História Déjà Vu do Amor (Furry) - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Colégio, Comedia, Drama, Engraçado, Fofo, Furry, Hentai, Horror, Incesto, Romance, Triste, Vampiro, Yaoi
Visualizações 132
Palavras 3.632
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Finalmente cap novo, meu computador voltou de vez agora

Capítulo 9 - Velhos tempos


 

Aviso super importante: No último que eu postei eu mudei uma coisa bem importante e relevante e eu recomendaria muito se vocês fossem voltar nela e reler, é só uma partezinha, é na hora que o Lethal pergunta  “Oque te levou a mudar tanto? Tipo, oque levou você a começar a perceber que oque você fazia era errado e... quais era aqueles outros motivos de você se desestabilizar?” até quando ele fala “Bem, mas você ainda não respondeu minha primeira pergunta” (eu editei dia 01/05/2018, se você leu o cap depois disso então não precisa voltar).

 

 

Alguns dia depois:

 

Em um dia qualquer e ensolarado da primavera, estava Lethal na casa de Leopold, os dois amigos estavam jogando Mortal Kombat X, Lethal estava jogando de Smoke e Leopold de Kitana. Os dois estavam bem tensos ainda mais Lethal por estar quase ganhando, algo que nunca aconteceu em todas as vezes que jogou com Leo, até que Lethal dá o último golpe que finalizou ele.

[Lethal]: AE CARALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO MINHA PRIMEIRA VITÓRIA!!!

Lethal pulou da cama e começou a comemorar consigo mesmo, afinal depois de dezenas e dezenas de partidas ele conseguiu derrotar seu amigo que estava rindo com isso. Leo ria corado, ele o encarou com um sorriso, pensando no quão fofinho Lethal parecia animado desse jeito.

[Leo]: Hehehe, parabéns pretin-

Antes de Leo terminar de falar aquela palavra ele cobriu a boca ficando bem corado.

[Lethal]: Hahaha. Finalmente. O que tu ia dizer?

[Leo]: Nada não, só tô feliz por ter ganhado

Lethal bem cansado depois dessa adrenalina se sentou bem na cama novamente pra descansar.

[Lethal]: Você disse “parabéns” e mais o que?

[Leo]: Já disse que é nada!

Leo corou mais ainda, virando o rosto. O morcego sorriu ficando ainda mais curioso e começou a chacoalhar o ombro do leão como uma criança.

[Lethal]: Falaaaaaaaaa. Por acaso é você admitindo que eu sou melhor que você no MKX?

Leo desistiu relaxando os ombros, logo Lethal parou e Leopold ficou coçando sua bochecha, ainda corado e olhando pro lado.

[Leo]: Eu ia te chamar de.... “pretinho”...

Lethal corou muito até ter algumas lembranças.

[Lethal]: Você… não me chamava assim antigamente lá em Moury (cidade em q eles haviam estudado juntos no primeiro ano)?

[Leo]: É, chamava, era mais pra te irritar… Mas agora parece ser algo meio íntimo - Leo disse coçando sua nuca e até achando legal esse apelido bobo, mesma coisa com Lethal.

[Lethal]: É… Do tanto que a gente mudou parece que foi a décadas, mas foi só um ano e meio, até menos na verdade.

[Leo]: Sim… Ao mesmo tempo que eu não gosto de toda essa parte do passado, ainda tenho algumas pequenas lembranças boas.

Lethal se aproximou mais de Leo, ficando mais curioso. O morcego adorava ouvir as histórias de Leo, mesmo que elas não eram tão felizes, gostava de conhecer mais sobre a pessoa, afinal foi com isso que essa amizade brotou.

[Leo]: Lembra que você e o Marco foram na minha casa fazer um trabalho?

[Lethal]: Nooooossa, lembro, essa foi uma tarde interessante. E até agora eu não perdoei aquele professor cuzão.
 

2 de Fevereiro de 2015:

 

Os dois irmãos morcegos estavam andando até o ensino médio de Moury, muito nervosos e ansiosos principalmente Lethal com a nova escola, ambos tinham 15 anos na época, no meio da puberdade. Petal (Marco, ele mudou seu nome só com 18 anos) ainda estava com esse nome e com um pouco de traços femininos na voz mas se vestindo como um menino e também com um cabelo meio longo.

[Lethal]: Será que o pessoal de lá é legal?

[Petal]: Se preocupa não irmãozinho, eles devem ser legais, só imagina como se fosse o fundamental lá da vila.

[Lethal]: Mas é diferente, nós nunca fomos para um lugar com tantas pessoas de espécies diferentes… Acho que eles vão estranhar por sermos morcegos, e se tiver bullys?

[Petal]: Meu deus, apenas relaxa, a opinião dos outros não importa.

[Lethal]: Eu não sei como você é tão foda-se pra tudo, ainda mais por você ser… né. Acho que eles implicariam mais com você

[Petal]: Se alguém implicar ou nos insultar a gente fala pro diretor e ponto.

Chegando no portão dava pra ver vários alunos entrando. Dando um suspiro eles entraram e foram direto ver a lista de alunos e classes que tinha no meio do corredor.

[Lethal]: Eu sou da sala 3 do 1ºC

[Petal]: Eu sou da sala 2 do 1ºB…

[Lethal]: Então a gente… Vai estar em salas separadas?

[Petal]: É… Mas não tem problema, vamos sentar juntos no recreio.

[Lethal]: Intervalo.

[Petal]: Se quiser eu chamo de Hora do lanchinho.

 

07:50 :

 

Na sala de Lethal, as primeiras aulas era duas de Inglês, mas no fim da primeira mais um aluno chegou que chamou a atenção do morcego, um grande leão marrom, robusto e forte com um olhar misterioso e angustiado.

[Professor]: Chegou atrasasdo.

[Leão]: É, mals, cochilei um pouco.

[Professor]: Você perdeu as apresentações, pode dizer um pouco sobre você?

[Leão]: Meu nome é Leopold e tenho 17 anos e é isso.

Leo se sentou numa carteira vazia que era na frente de Lethal.

[Professor]: Bem… okay então.

Lethal observava bem o leão, ficando corado e pensando “Uau… Esse cara é bem bonito…”

2 semanas depois:

“Eu odeio esse cara” pensava enquanto Leo puxava o mesmo para um canto. Ele o pressionou contra a parede, agachou estendendo a mão e com uma expressão bem impaciente e brava no rosto.

[Leo]: Dá o dinheiro do lanche.

[Lethal]: Eu não vou te dar nada! - Mesmo Leo estar fazendo implicando com Lethal, o morcego se sentiu meio envergonhado por estar sendo pressionado por ele na parede e com seus rostos tão próximos. Petal encontrou os dois e sem pensar duas vezes atacou Leo dando vários chutes e socos nas costas dele.

[Leo]: Aiai!

[Petal]: Larga ele seu lixo!

Leo agarrou Lethal e se levantou, então segurando as pernas do morcego ele ficou chacoalhando ele até uma moedas cair de seu bolso enquanto Petal ainda batia no leão que não estava tão incomodado. Lethal ficou tonto quando foi posto deitado no chão gelado, Leo pegou o dinheiro e foi embora dando um riso.

[Leo]: Valeu pretinho.

Petal ajudou seu irmão a levantar que estava com algumas lágrimas.

[Petal]: Calma, não deixa aquele degenerado te deixar assim.

[Lethal]: Porque ele faz isso comigo?

[Petal]: Porque ele é um cuzão, e não é só com você viu, ontem vi ele socando um lobo na saída.

[Lethal]: T-tomara que ele não eleve mais esse bullying então…

1 semana depois:

[Professor de Física]: Okay gente, pro trabalho bimestral vocês falar do assunto que estamos estudando que seria sobre função horária, vocês vão fazer trios pra apresentar o trabalho, como essa sala tem 27 alunos então vai ser 8 grupos. Todos os grupos vão fazer slides falando sobre a função horária, explicando o que é, as fórmulas, gráficos, exemplos e outras coisas pra complementar o assunto. No mínimo 6 slides e a nota vai variar de 0 a 5, as apresentações mais completas terão notas maiores, será apresentado na quinta-feira da semana que vem. E não copiem de outros grupos, porque quando eu souber vou dar 0 na média.

Dito isso na aula de Física, Lethal e Marco obviamente agruparam, mas faltava mais um, e eles conheciam mais ninguém. Lethal levantou a mão pra chamar o professor.

[Lethal]: Professor, meu grupo pode ser só eu e o Marco?

[Professor]: Não - Disse bem direto. Ele notou que na frente de Lethal estava Leopold dormindo - Leopold.

[Leo]: Zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz.

O professor suspirou e pegou uma buzina da gaveta de sua mesa e diretamente tocou ela bem na orelha do leão pra acordá-lo. Leo dou um pulo quase derrubando a carteira enquanto o resto da classe ria.

[Professor]: Eu disse que ia acordar repetentes como você com isso, ou você estava dormindo também quando eu disse isso? - Esse professor sempre foi direto, sarcástico e engraçado, pelo menos pra Lethal que adorava ver ele falar mal dos outros bem na cara, como naquela hora.

[Leo]: Argh - Disse coçando seu ouvido e seu olho - Você não pode fazer isso com seus alunos! - Leo olhou em volta e tava todo mundo com uma sobrancelha levantada, bem confuso, até perceber no que ele falou.

[Professor]: Eu nem vou falar nada. Enfim Leo, porque não se junta no grupo do Lethal e a Petal? - Lethal estava gostando das brincadeiras do professor até essa parte que o fez arregalar os olhos.

[Lethal]: NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO!

[Professor]: Eu tô falando com o Leopold aqui, Lethal.

[Leo]: Eu? Com eles? Nunca.

[Professor]: Parece que eles estão precisando de mais um membro pro grupo deles.

[Leo]: Problema deles.

[Professor]: E você vai ficar sem nota.

[Leo]: Que? Porque?

[Professor]: Eles também.

[Lethal]: WOW WOW WOW, PERA O QUE?

[Professor]: É pra cada um estar em um TRIO.

[Lethal]: Calmae professor, é que… a gente não precisa de mais um membro, podemos fazer sozinhos!

[Professor]: E o seu amigo não consegue sozinho. Colegas devem ajudar uns aos outros. Afinal vocês são amigos, não são?

[Leo]: Hehe, claro que somos amigos, somos mais que amigos, somos friends.

Leopold se virou lentamente dando um sorrisinho safado pra Lethal que devolveu com uma expressão de desgosto.

[Lethal]: N-não pode outra pessoa entrar no grupo de nós 2?

[Professor]: Todo mundo já ta com seu grupo, e acho que você vai lidar com ele muito bem.

Lethal estava com inúmeros insultos pra atacar no professor, ficando com muita raiva, mas logo suspirou tentando se acalmar e aceitar seu destino.

[Lethal]: Tá… A gente vai fazer rápido mesmo.

[Leo]: Isso vai ser divertido.

[Professor]: Finalmente em.
 

No fim da aula:

 

Leo estava indo para o portão quando viu Lethal e Marco lá, ele andou mais rápido até chegar atrás deles colocando cada mão em cima da cabeça dos dois.

[Leo]: Então nerds, na sua casa ou na minha?

Os três ficaram envergonhados um pouco por essa frase ter um duplo sentido, os dois morcegos se afastaram e ajeitaram o cabelo.

[Lethal]: Eu só tô fazendo isso pra não ficar com média baixa, entendeu? Sem gracinhas.

[Leo]: Ah, qual é, somos amigos não somos? Hehehe.

[Lethal]: Você NUNCA terá amigos - Disse o morcego olhando pra baixo mas com um tom elevado. Leo sentiu um pouco de dor com essas palavras mas ainda sorria como se nem ligava.

[Leo]: Não diga o que eu já sei, hahaha - Ele riu de forma estranha, deixando Lethal e Marco meio assustados e confusos.

[Lethal]: Bem… Seria melhor fazer na sua casa.

[Leo]: Beleza, amanhã depois da escola.

 

No dia seguinte:

 

Leo, Lethal e Marco estavam andando juntos depois da aula, onde supostamente seria a casa de Leo. Eles conversaram um pouco no caminho só pra não ficar um silêncio constrangedor. Os dois irmão viram que a casa era meio pequena antes de entrar nela, quando entraram foram recebidos pela mãe de Leo.

[Alexa]: Ah, oi! Vocês são amigos do Leo?

[Lethal]: Errrr…

[Leo]: São sim mãe. Esse é Lethal e essa é Petal - Disse apontando pra eles respectivamente como disse.

[Alexa]: Ora, prazer conhecê-los - A mãe de Leo sorria mesmo com um olhar cansado.

[Petal]: O prazer é nosso senhora Dymon (sobrenome do Leo, se pronuncia Daimon)

Então eles foram para o quarto de Leo, que na verdade era o porão, eles desceram as escadas e Leo acendeu as luzes revelando o que parecia ser um quarto grande com uma TV, sofá, cama, video-game e tudo o que um quarto legal teria.

[Leo]: Meu quarto é muito dahora, não acha?

[Lethal]: Uau, até que é sim, e eu pensando que você morava na casinha do cachorro.

[Leo]: É lá onde eu vou te enfiar se fazer gracinhas.

Leo disse e logo deu um pulo pro sofá se deitando nele.

[Lethal]: Porque você mora no porão?

[Leo]: Meu pai odiava o som alto do PS2 que eu tinha, então ele migrou meu quarto para o porão, mas eu prefiro pensar que isso é um bunker.

Lethal olhou mais em volta e viu seu computado logo ao lado da TV, então se aproximou dele.

[Lethal]: Pode ligar o pc?

[Leo]: Pode.

O morcego ligou o computador e sentou na cadeira giratória, aumentando a altura dela, e Marco sentou ao lado dele na mesma cadeira já que era larga e eles eram pequenos.

[Leo]: Qual é a matéria do trabalho mesmo?

Marco e Lethal fez facepalm e pensaram “Essa vai ser uma longa tarde”

 

2 horas depois:

 

Eles já fizeram metade do trabalho. Estavam um pouco cansados, maior parte do tempo Leo ficava no sofá jogando. Lethal reclamava e Leo ignorava. “Calma Lethal, é só até o fim da tarde, depois você pode sair daqui” Lethal repetia esses pensamentos pra se manter sano. Já Leo parecia tão frustrado quanto ele por alguma razão. E Marco estava mais viajando e resmungando baixinho por estar em um lugar desses.

[Leo]: Já acabou aí pretinho?

[Lethal]: Se você nos ajudasse a gente já teria terminado.

[Leo]: Termina logo, vocês tão sujando minha cadeira com seus germes.

Eles tiveram que respirar fundo pra não saírem no soco e obviamente perderam porque olha o tamanho deles né. Petal sussurrou em baixo pra Lethal.

[Petal]: Se eu ficar aqui mais uma hora eu juro que vou sugar o sangue desse leão até ele virar um tapete.

 

De volta pro presente:
 

[Leo]: Aí a minha mãe nos chamou pra comer biscoitos que ela tinha feito.

[Lethal]: Aqueles biscoitos foram a única coisa boa de ter ido lá.

[Leo]: Eu sei fazer uns biscoitos iguais a aqueles.

[Lethal]: Sério? Um dia quando você fazer me chama que eu quero comer.

[Leo]: É bem rápido e fácil de fazer, que tal a gente descer pra eu fazer?

[Lethal]: Sério?! 0w0

[Leo]: Claro, faz até um tempo que eu não faço, a gente continua a história enquanto fazemos e comemos, você pode me ajudar também.

 

Passado:

 

[Alexa]: Meninos, eu fiz biscoitos e leite com achocolatado, venham aqui comer!

Disse a mãe de Leo no andar de cima. Lethal e Petal suspiraram de alívio e até animados por finalmente comer, estavam famintos por nem terem almoçado.

[Leo]: Já vou!

Leo lentamente se levantou e subiu para a cozinha como se os dois morcegos nem estivessem ali. Então os dois o seguiram até chegar na cozinha, os três se sentaram com uma montanha de biscoitos de chocolate na frente deles. Rapidamente eles pegaram e começaram a comer. O leão observava que Lethal comia como se fosse um hamster o que o fez achar muito fofo mas continuou com uma cara fechada tentando se distrair comendo mais.

[Petal]: Estão muito bons!

[Lethal]: Obrigado senhora Dymon - Enquanto Alexa com um sorriso simpático se sentou com eles e comeu um dos biscoitos, Lethal, o morcego observador viu que ela não tinha um anel em nenhuma das mãos, o que o deixou curioso e pensativo.

[Alexa]: O trabalho é sobre o que?

[Lethal]: Ah, não sei, porque você não diz? Leopold - O pequeno morcego lançou um olhar mortal à Leo o que o fez suar e fazer uma expressão impaciente.

[Leo]: Sobre… Matemática…? - Os dois irmão fizeram um leve facepalm. Alexa estava confusa e preocupada sobre os três.

[Alexa]: Está difícil fazer?

[Leo]: Facinho.

Petal segurou bem forte a perna de Lethal, tentando muito não atacar Leopold. Lethal também estava impaciente.

[Alexa]: Ah, acho bom então, é bom que vocês estão fazendo cedo pra não se preocuparem com o curto tempo no final.

 

Presente:

 

Lethal e Leo estavam sentados no sofá com as pernas esticadas pra frente já que era um daqueles sofás que dá pra encompridar. Lethal estava com uma tigela grande no colo cheia de biscoitos quentinhos que fizeram juntos cujo estavam comendo enquanto conversavam mais.

[Lethal]: Aí eu lembro que tipo, quando fomos sair da sua casa você disse alguma coisa e eu pisei forte no seu pé bem na frente da sua mãe.

[Leo]: Aquela pisada doeu viu, foi bem nos dedos, eu fiquei pistolado com isso. Aí eu comecei a quebrar umas coisas.

[Lethal]: Ah eu fiquei aterrorizado com essa cena, você chutou uma cadeira que quebrou a perna de madeira dela e jogou uma fruteira de mesa de porcelana na parede, aí você começou a gritar com a sua mãe… Eu não ouvi direito porque eu tava em choque, eu só olhei pro lado e vi que o Marco já tava correndo na rua pra ir embora aí eu só comecei a correr com ele.

[Leo]: Haha, não foi uma conversa muito agradável como já deve ter imaginado. Eu comecei a gritar com ela, falei que eu estava cansado daquela cidade e que eu queria voltar pra Nova York onde eu tinha amigos e numa casa boa. Isso é meio que outro motivo de eu ter ficado puto com todo mundo e sair tudo no soco e insulto, eu tava muito frustrado por ter ido morar em um lugar que eu nem gostava, numa escola que eu não gostava, quando saí de Nova York eu perdi vários amigos do fundamental que eu amava, gostava de ir pras praias, a cidade inteira eu considerava como minha casa, eu estava feliz lá, mas eu tive que me mudar… Aí meu mundo inteiro virou de cabeça pra baixo. E foi sobre isso que fiquei gritando pra minha mãe, ela no final começou a se sentir culpada e a chorar o que deixou eu super mal por ter feito isso e então eu só fui no meu quarto e comecei a espancar minha cama pra aliviar a raiva.

Leo suspirou e deu uma mordida no biscoito que estava comendo, percebendo que já acabou todos da vasilha a colocou numa mesinha de apoio ao lado do sofá. Lethal olhava meio pra baixo, um pouco infeliz com essa história.

[Lethal]: Poxa, deve ter sido bem ruim pra você… Mas porque que você e sua família se mudaram?

[Leo]: Bem... Uma coisa que eu nunca te contei sobre meu pai é que ele não foi o único marido da minha mãe - Lethal ficou de boca aberta querendo saber mais - Minha mãe se casou com um cara aí quando ela tinha uns 21 anos, eles eram bem felizes de acordo com como ela me disse, eles tiveram um filho que é meu irmão, na verdade meio-irmão.

[Lethal]: Você tem um irmão?!

[Leo]: Tenho sim ué, nunca te contei?

[Lethal]: Não ué.

[Leo]: Ah, tanto faz, ele não é tão importante mesmo. Enfim, aí esse marido da minha mãe desenvolveu câncer hereditário, quando descobriram já estava muito ruim e o tratamento só ia retardar o tempo de vida que ele tem. Então ele morreu e meu irmão e minha mãe ficaram muito tristes. Aí a minha mãe depois de um ano conseguiu um namorado que na verdade era de Moury, e depois de mais uns anos eles se casaram. Mas também antes deles terem se casado o meu irmão já era um adulto praticamente e ele decidiu que ia morar fora porque ele nem gostava desse novo marido dela, ele só o considerava como um estranho, não um padrasto, pelo menos como minha mãe me disse, e também é por isso que eu nunca vi ou conversei com ele. Enfim, eles me tiveram e eu fiquei em Nova York até meus 7 anos, eu tinha uns amigos muito dahora e que eu amava e queria pra sempre e a gente até ia pra mesma escola juntos, mas antes do fundamental 2 começar a gente se mudou pra Moury que foi bem bosta, eu não gostava das pessoas de lá, e elas não gostavam de mim também e fiquei muito triste, aí com meus 9 anos meu pai foi embora, e eu fiquei ainda mais triste, comecei a desenvolver uma depressão severa e muito ruim até toda essa minha tristeza e insegurança sair de mim como raiva e revolta. E foi isso basicamente. Rola os créditos.

[Lethal]: Hmmm… Isso deve ter sido muita dureza... - Lethal bem empático ficou meio triste com isso. Leo viveu algo que nunca pediu por viver e só queria ser uma criança feliz. O morcego um pouco corado se aproximou do leão, encostando bastante nele e depositou sua cabeça no braço dele pra o confortar - Estou feliz por ter saído disso tudo feliz… Você é muito forte Leo.

Os dois coraram muito ficando num clima. Contato físico sempre confortou Leo, ainda mais com palavras tão gentis. Isso o fez sorrir bastante. Logo colocou seu braço em volta de Lethal e o puxou mais, dando meio que um abraço de lado, Lethal corou mais gostando do calor e cheiro que emitia dele por estar tão perto.

[Leo]: Você é bonzinho demais pra mim… Pretinho.

Lethal ficou vermelho e se afastou, olhando pra seu amigo com um olhar tipo “Sério?” enquanto sorria bastante quase rindo. Leo sorriu corado também e deu uma risada.

[Lethal]: Vai ficar me chamando assim agora é?

[Leo]: Vou, você gostando ou não.

[Lethal]: Nossa em.

Leo pulou em cima de Lethal e começou a fazer cosquinhas nas laterais da barriga dele.

[Leo]: Pretinhoooooooooo.

[Lethal]: AHAHAHAHAHAHA ME SOLTA!

 

Passado:
 

No mesmo dia, a noite, Leo estava em sua cama, não conseguindo dormir como várias outras noites, ele abraçou seu travesseiro ficando meio que de conchinha com ele. Ligou o celular e abriu a galeria de fotos, abrindo uma foto que era de Lethal, logo ele corou e apertou mais o travesseiro, desligando a tela do celular, suspirou e disse.

[Leo]: Porque eu amo justo você?

 

 

 Próximo cap terá Marco como protagonista, vou trabalhar bastante nele pra ficar bonitinho, aguardem pacientemente.


Notas Finais


Lembrem-se de me seguir no DeviantArt, vou postar uns desenhos novos que estou fazendo incluindo os três amigos do Leo pra vocês saberem como são
https://darklu1231.deviantart.com/

Postei isso e fui pra escola, tomara que eu volte com comentários legais


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...