1. Spirit Fanfics >
  2. Death Note - Contruindo um novo mundo - REPOSTADA >
  3. Capítulo XXV - Escalada de Prata

História Death Note - Contruindo um novo mundo - REPOSTADA - Capítulo 26


Escrita por: _sunlight

Notas do Autor


Oi gnt!! Capítulo fresquinho saindo do forno! Espero que gostem
Sinto muito por qualquer erro
Boa leituraaaa

Capítulo 26 - Capítulo XXV - Escalada de Prata


O clima na sala era tenso. Para Akemi, o ar parecia ser ainda mais carregado

 V havia conseguido, em poucos minutos, acabar com todos os planos que ela tinha, e agora teria que planejar todos seus passos mais uma vez

 Teria que fazer uma jogada arriscada tendo que sacrificar uma de suas peças

 Escalada de prata

 Estava jogando um gigantesco jogo de tabuleiro com o detetive, e sabendo que era sua vez de jogar, teria que ser cuidadosa e cautelosa

 Mas deixaria o jogo divertido

 E no momento, esse jogo seria o Shogi. Usaria uma peça de sacrifício para proteger seu rei, mudando seu plano de ataque para defesa

 Ela estava nas mãos da sorte, mas a estratégia estava do seu lado

— Está me perguntando, Akemi? Tecnicamente se você não for o Kira, a própria investigação vai mostrar... — ela estava com a cabeça abaixada tentando com todas as forças controlar seu ódio. As unhas cravadas nas palmas de suas mãos estavam começando a machucar, ela realmente estava no seu limite

 O detetive se aproximou, ficando próximo ao seu ouvido, e assim como da primeira vez que debateram como Kira e V, ele sussurrou a provocando, fazendo-a ficar ainda mais irritada 

— Não consegue sair da emboscada, Akemi? — ele falou baixo fazendo com que apenas os dois ouvissem. A garota arregalou os olhos sentindo o choque das blusas frias e úmidas que os dois usavam se encostarem arrepiando sua pele fazendo com que seu corpo ficasse tenso

 V se afastou rapidamente vendo Akemi respirar fundo

— Me prenda

— Se você mesma está sugerindo isso, quer dizer que tem um plano para escapar, então não — ele disse se sentando na cadeira virado de frente para o encosto. A cadeira girou algumas vezes e parou de frente para a garota

— Não tenho planos por que não sou Kira — ela disse se aproximando de outra cadeira giratória e se sentando normalmente

— Por que eu ainda não consigo acreditar em você...? — ele disse apoiando o queixo no encosto da cadeira, curvando a cabeça um pouco para o lado

— Por que você não tem um outro suspeito

 “Você continua dando a resposta errada”- ele disse brincalhão com um sorriso zombeteiro

 Os policiais da sala olhavam tudo em choque, os diálogos dos dois eram desafiantes, mas não poderia dar início a uma briga ou algo do tipo, mas eles pareciam, de alguma forma, usarem as farpas que trocavam como incentivo    

— Desde que eu me ofereci para ajudar nessa investigação, deixei claro que faria qualquer coisa para provar que não sou Kira. Se me prenderem, e as mortes pararem, só vai confirmar que eu sou Kira, porém, se continuarem, mostra que há um furo em seu raciocínio — ela cruzou uma das pernas apoiando seu cotovelo no joelho e o queixo na mão, vendo o detetive levantar o olhar como se analisasse em sua própria cabeça, a hipótese 

"Se ela for Kira, pode muito bem passar a posse do Death Note para outra pessoa… mas se isso acontecer, ela teria que dar um jeito de que o caderno voltasse para suas mãos. Ela mataria o futuro Kira e usaria o caderno que obtivemos"

Ele arquitetou um plano rapidamente em sua cabeça e voltou a olhar para a morena. Sorriu sem mostrar os dentes e completou

— Então tudo bem — falou simplista vendo Matsuda se levantar

— V, nós concordamos que ela entrasse na investigação, mas fazer exatamente o que ela pede?! Isso é demais! — o policial falou vendo Akemi dar impulso  na mesa e se virar em sua direção 

— Está certo de que eu sou Kira, não é, Matsuda-san? — ela perguntou de maneira gentil vendo o policial fazer uma expressão triste

Victor revirou os olhos vendo  a tamanha falsidade que estava sendo posta em jogo e completou

— Akemi, teremos que te dar um dia. Já está tarde, vá para casa e conte o que realmente está acontecendo para sua avó — ele disse se levantando indo em direção a porta — Sabendo do estado atual da sua tia, peça para que sua avó invente algo para explicar sua ausência

— E quanto a escola? — ela o acompanhou até a porta parando para colocar os sapatos

— Tomarei as devidas providências — ele abriu a passagem vendo Akemi passar por ele lentamente. Ela parou quando sentiu a mão pálida em seu pulso, que a segurou discretamente

— Você não vai ganhar, Kira — o detetive disse novamente em um tom que apenas ela ouvisse

A Yagami revirou os olhos e saiu da sala, descendo pelo elevador e parando na recepção apenas para pegar um guarda chuva preto que estava em uma das bancadas

A chuva era torrencial do lado de fora. Ela abriu a sombrinha ouvindo o barulho das gotas contra o tecido. Ouvindo o barulho alto da chuva, enquanto evitava as poças na calçada, permitiu um sorriso sádico brotar em seus lábios, enquanto comentou baixinho para si mesma


— Isso é o que vamos ver, V


*Quebra de tempo*

Horas depois, os raios de  sol começaram a aparecer timidamente pelo céu nublado. Akemi se levantou respirando fundo. Calçou as pantufas que estavam ao lado de sua cama e ajeitou rapidamente o cabelo, havia mais uma vez, chegado tarde em casa e estava exausta 

Desceu pelas escadas ainda coçando os olhos de forma manhosa e foi até a cozinha, vendo sua avó preparar algo no fogão 

— Pensei que eu que fosse fazer o café hoje — ela comentou se apoiando no batente enquanto Sachiko se virou brevemente, apenas para ver a neta

— Você foi dormir tarde ontem, tem passado tempo demais com aquele menino sabia? Ainda tomou banho de chuva... — a mais velha comentou e balançou a cabeça negativamente sorrindo de canto

Quando Akira se encontrou pela primeira vez depois de 5 anos com Akemi, ele a levou até em casa,e Sachiko e Sayu chegaram a ver o garoto. Akemi começou a o usar como desculpa para a família. Agradeceu mentalmente por elas não terem se lembrado de que era o mesmo Akira, seu amigo de infância, e pediu para que as duas mantessem segredo, mesmo usando um nome falso com ele

Bom, não havia precisado que mantessem o sigilo

Ela riu sem graça 

— Sinto muito… eu acabei perdendo a hora. Como sabe que eu tomei ba... — foi interrompida com um riso simples

— Suas roupas estavam secando quando eu acordei, e elas não eram da leva que você tinha colocado para lavar

Sabia que não podia esconder nada da mais velha. Ela havia notado até as roupas que usava, uma hora ou outra saberia da investigação 

Sachiko se dirigiu até a mesa, colocando dois pratos com ovos e bacon para comerem

Akemi respirou fundo e começou 

Obaa-san*… eu vou precisar ficar uns dias fora — ela disse enquanto cortava um pedaço de seu café da manhã 

— Por que, querida? — Sachiko pôs uma expressão confusa no rosto vendo a neta suspirar

— Estou trabalhando no caso Kira

O silêncio foi desconfortável. Akemi não pode deixar de se sentir culpada ao ver o olhar da de cabelos acinzentados começar a transmitir medo

Ela sabia o quanto aquele caso era pesado para Sachiko, afinal ela era a única que realmente sabia a verdade

— V-você s-sabe…? — a mais velha perguntou assustada soltando os talheres sob o prato

— Sobre o primeiro Kira? — ela abaixou o olhar após ver a avó assentir — Sei...

A lágrima solitária escorreu pelo olho castanho escuro. As mãos começaram a tremer; Akemi vendo isso rapidamente se pôs de pé e foi em direção aos armários, pegando um copo e rapidamente o enchendo de água, entregando-o para a de cabelos curtos

— N-não deveria participar disso — Sachiko comentou sentindo o braço de Akemi envolver seus ombros em um abraço de lado

— Nada vai acontecer comigo. Estou trabalhando lá para… vingar o vovô e fazer com que essa cópia do Kira pague por estar me fazendo de suspeita — ela disse reconfortando-a

— Assim espero, querida — Akemi se separou apenas para deixar a mais velha se levantar para poder abraçá-la fortemente

— Não conte nada para a titia, tudo bem? — ela disse calmamente enquanto fazia um leve carinho nos cabelos da mais velha

— Tudo bem Akemi, eu dou um jeito 

"Eu dei um jeito por longos 17 anos"- Sachiko pensou enquanto se afastava da neta

Elas comeram o resto do café da manhã e a Yagami mais nova disse que iria dar uma volta para espairecer a cabeça, ação essa que foi aprovada sem problemas pela avó 

Akemi subiu pelas escadas calmamente tentando não fazer barulho na intenção de não acordar a tia. Os únicos sons que eram ouvidos vinham de sua pantufa de patinhos enquanto subia pelos degraus de madeira

Ninguém jamais, naquela situação, imaginaria que ela era realmente Kira

Se trocou rapidamente colocando uma calça e seu casaco creme, pegando uma pequena mochila onde levava alguns pertences básicos 

O Death Note era um deles

Enquanto caminhava, sentiu o vento gélido soprar resultado da noite anterior, acompanhado de um espirro da de cabelos claros

Mais um efeito da noite anterior

Ouviu uma movimentação atrás de si, e já imaginando exatamente quem era começou a falar

— Ryuk

— Fala pirralha — o shinigami falou abaixando o voo e seguindo a mais nova

— Preciso que escute bem direitinho tudo bem? — perguntou escutando um murmuro do shinigami — Vou ser colocada sob observação, basicamente vou ser presa pela equipe

— Pensei que eles confiassem em você, algo não saiu como planejado? — o azulado provocou seguindo de uma risada

Akemi sentiu uma veia subir em sua testa, parecia que todos estavam para provocá-la esses dias

— Preciso que leve o Death Note para outra pessoa mais uma vez — ela disse olhando para frente com uma expressão séria

— A portadora do caderno não é você, Akemi, a posse está com Akira

— Ele não vai aguentar por tanto tempo —  ela disse ouvindo o shinigami a interrogar — Como você mesmo sabe, Akira está sendo mantido preso… eu vi como ele está. Quero que tire suas memórias

— Eu não te obedeço pirralha, e você sabe muito bem disso — ele disse vendo a garota fechar o punho com força 

"Ela está ficando irritada hehe. Gênio forte…"

— Ele vai implorar por isso, Akira sabe exatamente o que eu faria nessa situação e vai colaborar — ela disse tirando da pequena mochila a fruta vermelha e reluzente , que logo fez o deus da morte arregalar os olhos — Ele perderá todas as memórias do caderno, mas não sei se perderá a memória do nome do detetive

— Ele vai, Akemi

— Tem certeza?

— Eu vi um caso de perto, e sim, ele vai

— Ele perderia as memórias do caderno. Quando eu reenvindiquei  a posse, esqueci que tinha escrito os nomes, mas não esqueci que havia pedido para participar da investigação… — ela levou o dedo indicador até a boca enquanto pensava alto

— O que exatamente isso interfere—

— Sabendo disso, Akira não esqueceria do nome de V, apenas esqueceria de como descobriu isso… não? — ela olhou para trás de relance vendo o shinigami balançar a cabeça 

— Tente a sorte, pirralha — Ryuk disse rindo cínico 

A adolescente parou de caminhar e se sentou em um banco mais afastado do centro da pequena praça em que costumava caminhar. Se acomodou puxando da pequena mochila um saco de papel com algumas maçãs, que foram rapidamente devoradas pelo deus da morte

— Come o miolo também — ela comentou vendo o shinigami comentar algo irritado

Ela cruzou as pernas em lótus  sobre o assento de madeira enquanto passava suas jogadas em sua cabeça 

— Ryuk, quanto Akira abdicar o caderno, e eu for presa, leve-o para o endereço que está na última folha, por favor

— Vai fazer a mesma jogada de antes, Yagami?

— Não, vou apenas conseguir tempo. Este Kira será pego e morto por mim, mas através dele eu me aproximarei da equipe, preciso que as mortes continuem enquanto eu estiver sobre observação…


Minha própria liberdade será minha peça de sacrifício




Notas Finais


Espero que tenham gostado, esse cap foi mais de ligação 👉🏻👈🏼
Ahh, vim fzr uma divulgação! Eu postei recentemente uma oneshot Meronia, ent para os interessados, segue o link

https://www.spiritfanfiction.com/historia/good-4-you--meronia-22428321

Nos vemos no próximo~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...