História Demon Promise - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Almas, Anjos, Demon Pact, Demonios, Gabe, Gay, Lemon, Lgbt, Mabe, Marcos, Morte, Romance, Sobrenatural, Yaoi
Visualizações 9
Palavras 2.354
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Lemon, LGBT, Luta, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá leitores!! Mais um capítulo para vocês, e gente, as coisas vão esquentar daqui pra frente! Espero que gostem de ação, por que depois da cena amorzinho do último capítulo só vai dar treta!
Bem, espero que gostem! Foi revisado, mas pode haver erros! Boa leitura!

Capítulo 21 - Consequências


**Consequências**

-Mar... Cos... – Disse estático.

Os olhos de Nikolla correram pelo quarto, roupas jogadas, cheiro de sexo, cama desarrumada, dois caras nus, repletos de Marcas que denunciavam uma noite cheia de prazeres.

De todas as piores reações que poderia ter, Nikolla apenas bateu a porta e saiu.

-Nikolla! Espera! – Se levantou, já vestindo um roupão.

-Onde vai? – Gabe perguntou confuso, Nikolla e Marcos não tinham nada para que o urso fosse atrás dele.

-Impedir que ele se mate saindo da barreira!

Marcos atravessou a porta, já sobrenaturalmente vestido, e foi atrás de Nikolla, gritando para que esperasse, mas foi completamente ignorado. Não queria realmente ir atrás dele, mas se sentia levemente culpado pela sua eminente morte, já que ele corria para fora da barreira.

Teve que ser rápido. Nikolla saiu, e imediatamente após por os pés para fora foi atacado. Penas afiadas vinham em sua direção prontas para matá-lo. Marcos teve que o proteger, recebendo um terço do dano ao defendê-lo.

-M-Marcos!

-IDIOTA!

O urso previu o próximo ataque, pode ver os grandes olhos da coruja, ela vinha num rasante na direção dos dois. Foi obrigado a jogar Nikolla para dentro, e com as duas mãos espalmadas na barreira, ele a energizou o máximo que pode, e consequentemente não pode se defender, levando um golpe direto nas costas.

-MARCOS!!! – Nikolla, Landen e Flor gritaram.

-Ma... – Disse Gabe, que tinha acabado de chegar já vestido, olhando aquilo com os olhos arregalados.

Marcos aguentou bravamente o golpe sem soltar um grito de dor, enquanto todo seu poder era usado para manter a barreira de pé, pois aquele ataque sem dúvida a destruiria.

Quando finalmente parou, Marcos não aguentou a caiu de joelhos, enquanto as mãos continuavam firmes na barreira, e logo atrás estava um menininho loiro, dono de grandes olhos vermelhos.

Era Admoel, que tinha uma de suas mãos sobre as costas feridas e ensanguentadas do urso.

-Você continua fraco... – Disse calmo, sua voz não tinha, como sempre, um pingo de emoção -... Fascinante.

-Desgraçado...

-Eu disse sem aliados Erimet... Por que você não me entende?

Admoel levantou o punho, prestes a atacar novamente, mas dessa vez foi Nikolla que se meteu no meio, defendendo-o, porém levando um dano considerável.

-NIKOLLA!

-ENTRA! – Mandou, contendo o poder da coruja como podia.

-Não! NÃO VOU DEIXAR VOCÊ MORRER!

-MARCOS! EU-!

De repente sangue. O pequeno braço de Admoel tinha se esticado de maneira grotesca, atravessando o estômago de Nikolla.

-... Marcos... – Olhou para ele – Droga...

-... NIKOLLA!

Marcos não soube de onde veio essa força, mas se levantou, arrancou o braço de Admoel, jogando-o com um chute para longe, e entrou com ele na barreira.

-M-Marcos, eu vou ficar bem, vou me curar – Disse tentando se levantar.

-EU VOU TE ODIAR PRA SEMPRE SE VOCÊ MORRER!

-Marcos... Porque? Eu não entendo...

-PORRA! EU JÁ DISSE QUE GOSTO DE VOCÊ NIKO! PODE NÃO SER ROMANTICAMENTE, MAS EU GOSTO, NÃO QUERO QUE VOCÊ MORRA!

Nikolla ficou sem palavras, não entendia aquilo, aquele tipo de gostar, aquilo não fazia sentido em sua mente perturbada.

-Você é como um amigo pra mim... A PORRA DE UM AMIGO PROBLEMÁTICO PRA CARALHO! MAS É!

Nikolla arregalou os olhos, nunca tinha se imaginado na situação de amigo, já que em toda a sua vida, desde humano, nunca tinha tido uma amizade, e talvez fosse esse tipo de relação que os dois tivessem criado sem nem mesmo perceberem.

Marcos podia se irritar, até o ameaçar, mas tinham se divertido, tinham compartilhado momentos, se conheciam, e talvez fosse realmente essa imagem que não entendia, amigos não eram felizes o tempo inteiro, brigavam, se desentendiam.

Mal pode conter as lágrimas, não entendia por que de repente aquilo significava tanto, talvez tivesse entendido que não amava mesmo Marcos, o admirava, queria ter a atenção dele, mas não necessariamente ter algo.

Podia dizer que talvez fosse como uma das crianças dele, mas era diferente, agora entendia o significado daquela admiração, daquela vontade de ficar por perto.

-Você precisa quase morrer pra entender? Droga, odeio você! – Marcos disse irritado.

-Eu que odeio, como assim ele é seu amigo?? Depois de tudo que te fez! – Landen disse inconformado.

-... Acho que fui mesmo um idiota... Acabei deixando uma fantasia idiota me envolver... – Suspirou dolorido – Eu não vejo como um amigo Marcos... Mas eu quero ver...

-Eu também quero, basta você não morrer!

Nikolla soltou uma risada amarga, porém ela morreu ao ver Admoel observando tudo atentamente do lado de fora, enquanto com o punho batia levemente na barreira.

-Toc toc... – Ele disse com frieza – Eu quero entrar.

Landen estava prestes a dizer com todas as palavras que aquilo não iria acontecer, porém ficou chocado quando viu Admoel simplesmente forçar até abrir um buraco na barreira, por onde começou a se esgueirar.

-Essa não!! – Flor se desesperou.

-O-O que faremos Marcos?? – Landen o olhou assustado.

-Ma... – Gabe olhava tudo em silêncio.

-... Nikolla... Landen... Cuidem do Gabe e da Flor – Se afastou.

-O que?? O que você vai fazer?? – Landen disse, temendo a próxima atitude do pai.

-Marcos?? – Nikolla tentou se levantar, mas foi inútil.

Marcos se levantou, e num movimento rápido trouxe todas as pedrinhas para as suas mãos, e as jogou contra os quatro. Estas, ao seu comando, abriram um buraco na terra, logo abaixo deles, e os engoliram.

-MA!!!! – Gabe gritou, enquanto caia.

Marcos sorriu, enquanto via Admoel correndo em sua direção. Agora seriam apenas os dois, enquanto quem deveria ser protegido estaria seguro no único lugar que poderia mantê-los.

_Por favor... Cuide deles Diego.

(...)

Diego estava no quarto com um espelho nas mãos, conversando com alguns demônios que ele esperava que pudessem lhe ajudar a quebrar o pacto, mas não foi de muita utilidade, eles desligaram, quebrando o objeto, enquanto o moreno xingava de tudo que tinha direito.

-Malditos! – Jogou o objeto no chão – Tem que ter uma forma, tem que ter!

Porém esse momento de frustração foi interrompido quando um enorme buraco surgiu no teto do quarto de Diego. Ele obviamente se assustou, até perceber que com certeza era coisa de Marcos, já eu só ele conseguiria abrir um portal direto dentro da barreira.

Não demorou e os quatro caíram, Nikolla, Flor, Gabe e Landen, no meio do cômodo, enquanto o buraco se fechou, sem deixar vestígios de que esteve ali.

-O-O que está acontecendo?? O que vocês fazem aqui??

-Pode ter certeza, eu não gostaria de vir – Landen se levantou primeiro.

Os dois se encararam, dava para ver a raiva que nutriam um pelo outro, mas um gemido de dor de Nikolla os fez dar uma trégua momentânea.

-Droga, isso está mal – Landen disse se ajoelhando ao lado dele – A culpa é toda sua!

-Eu sei! – Nikolla grunhiu de dor.

-Eu te disse que nunca teriam nada, se você não fosse tão doente isso não teria acontecido!

-Quem sabe se o Marcos fosse mais claro – Disse irritado mais consigo mesmo do que com Landen.

-AGORA A CULPA É DELE??

-DA PRA ME EXPLICAR O QUE TA ACONTECENDO??? – Diego gritou.

-... O Marcos está em perigo – Flor disse, os olhos cheios de lágrimas – Está lutando sozinho contra o Admoel, e está muito ferido!

-Que??

-O Admoel atacou o Nikolla, que está preso por um acordo a ajudá-lo a proteger o Gabe – Landen explicou, sem olhar diretamente para o outro – O Marcos se feriu o protegendo, e nos mandou para cá quando Admoel invadiu a barreira... Aqui.

Landen entregou as pedras a Diego, que entendeu e rapidamente as colocou para energizar a barreira, basicamente fundindo o poder das duas, agora sim, Admoel não conseguiria entrar.

-... Marcos deve estar em apuros, eu vou-!

-Não, você fica aqui! – Landen mandou, finalmente olhando para ele – A partir do momento que você nos recebeu esta se tornando um aliado dele, e vai ser morto assim que sair, o Marcos conta com a gente para cuidar da casa, da Flor e do Gabe!

Diego respirou fundo, não queria aquilo, mas tinha que aceitar, Marcos contava com a sua ajuda, e não poderia deixá-lo na mão, se a única forma de ajudar era mantendo os quatro ali, então faria.

-Ok, vocês podem ficar, vou convencer os meus pais, fiquem aqui.

Diego saiu, deixando-os lá, aflitos e assustados. Flor não aguentou e desabou a chorar, e como Landen não se importava nem um pouco com o azulado, foi acalmá-la.

Nikolla também não se importou, mas ficou surpreso quando Gabe se aproximou, o ajudando a se deitar.

-Não precisa me ajudar, eu ainda te odeio – Disse, e era verdade, podia até não amar Marcos, na verdade ainda estava confuso com seus sentimentos de demônio, mas não suportava Gabe.

-Eu também – Disse calmo – Ma gosta de você.

Nikolla suspirou, e não disse mais nada, deixou Gabe olhar seu ferimento. Aquilo não era tão grave, sua casca física apenas tinha sido danificada, mas certamente Admoel o teria matado no exato momento que sua alma saísse do corpo.

Estava tão distraído que não viu quando Gabe aproximou sua mão e começou a fazer nada menos que curá-lo.

Aquilo chamou a atenção de todos no quarto, o ferimento enorme estava desaparecendo gradativamente, até não existir mais nada ali. Certamente estavam surpresos, nunca tinham ouvido falar de almas curativas.

-Como você fez isso...?

-Sei lá – Deu de ombros.

-... Não espere que eu te agradeça, eu ainda te odeio – Repetiu, fazendo Gabe revirar os olhos.

-De nada – Se levantou.

Diego voltou nesse momento com uma boa notícia, tinha conseguido convencer seus pais, ficariam todos ali como seus convidados, então obviamente, teriam que fingir ser humanos.

-Aff, que idiotice – Nikolla reclamou, mas foi ignorado.

-Ok... Mas, e o Gabe? – Landen perguntou.

-O que tem ele?

-As vezes eu me esqueço da sua burrice – Landen disse inconformado, normalmente riria da cara dele, mas estava muito estressado para isso – Ele é uma alma, não tem corpo, como espera que o vejam?

-É só fingir que ele não está aqui – Disse como se fosse simples.

-É quando ele pegar alguma coisa? Vai explicar como os objetos flutuando?

-Ah... Bem... Ele pode possuir um dos meus manequins!

-Que? Você pode fazer isso Gabe? – Flor perguntou.

-Não sei – Disse com o olhar baixo, visivelmente preocupado com Marcos.

-Nos filmes os espíritos sabem possuir coisas – Diego disse, irritando Landen.

-Isso não é um filme!

-Não custa tentar!

Diego foi até seu closet, e de lá tirou um manequim do tamanho da alma, e começou a vestir com algumas roupas que lhe cabiam. Landen acabou se metendo, já que o objeto nem rosto tinha.

Acabaram todos se entretendo com o manequim e logo estava pronto. A aparência era diferente, mas servia, desde que usasse roupas seria fácil esconder as juntas.

-Pronto, pode tentar Gabe! – Diego disse sorrindo.

Gabe se aproximou sem saber direito o que fazer, ele só sabia que queria Marcos, era tudo que se passava por sua cabeça, então pensando nele a alma abraçou o objeto.

-Gabe, acho que não é assim... – Flor disse confusa.

Porém nenhum deles esperava que Gabe fosse entrar no objeto de repente, como se fosse intangível. Ficaram assustados, pois os segundos pareciam horas em que esperavam alguma coisa e nada da alma se manifestar, até que finalmente o manequim começou a se mexer, os olhos piscaram e ele se ergueu, saindo da plataforma em que estava.

-E aí Gabe? Como está? – Landen quis saber.

-Ruim – Disse manhoso.

-Você se acostuma – Diego disse sorrindo – Esse manequim é próprio para possessões, uso eles com meus servos, você pode até comer com ele.

-... Obri – Disse distraído com suas juntas.

-... Ele é sempre assim? – Diego sussurrou para Landen.

-Vai se acostumar – Suspirou.

De repente batidas na porta. Todos se assustaram até uma mulher entrar, ela tinha cabelos ruivos tingidos, pele clara e olhos castanhos, era muito bonita e até jovem, com um enorme sorriso acolhedor.

-Ah, olá, desculpe entrar assim filho, mas vocês estavam demorando tanto – Ela sorriu – Eu sou Elisabeth, mãe do Diego, é um prazer.

-O prazer é nosso – Flor disse sorrindo – A senhora é tão bonita.

-Ora obrigada, você também é linda! E você são? – Olhou para Landen e Nikolla.

-... Landen – Disse calmo, com um sorriso gentil.

-Nikolla – O azulado disse um tanto grosseiro.

-Prazer os dois – Elisabeth sorriu sem se importar – E você meu amor? Nossa, como está pálido!

-Demônios tem mãe? – Gabe perguntou, deixando todos de olhos arregalados.

-Demônios? – Elisabeth repetiu, confusa.

-Desculpe mãe, estávamos jogando RPG e o Gabe ainda tá nesse mundo... – Sorriu torto, sussurrando algo no ouvido dela.

-Ah, desculpa – Disse ela com um sorriso sem graça – Será um prazer tê-los aqui, vamos descer para lanchar.

Todos concordaram, Elisabeth deu uma atenção especial para Gabe, que não se importou ou entendeu por que, mas Landen sabia, e ficou muito bravo.

-Por que disse pra ela que o Gabe é doente??

-Por que ele é diferente! Minha mãe não entende, o que faremos se ele começar a falar de demônios? Ao menos desse jeito ela não vai suspeitar!

-O Gabe não. É. Doente! – Disse irritado – Era só explicar pra ele! Você não muda nada.

Landen saiu bufando de raiva, mas Diego realmente não estava com cabeça para pensar na raivinha dele, pois sua maior preocupação era, naquele momento, Marcos.

-Por favor, esteja bem cara.

(...)

Devastação, era tudo que tinha restado daquela floresta, onde a tímida casa de Marcos ficava. Sim, da luta apenas restavam os dois e um rastro de destruição.

Ambos não estavam muito diferentes, Marcos podia estar mais ferido, mas Admoel não estava muito atrás, ofegantes, esperando o próximo movimento um do outro.

-... Não precisa ser assim... – Admoel disse em toda a sua frieza – Me dê o que eu quero e tudo vai acabar...

-NUNCA VAI POR AS MÃOS NO GABE!

-... Mas e em você?

Marcos não entendeu, só pode defender o próximo golpe de Admoel, que numa grande velocidade se aproximou ficando cara a cara consigo.

-Quem vai te proteger de mim... Erimet?

Mais um, de inúmeros golpes, aquela luta perduraria por não muito mais tempo, dois demônios de poderes equivalente com objetivos que mal sabiam, eram muito parecidos.

-Eu quero a alma... E você, Grigorii.


Notas Finais


Espero que tenham gostado! Comentem o que acharam! Me ajuda muuuito! Eu não mordo, por favor!
Gente, que bagunça, culpa do Nikolla!! Não acredito que o Marcos ainda o considera um amigo! Esse sim é trouxa! 😕 Fazer o que, tomara que ele aprenda e pare de perseguir o Na!
Que aquelas, está numa situação terrível! Descobrimos que o Admoel não quer só a alma do Gabe, ele quer o Marcos também! Pra que será???
Inté!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...