1. Spirit Fanfics >
  2. Decisões. >
  3. Você.

História Decisões. - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


« PRA VOCÊ QUE GOSTA (E para os que não gostam) DE LER AS NOTAS INICIAIS. Se quiser mais imersão, recomendo ler o capítulo escutando "Isabella's lullaby - Takahiro Obata violin vers."
Me inspirei na letra da música "Come to This - Natalie Taylor" pra escrever então se quiserem conferir depois, eu vou deixar o link nas notas finais pra quem quiser, ok? »

Oi, tô de volta pra agradecer MUITO MUITO MUITO a todos que comentaram e dividiram suas reações e teorias comigo. De verdade mesmo, obrigada 💕 Isso foi muito importante pra me incentivar a escrever este capítulo aqui. 😣

Mas então, vamos entender como esse capítulo "bônus" vai funcionar? Vamos.

No último capítulo eu foquei única e exclusivamente nos sentimentos e em tudo que Sasuke pensava. Este aqui é na visão do Naruto, mas não foquei apenas nos pensamentos dele assim como da última vez. Tentei criar uma visão mais elaborada do que eu já tenho preparado pra esse plot, além de criar as cenas e (de forma resumidíssima, é claro) como eu imaginei que elas seriam. Ainda tentei tapar alguns tópicos que deixei em aberto e deixaram vocês curiosos kskskks (fizeram até thread no twitter, acredita? kkk)

Enfim, quero deixar vocês aproveitarem.

Escrevi esse cap nas notas do celular enquanto viajava então MIL PERDÕES se tiver algum erro muito perceptivel.

Boa leitura ;)

Capítulo 2 - Você.


As coisas não andavam bem a muito tempo...não é?

Eu já não durmo na minha cama. Invento um trabalho inexistente para chegar apenas quando todos estão dormindo. Meu quarto? O escritório do andar de baixo.

Eu falhei Sasuke. Falhei como marido, como pai, como hokage. Eu falhei com você.

Sim, eu fui a porra de um covarde. Eu te afastei, afastei por medo, medo da rejeição da vila, dos amigos.

Seria egocêntrico demais perguntar se você entende a minha situação, não é? Sei que seria.

Passei uma vida inteira com esse medo de merda. Medo da rejeição, de regredir com tudo o que já havia conquistado. Eu não sou um ninja poderoso, sou a droga de um covarde.

Eu Ignorei as declarações dela. Fingi nunca ter ouvido aquelas palavras.

E sabe...eu me pergunto o porquê. Por que rejeitei Hinata aos dezesseis anos, se voltei correndo para colocar uma aliança em seu dedo assim que pude...

Merda Sasuke eu me sinto péssimo.

E quando suas cartas demoraram à chegar, eu me preocupei. Eu sempre me preocupo com você não é? Talvez até mais do que me importo comigo.

Sei que não acredita. Consigo ver no seu rosto a dor, a descrença. Mas não tenho nada para lhe garantir isso se não a minha palavra.

Um mês. Dois meses. Três meses. Você nunca demorou tanto assim pra me responder...

Sabe como me senti quando deixei a vila para lhe procurar no local onde me informou que estaria, e responderam que você sequer havia passado por lá?

Ein Sasuke, você sabe? Sabe o que passou pela minha cabeça quando percebi que você sumiu? Eu pensei no pior. Eu sempre penso no pior.

Que merda Sasuke eu me preocupo tanto, tanto com você. Com tudo o que você foi, e é capaz de fazer consigo.

E, quando aquela mulher de cabelos brancos e olhos claros, me perguntara se eu realmente queria saber onde você estava, eu não pensei. Não, não pensei na minha esposa, nos meus filhos, ou na vila deixada aos cuidados de Shikamaru.

Apenas conseguia pensar no quanto meu coração estava apertado, ansioso para te ver. Até aceitar a proposta ridiculamente perigosa daquela mulher eu aceitei apenas para confirmar a ele que você estava vivo, estava bem, e que não precisava me preocupar. Eu sou patético, não?

Quase um ano para notar a sua ausência? Não. Eu notei no primeiro mês. Os outros meses? É, eu passei de mundo em mundo, visitei o mundo de várias das minhas...das suas versões à sua procura.

Eu achei que te entendesse. Realmente achei. Achei que te conhecia como mais ninguém um dia conseguiu. Mas quanto mais eu avançava nessa procura, nessa viagem impossível, quanto mais eu passava o meu tempo ao lado deles, mais eu percebia estar errado. Porra eu era a merda do seu melhor amigo, não deveria ser...diferente?

A verdade Sasuke, é que eu nunca te entendi. E dói, dói pra caralho saber que falhei contigo ao ponto de te fazer se sentir nesse ponto em que chegou. Saber que falhei com a única pessoa o qual eu não podia falhar, saber que o fiz sofrer sozinho, do jeito que eu prometi jamais permitir que acontecesse. Saber que o fiz fugir da sua dor da forma mais absurda que alguém fora capaz de fugir.

Merda Sasuke eu sou tão imprestável.

E eu não pude fazer nada quando finalmente te achei. Quando me vi no meio de uma calçada asfaltada e quando você o chamou pelo meu nome.

Quando te vi sorrir daquele jeito que jamais havia visto, quando você o puxou pela mão, quando começou a falar sobre assuntos os quais eu não fazia ideia.

Eu sabia que era você, eu ainda sentia o seu chakra. O sentia, ainda que fraco e quase inexistente. Ele ainda estava lá, e porra foi tão bom senti-lo de volta.

E quando você sentiu a minha presença, quando seu rosto abandonou o sorriso...quando me senti ser puxado para dentro de um dos quartos da casa, ouvir sua voz, fraca e quebrada, enquanto me dizia todos os motivos que o fez acreditar o quão insignificante você era, meu peito doeu. Doeu pra caralho. Cada palavra, cada olhar de desprezo e cada gesto. Doeu muito Sasuke.

E você tentou me afastar aos gritos assim que me aproximei, se debateu nos meus braços quando eu o apertei contra o peito e quando o nó da garganta ameaçava evoluir. Mas eu me recusei a soltá-lo, não depois de tanto, tanto tempo. E você desistiu, desistiu de lutar ao finalmente retribuir aos meus toques.

A verdade, Sasuke, é que eu sou dependente. Sou tão dependente ao ponto de entrar em pânico ao me imaginar num mundo onde você não mais existia.

Você tremia tanto quanto eu, e eu senti quando você escondeu o rosto no meu pescoço. Quando você respirou fundo antes de me empurrar para longe.

E, mais uma vez, eu não pude fazer nada quando me disse aquelas coisas. Quando me expulsou oficialmente da sua vida.

Quando passou por mim sem olhar nos meus olhos, quando a porta se abriu e eu o ouvi chamando-o por outro nome.

Estava vendo você escapar pelos meus dedos, como areia passando entre os buracos de um coador. Vendo você sumir pra sempre, e sem poder fazer nada. Nada.

Porra, eu não pude...

Você não se lembra, não é? Não lembra mais do nome de teu irmão, ou do rosto de teus pais. Não se lembra pois a cada momento em que vive aqui, mais parte deste mundo pertences.

E, em dado momento, também não se lembrará mais de mim, ou da vila. Ou de Sakura ou Sarada.

E eu não aceito. Não aceito a sua decisão.

Fodase eu não aceito, não, não aceito que serei apagado da sua vida, apagado como quem apaga um desenho ruim na contra capa de um caderno velho.

E quando eu me virei, quando gritei por seu nome e as lágrimas quentes me escorriam o rosto. Quando estava pronto pra te fazer perceber o quanto eu necessitava, o quanto eu precisava de você na minha vida...você não estava mais lá, ou o quarto, ou a casa.

Estava de volta, na floresta escura, quilômetros de distância de casa e a inimagináveis camadas de distância de você...

Eu o perdi.

Perdi. Porra eu...perdi.

Eu...

E quando minhas mãos não conseguiam mais ficar paradas, quando minhas pernas não mais aguentavam meu peso, quando a grama do chão fez meus dedos doerem e minha garganta arder assim como meus olhos. Quando minha respiração não mais obedecia meus comandos e meu coração doía como o inferno. A voz melodiosa e risonha dela cantou meu ouvido, junto ao vento frio.

Então a pontada no meu peito doeu como se fosse morrer. Ali, onde ninguém acharia meu corpo, onde pudesse dar fim a essa dor dilacerante.

O ar nunca fora tão difícil de respirar. Não importando o quão fundo respirava, já que nunca parecia ser o suficiente para nutrir meus pulmões doloridos, a minha falta de fôlego.

E Quando a ficha caiu, quando me dei conta de que os anos os quais dediquei meus esforços não valeram de nada, absolutamente nada, se não o tivesse lutando ao meu lado. Percebi.

Eu já não mais lembrava do seu nome.

 

"O tempo acabou, Hokage-sama."


Notas Finais


come to this: https://www.youtube.com/watch?v=64o_fT3OI3g

Isabella's lullaby: https://www.youtube.com/watch?v=y_1ePS1Ruso


Ai cara, sério me desculpa mesmo se o plot não excedeu as expectativas. Eu disse que ele era bem mais simples do que parecia kkk Não ficou exagerado, né?...... ou ficou? (podem ser sinceros)

Espero que tenham gostado, mesmo com alguns trechos meio em aberto e confusos. Espero mesmo mesmooo que tenham se divertido.

Me digam o que acharam, quais eram as suas teorias iniciais e se acertaram em alguma coisa. Sério é muito legal ler essas coisas e interagir com quem ta lendo, me sinto feliz sabe? kk

Eu resumi BASTANTE o plot, ja que ele era pra ser bem maior do que isso. Mas deu pra pegar a ideia, né? Espero que sim 😣

Uma boa semana pra vocês! Até um próximo projeto 💕

meu twitter é @/narusns_ caso alguém queira me encontrar em outra rede social (já peço desculpas a todas as bobagens que eu falo por lá ok? ok)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...