História Death Carnival - JJK - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Blackpink, HyunA, TWICE
Personagens HyunA, Jennie, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Lisa, Min Yoongi (Suga), Momo, Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Rosé
Tags Adaptação, Hyuna, Jennie, J-hope, Jimin, Jogos, Jungkook, Momo, Namjoon, Rose, Suspense, Terror, Vithorwas
Visualizações 26
Palavras 3.027
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Luta, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 9 - O Boliche


Barracas do Parque - 8:48 pm.

- Onde devemos ir agora? - questionou Namjoon enquanto prosseguiam pela estrada escura do parque.

- Eu cortei a comunicação quando tirei a Momo da cadeira - disse Hyuna, iluminando o caminho com o Flash do celular. - Sabia que não devia ter feito isso.

- Mas você me salvou. Isso é o que importa - Momo disse em tom de agradecimento, ainda nos braços de Jimin.

- Não fique feliz. Você ainda me deve um Lámen por isso - a Stripper resmungou, apurando o caminho à frente.

Momo sorriu de lado, olhou ao redor e reparou Hoseok seguindo cabisbaixo. Dentre todos, ele era o único que olhava para baixo quando caminhava, com certeza envolto em seus pensamentos.

A Japonesa não pôde deixar de sentir compaixão pelo quanto Hoseok se importava com ela.

Talvez fosse a hora de realmente conviver com um pouco de amor.

- Jimin... - ela disse, tentando descer.

- Tem certeza? - o jogador perguntou. - Você ainda parece meio mole.

- Eu estou bem - ela respondeu.

Jimin assentiu.

Momo desceu ao chão ainda tremendo, mas conseguiu se aproximar do rapaz que mirava o caminho.

Momo tocou seu ombro e ele logo reparou ela ali.

- Você está bem, não é? O choque pareceu ser doloroso - Momo disse, quase murmurando.

- Hm... Você levou um choque maior que o meu e ainda assim está mais preocupada comigo do que consigo mesma - Hoseok disse, apontando o jeito altruísta da moça. - Seu grau de empatia é absurdo...

Momo sorriu.

- Não foi nada. Só estou com um pouco de frio agora - ela disse, seguindo.

Hoseok logo reparou que estava com sua roupa de frio extra-grande.

- Posso te dar minha roupa... Se quiser... - Ele ofereceu, envergonhado.

- Eu quero!

Hoseok não hesitou e logo tirou sua grande roupa de frio e a colocou ao redor dos ombros de Momo que a apertou em seu corpo, trazendo o calor do rapaz para si.

- Arigatô... - ela saudou como uma verdadeira Japonesa.

Hoseok sorriu.

[...]

Entre passos, fogos de artifício foram soltos no ar enquanto todos caminhavam. As luzes de uma casa de jogos foram acesas e a música um tanto quanto alegre que vinha da mesma deixava dúvidas se aquele seria mesmo o local correto no qual eles deviam ir.

Mais uma vez o caminho para o que acreditavam ser a sua última noite havia se formado.

- Vamos! - Namjoon disse, seguindo primeiramente.

A rota até o salão iluminado estava clara para todos. Os passos se apressaram e vendo todas aquelas luzes, a dúvida ainda era grande.

- Isso está muito iluminado pro meu gosto - Jimin comentou entre a correria.

- Pode ser uma armadilha, vamos ficar atentos – Namjoon completou, cuidadoso.

Ao contemplarem a placa luminosa "Boliche" no alto do salão, a música agitada e as luzes, todos logo se aproximaram do salão.

Namjoon estava mais desconfiado que todos naquele momento, nada daquilo poderia ser de propósito, mas desejou se aprofundar na jogada.

- Uau! – Momo disse, iluminada pelos neons.

Todos ficaram ali contemplando as luzes, olhando uns para os outros. Deviam mesmo entrar?

Nada do que foi mostrado o fizeram parar. Então, só restava seguir.

Os sete adentraram o salão de boliche.

O local luminosamente colorido trouxe a lembrança dos velhos tempos. As luzes, as pistas de boliche, a música...

Hoseok se aproximou de um expositor de prêmios e mirava os marcadores de placar em frente as pistas e sentia falta do quanto queria ter vencido pelo menos uma vez na vida aquele jogo.

Momo, sem demorar se juntou a ele, em frente a pista.

Jungkook se escorou perto da porta. Em momento algum ele disse algo.

Rose apenas ria do modo como Jimin dançava conforme a música, o loiro se movia para cima dela fazendo caras e bocas.

- Você não dança? - Hyuna perguntou à Namjoon, indiscreta.

- Hm... Não. - o lutador respondeu, olhando ao redor. - Estou mais para quebrar ossos do que remexê-los. Não faz sentido.

Hyuna revirou os olhos.

- Vamos! - ela segurou na mão de Namjoon e o puxou para perto. - É só se mover, não é pra ter sentido...

Hyuna se remexia à frente do lutador acanhado. Ela era do tipo que não podia escutar uma música que seu corpo se movia sozinho. Mas ele, totalmente o contrário.

- Eu, realmente, não sei fazer isso... - Namjoon se desculpou rindo de si mesmo, mexendo um pé pra lá e outro pra cá, as vezes uma palma, movia os braços...

- Olha só, ele sabe rir - Hyuna reparou, ainda dançando na frente de Namjoon. - É só se soltar, Sensei! O loiro ali nem tá se importando, e olha que ele é horrível nisso também.

Namjoon olhou para Jimin e Rose, os dois formavam um par esquisito aos olhos dele.

Não mais esquisito do que o modo como Jimin dançava.

- Tudo bem... - Namjoon se rendeu. Ele começou a mover-se esquisitamente pelo salão, ignorando todos ao redor.

Seus passos independentes, apesar de estarem longe e excessivamente fora do ritmo, não eram calculados. Aquele era o único modo que ele conseguiu se expressar: se movendo, mesmo sem ter sentido.

- Uau! Você é horrível nisso mesmo! -Hyuna disse, rindo.

Foi quando as luzes se apagaram. A música acabou e todos se assustaram com a repentina e assombrosa estática que propagou pelo salão.

A voz voltou.

-Estão todos se divertindo? - ela disse. - Que bom que gostaram do pequeno agrado que fiz à vocês. Pareciam tão tristes...

Uma luz vermelha estreboscópica dava ao local o tom horripilante desejado pela própria criadora. Todos se juntaram em um mesmo local, atentos aos auto-falantes que emitiam sempre o mesmo filtro de voz grave e que dizia regras e mais regras para cada um.

Outro jogo estava prestes à começar.

Hoseok segurava as mãos geladas de Momo enquanto se aproximava dos outros para permanecerem juntos. Hyuna cruzava os braços sempre incomodada, Namjoon mantinha sua pose sensacional, Rose e Jimin se entreolhavam, receosos além da conta, e Jungkook estava sozinho desta vez.

- Vocês gostam de boliche? - A voz perguntou. - O próximo jogo será para marcar pontos, apenas... Eu espero que vocês sejam competitivos, pois o jogador que ficar por último vai morrer!

- Ah, que diabos! - Hoseok reclamou.

- O que foi? - Momo perguntou ao seu lado.

- Sou péssimo no boliche - ele respondeu, fitando o chão rubro.

- Me diga, no que você não é péssimo? - Hyuna desdenhou, se dirigindo a pista.

Hoseok suspirou.

Os marcadores acenderam. Cada coluna com a inicial do nome dos jogadores.

J, H, JH, JM, N, M e C. Zerado.

O primeiro da lista era Jungkook, o rapaz parecia não estar naquele lugar, parecia abalado. Depois do que aconteceu no barraco suas palavras pareceram sumir de sua boca. Mesmo confessando que ainda amava Rose e tendo Hyuna ao seu lado, ele estava sem nem uma das duas agora.

- Precisa de ajuda para jogar a bola, Jungkook? - questionou a voz.

Jungkook revirou os olhos e se preparou.

O pulso firme e sua postura foram excelentes para marcar um Strike perfeito. Jungkook notou seu placar e apertou o punho comemorando para si mesmo.

Hyuna seria a próxima, ela ajeitou a bola entre os dedos, cerrou os olhos para os pinos e lançou. O giro foi suficiente para marcar sete pontos, deixando apenas três pinos restantes. Hyuna desaprovou, preparou sua segunda jogada de direito e jogou a bola novamente, errando totalmente os três pinos restantes.

Chegou a vez de Hoseok, que dizia ser péssimo naquele jogo. O rapaz mal conseguia encaixar os dedos nos buracos da bola. Todos olhavam para o magrelo sem destreza alguma com aquilo.

Os pinos pareciam estar a quilômetros de distância quando Hoseok os olhou. Sua testa estava suada, o medo de perder e acabar por ali mesmo o fazia tremer.

"... O jogador que ficar por último vai morrer!" As palavras ecoavam na mente de Hoseok, ele apertou os olhos e balançou a cabeça tentando afastar os sentimentos.

- Hobi! - ele ouviu uma voz dizer. Era Momo.

Hoseok abriu os olhos momentaneamente.

- Vamos, pode jogar. - Ela sorriu.

- Vai ficar tudo bem - Namjoon completou, ao lado de Jimin.

Hoseok consertou os óculos, trouxe a bola para perto de si e se concentrou.

Ele seguiu dois passos e preparou o lançamento, sua postura horrível, seus braços magrelos e a dança esquisita não foram propositais.

A bola escapou de seus dedos antes de poder lançar, entrou diretamente na vala direita, fazendo ele perder todos os pontos.

- Que merda! - Ele depreciou.

Os pinos estavam intactos. Hoseok tinha outra chance, se não acertasse estava fora da jogada. Ele preparou outra bola, trouxe-a para si e se concentrou.

- Mais força, menos lentidão - ele sussurrou para si mesmo.

O movimento que se seguiu foi suficiente para acertar metade dos pinos, Hoseok marcou cinco pontos, pulando de alegria. Finalmente.

Jimin não aguentava mais ter que esperar o show. O jogador apenas jogou a bola como se fosse uma pedrinha e marcou um Strike no mínimo estrondoso demais para os pinos aguentarem. Seus braços fortes eram suas armas naquele jogo. Jimin bradou em comemoração, Hoseok se sentiu totalmente pra baixo.

- É assim que se faz, cara! - Jimin disse levantando os braços.

Namjoon preparou a bola, suspirando alto, parecia cansado daquele jogo todo.

- Jogue sério, Namjoon. - disse a voz nos auto-falantes.

- Isso é uma perda de tempo - Namjoon refutou, balançando a cabeça.

- Pelo contrário. Sua vida depende deste jogo. Não tem medo de te matarem?

- Quero ver alguém tentar.

Namjoon deu dois passos, se inclinou e lançou a bola, marcando oito pontos.

Na outra chance, ele levou os dois pinos que restavam para o buraco.

Quando Momo jogou a bola, seus dois pontos foram comemorados exageradamente. Ela não se importava com os pontos que ganhava, ela estava realmente se divertindo.

Na segunda tentativa sua bola foi pra vala.

Chegou a vez de Rose. Seus delicados dedos seguravam a bola com toda a força possível. A pianista mirou os pinos no final da pista e lançou a bola, marcando seis pontos. Rose respirou aliviada, pegou outra bola e marcou mais dois pontos.

Haviam mais três rodadas para se completar o "frame" de dez jogadores, Jungkook não perdeu tempo e logo lançou a bola com toda a força que tinha, mas três pontos foram uma desgraça total. Um Strike de dez pontos mais três. Então, jogou novamente, a bola passou direto pelo lado esquerdo da vala.

Jungkook grunhiu.

Hyuna pegou a bola, rindo baixinho da desgraça alheia e marcou seus oito pontos totalmente positivos. Um de sete mais oito, quinze. Então, ela jogou novamente, e marcou mais dois pontos. Dezessete.

Só restou Hoseok naquele momento.

O rapaz sem ponto algum era o último da rodada.

Os pinos foram re-alocados no final da pista e os dedos dele tremiam.

- Vai! Por favor, eu não quero morrer... - ele disse para si mesmo.

- Se não marcar nenhum ponto está fora, Hobizinho - os auto-falantes gargalharam. - Você sempre tem medo de tudo. Não gosta de se arriscar, por isso perde tudo! Nunca seria capaz de sobreviver sozinho.

- Eu... - Hoseok gaguejou. - Apenas sou cuidadoso demais.

- Não! Você tem medo de arriscar. Se não tivesse se arriscado em dizer aquilo para Momo naquela época, ela ainda estaria aqui. Namjoon precisou forçá-lo à dizer. Você perde tudo agora, se não arriscar lançar a bola.

Hoseok não respondeu de maneira alguma as objeções da voz, no fundo ele sabia que ela tinha razão. Ser taxado como Nerd Medroso na faculdade, todos tirarem sarro de si, cair na lábia dos outros e não se arriscar por medo do que poderia acontecer.

- O que ela quis dizer com "naquela época"? - Rose perguntou, juntando as sobrancelhas.

Hoseok suspirou.

- Eu... Eu sempre tive medo de arriscar dizer que gostava da Katie. Ela poderia não me aceitar - ele largou a bola de boliche. - Fiquei remoendo isso na minha mente a vida toda. E perdi a oportunidade quando ela foi embora... Sempre tive medo de coisas absurdamente inofencivas. Que droga...

- Não se preocupe! - Momo disse em frente a sua pista. - Todos temos medo de algo... Mas se aquilo foi, ou ainda é, verdadeiro, eu te acho muito corajoso por manter esse sentimento tanto tempo.

- Você não precisa ter medo, músculos não são o bastante para vencer tudo, magrelo - Jimin deu um tapa nas costas dele. - Você é bastante inteligente. Use as armas que você tem, cara!

Hoseok tossiu em resposta ao tapa que levou nas costas. Uma onda de confiança tomou conta de si.

Superar aquilo que lhe trazia dificuldade.

Ele recolheu a bola, a ajeitou entre os dedos, respirou fundo.

Com um impulso de corpo firme, os passos leves e a destreza jamais vista Hoseok ia lançar a bola.

Mas foi aí que ele caiu.

Seu tropeço esdruchulo fez a bola escapar miseravelmente de sua mão, o rapaz deu de queixo no chão. A bola rolou vagarosamente pela pista perdendo velocidade, o equilíbrio da pista guiou a bola até a vala esquerda e essa foi direto para o buraco.

- Mas que merda você é! - Hyuna gritou, incrédula com a falta de habilidade.

Hoseok ficou no chão por alguns segundos. Todos conseguiram escutar o choro sem nexo do rapaz. Ele havia perdido. Sua jogada acabou.

Momo se aproximou e o ajudou a se sentar no chão. A Japonesa retirou os óculos de Hoseok, mirou os olhos emaranhados de lágrimas, sua face avermelhada e o suor na testa.

- Eu não quero morrer, por favor... - ele suplicou.

Momo o abraçou.

- Vamos ficar juntos. Se algo aparecer damos um jeito - disse Namjoon se aproximando dos dois. - Jimin, fique na porta. Jungkook, se ver algo avise!

Jimin, Jungkook e Namjoon se preparam para ver o que viria. Os olhos giravam pra lá e pra cá, atentos.

Então, a luz vermelha se apagou e todos se juntaram num circulo bem próximos de Momo e Hoseok. A escuridão trouxe o desespero e todos estavam tensos.

Logo, as luzes coloridas acenderam novamente e a música começou outra vez. Todos franziram o cenho.

A estática voltou.

- Eu já sabia que você perderia, Hoseok - a voz murmurou. - Se prepare para seu desafio. Pode entrar naquela sala à esquerda. Infelizmente, o jogo é assim.

Hoseok se levantou e reparou a porta colorida, então, sem pestanejar ele se dirigiu a mesma.

- Nós vamos com você - disse Momo, seguindo os passos hesitantes dele.

- Não, não, não... - a voz discordou. - O desafio é único. Só o perdedor pode participar. Vamos Hobi, seus amigos precisam ir para a próxima fase.

Todos se juntaram e viram Hoseok seguir para a porta.

O rapaz colocou os óculos no rosto, abriu a porta e adentrou a sala escura.

A porta se fechou atrás dele.

Aquilo estava acontecendo novamente.

Hoseok ficou imóvel.

- Para passar para a próxima rodada você terá que superar seu maior medo - uma voz disse na escuridão.

Quando as luzes se acenderam, iluminando a sala grande, Hoseok não pensou em nada. A cena era terrível demais para ele.

- Não, não, não, não...! - ele disse. Desta vez aquilo era real.

Vários ninhos de cobras se misturavam uns aos outros preenchendo a sala com milhares de répteis que fizeram Hoseok fechar os olhos e ficar imóvel. O tremor de sua mão gelou sua espinha e ele ficou como uma vareta, parado em meio as milhares de cobras que rastejavam umas em cima das outras.

Hoseok abriu os olhos um pouco e reparou uma chave presa a um cordão no final da sala. Não foi difícil pensar no que ele deveria fazer.

O difícil era o fazer.

- Você tem uma chance de sobreviver, se passar pelo ninho das cobras e pegar a chave para a próxima fase do jogo. Seus amigos estão esperando, vamos!

Aquilo era inaceitável.

Hoseok tentou dar o primeiro passo. Mas o barulho das cobras era o pior de todos em sua vida.

Mas ele respirou fundo e cuidadosamente deu um passo entre as cobras.

- Elas sentem seu medo - ele disse para si mesmo. - Se você não o tiver, não tem como elas sentirem.

Os passos cautelosos se estendiam por entre as cobras nojentas. Um passo em falso e ele poderia ser picado.

Estava indo tudo bem, até que ele conseguiu tocar a chave. Hoseok a puxou do cordão com força tentando ignorar as cobras.

- Por enquanto tá tudo bem...

Foi quando sem querer ele pisou em uma das malditas serpentes. O réptil bravejou e virou seu pescoço rapidamente acertando o bote bem em um dos braços de Hoseok. O rapaz gritou e correu apressadamente para a porta sem se importar em pisar nas outras cobras, recebendo o bote de mais três das serpentes.

Hoseok se jogou contra a porta e caiu no chão gritando de dor. O mar de cobras vazou pela porta e Hoseok se debatia no chão.

- Que porra é essa!? - Jimin disse arregalando os olhos.

Todos correram para a porta, Jimin puxou Hoseok de uma vez para longe das cobras que transbordavam da sala, afastando as que tentavam dar outro bote no rapaz.

Jungkook chutou algumas serpentes e se afastou.

Já fora do salão, a placa a neon escrita "boliche" iluminava os rostos aflitos de todos. Jimin levou o corpo para longe da porta, todos se juntaram ao redor de um Hoseok desmaiado, pálido, sangrando e encharcado de suor.

Momo recolheu a chave de sua mão e gritava Hoseok. Rose chorava, vendo a cena.

- Porra! Porra! E agora!? Ele vai morrer! – Hyuna bradou não aguentando a situação.

- Hoseok! Hoseok! – Namjoon chamava dando tapas no rosto cor de papel do rapaz. - Segurem ele, eu já volto!

Namjoon se dirigiu novamente para o salão.

Hoseok estava em seus últimos momentos.


Notas Finais


que dó do nosso hobi 😣😥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...