1. Spirit Fanfics >
  2. Delicada como Girassol >
  3. 6- Eu quero cuidar de você

História Delicada como Girassol - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Obrigada por lerem!!
Desculpe por qualquer erro ortográfico.

Capítulo 6 - 6- Eu quero cuidar de você


Fanfic / Fanfiction Delicada como Girassol - Capítulo 6 - 6- Eu quero cuidar de você


Abri os olhos devagar e não estava em casa, quando me acordei por completo percebi que estava no hospital, mas estava sozinha.

Olhei pra janela e percebi que estava escuro, eu pelo menos sai daquela situação, será que a Ana tava bem? Eu lembro te ter visto o Leo antes de apagar.

Ainda sinto dor onde cortou, peguei o celular que estava ali perto e olhei, era um celular que não reconhecia, percebi que era 19 da noite.

Então ouvi o barulho da porta ser aberta, assim que olhei vi o Leo com um copo de café na mão me olhando, percebi ele sorrir com um olhar triste.

-Finalmente...meu deus - Ele disse vindo em minha direção, deixou o copo em um canto e me abraçou bem apertado.

Me confortei naquele abraço e comecei a chorar sem perceber, quando o olhei ele chorava também e aquilo doeu meu coração, eu passei a mão no rosto dele devagar limpando a lágrima e ele beijou minha testa.

-Juro que achei que tinha morrido. -

-Se tivesse morrido eu teria te trazido de volta pra te xingar muito -

Eu ri, só ele podia me fazer eu me sentir bem nessas horas.

-Eu vou avisar seu pai e seu irmão que você acordou, eles pediram -

Ele saiu do quarto com o celular na mão, eu me ajeitei e fiquei olhando a janela, a enfermeira entrou e começou a verificar algumas coisas em mim, eu fiquei quieta observando a janela, o lado de fora, a cidade pequena e bonita que tinha lá fora.

-Eles vão vir amanhã, mas eu vou poder ficar com você. -

-Que bom, por que definitivamente não quero ficar sozinha. Me perdoa por ter saído escondido. -

Ele me abraçou de novo e bagunçou meu cabelo, eu ri e ele sentou no sofá que tinha e ficou me olhando, assim reparei um machucado no olho dele. 

-Você se machucou também -

-Nada demais, você perdeu bastante sangue -

Ficamos conversando um pouco até ele cair no sono, ele provavelmente não tinha dormido tão bem nos últimos dias.

.

              Quebra de tempo.    

.

Chegamos em casa, finalmente depois de eu ter ficado no hospital, logo fui pro meu quarto e deitei na minha cama, tava com saudade da minha querida cama.

Eu também estava com saudade do Leo, porque ele só pode ficar comigo aquela noite e depois teve que voltar pros seus afazeres.

-Que menina preguiçosa -

Olhei pra minha porta e era o dito cujo, eu levantei rápido e abracei ele muito forte ele, ele me abraçou apertado.

-Eu tava com uma puta saudade de ti -

-Obvio, sou a pessoa mais legal e bonita que você tem por perto -

-Quanta confiança não é mesmo -

Ficamos nos olhando quietos ali se encarando, eu queria muito ficar com ele, mas ele ainda tinha seus rolos e com certeza ele não gostava de mim da mesma forma.

Meu pai entrou no quarto e nos olhou, ele pigarreou e então olhamos pra ele.

-Aproveitando que tudo foi resolvido, nos vamos viajar por um tempo amanhã cedo, então acho melhor arrumarem suas coisas.. - Ele falou e logo cruzou os braços encarando o Leo sério.

-Leo também vai? - Eu me afastei do Leo e sentei na cama olhando pro meu pai, Leo sentou em uma cadeira do meu quarto, ele incrivelmente não tinha medo do meu pai.

-Até o pai dele vai então sim. - 

Aí que alívio, iria poder descansar e distrair minha cabeça de toda essa merda. Eu achei que meu pai estaria lotado de trabalho por causa do que estava acontecendo na cidade.

-Os dois trabalhou muito aquele dia - Leo falou depois que meu pai saiu e sentou do meu lado, eu deitei a cabeça no ombro dele, eu não sabia de nada do que aconteceu depois, queria um tempo pra poder processar tudo e realmente saber depois que apaguei.

-O que aconteceu naquele dia? -

-Voce tava sumida a muitos dias, estávamos desesperados e eu me sentia completamente culpado, mas percebi que sempre tinha uma dupla de motoqueiros por perto tentando ouvir nossas conversas -

Então eles reconheceram aqueles caras que ficavam sentados na frente da casa fumando e bebendo.

-Depois de olharem o histórico criminal deles e perceber que eles eram fugitivos e tinham costumes de sequestrar pessoas, eles mandaram eu ir na frente seguindo eles e se fosse mesmo eles iam entervir. Eu entrei naquela casa brigando com o tal do "Gigi", eles tentaram atirar em mim mas bem na hora a polícia apareceu e trocaram tiros e eu logo fui procurar você, olhei em todos os cantos. Depois de seguir um rastro de sangue que levava pra cima eu te achei com uma menina no sótão, a garota chamava você e se assustou comigo, mas vieram paramédicos e te colocaram na maca e pegaram a garota pra examinar tambem. -

Que bom, então Ana provavelmente tá bem, eu queria achar ela e saber realmente como ela tá mas isso tudo era demais pra nós duas e precisávamos de um tempo pra poder pelo menos saber conviver com esse trauma.

-Sua mãe ficou estérica falando que tinham sequestrado ela tambem, mas o caras falou que ela era mandante e descobriram um porão também, que era onde tinha algumas mulheres e meninas e alguns corpos, foi horrível, de acordo com seu pai, eles eram os responsáveis pelos desaparecimentos que estava acontecendo na cidade. -

Aquilo era terrível, ela era pior do que eu lembrava, e nem ligava pra própria filha, eu abracei o Leo com bastante força, ele nos separou do abraço e saiu sem nem dizer nada. Eu fiquei ali um tempo quieta sentada na cama e depois levantei e fui até o quarto do meu pai.

-Pai, minha mala tá aqui? O senhor viu? - Quando entrei me deparei com uma cena que definitivamente não esperava, o pai do Leo e meu pai estavam se beijando, eu obviamente fiquei muito envergonhada e paralisei ali.

-FILHA, puta merda, perdão....é, então, tá sim eu pego pra você - Ele levantou da cama e o pai do Leo olhou pra mim vermelho, eu sorri, eu não sabia dessas coisas do meu pai e ficava feliz em saber que pelo menos ele tá bem e feliz, só espero não ter que chamar Leo de irmão daqui uns tempos.

-Calma pai, eu não vou ficar brava com você por isso, só poderia ter me falado né? Bobo, e também, não quero chamar o Leo de irmãozão não, já basta um irmão mais velho. -

Eles riram e eu senti meu pai se aliviar completamente e ele veio até mim com a mala que pegou na parte mais alta do guarda roupa que eu não alcançava, ele beijou minha testa e bagunçou meu cabelo, só espero que eles sejam felizes.

Eu peguei a mala e fechei a porta do meu pai, ele tinha o costume de deixar aberta até quando saia do banheiro, sim já vi meu pai várias vezes nu, e prefiro nem comentar, posso dizer que André tinha a mesma mania então.. tal pai tal filho em muitos requisitos, se é que me entendem.

Fui pro meu quarto, e comecei a arrumar as coisas devagar, peguei biquínis, roupas íntimas, roupas de festas e sair casualmente e alguns pijamas, provavelmente íamos ficar fora por um tempo já que a faculdade estava fechada por tempo indeterminado pelos ocorridos envolver alguém de lá.

Eu ouvi a Lua rindo do quarto do meu irmão, ela de afastou muito de mim desde que eles começaram a ficar juntos e isso me deixa triste, eu sei que estão felizes e espero que não mude isso mas estou de lado e completamente excluída de tudo.

.

                  Quebra de tempo.    

.

Estamos todos na sala a noite conversando, eu estava no chão sentada de vela pros dois casais, afinal, meu pai já estava quase contando pro mundo que eles finalmente estavam juntos de acordo com ele.

Alguém tocou a campainha e eu fui atender, todos ficaram apreensivos e de olho, por causa que sempre que eu atendia uma porta em casa, era algo ruim indo me atacar.

Assim que abri Leo foi entrando com a mala dele e um cachorro na coleira, era um Pastor alemão misturado com alguma outra raça que não faço ideia, eu fui direto no cachorro e comecei a brincar com ele, era um amor e nem ouvia ou prestava atenção mais em nada a minha volta.

Leo tirou o cachorro da coleira e deixou a mala dele do lado, e sentou comigo no chão, ele ficou brincando com o cachorro junto comigo e a gente ficou ali enquanto o resto do pessoal conversava, até que meu pai decidiu comprar pizza pra todo mundo já que todos iam dormir lá pra sairmos cedo no outro dia.

-Vem Loki, vou colocar ração pra você - 

-Ai que nome lindo pra esse bebezão -

Leo riu quando falei isso e foi colocar ração pro Loki.

-Senhorita Vênus tá bem feliz hoje né? - Meu pai falou depois de pedir as pizzas.

-Tenho que distrair minha cabeça pai, se não acabo me deprimindo muito. -

-Não vou permitir isso de forma alguma - Leo disse surgindo na sala com a cara seria.

Adorava aquela cara que ele fazia, ele era tão lindo e ao mesmo tempo parecia muito mal com tudo tipo um badboy.

-Vem ousado você em - Meu pai disse sério, ele parecia levar todo garoto que se aproximava de mim como ameaça, mas com o Léo ele só ficava brincando de certa forma pra ver se assustava, mas definitivamente não assustava.

-Sou com certeza, enfrento o senhor se precisar pra cuidar dela. -

Ouvindo aquilo meu coração acelerou na hora, me senti nervosa e muito envergonhada, percebi meu irmão rindo de mim pelo jeito que fiquei e olhei pro lado, sentei no chão e fiquei ali e o Leo sentou do meu lado e ficou me olhando, acho que fiquei muito mais nervosa.

-Você tá parecendo um pimentão - Ele falou baixo pra mim ouvir, eu olhei pra ele e ele tava sério ainda, eu sorri de leve e olhei pra baixo.

Resolvemos jogar no Wii do meu irmão, todos ficaram dançando e eu só olhava, Leo dançou com meu irmão brincando, meu pai e Leo jogou competindo muito mas Leo acabou ganhando, André e Lua dançaram fofos como casal e meu pai e o Henrique (Pai do Leo), dançaram fofos também.

Leo me chamou pra dançar mas não queria, ele insistiu e me puxou e eu resolvi ir e dar um pau em todo mundo, começamos a dançar e eu ria com alguns movimentos e percebia o Leo todo sério jogando.

-Dei uma paulada em você - Falei assim que paramos de jogar e eu ganhei.

-Um dia vou ter revanche e vou ganhar de lavada - 

A pizza chegou e eu e André fomos pegar e pagar, fomos todos pra mesa comer juntos e conversar um pouco também.

-Pai, você não falou pra mim até agora onde vamos -

-Vamos pra casa na praia que o Henrique tem e que faz anos que não vai por não ter tempo - Ele falou olhando pro Henrique com paixão.

-Saudades daquele lugar - Olhei pro Leo e percebi ele ficar meio quieto e triste depois de falar sobre.

-Espero pegar um bronzeado legal lá - Lua disse toda empolgada.

-Vai ficar muito mais perfeita - Meu irmão disse todo bobo olhando pra ela, confesso que tenho inveja dessa paixão toda dos dois. Eu terminei de comer e resolvi subir primeiro.

-Ja vai filha? - 

-Sim pai, eu preciso descansar bem pra viajar amanhã. Aproposito o Leo pode dormir no meu quarto, já que cada casal vai dormir junto né - 

Vi meu pai fechar a cara na hora e olhar pro Leo, eu ri e subi, tomei meu banho e escovei meus dentes, fiz um coque no meu cabelo e fui deitar, fiquei lá deitada olhando pro teto. Não quero pensar em merda agora, tá tudo bem, nada mais vai acontecer.

Vi a porta sendo aberta e olhei pra trás, já que minha cama ficava de costas pra porta, vi o Leo e sorri, ele entrou com uma roupa e uma toalha na mão, eu apontei pra porta do banheiro e ele sorriu pra mim, e foi direto, eu resolvi olhar meu celular e percebi o número do Gigi ainda ali parado.

Apaguei aquele número e fui excluindo todo contato que tinha com ele, e eram muitos, até dos jogos eu exclui ele porque não queria nunca mais ver ele.

Até que Leo abriu a porta do banheiro e quando o olhei ele ainda estava sem camisa e com o cabelo molhado, e posso dizer que aquela visão era o paraíso, me senti excitada e completamente molhada vendo todos os músculos e o abdômen dele completamente exposto.

Eu sentei na cama e fiquei o encarando por tempo demais, ele terminou de secar seu cabelo e olhou pra mim e sorriu, aquele homem devia ser um completo pecado, e que eu cometeria com prazer.

-Ta gostando do que vê? - Ele colocou a camisa dele e veio até mim e deixou a toalha pendurada na janela, eu mordi de leve meu lábio.

-Como tu conseguiu ficar mais forte que meu irmão?- Ele riu e sentou do meu lado olhando pra minha boca de leve.

-Bom, eu e meu pai vai pra academia juntos, acabo fazendo o mesmo que ele e também sou de brigar muito por aí -

Eu sorri e olhei pra ele e fiquei com vergonha por ele parecer analisar cada traço do meu rosto, até que ele tocou no meu rosto e começou a desenhar onde tinha minhas sardas como se quisesse ligar os pontos.

-Eu quero cuidar de você. - Ele levantou meu rosto e olhou no fundo dos meus olhos e parecia preocupado, eu o olhei e aqueles olhos ainda conseguia hipnotizar fácil.


Notas Finais


🌻💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...