1. Spirit Fanfics >
  2. Depois de você >
  3. Um beijo

História Depois de você - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Um beijo


Os meus saltos faziam o costumeiro barulho irritante sobre o piso de mármore, eu estava saindo do prédio da faculdade com o meu livro em mãos e os meus diários pensamentos na cabeça. Depois que fui para sala com Zeldris para assistirmos série, eu logo pude sentir o sono chegar e quando menos esperava eu estava no meu quarto pronta para dormir. Fiquei preocupada até então, estudo psicologia, sei que cansaço em excesso pode significar cansaço psicólogo, e eu sei melhor do que ninguém que não sou um exemplo de estabilidade mental.

Passei pelo estacionamento e me despedi de Elaine assim que Ban chegou, voltei a caminhar pela rua pensando em tudo e nada. Eu olhava para o meu livro, e para as minhas cicatrizes no meu braço sentindo uma sensação de medo me invadir. - Pensar no passado me machucava mais do que eu esperava. - Isso estava me incomodando, anos tendo a absoluta certeza de que eu estava bem, de que eu já tinha aceitado de alguma forma tudo que me acontecia, mas ali estava eu, preocupada com o fato de que Elizabeth e Meliodas iriam se casar e eu ficaria sozinha. Eu achei que já tinha entendido que eu não merecia alguém como Meliodas merecia Elizabeth e vice e versa. 

- Droga! - Disse para mim mesma, enquanto passava pela praça em que tinha conhecido Zeldris. Me sentei em um dos bancos, e abri o meu livro onde eu havia parado minha leitura, comecei a ler mas fui interrompida pelos meus próprios pensamentos torturantes ... Eu estava bem, até não estar mais. Eu queria chorar, por mais uma vez não conseguir lidar com meus próprios sentimentos, eu era indefesa e não tinha onde me apoiar se caso caísse, eu só tinha a mim mesma, porque no final das contas ... Eu terminaria sozinha, sem amigos, e esquecida. 

Suspirei desanimada, e me levantei aceitando que não iria conseguir ler , não agora. Segui caminhando pelas ruas com o sorriso mais verdadeiro que consegui, até finalmente estar parada em frente a minha casa , e me lembrei de uma coisa: eu não estaria sozinha desta vez, Meliodas era professor e almoçava a escola e Elizabeth levava a própria comida para sua loja, mas hoje eu tinha a companhia de Zeldris. Usei a minha chave para entrar e assim que me vi dentro de casa, soltei o ar que nem sabia que havia prendido, eu me sentia excluída do mundo o tempo todo e em todo lugar , mas consegui sentir alívio ao ver que estava longe dos olhares lá de fora. 

Tirei os meus saltos sentindo meus pés agradecerem, e então.. eu ouvi. Estava ouvindo alguém tocar o que pareciam ser a cifra de " Photograph " de Ed. Sheeran, eu amava essa música, ela era simplesmente linda. O toque suave do que me parecia ser de um violão invadia cada canto da casa, deixando o salto perto da porta caminhei até o corredor e procurei pelo lugar de onde vinha o som, a única porta aberta no mesmo era a do quarto que ficava ao lado do meu, o quarto de Zeldris. Caminhei até lá, e devagar me aproximei da entrada do cômodo, e então eu vi, Zeldris estava sentado na beirada de sua cama com o violão no colo, ele movia os dedos nas cordas do violão fazendo a melodia invadir as paredes da casa, e do meu coração. Ele parecia concentrado, tocava mas não cantava, e isso já era o suficiente para mim, suas expressões estavam calmas e sua postura combinava com a paz que trazia escutar a melodia. 

Me apoiei no batente da porta e fiquei observando ele , esse que tocou a música de Ed. Sheeran inteira, sem cantar. Quando terminou, ficou olhando para o violão parecendo pensativo e eu sorri, ele estava lindo daquela forma. Seu olhar subiu do violão e então seus olhos encontraram os meus, suas orbes negras me fitavam com intensidade e eu pude sentir meu coração acelerar, ele sorriu para mim, e eu tive certeza de que ele quase errou uma batida. Aquele mesmo sorriso convencido do parque.

- Está aí a muito tempo? - Ele perguntou, deixando o violão de lado e vindo em minha direção. 

- N-Não, eu acabei de chegar. - Disse. - Te atrapalhei? 

- Não, você nunca atrapalha. 

Eu sorri, e baixei a cabeça sentindo meu rosto corar com seu elogio. Sussurrei um " obrigada " , que ele não foi capaz de ouvir. 

- Mas então, eu estou morrendo de fome Gelda, quando eu acordei não tinha ninguém em casa e eu não sei cozinhar. 

Ele se aproximou de mim, colocando um de seus braços acima da minha cabeça no batente da porta. Eu podia sentir o seu cheiro, e escutar a sua respiração a poucos centímetros de mim. 

- Eu ... Vou fazer o almoço. - Disse, me afastando dele e indo em direção a cozinha. Ele me seguiu. 

Geralmente, eu não comia nada durante o almoço, mas não tinha tomado café e estava com fome. Abri o armário e procurei por qualquer coisa que satisfaça a fome de Zeldris.

- Eu posso fazer macarrão. - Sugeri. 

- Pode ser. - Ele disse atrás de mim, se sentando em uma das banquetas ao redor do balcão. 

Peguei os ingredientes que precisava e deixei o macarrão cozinhando na água fervendo, me virei para Zeldris e me sentei em cima do balcão, mania chata que eu tinha. O moreno ficou me olhando e eu senti um leve constrangimento, eu odiava não saber o que as pessoas estavam pensando. 

- Mas então , foi fazer o que hoje? 

Ele me perguntou e eu suspirei antes de responder, não olhava diretamente para ele e sim para os meus pés balançando. 

- Facul. - Respondi simplesmente. 

- Nossa, que top. Você estuda o que?

Eu sorri, era sempre bom saber que alguém achava o fato de você fazer faculdade ser " top ". 

- Psicologia. 

- Entendi. - Ele começou a brincar com os dedos sobre o balcão de madeira, e em seguida fazer um grunido desanimado. - Eu não aguento mais ficar nessa casa, eu quero sair mas sem aqueles óculos. 

Eu ri, e comecei a olhar para ele que tinha o rosto em uma expressão aborrecida, eu não entendia porque ele estava em Liones quando podia estar, literalmente, em qualquer outro lugar sem precisar ficar de óculos escuros para de esconder. 

- Zeldris. 

- Hm? 

- Por que está em Liones? 

Pude ouvir ele soltar uma risada anasalada, e me olhar com um sorriso de canto. 

- Você é insistente. - Baixei a cabeça me sentindo envergonhada, talvez estivesse sendo intrometida demais. - Achei que fosse minha fã, a Elizabeth...

- A Elizabeth estava apenas me provocando. - Disse , franzindo o cenho. 

- Ah ... Então, você não gosta da minha banda? 

Eu pude sentir a decepção em sua voz, e o olhei me sentindo uma idiota, tinha me expressado mal? 

- Não, não é isso. - Tentei me explicar, gesticulando com as mãos. - É só que , eu não conheço a sua banda, só escutei uma música e a Elizabeth usou isso para me provocar. 

Ele murmurou alguma coisa parecida com um " entendi " , e eu apenas balancei a cabeça,  até perceber que ele não havia me respondido. 

- O que isso tem haver com você estar em Liones? 

Ele riu, com mais vontade desta vez, e me olhou novamente com seus olhos curiosos. 

- Se você fosse minha fã, certamente entenderia. - Eu arqueei as sobrancelhas e fiz um biquinho surpresa, aquilo fazia sentido. - Ou , pelo menos acharia que entenderia. 

Eu não entendi o que ele quis dizer, e escorreguei do balcão para conferir minha comida, mexi o macarrão e me voltei para o lugar de antes. 

- E ... - Disse, meio hesitante, eu provavelmente estava o incomodando. - Você não quer me contar porque prefere ficar preso aqui, do que livre em outro lugar? 

Ele ficou me observando e eu me odiei por ter começado a falar, ele devia estar me achando intrometida, seus olhos estavam presos em mim e seu sorriso convencido tinha tomado conta de seu rosto.  Eu gostava do fato dele olhar para mim, e eu queria me matar por gostar disso. 

- É segredo, e eu posso até te contar. - Eu sorri, mas logo esse desapareceu assim que ele voltou falar. - Mas com uma condição. 

O silêncio reinou na casa, a única coisa que se escutava era o barulho da água fervendo e as batidas do meu coração acelerado pelo nervosismo. 

- Q-Que condição? 

Ele sorriu largo, e senti minhas pernas vacilarem por um instante, ele olhou dentro dos meus olhos me fazendo suspirar, e o que me disse em seguida fez meu coração errar as batidas e pular descontrolado dentro do peito, eu pudia sentir o meu estômago virar cambalhotas. 

- Eu te conto o que vim fazer aqui, e em troca, quero um beijo seu. 

.

.

.


Notas Finais


Eu confesso que não gostei desse capítulo, mas aí está ele e eu prometo me esforçar para ser melhor no próximo.

Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...