1. Spirit Fanfics >
  2. Dear Sakura >
  3. Capítulo seis

História Dear Sakura - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Olá olá
Mais um capítulo e com capa nova pra dar uma repaginada

Capítulo 7 - Capítulo seis


S.U

A fumaça pairava sobre o ar e o som agradável dos instrumentos harmonizavam o ambiente rústico, Sakura estava sentada ao meu lado no sofá e em nossa frente o Uzumaki tinha em seu colo a morena mais velha dos Hyuuga.

- podemos fechar o negócio? – o loiro questionou bebendo uma dose de whisky.

- é um bom negócio Naruto mas é bem arriscado.

- bom... - ele deu uns tapinhas na bunda dela e a Hyuuga entendeu que era pra se retirar, depositei minha mão sobre o joelho de Sakura e pedi que ela acompanhasse Hinata.

- você sabe que isso é arriscado. – frisei novamente.

- não é tão arriscado assim mas é um pouco complicado. – ele se inclinou e se apoiou nos joelhos.

- é um tráfico bem elaborado, vai render muito dinheiro.

- vamos ter que aumentar nossos contatos na polícia e nas fronteiras também.

Ele se levantou da poltrona e se dirigiu até o pequeno bar no canto esquerdo, encheu mais seu copo com o líquido amarelado e tomou tudo em um único gole, se virou para mim e tossiu.

- tenho uma notícia. 

- diga. – cerrei meus olhos.

- vou ser pai. – ele sorriu animado.

Soltei um sorriso de lado e acenei positivamente com a cabeça.

- parabéns Naruto. – disse orgulho erguendo meu copo. – que venha mais um Uzumaki.

$$$

Após uma longa discussão sobre os negócios com Naruto me despedi dele e de sua esposa, deixei a residência dos Uzumaki e segui até o prédio da empresa, Sakura mantinha-se reservada e não demonstrava sentimento algum, seus olhos estavam focados nas paisagens que passavam pela janela.

- está cansada? – questionei.

- um pouco. 

- depois que sairmos da empresa eu te deixo em casa. 

- claro. 

- quando chegarmos lá, não fale com ninguém, não olhe para ninguém. Lá dentro é um campo minado. – expliquei sério.

Ela concordou com cabeça sem ao menos me olhar, quando estacionei em frente ao prédio espelhado observei que Obito esperava na entrada, desci do carro e abri a porta para Sakura, me dirigi até o encontro de Obito e o cumprimentei.

- boa noite.

- olá Sasuke, quem é a acompanhante da noite? – sorriu olhando Sakura de baixo para cima.

- está é Sakura. – falei agarrando sua cintura e puxando seu corpo para perto de mim.

- prazer Sakura, sou Obito. – ele segurou a mão da rosada e deu um beijo rápido.

- prazer Obito. – Sakura falou timidamente.

- Sasuke, seu tio esperava no salão principal, creio que a conversa vai ser longa. – falou calmante abrindo a porta de vidro para que entrássemos.

Acenei com a cabeça e adentrei o edifício, nós três subimos de elevador até o 45° andar e seguimos diretamente até a sala de reunião. Quando abri a porta me deparei com Madara sentado na ponta, estava acompanhando de uma mulher que trajava um vestido longo e rente ao corpo, ele arqueou as sobrancelhas ao me ver e franziu o cenho ao ver Sakura.

- é impressionante ver você trazer alguém. – ele se levantou da cadeira e foi até o bar se servi.

- bom, você me ligou antes que eu conseguisse foder ela então tive que trazer ela, afinal eu já tinha pago e não ia desperdiçar dinheiro. – disse guiando Sakura até uma das cadeiras ao redor da mesa.

Madara me entregou um copo e pediu para que eu me sentasse, a moça que estava ao seu lado levantou e saiu no instante em que ele se sentou, Obito me entregou alguns papéis e eu dei uma lida superficial enquanto passava as páginas.

- então foi você quem deu essa ideia a Naruto? – perguntei curioso ao ver que o plano e o tráfico era o mesmo que Naruto havia me sugerido.

- pedi para que ele falasse com você afim de tentar convencê-lo. 

Ele puxou um cigarro do seu bolso, acendeu e assoprou a fumaça no ar, me encarou friamente e começou a falar.

- você sabe o quanto esse processo renderia bons frutos, alcançaríamos outros lugares rapidamente, tiraríamos uma grana boa e nem sequer sujaríamos nossas mãos. Podemos largar a culpa em qualquer traficante e em sua rede de tráfico, ninguém saberia.

- é inaceitável. – falei definitivamente. – é extremamente arriscado e não confio no seu plano.

- escute só, eu quem te criei depois da morte do seus pais. – ele se levantou batendo brutalmente as mãos na mesa.- eduquei você e te coloquei pra estudar nos melhores colégios, paguei uma faculdade fora, te fiz homem para assumir essa empresa. – ele deu uma pausa e suspirou. – é assim que você retribuí? 

Ele se sentou novamente na cadeira e reclinou seu corpo, passou as mãos nos cabelos longos, era nítido a raiva consumir seu corpo mas eu não ia colocar em risco toda minha reputação e o nome da minha empresa por causa de um comboio de drogas. 

- se você tivesse morrido no lugar do seu irmão, eu não teria que estar persuadindo ninguém. – disparou acidamente.

- seria um prazer ter morrido ao lado dos meus pais, porém, infelizmente nem todos minhas vontades podem ser realizadas assim como as suas também não. Se contente com o que tem. – disse friamente pondo fim na discussão.

Me levantei e saí da sala, Sakura me seguiu e não dizia nada, só escutava o som das nossas respirações dentro do elevador. O silêncio era uma barreira confortável para nós dois, sem questionamentos e cobranças, me virei em sua direção e fui me aproximando até encurralar o corpo feminino na parede metálica.

- você está dispersa. – falei analisando seus olhos.

Ela quebrou o contato visual retirando as orbes esverdeadas do meu campo de visão, desci até seu pescoço e dei um chupão forte.

- hm. – ela gemeu se remexendo a baixo de mim.

- me conte por que está distante.

- a bebida misturada com os remédios não fazem bem. – ela disse baixo.

- entendo. 

Segurei seu queixo e virei seu rosto para que eu pudesse olha-la, os olhos inebriados, as bochechas coradas, a boca entreaberta pedindo para se devorada. Como eu queria devorar tudo, morde e lamber cada parte desse doce corpo, fixei meus olhos nos dela e selei nossos lábios. Quando afastei minha boca da dela observei como mordeu o lábio inferior e abaixou os olhos tentando desviar novamente do que acontecia.

- ouça Sakura, a pessoas que sabem amar e outras que só sabem fazer amor. – disse com um tom de experiência. – nós dois somos do tipo que só sabem fazer amor. 


Notas Finais


Espero que gostem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...