História Deliciosa Paixão - Capítulo 2


Escrita por: e Maloma_Reria

Postado
Categorias As Aventuras de Poliana
Personagens Afonso Moraes, Guilherme "Gui" Pessoa Mautner, João Barros, Luca Della Torre, Luisa D'Ávila, Mirela Delfino, Otto Monteiro Pendleton (Sr. Pendleton), Personagens Originais, Poliana D'Ávila Andrade, Raquel D'Ávila Rios, Vinicius "Vini" Almeida
Tags Marcelo, Micelo, Mirela, Romance, Sbt
Visualizações 70
Palavras 1.482
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, meus consagrados!
Voltamos com mais um capítulo!
Esperamos que gostem.

Capítulo 2 - Capítulo 1 - Cartas


Mirela continuava a encarar Raquel. A jovem D'Ávila exigia que a jovem Delfino falasse a a verdade. E isso, de certa forma, deixava Mirela desconfortável. Sempre foi uma característica que não gostava na amiga. Porém... teria que aturar.

- Que? Claro que não, Quel... quem é Anastasia Steele? - Mirela fala tentando disfarçar a mentira, mais a garota não tem muito senso de atuação.

- Eu também quero saber. Não mente para mim, eu sou sua melhor amiga... sou sua confidente de todas as horas e momentos. Eu sei que foi você que escreveu essa carta por causa da letra. Olha... idêntica a sua. Não mente, Mi. Você sabe que eu detesto mentiras. - Raquel fala e Mirela vê que não tem mais como fugir. Suspirou a neta de Branca e meia irmã de Nancy, puxando a amiga para um canto mais afastado do pátio.

- Raquel... olha, eu vou te contar tudo... tudo mesmo. Mais tem que me escutar atentamente por que tem toda uma história por isso. - Mirela fala e suspira novamente, antes de começar a contar toda a história para a amiga.

- Só me conta tudo logo, Mi... está me assustando. - Raquel fala e Mirela respira fundo, voltando a época de quando tinha 14 anos.

- Ok... Lá vamos nós. - Mirela fala. - Lembra quando eu cheguei na cidade? Eu tinha quatorze anos. Eu fui morar na casa da minha avó e como eu era uma menina inocente, que ainda não conhecia nada direito da vida, sai atrás de aventuras pelo bairro e acabei encontrando o meu... vizinho. - Mirela fala e Raquel ouve atentamente tudo o que a jovem diz.

- Sim... o diretor Marcelo. - Fala Raquel.

- Sim, esse mesmo. Eu não o conhecia, então quando o vi, senti... algo no meu corpo. Sei lá... um prazer, um tesão... meu coração ficou acelerado, minha respiração ficou ofegante e minha vagina... ficou ensopada... por que o diretor Marcelo estava sem camisa, extremamente sexy, lavando seu carro... - Mirela fala e começa a se lembrar daquele dia.

Mirela andava com seus olhos verdes brilhando por conta da imagem do bairro onde sua avó morava e que a partir daquele dia, seria seu local de moradia. Era uma simples adolescente, que não conhecia o mundo como ele realmente era. Porém... começou a descobrir esse "mundo" quando viu a imagem que nunca sairia de sua mente.

Marcelo Pessoa acabava de voltar de seu turno na escola Ruth Goulart como professor de audiovisual. Claro, sempre raivoso e furioso pela bagunça que seus alunos "descentes" fizeram na aula. Se irritou ainda mais por que não percebeu a enorme poça de lama do dia anterior em que choveu e acabou passando nela em alta velocidade, fazendo seu carro ficar completamente sujo de lama, praticamente, passando de cinza para marrom.

O professor só se deu conta do desastre quando saiu do carro e entrou em casa. Olhou pela janela e viu a sujeira em seu automóvel. - Merda! Maldita sujeira! Era tudo o que me faltava... - Marcelo fala irritado pelo carro sujo e com uma certa preguiça, pega um balde com água e sabão e vai direto a garagem aberta para começar a lavar.

Sem perceber, Marcelo acabou sujando sua camisa branca de marrom e tirou-a, jogando ali mesmo para qualquer mendigo pegar. Sim, Marcelo era mal a tal ponto.

Começou então a lavar o carro e não percebeu a presença de Mirela Delfino. A jovem snete um prazer imediato ao ver o moreno lavando seu carro. Sem entender o que se passava com seu corpo, Mirela volta para a casa de sua avó.

Raquel ouvia tudo atentamente enquanto ficava indigninada com tudo o que a amiga falava, incluísse sobre o que aconteceu naquele mesmo dia.

- Entendeu tudo agora Raquel? Eu não quero ser Anastasia Steele... mas eu tenho que fazer isso. É a única forma que eu e Marcelo podemos nos encontrar de alguma forma. - Diz Mirela.

- Mirela... isso tudo é loucura. E se você for descoberta? Você... você pode ser expulsa da escola e...

- Não exagera Raquel. Inclusive... preciso da sua ajuda. - Diz Mirela, pensativa sobre como levaria a carta de Anastasia Steele.

[...]

Algum Tempo Depois... Já na Casa de Marcelo...

O diretor chega em casa exausto e furioso pelo dia que teve na escola Ruth Goulart. Aqueles pestinhas sabiam como lhe irritar. E fizeram isso direitinho.

Pega sua bolsa e percebe que a segunda carta de Anastasia Steele para ele não estava lá. Pensando que esqueceu na escola, revira os olhos e pega suas coisas, a retirando-as e colocando elas na sua mesa. Pega seu notebook e começa a a trabalhar. No caso, checar boletins, conferir advertências e claro, ver o nível das notas de seus "queridos" alunos.

Quando abre seu notebook que estava na sua bolsa, abre o mesmo e vê um papel, meio amassado e dobrado em várias partes.

- De quem é essa carta? - Indaga para si mesmo Marcelo, que abre a carta ainda receoso com o que leria. Surpreendeu-se quando leu o conteúdo do papel amassado e dobrado.

"Caro Marcelo...

Sou Anastasia Steele...

Quer dizer, esse é meu codinome para falar o que é essa deliciosa paixão que eu sinto por você.

Tudo bem, pode ser até que você possa descobrir quem é a pessoa que escreve essas cartas misteriosas.

Quando me perguntam qual os meus fetiches, sempre respondo com a mesma pergunta.

'Fetiches? Eu não tenho fetiches.'

Sabe por que, querido Marcelo?

Eu só vou ter fetiches a partir do momento em que você fica comigo... se você tiver fetiches, por exemplo, alguém que chupa maravilhosamente o seu...

Ok, paro por aqui.

Agora falando da minha deliciosa paixão...

Sério, pode ser somente algum capricho de qualquer mulher por aí, mais por favor, acredita que eu te amo, realmente... por você, eu pegava metade do mundo e mandava pro raio que o parta...

Quer dizer...

O mundo inteiro que se foda...

Se eu tiver com você, somente nós dois, nos beijando apaixonadamente assim como nos meus sonhos mais românticos e ao mesmo tempo mais quentes...

Eu fico com o planeta, Marte, Saturno, Urano...

Quer saber...

Que se dane tudo...

Por você eu fico a via Láctea inteira...

Encerro essa carta como sempre:

Afinal, o quão deliciosa pode ser uma paixão avassaladora?

Assinado:

Anastasia Steele"

Marcelo suspira pesadamente ao ler a carta de Anastasia Steele e lembra de suas outras cartas.

Carta número 1:

"Caro Marcelo...

Sou Anastasia Steele. Tudo bem, você não me conhece...

Eu só queria que você soubesse que não existe essa personagem que eu mesma criei. Anastasia Steele.

Sim, ela não existe.

Sou uma simples menina que não tem culpa de ter se apaixonado pelo cara mais sexy, que me faz me tocar todo dia...

A única forma de eu ter um contato com você é assim... sou uma menina tímida, só falo com as pessoas por meio de mensagem, ou por cartas... como eu estou fazendo agora.

Quem diria que eu, Anastasia Steele, me apaixonaria pelo cara mais gato dessa grande São Paulo?

Não tenho muito o que dizer... talvez, eu te envie outras cartas. Digamos que isso aqui foi uma pequena e breve 'apresentação'.

Encerro essa carta que a partir de hoje, vai se tornar uma frase da sua rotina:

Afinal, o quão deliciosa pode ser uma paixão avassaladora?

Assinado:

Anastasia Steele."

Carta Número 2:

"Caro Marcelo...

Não disse que ia voltar?

E voltei, voltei agora com um texto mais preparado para que você entenda melhor o que você significa para mim.

Olha só...

Vamos voltar quando eu era uma simples menina que tinha acabado de começar a puberdade...

Eu não sabia como e o quão prazeroso podia ser essa paixão avassaladora que eu sinto por você.

Mais conheci a masturbação...

Quando tive minha primeira vez, imaginei que ao invés do meu namorado, eu estava transando com você, meu diretor sexy.

Quando você tira a camisa para lavar seu carro... eu sempre estou por perto.

Basta reparar...

Ou não.

De certa forma, gostei dessa nova ideia maluca que eu tive.

Fazer a Anastasia Steele para que eu possa conversar com você... olha... isso é uma idéia sem pé naem cabeça que poderia sair de uma mente adolescente que ninguém entende.

Depois vieram coração acelerado toda vez que você me dirigia a palavra... ou não...

Era borboletas no estômago...

Era frio na barriga...

Enfim... era céus e terras quando eu ouvia sua voz grossa e rouca me chamando pelo nome... ficava imaginando muitas besteiras.

Enfim... Vou encerrar essa carta... Com a frase:

Afinal, o quão deliciosa pode ser uma paixão avassaladora?

Assinado:

Anastasia Steele.

P.S.: Eu disse que essa frase ia se tornar rotineira para você. "

Marcelo lembra das cartas e suspira novamente.

- Quem diabos é Anastasia Steele? - Marcelo fala irritado passando uma mão no cabelo e outra na mesa, batendo forte no objeto de madeira.


Notas Finais


E aí?
Vocês gostaram? Comente!
Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...