1. Spirit Fanfics >
  2. Death Note: Lei e Luz >
  3. Segundo assassino da incógnita

História Death Note: Lei e Luz - Capítulo 9


Escrita por: LucyAdilia

Notas do Autor


Acho que é bom que eu lembre: Embora seja estranho para vocês, os personagens aqui NÃO conhecem um ao outro e o caso kira nunca existiu. Lembrem-se que se trata de uma realidade ALTERNATIVA.

Eu sei, mas se eles se lembrassem, iria somente ocorrer a MESMA coisa do mangá e do anime de NOVO. E não seria o que eu quero.

PS: L só se fode na minha fic XD

Capítulo 9 - Segundo assassino da incógnita


Quando a ameaçadora transmissão acabou, todos no mundo não podiam estar mais em pânico.

Todos os policiais e jornalistas da conferência ficaram boquiabertos. Eles não esperavam por isso.

Soichiro yagami, o chefe da polícia que tinha respondido a todas as perguntas, engoliu em seco e uma gota de suor escorreu do seu rosto. Ele estava completamente nervoso e chocado como nunca antes ficou na vida.

L ficou completamente chocado. Ele não estava esperando por isso. Ficou boquiaberto por alguns segundos depois fechou a boca e engoliu em seco. Ele estava de braços cruzados. Ele resistiu a vontade de correr até a TV e grudar suas mãos e cara na tela e gritar com a TV como da última vez. Não. Ele não queria se entregar ao desespero. Isso e seu corpo estava paralisado com o choque.

Dessa vez, o final lhe pegou de surpresa. Talvez tivesse a chance do seu plano falhar novamente como das últimas duas vezes, mas L jamais esperaria esse desastre total. Além do seu terceiro plano ter falhado novamente...AGORA TINHA UM SEGUNDO KILLER X!

Era horrível de mais para ser verdade. L sequer tinha uma mísera pista sobre o PRIMEIRO killer x, QUE DIRÁ DE UM SEGUNDO?

Como cargas d’água ele ia prender o segundo killer x se nem tinha pista do primeiro ainda?

Pois é, nada é tão ruim que não possa piorar mil vezes.

L estava ferrado como nunca.

***

O plano da Naomi, que ela tinha resolvido os detalhes junto com o L e os outros agentes lá na conferência da interpol, era lançar mais uma armadilha para Killer X cair. Dessa vez, eles não iriam confrontá-lo diretamente pela TV como fizeram das últimas vezes. Pois das últimas vezes a polícia estava o confrontando e o mundo inteiro estava o pressionando.

Naomi apontou que provavelmente os últimos planos tivessem falhado justamente por causa disso: Talvez killer x estivesse se sentindo ameaçado pela polícia e tivesse medo de ser pego, por isso não teria matado Lind L Taylor. E  na segunda vez estava se sentindo pressionado pelo mundo inteiro a fazer algo que ele não queria, e até pudesse ter sentido que aquilo era uma armadilha. Por isso não teria matado a gangue. Então, naomi sugeriu jogar nele uma armadilha infalível: Eles iriam mostrar na TV um impostor dele. Desse jeito Killer X iria ficar com tanta raiva que não poderia resistir. E acabaria cedendo.

L ficou impressionado com a inteligência da ex-agente do FBI Naomi Misora e lhe elogiou pela brilhante dedução. Era um plano genial.

L disse que só o que faltava era encontrar um criminoso para se passar por Killer X. Ele disse que não poderia ser qualquer um, tinha que ser um criminoso à altura. E que prenchesse os requisitos necessários, como estar ligado de alguma forma as vítimas. Caso contrário Killer X não cairia.

Soichiro yagami olhando nos arquivos que seu filho lhe deu, achou o nome daquele suspeito bem circulado e ressaltado com a caneta e ainda nele estava escrito: “Alta probabilidade”. Provavelmente Raito o achou suspeito principalmente por causa de seu nome mas também o fato de que ele ganhava com algumas das vítimas mortas. Então sugeriu usar aquele suspeito como isca. Tudo que eles precisavam fazer para tornar a isca ainda mais crível era inventar alguns detalhes, como o X pintado com tinta no pescoço e a história do apelido. Além disso, já que a probabilidade do suspeito era alta, vai que poderia ser ele mesmo o próprio killer x? Afinal aquele criminoso tinha motivos para querer morta algumas das vítimas.

De qualquer jeito, a polícia sairia ganhando: Se Keith Extreme fosse realmente Killer X a polícia o teria capturado, se não fosse, o verdadeiro killer x o mataria e ainda por cima iria se revelar.

Parecia um plano perfeito, que não poderia falhar...até aquele segundo killer x aparecer e estragar tudo revelando que aquele cara era um impostor. Ora porque diabos ele fez isso?!? Ele arruinou completamente o plano tão dedicado da polícia! Que miserável!

“Aquele idiota da TV arruinou tudo!” Gritava L furioso em sua mente.

“Agora o plano foi todo por água abaixo, de novo!”

“E agora? Killer X era mesmo aquele suspeito que nós prendemos ou o verdadeiro não caiu e ainda continua solto?”

Na TV, a repóter informava sobre o incidente de hoje. L olhava para a TV apreensivo.

Enquanto escutava a repórter, de repente, L percebeu que ele já tinha falhado TRÊS VEZES. Já tinha jogado TRÊS armadilhas para o suspeito que ele não caiu.

PORQUE ISSO ESTAVA ACONTECENDO?!

O QUE ELE ESTAVA FAZENDO DE ERRADO?!

ORA, ELE NÃO ERA O MAIOR DETETIVE DO MUNDO?!

L finalmente percebeu o quanto Killer X estava o fazendo de bobo e ficou furioso.

Em pé, com uma das mãos apoiada numa cadeira, subitamente L começou a rosnar, seu sangue fervendo de ódio. A raiva que ele sentia de Killer X por fazê-lo se sentir um completo idiota e incompetente estava o consumindo tanto que ele não aguentou mais, gritou:

—DROGA! PORQUE VOCÊ NÃO CAI? PORQUE VOCÊ NÃO CAI EM NENHUMA ARMADILHA QUE EU JOGO?! QUAL O SEU PROBLEMA KILLER X?! AAARGH!!!

Pegou a cadeira com as duas mãos e a tacou violentamente contra a TV.

Ela quebrou na hora.

Agarrou seus cabelos negros com as duas mãos e afundou até o chão, caindo de joelhos. Ele estava desesperado. Como era muito racional, L odiava ficar desesperado, pois isso significava se render às emoções. Mas o asssassino da incógnita estava o deixando tão maluco como nenhum outro criminoso havia o deixado antes. De olhos arregalados, repetia freneticamente:

—Porque você não cai? Porque você não cai? Porque você não cai? Porque você não cai? Porque você não cai? Porque você não cai?...

Alguém abriu a porta e encontrou L no chão falando sozinho igual a um esquizofrênico:

—L?! O que foi?!

Era Watari.

Ele continuava repetindo a pergunta.

Watari olhou para frente e viu a cadeira enfiada na TV, toda quebrada e saindo fumaça.

Ficou boquiaberto. Tapou a boca com o susto.

—Mas o que houve com a TV?

Ele não respondeu, continuava repetindo.

Watari estava começando a ficar preocupado.

—L, o que foi?

Não disse nada.

Watari então foi até ele, se abaixou para ficar na altura dele e agarrou seus ombros:

—L O QUE FOI? RESPONDA!

Ao ouvir a voz de seu querido antigo protetor, L conseguiu se acalmar.

Watari o abraçou.

—Calma L, não se preocupe. Vai ficar tudo bem. Você vai pegar esse desgraçado mais cedo ou mais tarde, eu tenho certeza. A razão para não ter conseguido pegar ele até agora não tem nada a ver com você. É que ele, diferente dos outros criminosos, é um tremendo covarde. Um patife que tem medo de mostrar a própria cara.

Ao ouvir o que Watari disse, L franziu suas sobrancelhas, chocado. Como ele não viu isso antes?

“Diferente...” L sussurrou.

—O que?—Watari não ouviu direito

—É claro! Como eu não vi isso antes?!

—L o que foi?—Watari já estava desesperado

L se afastou dele e segurou seus braços. Olhando bem sério em seus olhos, ele disse:

—Watari, Killer X não é como os outros criminosos. Ele é diferente.

Watari ficou com medo. Sabia o que isso significava.

***

Soichiro yagami teve que pegar um táxi para voltar para a casa. Não conseguia dirigir naquele estado.

Seu rosto ainda estava branco e tenso. E ainda estava todo suado de nervosismo. Ele precisava desesperadamente de um banho para tirar o estresse.

Era tarde da noite. Ao abrir a porta, não tinha ninguém. Todos estavam dormindo. Senhor yagami se sentiu aliviado por isso.

Tomou seu banho bem demorado. Depois foi dar um beijo de boa noite na sua filha e na sua esposa. Mas quando tentou dar um em Raito, percebeu que ele não estava na cama. Ficou preocupado.

Saiu descendo pelas escadas:

—Raito! Raito-kun cadê você?

—Bem aqui.

Ele parou e viu seu filho sentado no sofá com uma mão apoiada nas costas do sofá com uma expressão muito séria no olhar.

Já sabia do que se tratava.

—Não! Raito não!

—Por favor pai!

—NÃAAO!

Depois de gritar, massageou suas têmporas.

—Raito, por favor, será que o estresse que eu já tive hoje não foi suficiente? Você quer me deixar ainda mais nervoso?

—Sim eu sei. E se não me deixar ajudar seu estresse só piorará.

—O quê?

—Ora, agora tem um segundo killer x! E ele ameaçou matar qualquer um que fique em seu caminho! Nós não podíamos estar mais ferrados!

—EXATAMENTE POR ISSO QUE EU NÃO DEIXO QUE VOCÊ ENTRE! PRA VOCÊ NÃO ACABAR MORTO!

—SE NÃO ME DEIXAR ENTRAR COM CERTEZA O MUNDO INTEIRO ACABARÁ MORTO!

Soichiro engoliu em seco. A ameaça era eminente mesmo.

Raito suspirou.

—Pai, tem uma coisa que eu acho que você devia saber, caso ainda concorde em me manter longe do caso.

—O que Raito?—Cruzou os braços

Ele pegou algo de dentro da sua bolsa. Seu celular.

—Acontece que, pouco depois daquela ameaçadora transmissão mundial, alguns colegas meus protestaram no gramado do campos segurando cartazes contra killer x e o segundo killer x. Eles estão de saco cheio disso. Todos nós estamos.

—E daí?—Senhor yagami não estava levando muito a sério

Mas Raito franziu as sobrancelhas e lançou-lhe um olhar muito sério:

—Eles estão agora todos mortos pai.

Senhor yagami arregalou os olhos.

—O QUE?!

—Sim! Alguns dos meus colegas de faculdade estão todos mortos agora só por se oporem aos killers x!

Ele levantou do sofá e mostrou ao seu pai seu celular.

Nele, era possível ver a foto de vários estudantes caídos no chão segurando cartazes.

—Se não acredita em mim, veja a tv então:

Raito ligou a Tv. A repórter falava:

“Hoje, aqui numa das faculdades de maior prestígio do Japão aconteceu algo terrível: Alguns estudantes protestaram contra killer x e o segundo killer x dizendo que os dois eram imprestáveis, escória, um lixo de criminosos sem vergonha na cara. Dizendo também o quanto eles estavam arruinando suas vidas, já que por causa deles, ninguém mais tinha liberdade. Por causa deles, o medo e o pânico estavam se formando no mundo. E que o mundo estaria muito melhor sem eles. Então, sem mais nem menos, todos os estudantes, um a um, caíram no chão mortos.”

Soichiro estava muito chocado.

Raito desligou a Tv. Se virou para seu pai. Olhou para ele.

—E aí? Ainda acha que eu não devia entrar? Você acha que não me deixando entrar está me protegendo, quando na verdade só está causando a morte de outras pessoas inocentes!É por isso que, com sua permissão ou não, eu VOU me envolver nesse caso, JÁ QUE AGORA O PROBLEMA TAMBÉM É MEU!

Seu pai não sabia o que dizer. Ficou em silêncio por alguns segundos.

Curvou a cabeça e suspirou.

Depois levantou a cabeça novamente.

Finalmente, disse ao seu filho:

—Tudo bem Raito, a partir de agora, eu deixo você entrar.

Raito não podia acreditar. Arregalou os olhos.

Era verdade mesmo? Seu pai realmente estava o deixando entrar?Seu pai finalmente estava o reconhecendo?

—S-sério pai?

—Sim. Mas antes que você fique feliz, deixa eu te dizer uma coisa: Não será do jeito que você pensa. Você não fará tudo que quiser, e sim fará tudo que eu mandar. Se eu mandar você ficar esperando na delegacia onde é seguro você o fará sem me questionar. Senão, nada feito raito!

Mas raito não estava nem aí para as exigências bobas do seu pai super protetor. Seus olhos brilharam. Finalmente ele teria chance de mostrar o quanto era bom.

Foi em direção do seu pai e o abraçou.

—Obrigado pai, você não irá se arrepender.

Dito isso foi dormir animado.

Depois que seu filho foi embora, senhor yagami murmurou para ele mesmo:

—É, espero que eu não me arrependa mesmo...

No dia seguinte, raito partiu para a delegacia junto com seu pai de manhã, já que estudava à noite.

Ontem, quando sua aula acabou, viu no chão seus colegas mortos e ficou confuso.

Depois soube da transmissão quando alguém lhe mostrou do celular.

Então tirou fotos para mostrar ao seu pai mais tarde.

Ele pensou que seu pai TINHA que deixá-lo entrar agora de qualquer jeito.

Agora era pessoal. Killer X tinha matado seus colegas. Alguns dos quais ele gostava. Como por exemplo, aquele garoto e aquela garota da biblioteca com quem ele e Raiden tinham conversado antes. Eles eram uns dentre vários estudantes caídos no chão, mortos.

Ao todo, foram oito estudantes mortos.

Ao chegarem na delegacia, raito começou a seguir as ordens do seu pai.

—Raito, preste atenção: Só porque você é meu filho não quer dizer que você tenha mais autoridade do que qualquer um aqui. Você vai começar ajudando só como um estagiário.

—O QUÊ?!

—Você me ouviu.

—Mas isso não é justo!

—Raito yagami kun, quem manda nesse caso sou eu! Agora me obedeça!

—Mas você tá me tratando como uma criança!

Ele suspirou.

—Raito, esse caso é diferente dos demais e eu só quero...

—Me proteger, eu sei! Mas do que isso tudo adianta se não for para prender o assassino? Hein, me diga!

—Raito, você pediu para entrar e eu deixei. Mas se quiser ficar aqui terá que ser do MEU jeito, senão pode esquecer!

Relutantemente, ele teve de concordar.

—Tá. Fazer o quê.—Revirou os olhos

—Raito, me respeite! Eu sou seu pai!

—Tá bom me desculpe! Eu prometo que farei como o senhor quiser.

—É assim que eu gosto.—Sorriu de canto

Passou o dia fazendo tudo que seu pai mandou.

Ele queria muito colocar logo as mãos no caso, mas seu pai exigiu que ele preenchesse uma pilha de documentos de outros casos. Raito protestou:

—COMO ISSO AJUDA NO CASO?!

—Se você cuidar desses outros casos eu posso me concentrar no caso do assassino da incógnita.

—MAS ISSO NÃO AJUDA EM NADA!

—RAITO, LEMBRE-SE QUE VOCÊ PROMETEU NÃO ME QUESTIONAR!

Ele não teve escolha.

—Droga!

Seu pai largou a pilha na mesa e foi embora.

Enquanto ele preenchia os arquivos, um policial que passava por ali o viu.

—Raito-kun! A quanto tempo! O que você faz aqui?—Sorriu

—Oi Matsuda. Só estou preenchendo uns arquivos que meu pai mandou.

—O que? Yagami-sama deixou você entrar?

Matsuda estava surpreso, afinal seu chefe desde o começo não tinha dito que não deixaria seu filho se envolver por achar o caso muito perigoso?

—Sim. Mas ele impôs condições. Que eu infelizmente sou obrigado a obedecer.

—Ah...bem a cara do yagami-san.—Riu

Mas de repente ficou sério:

—Raito-kun, você estuda na mesma faculdade que o meu sobrinho né?

Raito pode ver preocupação nos olhos dele.

—Não se preocupe Matsuda. Seu sobrinho está bem. Eu fui ver ele assim que soube do ocorrido. Ele estava na biblioteca estudando.

Imeadiatamente que soube dos alunos mortos, Raito temeu que Raiden fosse um deles, afinal ele vivia dizendo que era contra killer x. Procurou-o desesperadamente no chão entre os alunos mortos e não o viu. Então, concluiu que ele só podia estar vivo. Ficou enormemente aliviado de saber que seu melhor amigo ainda continuava vivo. Quando perguntou a ele, ele disse que tinha sido chamado para o protesto mas resolveu não ir pois queria estudar. Além disso, raiden não se importava com killer x.

Matsuda suspirou e botou a mão no peito.

—Ah! Graças a kami-sama! A mãe dele não atende o telefone.

—Que bom. Matsuda se me dá licença agora, eu preciso continuar.

—Ah claro.

E foi-se.

No fim da tarde, quando terminou a pilha, Raito a deixou na mesa de seu pai e já ia seguindo para a faculdade.

No caminho, aquele telão gigante que ficava na praça de repente ficou branco.

E alguém começou a falar, com voz sintética:

“Aqui quem fala é o segundo assassino da incógnita.”

Raito levou um susto.

“Ontem, eu fiz o que eu já tinha ameaçado fazer antes, mas vocês não escutaram. E pagaram as consequências por isso. Aqueles estudantes tiveram o que mereceram.”

Ao ouvir isso, raito ficou com raiva.

“Agora, eles servirão de exemplo para qualquer um que ousar ficar no nosso caminho! Guardem minhas palavras: Eu juro que matarei qualquer um que ficar no caminho de Killer X-san!”

Como se a ameaça não pudesse ser pior, ele ainda continuou:

“E Killer X-san, eu gostaria muito de conhecê-lo, me contate assim que puder.”

Todos entraram em completo pânico. Se esses dois assassinos se encontrassem, seria o fim do mundo.


Notas Finais


Achavam mesmo que aquele cara na conferência era o Killer X?

Kkkkkkk XD

Nah, eu jamais diria tão cedo.

Calma, em breve vocês o conhecerão (E talvez se apaixonem perdidamente por ele como eu sou). ❤️

Se acharam que o L pirou geral nesse capítulo, só tenho uma coisa a dizer...o assassino da incógnita vai deixar o L AINDA mais maluco! De jeitos inimaginávais! MUAHAHAHA!!! :D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...