1. Spirit Fanfics >
  2. Demons >
  3. Apenas Uma Criança...

História Demons - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Apenas Uma Criança...


Fanfic / Fanfiction Demons - Capítulo 2 - Apenas Uma Criança...

    Tudo era branco naquele cômodo, tão branco que parecia não ter fim. O silêncio que se fazia era absoluto, era possível ouvir seus órgãos funcionando, um a um, e aquilo era enlouquecedor.

_Coração...estômago...intestino...coração... pulmão... - Murmurou um garoto encolhido contra a parede. - Shiiiii, fiquem quietas..vão nos ouvir... - As vozes ficaram tão altas que ele teve que tapar os ouvidos. - Silêncio..por favor...CALEM A BOCA! - Berrou para as vozes em sua cabeça que discutiam sem parar a horas, ou seria dias? Ele não sabia, estava ali parado a tanto tempo..

Ele havia feito tudo que haviam lhe pedido, bebeu aquela poção que lhe mandaram beber, lutou contra criaturas perigosas, mas no final lhe prenderam aqui, um lugar onde não havia noite ou dia, tão silencioso que até o mais forte dos homens sucumbiria a loucura em questão de horas. Ele queria sair dali, mas disseram para si que todos se esqueceram dele, então o seu socorro não iria vir, teria que aguentar tudo aquilo..

“Por que não desiste? Ninguém vai vir mesmo”

_Alguém vai se lembrar... - Sussurrou.

"Ninguém se preocupa com você, se não já teriam vindo te procurar a muito tempo"

_Por favor...

"Você nem deveria estar vivo, você é um inútil"

_Fiquem quietas... - Ele se levantou devagar.

"Sua magia está até acabando, logo eles irão te descartar."

_Não vão...eu tenho amigos...

"Eles te abandonaram"

_CALEM A BOCA! - Harry começou a bater sua cabeça com toda a força, deixando uma marca de sangue naquela parede branca que agora escorria em vermelho vivo. Sentiu uma tontura forte lhe alcançar, cambaleou para trás e caiu, sua consciência se esvaziando lentamente, a última coisa que viu foi uma abertura surgir e por ela passar uma pessoa esguia de vestes púrpura, então ele apagou.

(…)

O murmúrio havia tomado a reunião, ninguém acreditava que alguém seria capaz de fazer um pecado de tal nível. As masmorras de Azkaban era o lugar onde os inomináveis responsáveis pela pesquisa do sobrenatural faziam seus experimentos, aquele local estava completamente tomado por uma magia tão maléfica que nenhum bruxo ousaria pisar ali.

Havia uma lenda que dizia que, quando Azkaban foi criada por volta do século quinze, os inomináveis decidiram usar suas masmorras protegidas com feitiços e runas poderosíssima para a pesquisa de demônios, mas algo deu errado durante a pesquisa de número quatro e os seres conseguiram sair, atacando todos os bruxos que estavam naquele local, eles foram obrigados a chamar o próprio Merlin para ajudar a prender os seres, mas não conseguiram levá-los de volta para o submundo, a única opção que eles tinham era sela-los nas masmorras antes dos mesmos atacarem o mundo trouxa e bruxo. Desde então, ninguém nunca mais usou aquele local para algo. Ninguém até hoje.

Eles não acreditavam que Dumbledore teria a coragem de levar uma criança para aquele inferno na terra, nem os dementadores gostavam de ficar perto de lá.

_Silêncio pessoal. - Pediu Voldemort passando a mão em seus cabelos alinhados de uma forma nervosa. A sala se silenciou rapidamente.

_Vamos invadir as masmorras de Azkaban? Sem preparamento algum? Isso é loucura! - Yaxley olhando alarmado para o Lord.

_Precisamos de uma chave de portal ilegal, alguém aqui sabe fazer uma chave rapidamente? - Perguntou.

_Consigo fazer uma em trinta minutos ou menos. - Bartô Crouch Jr se voluntariou.

_Ótimo! Vá então. - Ele se levantou e saiu. - Temos menos de trinta minutos para orquestrar um plano, vamos, depressa.


Quando Bartô Jr. voltou trazendo consigo uma grande tampa de panela, aparentemente a chave de portal, a atenção se focou nele rapidamente.

_Consegui fazê-la para dez pessoas, nove vão, dez voltam- Avisou.

_Os gêmeos irão ficar, lá é perigoso de mais. - Narcisa falou com firmeza,

Ninguém fez objeções, logo todos, menos os ruivos, estava em volta da tampa com os dedos encostados na mesma. Bartô falou a chave que iria desencadear o portal, e todos foram levados para os terrenos de Azkaban.

O local era tremendamente frio e sombrio, os lamentos dos prisioneiros junto aos dementadores deixavam o ar mais pesado. Os comensais estavam relutantes em entrar, eles conseguiam sentir uma magia maligna tomando conta do lugar, parecia que estava ocorrendo um ritual ali. Temendo o pior, Voldemort os guiou para dentro em passos cautelosos.

_Ativem seus patronos. - Mandou conjurando o seu próprio.

Foi uma busca árdua pela passagem que levava para as masmorras, estava sendo impossível se concentrar com toda aquela magia nociva no ar, aquilo deixava suas próprias magias reclusas. Até que eles encontraram um alçapão escondido debaixo de muita sujeira e musgo. Era ali a entrada.

_Quando entrarmos aqui, estaremos cercados de seres que podem nos matar a qualquer momento, fiquem atentos a qualquer som ou silhueta que virem, mas não caiam nas ilusões deles. - Voldemort disse sério, olhando duro para os outros. — Nós não sabemos o que iremos ver ali em baixo. Não conseguimos fazer um plano coerente, então ele será, encontrar o garoto e sair sem ser morto. - Tremeram. — Prontos? Vamos.

Eles desceram as escadas de mão um a um, suas varinhas acesas em um Lumus leve. Quando puseram seus pés no chão, sentiram a magia de antes simplesmente sumir. O silêncio ficou tão absoluto que eles puderam escutar seus estômagos funcionando, aquilo não foi nem um pouco agradável.

Eles andavam juntos e em passos cautelosos pelos corredores, esses que possuiam tochas que se acendiam cada vez que eles avançavam, se viram tendo que reverter seus feitiços.

Passaram por corredores cheios de símbolos, corredores feitos apenas de pedras, outros com paredes pintadas de um bege clarinho, um cheio de corpos...

Corpos?

Parecia que havia ocorrido uma chacina naquele lugar, havia sangue do chão ao teto, os cortes que haviam nos mortos estavam pretos, como se a carne tivesse apodrecido, o cheiro era insuportável, realmente parecia corpos podres.

Voldemort transfigurou o ar em um par de luvas e se aproximou dos corpos, tocando-os com a mão protegida

_Isso não foi feito com magia.. - Afirmou mais para si mesmo do que para os comensais. Continuaram a andar por aquele labirinto, desviando de mais e mais mortos que encontravam.

Até que de supetão sentiram um o ar ficar mais denso, difícil de respirar, e gritos preencheram o ambiente, gritos totalmente animalescos. Os bruxos tentaram ignorar quele ar terrível e correram na direção de onde eles achavam que vinham os gritos.

_EU NÃO QUERO, EU NÃO QUERO, ME DEIXEM EM PAZ, EU NÃO AGUENTO, NÃO AGUENTO MAIS, EU QUERO IR EMBORA! NÃO, NÃO! - Um brandar desesperado soou.

_SEGUREM ESSA CRIA DO DEMÔNIO! - A voz idosa mas extremamente forte se fez presente junto a magia de runas poderosa.

Não...eles não..

_VOCÊ IRÁ APRENDER A SE COMPORTAR!

Eles ouviram mais e mais gritos, Voldemort correu tão rápido até o local que quase caiu ao virar o último corredor.

_SOLTE ESSE GAROTO, DUMBLEDORE! - Berrou já atacando seu inimigo com maldições.

Todos quase entraram em choque.

Harry Potter estava aos prantos no meio de um pentagrama, totalmente nu com, pelo menos, cinco homens em cima de si, todos prestes a abusar do mesmo. Um ódio descomunal se apoderou do Lord, sua magia pulsou sem controle atacando os homens, os matando quase imediatamente e prendendo Dumbledore no local onde estava, em cima de um altar cheio de sangue.

Aquilo era...?

_Você não teria coragem de fazer isso.. - Murmurou arregalando os olhos. — Você é um monstro...uma criança..

_Ele mereceu. - O velho olhou sorrindo para o Lord, desencadeando uma fúria agourenta junto a uma força no mesmo que nem sabia que tinha. Sua magia reagiu fortemente contra Dumbledore, fazendo seus membros queimarem e seus órgãos torcerem, os gritos viraram uma verdadeira melodia aos ouvidos de Voldemort, aquilo era satisfatório, ele sim merecia essa dor.

Ele não escutava quase nada ao seu redor, não queria parar de fazer aquele homem sofrer, mas uma mão lhe chacoalhando lhe trouxe à realidade, ele iria precisar desse monstro vivo.

_Yaxley, Rodolfo, Rebastan e Lucius, quero que selem a magia desse desgraçado e o levem para as minhas masmorras, Barty, Nascisa e Bella, verifiquem se há mais alguém por perto. - Eles apenas assentiram e fizeram o que fora lhe ordenado, ainda chocados com o ocorrido e com a demonstração de raiva de seu senhor.

_O que eu posso fazer para ajudar, meu senhor? - Severus perguntou, retirando sua mão do ombro do outro.

_O garoto, me ajude a pegar o garoto. - Murmurou olhando na direção de Harry, esse não se mexeu hora nenhuma, apenas olhava completamente em pânico para todos e tremia violentamente. Ao notar os olhares em si, se encolheu mais ainda.

O garoto estava cheio de cortes, contusões, buracos infeccionados e muito mais, sua pele estava de tantas cores diferentes que nem parecia pele humana, céus! Eles mal sabiam como iriam tocar o menino sem lhe causar algum tipo de dor! Quem dirá carregá-lo e aparatar para algum lugar.

_Consegue me entender Harry? - Perguntou o professor de poções vendo a confusão de seu Lord. Recebeu como resposta apenas um suspiro aterrorizado. — Não iremos te machucar, okay? - Fez a voz mais doce e calma que conseguia, se aproximando cautelosamente do menino.

_Viemos te tirar daqui, mas precisamos que você nos deixe te ajudar. - Voldemort fez o mesmo.

Severus levou sua mão para a cabeça do menor devagar para não assustá-lo, mas mesmo começou a se encolher de acordo com a aproximação, o olhando com total medo, parecia que ele nem reconhecia seu antigo professor de poções.

_Calma.. - Pediu encostando a palma da mão nos cabelos de Harry, vendo seus olhos se fecharem com força e o tremor se intensificar. – Não irei te machucar, não precisa ter medo. - O tom doce que usou pareceu surtir algum efeito. Devagar, se ajoelhou ao lado do moreno e começou a acariciar carinhosamente seus cabelos, esperando pacientemente ele se acostumar com o toque e confiar mais em si. Observou os olhos esmeraldinos se abrirem e focar em si, querendo identificar quem era aquele homem que lhe tratava tão bem, mas não conseguia enxergar praticamente nada.

Sua adrenalina foi baixando, seu corpo havia entendido que não estava mais em perigo, mas isso fez com que Harry finalmente sentisse a dor que não sentia antes. Seu fôlego foi tomado, seus olhos arderam como o inferno, seus ossos estavam se mexendo e começando a perfurar sua pele e órgãos, sua pele parecia que estava sendo arrancada de si, tudo doía.

Os gritos junto ao choro repentino alarmou ambos os mais velhos, Severus agiu rápido e pegou todas as poções analgésicas e de cura que tinha, Tom lançou feitiços para imobilizar os membros de Harry para não piorar a situação já que o mesmo se contorcia violentamente. O pocionista tentou dar as poções para o garoto mas o mesmo sempre virava o rosto e vomitava todo o líquido.

Começaram a entrar em pânico, não sabiam o que fazer para parar a dor da criança, os gritos estavam ficando mais altos e ele estava engasgando com seu choro.

_Temos que tirá-lo daqui! - Tom assentiu e ativou a marca negra, chamando seus comensais urgentemente.

Eles não sabiam nada sobre magia medicinal, sabiam apenas fazer feitiços diagnósticos e para imobilizar membros, então não podiam fazer nada para ajudar, apenas esperar todos estarem ali para poderem aparatar - Bartô estava com a chave de portal consigo e também não queriam abandonar seus amigos ali.

Eles tentavam distrair Harry da dor até todos chegarem, coisa que não demorou muito pois logo todos apareceram afobados, com certeza haviam corrido até ali.

    _Andem! Vamos sair daqui rápido! Ele está morrendo! - Rapidamente se reuniram ao redor do garoto e falaram a chave, sumindo daquele lugar rapidamente.


Notas Finais


Comentem, gosto de comentários
Favoritem se gostarem e divulguem!
Não tenho data para postagem, não escrevo muito frequentemente.
Espero ter atingido suas espectativas.
Andem pelo caminho das sombras
=Até mais=


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...