse a fez parar, então como única ideia que tive, segurei em seus ombros e a balancei de leve ao mesmo tempo que a olhava tentando passar calma, o que foi em vão.

-Preciso que me escute!- disse firme com o olhar triste.- Onegai!

            No mesmo momento ela parou com seus gritos e seu olhar se focou em mim, mais especificamente em meus olhos. Ela não desviava  os desviava um minuto sequer de mim, e quando notei melhor as lágrimas já saíam de seu rosto.

-Meu menino...É você?- fungou com a voz chorosa.- Meu Izuko?

-Hai.- assenti abaixando a cabeça com a voz baixa.- Sou eu mãe.

-O que aconteceu com você?- perguntou desesperada enquanto passava suas mãos pelos meu rosto e indo para meus cabelos.- Sua aparência...!

-Estou horrível, eu sei!- me afastei brevemente dela a encarando.

-N-não era isso que eu ia dizer.- deu um passo para perto de mim com as mãos tremulas.- Você está lindo, mas eu não entendo...Até hoje de manhã você era meu menino.

-Eu não sei o que houve.- gesticulei desorientado.- Em um momento eu estava brigando outra vez com o Kacchan e no outro eu me transformei em uma menina. Como pode algo assim?!

-É melhor procuramos ajuda.- aos poucos percebia que minha okassan retornava a calma, por mais tremula que ela estivesse.- Temos que ir a um hospital talvez haja algum especialista!

-Em que?!- elevei um pouco a voz.

-Nós faremos diversos exames!- a mesma andava de um lado para o outro enquanto amaçava suas mãos uma na outra, ela parecia uma louca dessa forma.- Eu tenho algum crédito no hospital, eles podem te ajudar! Quem sabe um monge ajude também!

-OKAASAN!- gritei fazendo a mesma parar de andar e me olhar assustada.- Olha para mim! Que tipo de ajuda acha que vou ter?

-Precisamos tentar.- disse ela vindo até mim e segurado minhas mãos.- Daremos um jeito okey?

-Mas e se não dermos?- meus olhos marejaram de novo.- O que vai ser de mim?

-Vai ficar tudo bem!- a mesma disse respirando fundo.- Estamos juntos nessa, você e eu!- garantiu firmemente olhando-me nos olhos.

            Não consegui dizer mais nada a ela, apenas me joguei em seus braços a abraçando de forma calorosa e apertada sendo retribuído pela mesma, era tão bom não me sentir sozinho, ter ajuda e apoio. Ambos choramos juntos, ali  mesmo sem nos mover, apenas curtindo aquele momento o qual eu estava precisando mais do que tudo.

            Já não me sentia desamparado.

{...}

Dois Dias Depois

           

Vários olhares estáticos, surpresos e até mesmo curiosos me encaravam abismados como se estivessem vendo um fantasma, claro que não pude de ficar corado e sem graça ali exposto na frente de tantas pessoas me julgando, era uma situação complicada com o que estava lidando.

-Como isso aconteceu?!- exclamou alto a sensei  Nemuri.- Ele simplesmente mudou para o sexo oposto? Como assim?!

            Para quem não está entendendo o que está havendo vou explicar brevemente.  Agora nesse momento estou na sala de reunião da U.A com todos os professores e o diretor me analisando incrédulos em pé, bem meu lado estava o sensei Aisawa que havia contado toda a situação para eles.

Minha okaasan queria me tirar da escola  depois que choramos, ela disse que era para evitar tumulto e perguntas desconfortáveis, mas eu não queria de modo algum ficar longe dali,  eu tinha amigos  e um sonho estava perto de se realizar, não poderia desistir depois de tanto esforço. Então depois de muita conversa ela cedeu e  relatou o ocorrido ao sensei Aisawa pessoalmente, que  claro prontamente me trouxe para cá contar tudo.

-A senhora Midoirya e nem mesmo ele sabem o que aconteceu.- explicou Erased head.- Ela apenas disse que não iria tirar o menino daqui pois ele ainda tem sua individualidade no fim das contas, também  queria que tivéssemos conhecimento desse evento.

-Garoto.- chamou a voz de Ectoplasm me fazendo olha-lo.- Você averiguou o por que está assim?

-Se eu fui a um médico?- perguntei piscando meus olhos.- Ou outra coisa assim?

-Hai.- assentiu.

-Eu busquei ajuda sim.- assenti falando com calma.- Minha okaasan e eu fomos em vários especialistas nesses dois dias fora da escola, fizemos exames mas em nenhum deles tivemos uma resposta conclusiva, eles disseram...- me impedi de continuar abaixando o olhar envergonhado e acabado.

            Aisawa Sensei me olhou de lado por um momento percebendo que não conseguiria continuar a falar com eles, então o mesmo deu um passo para frente, voltando a explicar.

- Os médios, segundo a mãe de Midoriya, disseram que ele não tem problema algum para ser tratado por eles, nenhuma alteração.- disse com sua voz calma e séria.- É como se ele tivesse nascido mulher, está tudo na mais perfeita ordem.

-Nenhuma alteração?!- All Might tomou a frente fazendo-se destaque, chamando minha atenção para si.- Isso não é possível! Não pode ter sido de repente que ele ficou dessa forma.

             Me senti uma vergonha em frente ao meu grande herói, era como se tudo que ele fez por mim tivesse ido para o ralo, me sentia fraco.

-Compreendo sua questão.- olhou Aisawa para All Might.- Mas não temos vestigios se aconteceu algo nesse período.

-Devemos então procurar por eles!

            Todos os heróis no mesmo minuto começaram a debater entre si sobre a questão e o que eu deveria fazer, mas enquanto isso ocorria, fiquei pensando  com a mão encostada contra a boca, analisei mentalmente cada parte do último dia que vivi como um garoto, devia ter algo que me escapou e não notei.

Não desperdice esse presente.”

            MAS É CLARO! Como eu não tinha pensado nisso antes?!

- Eu sei o que houve!- falei alto fazendo todos pararem de discutir e me encararem atentos.

-Prossiga Midoriya.- insentivou o diretor Nezu com os dedos, ou patas, entrelaçados.- Estamos ouvindo.

-No dia em que sai da sua sala, eu encontrei uma moça.- omiti  o que aconteceu com Kacchan antes disso,  não era hora de ter outras preocupações em jogo.- Ela tinha cabelos longos e ruivos, seus olhos eram azuis cristais e brilhavam demais, parecia não ser nem um pouco velha.- a descrevi brevemente.-  Nós conversamos um pouco na praça mais afastada daqui, ela me deixou um beijo na testa sem explicação e logo depois sumiu, aquilo me intrigou e ainda me deixa confuso!

-Você lembra o nome dela?- perguntou Aisawa sensei para mim sério.

-Hai.- assenti do mesmo modo.- O nome dela era Hana Akemi.

            Vi Erased Head suspirar fundo fechando seus olhos por breves segundos e logo depois os abrindo, enquanto todos os professores nos olham parecendo ainda perdidos.

- Você a conhece Shota?- perguntou  Yamada sensei se aproximando curioso.

-Hai.- assentiu o olhando.- Ela era uma super heroína profissional das mais fortes, mas isso foi a anos.

-O que aconteceu para ela não ser mais?- perguntei curioso.

-Akemi desistiu desse cargo depois de vencer várias batalhas.- explicou All Might dando um passo a frente.- Ninguém sabe o por que ela fez isso, nada foi descoberto. Ouvi rumores de que ela havia desparecido, outros que tinha se mudado para as montanhas para viver isolada, e uns de que estaria morta.

-E qual o mais correto?!- perguntei apreensivo com o coração agitado.

-Ninguém sabe.- suspirou antes de continuar.- Já tem anos que o nome dela não era mencionado entre os heróis e até mesmo vilões.

-Qual era a individualidade dela?- perguntou o diretor.

- Transformação.- falou sensei Aisawa cruzando seus braços contra o peito me fazendo olha-lo.- Hana Akemi pode transformar as pessoas no que ela quiser, desde objetos até animais, com certeza ela usou a individualidade para te transformar em uma garota Midoriya, apenas não se sabe os motivos.

-Como desfazemos isso?!- falei afobado.- Como?

-Esse é o ponto.- fechou os olhos o herói profissional.

-O que?- olhei para All Might que mantinha o olhar triste e baixo.

-Não há como desfazer o poder dela.- explicou meu ídolo olhando para mim de leve.- Por isso ela era considerada uma das mais poderosas heroínas, sua individualidade nunca era desfeita.

-Isso quer dizer que...- minha voz morreu enquanto meus ombros caiam em descrença.

-Você não voltará ao normal Miroiya.- completou Aizawa me olhando.-Gomena.

            Senti meu mundo desabar enquanto parecia que minha cabeça ainda não aceitava as palavras de meus senseis, não era possível, não era real!

-Considerando a situação atual acho que temos que planejar o que fazer com o jovem Midoriya.- começou a falar Nezu olhando para os heróis ali na sala enquanto eu me mantinha em outra sintonia.- Não podemos deixar que a situação se alarde e ele se exponha, pode ser muito perigoso.

-A mãe dele havia falado que não queria tira-lo da escola por conta de seus objetivos.- voltou Erased head a falar.- Podemos falar apenas ao colegas da classe o que aconteceu, criaremos uma história para os outros alunos das classes B e C.

-Parece uma boa ideia.- concordou  Snipe.- Não teremos problemas com perguntas e encrencas entre os alunos.

-E quanto aos vilões?- perguntou Yamada curioso.- Se eles souberem vai ser um problemão.

-Tem razão.- assentiu Nezu.-  Nós vamos ter que mentir bem até mesmo aqui dentro, não podemos deixar isso se espalhar.- suspirou pesado.- A senhora Midoriya disse algo que podemos usar como explicação?

-Hai.- assentiu Aisawa.- Ela comentou que podemos dizer que Midoriya é uma prima dele que mudou de escola, e que o menino mudou de País para casa dos tios.

-Será que vão acreditar nessa história?- comentou Treze.- Todos conhecem a fama de Midoriya aqui, não vai ser fácil de convence-los ainda mais os vilões.

-Daremos nosso jeito.- garantiu o diretor.- Por hora deixo em suas mão e do All Might contar para a sala sobre a situação, entendido Shouta?

-Hai.- assentiu o herói.

-Ótimo.- o diretor disse se colocando em cima da mesa.- Assim então terminamos essa reunião, voltem aos seus afazeres e fiquem de olho nos movimentos inimigos.- ordenou.- Shouta,  convoque todos os alunos da sala 1-A e os organize em uma sala afastada, está na hora de contarmos a eles.- olhou para o homem ao meu lado

-Entendido.

            E assim as coisas foram acontecendo sem eu  ao menos notar, enquanto minha mente girava e as palavras que All Might ainda  ecoavam em minha cabeça, pensava no quão inacreditável que algo assim estava me acontecendo.

            Pude ver que antes de sair da sala, All Might se virou e me olhou nos olhos com a expressão triste e cheia de pena o mesmo  tempo em que sussurrava para mim brevemente.

“Sinto muito...”

{...}

            A classe toda estava reunida junta em pé aglomerados como o Sensei os havia deixado no lugar escolhido por ele. O mesmo estava frente a frente com todos, enquanto meus nakamas o observavam confusos e cochichando.

Quanto a mim? Eu apenas fiquei escondido do lado de fora me abraçando fortemente tremendo e suando nervoso, estava com medo do que aconteceria, não sabia como eles reagiriam, se me aceitariam ou me repudiariam pelo que ocorreu. Estava com medo de ser deixado para trás outra vez.

-Tenho certeza que muitos de vocês devem estar confusos e se perguntando o por que os chamei aqui.- começou sensei Aisawa a falar enquanto eu respirava pesado.- Eu vim transferir noticias da diretoria.

-Não termos mais provas?- perguntou a voz de Denki animada.- É isso?!

-Não, vocês ainda terão provas essa semana.

-Ahhhhh.- sua voz saiu triste me fazendo soltar uma risadinha.- Doce ilusão minha

-Faremos alguma excursão?- perguntou a voz de Momo curiosa.- Ou acampamento?

-Ou quem sabe uma batalha?- Todoroki sugeriu com sua forma séria logo depois da menina.

-Nenhuma dessas coisas.- negou o professor.- Aconteceu uma coisa grave com o colega de vocês, o Midoriya, e nós professores conversamos com o diretor sobre como deveríamos contar a vocês.

-O que foi que aconteceu com Deku-kun?!- perguntou a voz de Uraraka preocupada e agitada, me senti culpado por deixa-la dessa forma.- Foi algo grave? Ele está bem?!

-Calma Uraraka.- disse o sensei.- Ele está bem, não se feriu.

-Então o que ele tem?- perguntou Kirishima soando preocupado.- Foi atacado por um vilão?

-O assaltaram?- perguntou Mineta de forma escandalosa.

-Calados!- ordenou Erased Head firme fazendo todos se calarem.- Como eu ia dizendo ele está bem, mas o jovem Midoriya não é mais o mesmo que vocês conheciam antes.

-O que isso significa sensei?- perguntou Tsuyu-chan sem entender.

-Ele mudou, mais do que imaginam.

            Aquela era minha deixa, já estava na hora.

            Com passos calmos e meio relutantes eu fui indo em direção a porta e assim passei pela mesma dei de cara com todos os meus colegas me olhando com as bocas abertas e os olhos parecendo que iriam sair das órbitas.

-Yo Minna...- falei enquanto coçava a cabeça sem graça.- Sou eu.

            O silêncio assim como suas caras pasmas ainda estavam ali sem soltar nenhuma palavra sequer, logo comecei a ficar preocupado com aquilo tudo até o momento seguinte. De repente todos começaram a falar juntos de forma alta  e afobados indo direto para mim formando assim um circulo todos cheios de perguntas.

            Por um momento me senti tonto e atordoado sem saber a quem responder primeiro.

-C-calma ai galera!- disse erguendo as mãos para tentar acalma-los.- Um de cada vez, onegai!

            Na mesma hora eles foram acalmando as perguntas enquanto me analisavam de cima abaixo em cada canto, aquilo me deixou muito constrangido e vermelho.

-Como isso aconteceu Deku-kun?!- perguntou Uraraka me olhando surpresa.- Você está a cópia idêntica de uma garota!

-Bem, uma ex-heróina acabou usando sua individualidade em mim sem querer.- respondi sem graça. Não sabia muito como explicar a ela em palavras, nem eu mesmo entendia ainda.- Então acabei assim.

-Como você consegue fazer xixi?!- perguntou Denki sorrindo.- Ficou sem pênis?!

-DENKI!- todos gritaram o olhando sérios e irritados.

-Que foi?- o loiro os olhou inocente.- Ele virou uma menina, deve ter sido complicado aprender!

-Sem comentários.- fiquei vermelho enquanto olhava para o chão.- Digo apenas que foi constrangedor.

-Wowwwww!- disseram todos juntos.

-Midoriya posso tocar nos seus peitos?- perguntou Mineta babando enquanto vinha para cima de mim.- Eles parecem ser tão macios!

            Mas pouco antes de chegar em mim, o mesmo leva um soco na cara fazendo-o então voar para o outro lado da sala e bater contra  parede de forma brusca.

-PARA DE SER TARADO DESSE JEITO!- esbravejou Jirou irritada e em seguida me olhou.- Enfim, se você está como mulher agora, por que está vestindo seu uniforme masculino?

-Eu não tenho outro tipo de roupa.- falei olhando baixo.- Além disso estava com vergonha de vir com as roupas da minha okaasan.- e mais uma vez corei de vergonha.

-Ai que fofo!- comentou Asido com uma voz Kawaii.- Você fica lindo corado! Parece uma garota tipicamente envergonhada.

-Realmente você está uma gracinha!- Momo riu enquanto me via corar mais ainda.

-Midoriya-kun você deve urgentemente comprar novas roupas.- Iida falou ajeitando seus óculos meio corado.- Não vai ser apropriado ficar assim já que está como mulher.

-Eu prometo comprar.- ri de sua cara.

            Logo uma risada começou a ecoar pela sala fazendo todos se afastarem de mim levemente o que acabou  dando a perfeita visão de um loiro rindo escandalosamente no canto da sala.

-Qual a graça Bakugou?- perguntou sensei Aisawa se aproximando e nós.

-Francamente? Tudo!- disse ainda rindo enquanto limpava algumas lágrimas dos cantos dos olhos.- Essa situação é patética e tão cômica!

-Você devia ter mais respeito e sensibilidade!- esbravejou Uraraka.- Não vê que Deku-kun está com um problema?

-E dai?- perguntou assim que parou de rir e me encarou.- Para mim não mudou muita coisa, ele continua sendo um nerd maldito.- sorriu de lado assim.

-Como você é um baka!- comentou Todoroki suspiramdo.

- Sabe, isso até que combinou direitinho com você Deku, refletiu o que você é de verdade por dentro.- zombou alto.

-BAKUGOU!- brigou Kirishima o olhando bravo.- Pega mais leve cara.

-Tsc, que seja.- respondeu se aproximando alguns passos de nós.- Pelo menos agora para mim a situação é vantajosa.

-Como assim?- perguntou Iida sem entender.

-Não vou ter mais que dividir quarto com você.- apontou para mim ignorando meu amigo.- Mais uma vez me livrei de você fácil.

            Abaixei minha cabeça  encarando o chão com vergonha e até mesmo um pouco triste, acho que por um segundo achei que Kacchan iria mudar um pouquinho comigo depois de me ver nessa forma, mas vejo que me enganei outra vez.

-Espere um pouco Bakugou.- falou o sensei me fazendo levantar a cabeça e olha-lo.- Eu não disse nada  que não iriam mais dividir o quarto.

-Como é?!- perguntou Kacchan claramente surpreso assim como eu.

-Você e o Midoriya ainda dividirão quarto.- explicou cruzando os braços.- Por mais que ele tenha mudado, vocês ainda estão em pé de guerra, e a decisão de mante-los juntos cabe a mim. Em outras palavras, ele ainda é seu companheiro de quarto e não vou revogar tal decisão...O que me lembra que hoje começa a estadia de vocês  todos aqui nos dormitórios da U.A.- sorriu de lado por fim nos olhando.

- COMO É?!- gritamos todos juntos em surpresa.

 

 

 

 


Notas Finais


Comentários? Uma sugestão do que pode acontecer?
Kissus de uva!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...