História Demon - Jeon Jeongguk - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtanboys, Bts, Cativa, Demon, Demonios, Diabo, Exofilia, Fanfiction, Fantasia, Hell, Imagine, Inferno, Jeongguk, Jimin!demon, Jungkook!demon, Kpop, Masoquismo, Minyoongi, Mitologia, Namjoon, Sadomasoquismo, Sobrenatural, Suga, Universoalternativo
Visualizações 1.428
Palavras 1.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Hentai, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Música
Lana del rey: Young and Beautiful.

😈Melhor horário para se postar safadezas não?

♡ BOA LEITURA ♡

Capítulo 18 - Ardente


Fanfic / Fanfiction Demon - Jeon Jeongguk - Capítulo 18 - Ardente

                18. ARDENTE


As pontas dos dedos tamborizavam sobre um livro antigo sobre minha cama, eu havia pedido para o falso Senhor do Hades, para que eu voltasse á dormir no mesmo quarto que este me deu, todos os dias era uma luta constante desviar das falas mal intencionadas de Park Jimin.


Meu corpo está cálido por dentro, assim como o fogo ardente da lava que há por volta do Hades. Não podia resistir tantos dias longe do moreno Jeon Jungkook, sabendo que estamos sob o mesmo teto. Meu torso se esticava pela cama, levei minhas mãos para apoiar o maxilar enquanto fito a parede próxima, um olhar desfocado.


— Será que devo ir? Já está tarde da noite Lee ___________, ele deve estar no último sono. Mas e se não estiver? — Conversei em monólogo entre mim quase que sussurrando, pois a sensação que tinha era que todas as paredes tinham ouvidos.


— Eu preciso ver ele. Nem que seja por um único beijo. — Continuei, e abandonei a larga cama.


Puxei as portas elevadas e sai do quarto, andando rapidamente e sigilosamente entre vários corredores, lembro-me que se fosse antes me perderia facilmente naquele casarão. No entanto, fazem dias que descubro ainda mais cômodos daqui, agora que estou sem quem conversar e me relacionar que não seja o Park Jimin, tempo me sobra para desvendar cada pedaço do lugar no Hades.


Do Jardim passei reto, e andei até o fim do corredor, seguindo pelas minhas lembranças os passos que dei até o calabouço, as chamas das tochas iluminava quanto mais descia as escadas, o saguão. Cada vez mais rebaixada estava mais a luz aumentava, e por essa pista segui até encontrar as portas elevadas.


Empurrei ambas com muita força, pois são demasiadamente pesadas, os rangidos ecoam, mas não o bastante para que alguém ouvisse. Aliás, ali era distante de todo o interior do casarão. Fechei as portas, e está ação resultou em um estrondo, virei-me para frente e vi o Jeon amarrado em uma cadeira, e Seulgi descansava no chão embrulhada em um tecido animal felpudo, provalvente estava com frio e com dores por dormir de forma desconfortável.



Ambos acordaram, e o Jungkook sorriu eufórico ao me ver, ele está sem a parte superior da roupa, apenas usa sua calça social negra. A Seulgi usa malhas rasgadas, e sapatos gastos. Me apertava o peito, vê-los tão precários e sem ao menos poder ajudar os dois.


— Senhora! — Ela levantou-se e correu para um abraço apertado, eu a retribui á altura, suas olheiras eram evidentes, e seu cansaço ainda mais.


— Como você está? 


— Bem... senhora, não deveria ter vindo! Yoongi nos alertou que o Jimin está com mais guardas aqui no casarão. Se a pegarem...


— Estou bem, não se preocupe comigo. Eu não podia ficar sem informações suas.


Andei para me encontrar com o demônio, o envolvi em meus braços com ternura, e depositei selos cálidos em seu pescoço, trilhando de seu rosto pálido para os seus deliciosos lábios, de beijo em beijo fui descobrindo novamente como era bom tê-lo como homem.


— Seulgi... Pode nos deixar sozinhos? — Verbalizou o Jungkook, que me fitava com desejo, luxúria. Quando nossas órbitas se encontravam era o bastante para que sentissemos o sabor do pecado nos invadir.


A escrava assim o fez, e cerrou as portas tão rapidamente que nem seus rastros se ouviram mais depois que saiu.


— Se arriscou por mim? — Ditou o próprio me encarando, uni a ponta de seu nariz ao meu e coloquei as mãos nos ombros do moreno.


— Eu não posso ficar tanto tempo sem você, meu amor. Eu sinto como se não vivesse mais quando nossos corpos não estão ligados.


— Sinto o mesmo __________. — Os seus lumes negros são comparados a constelações concentradas em um único céu, e é para lá que eu ia ao olhar para o Jeon, meu peito ardia e meu algo em meu estômago se gelidifica. Nossos lábios mergulharam um no outro, pedi passagem e ele entreabriu os lábios e aprofundei o beijo. Quando minha língua encostou-se à sua senti uma sensação incrível e, depois de provar a carnosidade dos seus lábios, eu queria, necesssitava mais.


Nos separei a contragosto, e me movi para trás da cadeira desamarrando meu amado, e o livrando das cordas finas, que marcaram dolorosamente seus braços alvos desnudos. As cordas caíram, e voltei para frente me sentando no colo do Jungkook, e ficando rente do seu lindo torso.


— Veio aqui apenas para me encher de beijos... e, e me excitar mais? Não sabe o quanto penso em você todos os dias.


— Não, eu não estou aqui apenas para lhe dar beijos.


— Então temos que ser rápidos, infelizmente. A Seulgi não poderá ficar lá fora por muito tempo. — Dois braços urgentes me envolveram na cintura, transcorrendo sobre as costas que agora são cobertas pelo vestido Salmão, o mesmo que usava quando tivemos nossa primeira relação sexual. 


Uma boca quente surgiu na curva do seu pescoço, e depositou beijos e chupões provocantes com os lábios, evoluindo para os ombros onde mordeu-o com certo afinco, deixando-me com mais tesão do que estava antes de vir para o calabouço. Os lábios do homem exploraram meu pescoço novamente, depois a mandíbula com certa rapidez, fazendo-me soltar um gemido entrecortado, sentia tanta falta daquela sensação, do toque macio dele em minha pele quente; do nosso contacto tão intrínseco.


Ligeiramente suas mãos desabotoavam o vestido, começando a revelar minha nudez, eu estava sem roupas do debaixo daquela peça, que rudemente  foi rasgada na parte frontal por Jeon Jungkook, e eu saí do seu colo retirando o vestido que sensualmente descia em minhas pernas e desnuda em completo. Ele desabotoa o a calça, e a tira pondo seu mastro para fora, e ficando sem roupas assim como eu. 


Voltei a me emtregar ensandecidamente, sentei nas pernas do moreno, e ele as segurou aproximando nossos sexos e nos encaixando deliciosamente, eu podia sentir seu membro me invandir, tocando o céu de minha matiz e aprofundando-me no âmago que era molhado pelo meu sistema para receber o seu falo Grosso, e com veias que pulsavam dentro de mim. Nos conectamos no mesmo segundo, somos um apartir do momento que nossos corpos se entrelaçam.


Espalmei seus ombros nus, e levantei o quadril, iniciando uma calvalgada sobre o moreno, nossos sexos se preenchem, nós soltamos gemidos enquanto começamos o ato sexual, aquela dose de prazer no completa e forma instantânea, talvez poderíamos permanecer assim por horas afinco, só para saciarmos a grande saudade de nossas peles se atritando interiormente.


Suas mãos se puseram a massagear meus seios com certa força, fazendo -me perceber o quanto estava necessitando do meu corpo, tanto quanto eu do dele. Abracei-o pelo pescoço, colando nossas têmporas, ouvia a respiração ofegante do Jungkook, a medida que ele me estoca com fervor, dedilha os mamilos eriçados por conta dos seus dedos que trabalham bem em movimentos circulares. Seu quadril roda, dando-me prazer, seu pau alarga minha entrada, a preenchendo com robustez, mordo seu ombro direito, cravando minhas unhas com mais afinco neles.


Afastei-me do seu rosto, apenas para trocarmos outro olhar apaixonado, ele abocanha meu seio com delicadeza para não machucar-me com seus dentes. Sugando o mamilo e engolindo a mama em sua boca quente, me estremeço ao sentir com vigor suas estocadas aumentar o ritmo, e nos deixar apenas com gemidos na boca.


— Isso, não pare Jungkook. — Vociferei, e suas mãos me enlaçam me unindo a seus lábios que cobrem cada parte de minha derme de temperatura alta, seus beijos umidos se concentram no tórax nú, e nossos quadris se atingem, requebrando um no outro. Pois ambos estamos loucos de tesão.


Suas investidas continuavam rápidas e cada vez mais profundas profundas em minha intimidade, dois dedos seus pousaram-se no meu clitóris que estava refém agora dos seus dígitos que me estimulam rapidamente, a sensação de estar sendo preenchida por ele era deliciosa, ele era tão grosso que fazia meu âmago o apertar deliciosamente.


— Se continuar tão gostoso, eu irei gozar muito rápido. —  Sorriu ladino, enquanto seus dentes puxavam o mamilo, os soltando aos poucos de forma sensual. Aqueles grandes orbes negros, e tão brilhantes quanto cristais eram vulgares demais, e tudo se torna estimulante quando transamos.


— Faremos isso juntos, porque eu também estou quase... — Conforme isso, nos abraçamos, e nossos braços se envolveram. Abaixo nossos sexos iam um contra o outro, e eu sentia o quadril alheio desesperado bater no meu a fim de chegar em seu ápice.


E, daquele modo entre grunhidos, gemidos e arranhões chegamos ao nosso orgasmo harmonioso, minha intimidade se fixou no pênis do moreno o apertando forte enquanto seu gozo se alastra em minha fenda e matiz. 


Repousamos juntos e, logo tive de me apartar do Jungkook, que se levanta vestindo sua calça, e eu o meu vestido salmão longo e com pedras preciosas como enfeite. Não obstante, o Jeon voltou a encontrar nossos orbes, aquele silêncio brutal depois dos gemidos soava estranho, depois do calor que nossos corpos produziram sentíamos como o tempo estava levemente gelado; e não demorou muito para que a falta um do outro retornasse para os nossos corações.


— Quando posso o ver novamente? 


— Não venha mais aqui. Esta foi a última vez que se arriscou. Eu sei que para mim seria fácil pedir que viesse, mas você é o mais importante para mim, meu amor. —  Seu torso se aproximou do meu, e ficamos frente á frente um do outro.


Seulgi abriu a porta do calabouço, e nos separamos no mesmo instante. Ficamos até por certo tempo constrangidos, quando gemiamos não estávamos pensando em minha serva que ficou do lado de fora.


— Me perdoe interromper senhora. —  Se desculpou a pobre, vendo suas bochechas tomarem um rubor, e um sorriso tímido se abrir em seus lábios finos.


— Terminamos á nossa 'conversa', não se preocupe. —  Disse entrecortado, e de forma que minhas órbitas não puderam encarar a mulher mais velha.


— Agora vá, e não volte por mim hum. Diga que não irá se arriscar de novo para me ver! — Murmurrou enraivado, ele parecia muito inseguro com relação á minha segurança. 


— Pensarei. — Sorri, e dei uma piscadela. O Jungkook podia detestar quando me tornava teimosa e equivocada nas atitudes que sempre tomava com o coração, não com a mente. Aliás, meu fôlego era unicamente pela paixão que sentia.


Notas Finais


Heyy♡♡♡♡casal de volta na fic.... é tinha que esquentar as coisas não pelo Hades😈😂☺

Beijos♡♡♡♡♡♡♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...