1. Spirit Fanfics >
  2. Deja Vu >
  3. Capitulo Único

História Deja Vu - Capítulo 1


Escrita por: NanaRoal

Notas do Autor


Olá pessoas!!!

Cheguei com mais uma one, mesmo sabendo que tenho a long pra concluir! Mas vamos nessa!!!!

Espero que gostem dessa pequena história, onde meu XiCheng vai navegando pelo casamento e nos problemas da vida!

Vamos la!

Capítulo 1 - Capitulo Único


Alguns casais pareciam ter se unido devido ao destino e um amor épico, digno de longos contos de romance e filmes recheados de clichês doces, mas outros casais ficaram juntos por decisão de famílias poderosas e presas a estreitas regras conservadoras.

Este era o caso de Jiang Wanyin e Lan Xichen.

Jiang Wanyin um jovem alfa e herdeiro da família Jiang casou-se com Lan Xichen ômega primogênito dos Lan. Durante o período de noivado, Jiang Wanyin cortejou o ômega seguindo estritamente os ritos e tradições, sendo abertamente aceito por Lan Xichen que devolvia cada gesto com um doce sorriso no rosto. A cerimonia do casamento de ambos foi grandiosa, as duas famílias comemoraram a união com grande pompa e era possível ver os anciões de ambos os lados extremamente satisfeitos.

Mas, por outro lado, rumores já corriam livremente por lábios venenosos que não pareciam satisfeitos com a união ou apenas gostavam de espalhar sussurros maldosos ao ver duas poderosas famílias se fundindo.

Pobre jovem Jiang, fadado ao mesmo destino de sua mãe… Casado com um homem cujo o coração já pertence a outra pessoa… Pobre jovem Lan, preso a um casamento com uma pessoa de temperamento tão horrível…

Inicialmente Yu Ziyuan incentivou abertamente a união entre Jiang Wanyin e Lan Xichen, mas um amargor nasceu em sua boca ao escutar os rumores. Era de conhecimento geral que Lan Xichen viveu um romance com um de seus melhores amigos, Nie Mingjue, na adolescência, mas o relacionamento de ambos havia acabado e o amigo havia se casado com outro ômega, Jin Guangyao. Os três em determinado momento se tornaram tão unidos que juraram irmandade e muitos diziam que era uma forma de Lan Xichen ainda estar próximo do alfa que amava.

Porém, para os próximos, tudo parecia mais uma forte amizade e inclusive o casal estava presente e os dois pareciam verdadeiramente contentes com a cerimônia de casamento de Lan Xichen e Jiang Wanyin, mas Yu Ziyuan sentia o coração pesar só de pensar em seu filho vivendo com as mesmas inseguranças que passou ao longo de seu casamento.

O tempo passou e logo o matrimônio Jiang/Lan anunciou a gestação de seu primeiro herdeiro, Jiang Wanyin se desdobrava em gestos de cuidado com seu esposo, enquanto este sorria gentilmente e aceitava todos os mimos do alfa. Os papparazzi iam a loucura ao capturar as cenas de cuidado e carinho entre eles. Inicialmente era um choque presenciar o autoritário e orgulhoso Jiang Wanyin acariciando gentilmente a barriga de Lan Xichen ou sorrindo abertamente para o esposo que carregava seu futuro filhote, mas logo todos se acostumaram com o lado paternal do Jiang.

Com o nascimento do primeiro filho, os rumores diminuíram significativamente, até basicamente cessarem. Era difícil manter rumores sobre um casamento infeliz, quando Jiang Wanyin e Lan Xichen estavam sempre felizes um ao lado do outro e após o nascimento do pequeno Jiang Rong pareciam ainda mais unidos e, obviamente, apaixonados.

A mídia optando então por outra narrativa, fez questão de captar a imagem de um gestante Jin Guangyao acompanhado de um orgulhoso Nie Mingjue chegando à celebração do primeiro mês de Jiang Rong. Os dois casais tiraram fotos juntos com quase idênticos sorrisos em direção a câmera, enquanto Lan Xichen segurava o pequenino Jiang Rong no braços.

Meses depois foi a vez de Jiang Wanyin e Lan Xichen comemorarem o primeiro mês de vida do pequeno Nie Rusong. Na imagem dos casais juntos era possível ver Jiang Rong olhando curiosamente para o bebê aconchegado no colo de Jin Guangyao e os quatro adultos encarando a cena com sorrisos.

Os anos passaram, as famílias Jiang e Lan deram boas-vindas a mais um pequenino, Lan Jingyi, e tudo parecia tirado de um conto de fadas, mesmo o amor deles não sendo inicialmente épico. O que havia começado como um casamento arranjado, agora era claramente uma união de amor.

Jiang Wanyin havia se tornado um exemplo de pai e esposo, estava aos poucos assumindo o lugar dos pais na liderança da empresa da família e até o relacionamento com Madame Yu e Jiang Fengmian parecia melhor, sendo comum ver o herdeiro e sua família tendo jantares com ambos.

Lan Xichen trabalhava com produções musicais e era muito conhecido no ramo, mas ainda fazia consultoria para os Lan já que por muito tempo foi treinado para herdar a empresa, até decidir trabalhar exclusivamente com música e deixar seu cargo para Lan Wangji.

Tudo corria bem, os dias passavam sem muitas turbulências, só as tensões do dia a dia do trabalho e da família. Jiang Rong tendo uma gripe daqui, Lan Jingyi e suas tendências em subir em locais inapropriados de lá, um dia de tensão de trabalho para Jiang Wanyin e um dia carregado de correrias para Lan Xichen.

Tudo muito tranquilo…

“Acidente com lancha deixa quatro desaparecidos… Jin Guangyao foi resgatado às pressas, ainda com vida, porém não resistiu… Identificado o corpo de Nie Mingjue após terceiro dia de buscas… Nie Huaisang ainda está em coma… O filho do casal, Nie Rusong, estava sob os cuidados de familiares de Jin Guangyao na hora do acidente… É com pesar que QingheNie informa sobre o falecimento de Nie Mingjue e Jin Guangyao…”

Lan Xichen estava sentado em sua sala, os olhos inchados e vermelhos de tanto chorar, com rastros de lágrimas em suas bochechas. Havia perdido seus dois melhores amigos. Havia perdido em uma semana duas pessoas muito importantes.

— Huan-ge — Jiang Wanyin sentou ao seu lado e o puxou para um abraço. Lan Xichen se agarrou a ele com todas as suas forças e escondeu o rosto em seu pescoço, inspirando o cheiro característico do companheiro, buscando se acalmar.

— Eles se foram, A-Cheng — sussurrou em tom embargado. — Eles se foram, mas tinham tudo pela frente ainda! Por que eles se foram, A-Cheng?

Jiang Wanyin o apertou ainda mais contra seu corpo, até puxá-lo para seu colo, com o objetivo de acalmar seu esposo e passar o máximo de conforto possível. O que ele poderia dizer? Toda aquela situação era injusta. Os irmãos Nie e Jin Guangyao estavam apenas fazendo um passeio de lancha e, pelo relato da perícia, houve um problema e a lancha tombou. Nie Mingjue havia tentando salvar o esposo e o irmão, mas não conseguiu ter fôlego para se salvar. Por sorte Nie Rusong havia ficado na areia, brincando com o primo Jin Ling, sob a supervisão de Jiang Yanli e Jin Zixuan que estavam em viagem também. Devido a questões de trabalho Jiang Wanyin e Lan Xichen não conseguiram fazer a viagem com eles, mas prometeram que iriam em uma próxima.

Não haveria uma próxima…

Jiang Wanyin apertou os olhos agradecendo pela vida do garotinho, mas sentindo-se angustiado pelo futuro dele. Seus pais estavam mortos, o tio em coma sem perspectiva de melhora e Jin Guangshan com certeza iria preferir a morte do que receber o garoto filho de seu bastardo. Jin Zixuan era o parente biológico mais próximo, porém Jiang Yanli estava em uma gestação gemelar e não teria condições de receber uma criança nesse momento.

— A-Cheng? O que será do A-Song? — Lan Xichen questionou baixinho, parecendo sempre sintonizado com seus pensamentos.

Jiang Wanyin respirou fundo e se lembrou de um garoto que entrou na sua vida quando ele tinha oito anos, idade de Jiang Rong agora. Lembrou de todas as situações difíceis que viveu por conta da chegada daquele garoto, o filho de um casal de amigos do seu pai. O garoto que por anos ele achou ser a principal fonte de suas inseguranças, mas que se tornou uma das pessoas mais importantes de sua vida.

Mas ele não era Yu Ziyuan e Lan Xichen não era Jiang Fengmian. Lan Xichen havia se apaixonado por Nie Mingjue na adolescência, mas a paixão foi intensa e curta, ambos eventualmente decidiram ser apenas amigos e continuaram assim por todos os anos que se seguiram.

Isso nunca foi segredo na relação deles e inclusive foi fonte de brincadeiras, já que ambos pareciam ter passado por uma fase Nie na adolescência. Lan Xichen com Nie Mingjue e Jiang Wanyin tendo aventuras com Nie Huaisang por um tempo. Mas agora eles eram apaixonados um pelo outro, a fase de insegurança havia passado após tantos anos de casados.

— Eu acho que ele precisará de nós mais do que nunca — respondeu firme.

Lan Xichen se afastou e o encarou com olhos levemente arregalados.

— O que…?

— Nie Huaisang está no hospital e o único outro parente biológico de confiança que Nie Rusong tem é Jin Zixuan, mas ele e minha irmã não vão ter condições de cuidar dele nesse momento.

— Você está sugerindo que nós cuidemos dele?

— Bem…

Lan Xichen abriu um pequeno sorriso e as lágrimas acumuladas acabaram escorrendo pelo canto de seus olhos. Jiang Wanyin rapidamente as secou com os polegares, acariciando levemente seu rosto e deixou delicados beijos em suas pálpebras e um último na testa. Lan Xichen soltou um suspiro trêmulo e deu um beijo leve nos lábios do esposo tentando transparecer a gratidão e amor que sentia por ele naquele pequeno gesto.

— Certo, nós podemos cuidar dele pelo menos até A-Sang acordar.

— Podemos.

Um dia depois a mídia explodiu com a notícia de Lan Xichen assumindo os cuidados temporários do filho de seus irmãos jurados e tendo total apoio de Jiang Wanyin na decisão. Não precisou de muito e os rumores venenosos surgiram novamente.

A história se repetindo… Jiang Wanyin passando pelo mesmo que Madame Yu… Qual dos filhos será o excluído? Qual das crianças será renegada pelos pais como Jiang Wanyin foi ao ficar sob a sombra de Wei Wuxian?

Yu Ziyuan ao saber a notícia e escutar os boatos rapidamente entrou em contato com o filho, recebendo apenas a caixa postal como resposta. Sua vontade era de ir até ele e impedi-lo de fazer a besteira de aceitar o garoto Nie em sua casa. O que ele pensava que estava fazendo? Como poderia aceitar viver a sombra de um ex? Como poderia aceitar passar pelo que ela passou?

Mas o que ela poderia fazer naquele momento? Estava em uma viagem de negócios que duraria ao menos mais duas semanas e, apesar dos boatos venenosos, o público estava recebendo bem a atitude deles em receber o menino.

-------------

Jiang Rong e Lan Jingyi observavam o garoto que estava ao lado de seus pais, o menino tinha os olhos inchados e parecia muito cabisbaixo. Seus pais haviam explicado o que tinha acontecido com o tio Mingjue e tio Guangyao e que Nie Rusong agora ficaria com eles por um tempo, até o tio Huaisang poder cuidar dele.

— A-Song — Jiang Rong se aproximou determinado e estendeu a mão. Nie Rusong levantou lentamente o rosto. — Vamos pro nosso quarto? O A-Die vai fazer sopa de raiz de lótus pra gente! — Apertou levemente a mão do garoto quando este finalmente segurou sua mão.

— E ASINHAS DE FRANGO — Lan Jingy simplesmente agarrou a mão livre dele e puxou ambos em direção as escadas.

— Não puxa a gente, A-Yi! — O mais velho tentou parar o irmão.

— O Song-gege nunca ligou pra isso, Rong-gege! Vamos logo!

Nie Rusong soltou um riso leve ao ser puxado pelo efusivo Lan de seis anos. Mesmo sendo mais velho, Nie Rusong tinha quase a mesma altura de Lan Jingyi e era bem mais baixo que Jiang Rong.

Quando os três desapareceram escada acima, o casal se entreolhou sentindo a tensão deixar seus ombros e um pequeno sorriso nascer em seus rostos.

— Esses garotos… — Lan Xichen balançou levemente a cabeça.

Jiang Wanyin estreitou os olhos bufando levemente.

— Quem disse a eles que eu cozinharia hoje?

— Você não pode negar agora que eles já falaram pra visita, não é, Wanyin — Lan Xichen passou os braços sobre os ombros do esposo dando um sorriso sapeca.

— Vocês três vão acabar comigo! — Resmungou do seu jeito rabugento habitual, mas o abraçou pela cintura aproximando os corpos. — Isso é pura manipulação! Vou quebrar as pernas de todos!

— Uhum — murmurou e o beijou sendo prontamente retribuído.

--------------------------

— ChengCheng você tem certeza do que está fazendo? — Wei Wuxian estava encostado no balcão observando o irmão adotivo cozinhar.

Fazia um mês que Nie Rusong havia sido acolhido por eles e sua família estava ali para um jantar e para prestar apoio a decisão do casal, mas o Wei não podia deixar de ficar preocupado com irmão.

— Se você está questionando minhas habilidades culinárias é melhor ir pentelhar outra pessoa, Wei Wuxian — balançou uma espátula em direção ao ômega.

— Você sabe do que estou falando, Jiang Cheng. — Wei Wuxian afirmou sério. — Você sabe dos rumores sobre Lan Xichen e Nie Mingjue, sobre o que estão falando de você também.

Jiang Wanyin suspirou e girou para encará-lo.

— Foi uma sugestão minha.

— Sua?

— Sim. E ao contrário da nossa situação, os três sempre fizeram parte da nossa rotina. Jiang Rong, Lan Jingyi e Nie Rusong são amigos. Eu já passei tardes conversando com Nie Mingjue sobre trabalho e sobre a vida, já cozinhei ao lado de Jin Guangyao. Eles já ficaram de babá para que Lan Xichen e eu tivéssemos um tempo só pra nós, e já fizemos o mesmo pra eles.

Wei Wuxian comprimiu os lábios ao ver os olhos do irmão lacrimejarem.

— Não foi apenas Lan Xichen que perdeu amigos naquele acidente, Wei Wuxian. Eu perdi dois amigos também e meu melhor amigo está no hospital, sem eu saber o que vai acontecer com ele. Não é a mesma coisa que passamos.

Wei Wuxian assentiu...

— Tudo bem, ChengCheng, então estamos com vocês nessa.

— Muito bem — suspirou e secou o canto dos olho. — AGORA SAI DA MINHA COZINHA, ANTES QUE QUEBRE ALGUMA COISA.

— CHENGCHENG NÃO SEJA ASSIM COM SEU GEGE!

— SAI, WEI WUXIAN!

— CUNHADO SEU ESPOSO SÓ ME MALTRATA.

Lan Xichen apareceu na porta da cozinha sendo seguido pelas crianças que davam risadinhas da cena cômica dos dois irmãos discutindo.

— JIANG RONG, FALA PRO SEU PAI PARAR DE ME MALTRATAR.

— Desculpa, tio, mas ele sempre diz que o senhor colocou fogo na cozinha mais de uma vez.

— Por isso o A-Die não deixa o Baba cozinhar em casa — Lan Yuan opinou.

— Filho! Como consegue me trair desse jeito?

— A-DIE EU QUERO ASINHAS DE FRANGO — Lan Jingyi disparou para o lado do pai.

— Já comemos asinha de frango essa semana, A-Yi!

— Mas…

Jiang Wanyin o encara em silêncio por algum tempo, até Lan Jingyi cruzar os braços emburrado e seguir pra fora da cozinha. Nie Rusong rapidamente segue o garoto ainda levemente intimidado com a expressão severa do alfa.

— Assustou a criança com essa cara feia — Wei Wuxian.

Jiang Cheng girou os olhos e lançou a espátula, acertando a testa do irmão sem dó. Em questão de segundos Lan Wangji apareceu na cozinha fuzilando Jiang Wanyin com os olhos, enquanto Lan Yuan, Lan Xichen e Jiang Rong tentavam esconder a risada.

— TODOS PRA FORA DA MINHA COZINHA, AGORA!


 

— Sim, senhor! — Lan Xichen pegou uma criança em cada braço, gesticulou para os outros adultos saírem e seguiu para sala.

------------

O casal dormia placidamente na cama quando Jiang Wanyin abriu os olhos assustado ao sentir algo tocar seu rosto. Diante dele estava três garotinhos, Lan Jingyi havia o acordado, enquanto Jiang Rong abraçava Nie Rusong que tremia e parecia chorar.

— O que houve? — sussurrou.

— A-Song teve um pesadelo — Jiang Rong respondeu baixinho.

— A-Die, a gente pode dormir com vocês hoje? — Lan Jingyi pediu com olhos lacrimejando também.

O homem se sentou na cama, dando espaço para os garotos subirem, mas Rusong hesitou por um momento olhando assustado para Jiang Wanyin.

— Tio eu…

— Vamos, A-Song, você não quer ficar com frio — segurou sua mão e o puxou para cama. Os três garotos se acomodaram na grande cama entre Lan Xichen e Jiang Wanyin. Nie Rusong não largou a mão do mais velho até pegar novamente no sono.

Na manhã seguinte Lan Xichen foi acordado por um pequeno pé que acertou seu rosto em cheio e piscou confuso diante de cena ao seu lado. Lan Jingyi e Nie Rusong haviam se alojado sobre o peito de Jiang Cheng, enquanto Jiang Rong havia se espalhado no meio e estava com as pernas viradas para seu lado. Seu primogênito era o dono do pé agressor. Lan Xichen não resistiu em tirar uma foto deles.

----------------

As semanas se tornaram meses e os meses se tornaram anos. Não havia ainda notícias sobre melhoras de Nie Huaisang, mas Jiang Wanyin e Lan Xichen não deixaram de visitá-lo, sempre fazendo questão de levar Nie Rusong para ver o tio. O garoto contava histórias sobre sua nova casa, as vezes chorava ao falar sobre sentir falta dos pais, gargalhava ao contar das travessuras que se envolvia junto com Lan Jingyi e Jin Ling, fazia bico ao revelar que sempre acabava de castigo por causa das travessuras.

Nie Rusong já tinha dez anos e havia se encaixado perfeitamente na família Jiang e Lan, todos brincavam que o garoto estava virando um pequeno Jiang Wanyin com o cenho sempre franzido, mas Jiang Wanyin fazia questão de lembrar a todos que Nie Mingjue tinha expressão semelhante. Nie Rusong sempre estufava o peito de orgulho ao ser comparado ao pai, mas também sentia um calor no peito quando diziam que ele se parecia com Jiang Wanyin.

Sua relação com Lan Xichen também era boa, o Lan estava tentando ensinar os três a tocarem instrumentos musicais, porém o único com paciência e talento para aprender era Jiang Rong. Lan Jingyi não conseguia manter atenção suficiente para treinar e Nie Rusong tinha a impressão que não conseguia ter ritmo.

Por outro lado quando Lan Xichen falava sobre treinar parada de mão, Nie Rusong era primeiro a se prontificar e rapidamente havia conseguido copiar o mais velho. Para total desespero de Jiang Wanyin que na primeira vez correu e segurou o garoto pelas pernas, achando que ele cairia.

Lan Jingyi gostava de acompanhar seu baba no ateliê de pintura, já mostrando dedicação e talento para o desenho. No início ele claramente só queria enfiar as mãos nas tintas e espalhar o caos, mas logo começou a desenhar formas.

--------------------

Lan Xichen saiu de seu escritório e franziu levemente a testa ao ver um rastro de sujeira no corredor, parecia que alguém havia rolado na lama e se arrastado. O rastro terminava na porta do banheiro e de dentro era possível escutar as vozes das três crianças.

— Não joga na cabeça, eles vão se assustar — a voz de Jiang Rong soou.

— Mas a cabeça ‘tá suja! — Lan Jingyi respondeu.

— Falem baixo.

Seguindo a voz de Nie Rusong veio o som do chuveiro ligado e água caindo no chão, em seguida dois latidos ecoaram. Lan Xichen respirou fundo e abriu a porta, os três garotos saltaram de susto e arregalaram os olhos em direção ao adulto, que simplesmente arqueou uma sobrancelha.

Jiang Rong segurava um filhote de pelagem preta com apenas uma patinha branca, enquanto Nie Rusong segurava um filhote de pelagem branca com manchas prestas pelo corpo. Lan Jingyi segurava um pote com água em uma mão e um sabonete na outra.

— A gente pode explicar! — Os três basicamente gritaram e os filhotes latiram. Lan Xichen acabou sorrindo com a cena.

Horas mais tarde Jiang Wanyin quase caiu ao tropeçar em duas pequenas bolas de pelos que se enroscaram em suas pernas quando entrou em casa. As três crianças ficaram tensas esperando a reação do alfa e seus olhos quase saltaram pra fora de susto quando o mais velho simplesmente sorriu e se abaixou para cumprimentar os filhotes.

— Oi pequenos — murmurou. — O que estão fazendo aqui?

— A-Song encontrou eles na praça, A-Die — Jiang Rong falou.

— A gente deu banho neles — Lan Jingyi completou.

— E o tio Xichen ajudou a gente a secar e dar comida.

— E agora o que vamos fazer com esses dois? — Indagou sério olhando as três crianças.

Os três se entreolharam e respiraram fundo.

— A gente pode ficar com eles?! — Gritaram juntos fazendo bicos e expressões pidonas.

Jiang Wanyin levantou o olhar em direção ao esposo que apenas deu de ombros com um sorriso calmo no rosto. O alfa ficou um tempo em silêncio, vendo os lábios dos três começarem a tremer e os olhos se encherem de lágrimas. Não aguentou.

— Podemos — respondeu após um suspiro e dando um pequeno sorriso.

Os três gritaram empolgados e se lançaram sobre o homem, o derrubando no chão com o abraço.

— Mas vocês que vão cuidar deles, dar comida, banho… — ordenou tentando parecer sério, porém falhando de forma épica.

Ao redor os filhotes latiam empolgados e Lan Xichen tirava fotos da cena com um grande sorriso no rosto. Naquele dia Zidian e Shuoyue foram adotados pela família.

--------------------

Jiang Wanyin entrou em casa parecendo fumegar de tanta raiva, atrás dele vinha as três crianças e um anormalmente sério Lan Xichen. Os três meninos estavam de cabeça baixa e com os ombros caídos.

— Qual de vocês vai me explicar o que aconteceu? — Jiang Wanyin demandou irritado.

— A culpa não é nossa, A-Die! — Lan Jingyi, agora com onze anos, respondeu com um bico e braços cruzados.

— Lan Jingyi, um garoto acabou machucado e tudo o que você tem a dizer é que não é culpa de vocês? As câmeras filmaram você e Nie Rusong brigando com aqueles garotos! — Lan Xichen interveio e massageou suas têmporas. Quem disse que a paternidade era fácil?

— A culpa é minha — Jiang Rong murmurou.

— Não é! — Os dois garotos rebateram furiosos.

— Como assim, A-Rong? — Lan Xichen indagou mais calmo.

— Aqueles garotos ficaram me provocando e…

— Eles jogaram seu caderno na água, gege! — Lan Jingyi narrou vermelho de raiva. — E quase quebraram seus óculos!

— Mas, A-Yi...

— Eles não podem mexer com nosso irmão assim! — Nie Rusong exclamou e cruzou os braços. — Você é nosso irmão! E sempre cuida da gente! Eu posso ficar de castigo, mas eu não vou deixar ninguém machucar vocês e não ligo de receber bronca!

Os outros quatro olharam chocados para o menino, normalmente tranquilo, mas que agora parecia um pequeno touro disposto a proteger sua família. Lan Xichen não pode deixar de sorrir ao ver claramente Nie Mingjue nas feições ainda infantis do garoto. Além disso era a primeira vez que ele abertamente se referia aos outros dois como seus irmãos.

— Escuta aqui, garoto! — Jiang Wanyin o pegou pela orelha, mas sem muita força. — Eu admiro que você tente proteger seus irmãos, mas não é pra sair por ai batendo nas pessoas não! Nós somos os adultos e se vocês verem alguma coisa acontecendo é pra nos chamar!

— Ai tio, ai tio…

— Não vem com “ai tio”…

Lan Jingyi tenta dar um passo pra trás, mas Jiang Cheng alcança sua orelha também.

— Nem pense em escapar, moleque! Seu Baba e eu não estamos criando um bando de galo de briga! Onde já se viu!? E se algum de vocês tivessem se machucado ao bater naqueles catarrentos? Se você acerta um soco errado em alguém pode acabar quebrando um dedo!

— A-Cheng… — Lan Xichen fita o esposo um pouco confuso.

— Nós vamos conversar sobre seus erros enquanto tomamos sorvete e amanhã vamos na diretoria da escola conversar sobre o comportamento daqueles catarrentos.

Lan Xichen observa o esposo sair novamente da casa arrastando os dois garotos pelas orelhas, ambos agora com sorrisos nos rostos. Então segura Jiang Rong pela orelha também e ambos acompanham os outros três.

— Baba, mas eu não briguei.

— Mas também não contou que tinha gente te incomodando na escola! Você não confia no seu Baba e no seu A-Die? — Indaga muito sério.

— Desculpe, Baba.

— Muito bem! Então vamos tomar sorvete.

----------------

Nie Rusong estava atento as explicações da professora, quando a aula foi interrompida por um monitor que solicitou sua presença na sala da diretoria. Sob os olhares curiosos e atentos dos outros alunos, o adolescente seguiu para fora da sala. Ao chegar na diretoria se deparou com seus responsáveis junto do diretor.

— A-Song — Lan Xichen foi até o garoto e pousou as mãos em seus ombros.

— Aconteceu alguma coisa, tio?

— Nie Huaisang acordou.

O adolescente sentiu o coração acelerar e os olhos se encherem de lágrimas, sendo abraçado com força por Lan Xichen e Jiang Wanyin. Logo os três seguiram para o hospital.

Nie Huaisang havia despertado após cinco anos em coma, a equipe havia comunicado a ambos há uns dias, porém que levaria um tempo para o homem estar em condições de receber visitas. Naquela manhã o hospital havia ligado informando que Nie Huaisang estava querendo a presença do sobrinho e a equipe estava receosa de fazê-lo esperar, devido ao quadro clínico ainda frágil.

Quando chegaram uma enfermeira explicou que o Nie queria a presença do sobrinho sozinho, mas Lan Xichen e Jiang Wanyin foram irredutíveis. Entrariam junto com o garoto! Nie Huaisang poderia ser o tio biológico dele, mas eles não tinham ideia do impacto que a situação teria no garoto e, pelo aperto firme que o Nie Rusong tinha na mão de Lan Xichen, era nítido que ele estava nervoso.

Os três entraram juntos.

— A-Song? — Nie Huaisang soltou com voz rouca e seus olhos se encheram de lágrimas, mas seus ombros pareciam tensos e era fácil para quem o conhecia que havia desconfiança em seu olhar. Ele passou rapidamente o olhar pelos dois homens e fixou momentaneamente a atenção em Jiang Wanyin.

— Tio! — Nie Rusong soltou a mão de Lan Xichen e avançou em direção ao homem na cama. — O senhor esta acordado mesmo!

— Desculpa ter demorado tanto, garoto.

— O senhor escutou as histórias que eu contei? A gente veio te visitar todos os meses. O tio Wanyin disse que você ia gostar de saber sobre tudo que eu fazia. E o tio Xichen me ensinou a pintar leques pra te dar quando você acordasse, mas eu não consegui trazer nenhum hoje, porque eu ‘tava na escola — soltava empolgado e com um enorme sorriso no rosto.

Nie Huaisang o observou, ainda tentando processar que aquele adolescente era o mesmo garotinho que gostava de sentar nos ombros de seu irmão e de ser carregado por seu cunhado. O mesmo menino que havia acabado de perder alguns dentes e ainda tinha um sorriso com falhas naquele fatídico dia na praia.

Nie Rusong havia crescido tanto naqueles cinco anos, os traços semelhantes a seus pais agora eram mais evidentes no formato dos olhos e nariz tão característicos de Jin Guangyao e nos traços do rosto e constituição física quase idênticas a Nie Mingjue. Doía não poder ter acompanhado esse crescimento.

Mas ao escutá-lo falar sem parar sobre tudo que queria compartilhar, ao perceber o afeto claro nas palavras do garoto, sentiu-se relaxar. Inicialmente ao descobrir que o casal Jiang e Lan haviam assumido os cuidados de Nie Rusong, um medo se instalou em seu peito. Ele conhecia a história de Jiang Wanyin e Wei Wuxian, sabia o quanto o passado deles havia sido complicado, então temia que Nie Rusong estivesse em uma realidade semelhante.

— A-Song fala mais devagar, Huaisang não vai fugir — Jiang Wanyin segurou a orelha do rapaz, que reagiu soltando uma risada e mexendo a cabeça tentando se livrar do toque.

— Mas e se ele não lembra, tio? — Rebateu com olhos arregalados.

— Então você vai ter que recontar tudo e não pode esconder nada. — O olhou com uma carranca. — Ele vai adorar saber da última que você aprontou na escola com seus irmãos.

— NÃO CONTA! — Segurou Jiang Wanyin pelos braços em desespero. — Tio Xichen não deixa ele contar.

Lan Xichen soltou uma pequena risada.

— Wanyin para de provocar o A-Song.

— É tio, para de provocar o A-Song — repetiu muito sério.

Nie Huaisang os observou sentindo um calor no peito e ao mesmo tempo se sentindo um pouco estúpido por sequer imaginar que seu melhor amigo e o melhor amigo de seu irmão ousariam tratar mal Nie Rusong.

Semanas depois Nie Huaisang saiu do hospital, escoltado por Nie Rusong e sua família. Ele não conseguia deixar de se sentir feliz ao ver aqueles cinco juntos, Jiang Rong sempre prestativo e cuidadoso vigiando seus passos de perto, Lan Jingyi caótico tentando oferecer comida a cada cinco minutos, Nie Rusong perguntando mil vezes se não era melhor o tio Wanyin carregá-lo no colo, Jiang Wanyin ameaçando quebrar as pernas de todos e Lan Xichen sendo o único efetivamente ajudando Nie Huaisang a caminhar.

Por cinco anos ele não esteve presente na vida do sobrinho e quando acordou seu primeiro impulso foi de assumir a responsabilidade de seus cuidados assim que estivesse estável. Mas os observando juntos pensou que o melhor era ser presente como o tio Huaisang. Ele sabia que Nie Rusong chamava Lan Xichen e Jiang Wanyin de tio apenas por respeito a seus pais, mas os dois claramente haviam assumido esse papel na vida do garoto e Nie Huaisang não tiraria os pais dele pela segunda vez.

----------------

Os cinco estavam caminhando pelo grande pátio da mansão dos Jiang, onde Madame Yu e Jiang Fengmian ainda moravam. Era aniversário do patriarca Jiang e a família se reuniria para uma comemoração. Antes era um jantar, mas a quantidade de netos havia tornado o evento uma festa.

Jiang Yanli e Jin Zixuan vinham com seus três filhos, Jin Ling e as duas gêmeas, Jin Xiu e Jin Yu. Wei Wuxian e Lan Wangji vinha com Lan Yuan e sua filha mais nova, Lan Yaling. Jiang Wanyin e Lan Xichen com Jiang Rong, Nie Rusong e Lan Jingyi.

Jiang Fengmian estava na porta para recepcioná-los e, em uma rara demonstração de total empolgação, Jiang Rong correu em direção ao avô se lançando em seus braços sem vergonha. O homem o abraçou apertado, carregando um grande sorriso no rosto. Ambos tinham uma relação extremamente próxima, Jiang Fengmian havia se esforçado em tratar todos os netos de maneira igual já que havia falhado em fazer o mesmo com os filhos, mas Jiang Rong sempre se mostrou mais apegado ao avô que os outros.

— Parabéns vovô! — O adolescente abriu um grande sorriso e finalizou o abraço.

— Obrigado, A-Rong!

— PARABÉNS VOVÔ! — Lan Jingyi pulou sobre o homem e o apertou bem forte. Fengmian soltou uma risada diante da empolgação do neto.

— Eu estou ficando velho, A-Yi, logo não vou mais aguentar seu peso.

— Então ai eu é que vou te carregar, vovô! Não se preocupe.

Jiang Fengmian riu das palhaçadas do neto e se virou para os outros três que se aproximavam mais lentamente. Nie Rusong ainda não parecia muito confortável diante dos pais de Jiang Wanyin, já que no início eles não pareciam receptivos a ele, mas os mais velhos estavam tentando uma aproximação.

— Feliz aniversário. — Nie Rusong desejou com um sorriso e se surpreendeu ao receber um abraço do mais velho.

— Obrigado, A-Song. — Se afastou o segurando pelos ombros. — É impressão minha ou você está cada vez mais alto?

— Esse garoto vai logo bater a cabeça no teto — Jiang Wanyin comentou, mas fez questão de bagunçar os cabelos do rapaz que já estava quase de sua altura aos quatorze anos. Ele que antes ficava entre Lan Jingyi e Jiang Rong no tamanho agora era de longe o mais alto dos três. — Feliz aniversário, A-Die — deu um rápido abraço no pai, ainda pouco acostumado com gestos de afeto entre eles.

— Obrigado, A-Cheng — sorriu leve tentando não demonstrar que queria prolongar mais o abraço.

Lan Xichen parabenizou o sogro e logo todos seguiram para dentro da casa. Os mais novos claramente empolgados para verem os primos e causarem a ira de Madame Yu ao correrem pela casa inteira.

Os jantares da família Jiang, que antes eram carregados de tensão, agora eram preenchidos por conversas empolgadas entre os primos, enquanto os mais velhos participavam em conversas mais amenas ou simplesmente interagiam com os mais novos.

Madame Yu ainda observava a todos com olhos de águia, principalmente Jiang Cheng e sua família. Por mais que anos tenham se passado desde a chegada de Nie Rusong na família, a mulher ainda tinha receio daquela composição familiar tão parecida com a que quase levou a ruína de seu casamento. Mas lá estavam eles, Jiang Wanyin tratava seus três filhos com igualdade, os três claramente tinham respeito e carinho por ele, Lan Xichen parecia sempre brilhar na presença de sua família.

Eles era felizes… De uma maneira que ela nunca conseguiu ser quando sua família estava junta, sempre carregando sua insegurança para dentro das relações com seus filhos. Levou anos para Yu Ziyuan e Jiang Fengmian finalmente conseguirem se encarar sem usar nenhum filho de escudo. Anos de um quase distanciamento forçado, para eles finalmente buscarem remendar as relações com os três.

Mas ali estava Jiang Cheng, casado com um ômega que um dia foi apaixonado por outro alfa, tendo dois filhos com este ômega e adotando o filho do ex de seu esposo. Tratando a criança como se fosse um dos seus e tendo uma família que exala felicidade.

Jiang Yanli havia casado com alguém muito dedicado a família e agora tinha três filhos saudáveis que não se negavam em demonstrar o quanto se importavam com todos. Um deles sendo tão parecido com a avó em seus gestos bruscos e olhar ferino, mas também sendo tão diferente ao ser abertamente afetivo com quem amava. Principalmente ali abraçando e brincando com seu Jiujiu.

Wei Wuxian que sempre parecia ter receio sobre qual lugar ocupava na família, agora estava cercado por filhos e sobrinhos que gargalhavam de suas peripécias e histórias. Sempre tendo seu esposo alfa ao lado, pronto para ser seu amparo e seu apoio.

Ela e Jiang Fengmian haviam errado muito, mas de alguma forma seus três filhotes haviam prosperado.

— A-Niang? — Jiang Cheng tocou a mão da mãe e a olhou preocupado. — A senhora está bem?

— A-Niang por que está chorando? — Jiang Yanli indagou se aproximando.

— Eu acho que estou apenas ficando velha — respondeu em tom levemente rabugento e tentando disfarçar.

— Não pode ser, Madame Yu, o velho do dia é o tio Jiang — Wei Wuxian entregou um lenço a mulher com um grande sorriso no rosto.

Madame Yu deu uma risada leve e aceitou lenço.

— Eu apenas estou feliz de ter todos aqui conosco hoje.

— Eu também estou, minha senhora — Jiang Fengmian pegou uma de suas mãos e deu um leve beijo em seus dedos, fazendo a matriarca corar.

Os três irmãos arregalaram os olhos pra cena e suas orelhas ficaram vermelhas ao verem os dois se encarando com tanto afeto.

— Nossa é de família ficarem se olhando com cara de besta apaixonado? — Lan Yaling soltou sem filtro.

— YALING! — Os outros primos gritaram em choque.

— É a verdade!

— A gente vai morrer, Ling-er. A aranha violeta vai nos matar! — Jin Xiu exclamou em desespero.

— Foi um prazer estar com vocês — Nie Rusong comentou solenemente.

— Adeus mundo cruel! — Lan Jingyi se jogou no colo de Lan Yuan.

Madame Yu se levantou lentamente, tirou um chicote de baixo da mesa e encarou os netos com um olhar feroz.

— Ultimas palavras, pirralhos?

— CORRE! — Jin Ling gritou e arrastou o primeiro primo que alcançou, os outros logo o seguiram.

A mulher caminhou a passos rápidos em direção aos netos, mas havia um sorriso em seu rosto.

— Por que ela tinha um chicote em baixo da mesa? — Jin Zixuan indagou com o cenho franzido.

— Eu prefiro beber do que saber. — Wei Wuxian respondeu.

Os outros deram risada e a noite seguiu ao som dos gritos ameaçadores de Madame Yu, as gargalhadas dos mais jovens e conversas amenas.


Notas Finais


Espero que tenham gostado!
Comentem pra eu saber o que acharam!
Até uma próxima!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...