História Depois do Recomeço - Negan segunda temporada de Depois do - Capítulo 46


Escrita por:

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Negan, Personagens Originais
Tags Bellamy, Bellamy Blake, Carl Grimes, Daryl Dixon, Hot, Jeffrey Dean Morgan, Negan, Smut, The Walking Dead, Twd
Visualizações 153
Palavras 2.142
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 46 - Capítulo 45


O quarto de Nina era de frente para o de Nick. Negan havia pintado as paredes de rosa claro e tudo estava pronto para a chegada dela - quer dizer, quase tudo. O berço ainda não havia sido montado e Nick e Negan estavam lá em cima fazendo isso agora. 

Subi as escadas como uma tartaruga e assim que entrei no corredor, ouvi os dois conversando. 

- Esse parafuso vai aqui, está vendo? Nesse buraco menor - Negan falou e eu parei e me encostei na porta. Os dois estavam sentados de costas para a entrada, as madeiras e parafusos do berço espalhadas pelo chão. 

- Você também montou meu berço, pai? - Nick perguntou e eu vi Negan ficar rígido no mesmo momento. 

- Não, foi seu tio Bellamy quem fez - sua voz estava contida. Isso cortou meu coração. Nick não lembrava do meu tempo com Bellamy, e também não lembrava que Negan não estava presente no seu primeiro ano. Mas Negan lembrava.

- Porque? Você não quis? - Nick continuou e Negan parou o que estava fazendo e olhou para ele. 

- Eu não estava aqui quando você nasceu - explicou. 

- Porque? Você não gostava da gente?

Contive o suspiro. Ele sequer imaginava o amor que Negan tinha por nós. Eu esperei o que ele ia falar quando limpou que garganta.

- Claro que gostava. Eu só estava longe por um tempo porque... - ele não achava as palavras. Ele riu e pegou Nick, o sentando entre suas pernas, no chão - Eu não estava com vocês porque tive que trabalhar em umas coisas antes. Mas assim que conseguir, eu voltei e nunca mais vou embora.

Nick concordou e voltou sua atenção para os parafusos e chaves de fenda espalhados pelo chão. 

- Vai usar esse, papai? - ele perguntou, levantando um parafuso pequeno.

Um dia, quando ele fosse mais velho ele saberia o que realmente aconteceu com Negan, mas agora não era a hora, ele não entenderia mesmo se explicássemos. Mas o que realmente importava era isso: Negan estava aqui e nunca mais iria embora.

DIAS DEPOIS 

Eu já estava sentindo as contrações com mais frequência e mais intensidade. Era doloroso demais, e esses poucos minutos de dor pareciam não ter fim. 

Minha bolsa estourou quando eu estava no parquinho com Nick. Alguém avisou Negan enquanto a moça que dava aulas na oficina de arte se prontificou em cuidar dele. 

- O bebê está encaixado e você está com bastante dilatação. Está tudo indo bem. Se continuar assim, em algumas horas você terá sua bebê em braços - Doutor David tirou as luvas e as jogou no lixo.


Negan estava segurando minha mão. Ele estava suando de nervosismo e eu tentei dar um sorriso reconfortante, mas uma contração forte me atingiu.

- Respire, eu estou aqui - ele sorriu, o lábio tremendo levemente quando ele empurrou meus cabelos suados para fora do rosto.

Eu tirei minhas pernas de cima do apoio e arrumei a roupa descartável que doutor David tinha me pedido para vestir.

- Você pode caminhar um pouco, agachar, isso ajuda a dilatar mais rápido - ele recomendou - Precisamos de mais alguns centímetros para começar.

Assenti e doutor David deixou a sala e eu olhei para Negan.

- Eu posso fazer algo? - ele perguntou e eu concordei com a cabeça. 

- Me ajude a levantar - pedi. Negan praticamente me guinchou até que eu ficasse de pé. 

Me arrependi no mesmo momento e me encolhi com dor. Minha mão agarrou a cama a minha frente e tentei respirar lentamente entredentes. Eu estava ciente do que estava por vir, a dor e a forma como meu corpo trabalharia em adrenalina para me ajudar a lidar com tudo que estava prestes a acontecer. 

Negan massageou meus ombros e me abraçou por trás, massageando minha barriga dolorida com as duas mãos, esfregando-a suavemente para baixo, como se fosse convencer a bebê a se posicionar.

- Se eu pudesse estar no seu lugar, eu estaria - ele disse baixinho - Se quiser que eu faça algo, me peça.

Eu não pude deixar de sorrir, mesmo estando sendo rasgada pela dor incisiva.

Os momentos seguintes foram resumidos em eu andando pelo consultório com Negan, agachando, me movendo em busca de mais dilatação. Não aguentei mais ficar de pé e resolvi deitar novamente. 

- Meu anjo, relaxe - Negan disse, limpando minha testa de com um pano fresco e úmido - Você é forte e logo isso vai acabar.

- Estou relaxada - eu disse, engolindo com força. Era uma mentira absoluta - eu não estava relaxada em nenhum sentido do termo, especialmente não quando eu ainda estava no início do parto. Ainda assim, eu esperava que a mentira atenuasse a preocupação de Negan.

- Só mais alguns centímetros - o médico disse quando me checou novamente. Eu já não aguentava mais tanta dor.

Duas enfermeiras que também trabalhavam com doutor David entraram e sorriram para mim, mas eu não consegui retribuir. Negan não saiu do meu lado em nenhum momento, e mesmo que não ajudasse a dor em si, era um consolo tê-lo aqui.

A cada hora as contrações ficavam mais próximas, até que se tornaram constantes, quase sem intervalos. Minha bebê estava chegando. 

- Ok, Emma, quando a próxima contração começar, eu quero que você faça força - o médico avisou. Negan estava ao meu lado, limpando o suor do meu rosto e segurando minha mão. 

- Agora, Emma. Força! - David disse e eu obedeci. Fechei os olhos e esqueci de tudo o resto. Tudo, exceto a bebê que estava prestes a vir ao mundo.

Gemi de dor, empurrando com toda força que tinha.

- Expire rápido e faça força. Mais força - ele pedia. Parecia que eu não ia aguentar, tamanha dor. Era como se todos os meus ossos da cintura para baixo estivessem se quebrando. Novamente e novamente. 

Eu trinquei os dentes e apertei a mão de Negan com tanta força que tive medo de quebrá-la. Ele me deu um olhar de compaixão e amor, e essa era toda a força que eu precisava.

- Quase lá, Emma. Estou vendo a cabeça. Só mais um pouco - David dizia com calma.

Com o resto de forças que havia em mim eu empurrei, segurando firme a respiração. Senti minha bebê escorregar para fora e ao mesmo tempo a dor cessou. Um choro forte ecoou na sala, e eu soltei o ar, aliviada. Ela nasceu. O médico a levantou e eu a vi, ainda ligada a mim pelo cordão. 

Lágrimas desciam pelo meu rosto quando eu olhei para Negan, sorrindo e chorando, preso nessa névoa de felicidade.

- Seja bem vinda - doutor David disse e eu relaxei na cama, exausta, admirando o pequeno ser que eu tinha acabado de pôr no mundo. Ela era linda.

A enfermeira enrolou Nina e a colocou em meus braços. Meu choro antes de dor, agora era de felicidade. Eu beijei sua testa, o aninhando em meu corpo. 

- Você foi tão forte, meu anjo - Negan sorriu, empurrando meus cabelos suados para trás novamente, limpando minhas lágrimas e me beijou na testa, olhando Nina - Ela é tão linda. 

Chorei de felicidade vendo meu anjinho em meus braços. Ela era exatamente como Nick quando nasceu, sobrancelhas escuras franzidas e cabelos negros.

Negan passou a mão em sua cabeça e depois na sua mãozinha, os olhos aguados e chorosos. Eu mal podia esperar para que Nick a visse também.

- Descanse. Vamos limpá-la e já devolvemos essa garotinha linda - a enfermeira disse antes de pegar Nina novamente.

Meus olhos pesaram e eu ouvi a voz de Negan.

- Descanse, querida. Eu não vou sair daqui - ele avisou, passando a mão por meu rosto. Minha cabeça tombou para o lado e eu vi a enfermeira limpando Nina. Eu sorri e adormeci com a imagem da minha garotinha.

 

Acordei piscando com dificuldade. Levei algum tempo para focar em onde estava, mas logo vozes conhecidas me despertaram completamente e eu foquei minha visão. 

Negan estava sentado no sofá que ficava na outra extremidade do quarto, um pouco longe da cama, segurando Nina e Nick estava de joelhos ao seu lado, olhando para ela. A visão acelerou meu coração, trazendo uma paz que nunca senti.

- Quando ela vai andar? - Nick perguntou passando a mão desajeitadamente no rostinho dela.

- Vai levar um tempo até que isso aconteça - Negan disse e arrumou os cabelos de Nick - Por enquanto ela só vai comer, chorar e fazer cocô.

- Eca! - Nick fez uma careta e Negan riu. Eu me mexi na cama e os dois olharam para mim, e Nick vibrou - A mamãe acordou! 

Ele veio correndo até mim, subindo na cama num pulo e eu o abracei.

- Como você está? Viu como sua irmãzinha é linda como você? - eu perguntei, beijando sua cabeça. Ele concordou e se ajoelhou na cama, se preparando para começar a pular. 

- Ei, vamos com calma, a mamãe precisa descansar - Negan chamou sua atenção e veio até nós, embalando Nina em seus braços. Ela parecia um pequeno embrulho em seus grandes braços.

Nick obedeceu e se sentou novamente. Negan sorriu para mim e a colocou em meus braços. 

Nina estava envolvida em uma manta rosa e com uma touquinha da mesma cor. Eu beijei sua testa, sentindo seu cheirinho. 

- Como se sente? - ele perguntou, se sentando na beira da cama. Ele sorriu aquele sorriso cheio de carinho e me puxou com seu braço livre para me abraçar.

- Exausta - eu ri, passando o dedo na pequena mão dela - E feliz. 

- Obrigado por isso - ele sussurrou e eu o olhei. Ele olhava para mim e Nina com tanto carinho que eu senti meu coração se aquecer. Nina dormia tranquila, com as mãozinhas fechadas perto do rosto, tão perfeita que parecia uma boneca.

Estar aqui com eles me dava um conforto que nunca achei que fosse possível sentir. Eu segurei sua mão e ele cobriu a minha com a dele. Ele beijou minha mão e a porta da enfermaria se abriu.

- Que família linda - doutor David disse daquele jeito alegre de sempre, caminhando até a frente da cama - Como se sente? 

- Bem, só cansada. Muito cansada - eu disse e me ajeitei melhor na cama. Nina começou a resmungar e se mexer.

- Parece que alguém está ansiosa para mamar pela primeira vez - o médico pegou um travesseiro e Negan me ajudou a sentar na cama - Só vamos tirar sua temperatura antes e você está livre para alimentar essa garotinha.

Negan pegou Nick no colo e o sentou no sofá, me dando mais espaço e o entretendo com uma folha e lápis de cor. 

Tudo estava bem comigo e Negan estava dando as últimas palavras com o médico quando Nina resmungou. Eu abri minha camisola e a posicionei para que pegasse meu mamilo, sentindo aquela sensação estranha quando o leite desceu.

Quando Nina começou a mamar, eu senti um sentimento incrível, jamais saberia explicar a sensação. Nem vi quando o médico saiu, só quando Negan estava a meu lado. 

- Ela está mamando rápido - ele se sentou ao meu lado na cama, os olhos magnetizados na nossa bebê mamando.

- Você tinha que ver Nick na primeira vez, estava faminto também - passei o nariz na testa dela e inalei o cheiro quente e doce de Nina. 

- Ela é perfeita - ele disse num tom de triunfo e orgulho - E é a sua cara.

Eu sorri com isso. 

- Você acha?

- Ela é uma menina linda, então só pode ter puxado a você - ele beijou minha cabeça e passou o braço por meus ombros. 

- Olha só para ele... não tem um pingo de ciumes da irmã - eu disse, olhando Nick que estava concentrado, pintando em uma folha.

- Você tinha que ouvir todas as perguntas que ele fez enquanto você dormia - Negan riu e o chamou - O que você tá desenhando, filho? Mais desenhos para a Nina? - perguntou e ele acenou que sim, levantando duas folhas coloridas com lápis e giz.

- Vou colar na parede do quarto dela, pra ela ver quando acordar - ele disse, todo orgulhoso.

- Ela vai adorar - eu garanti e ele voltou a colorir. 

Eu estava sentindo um sentimento diferente, uma certeza que tudo ia dar certo agora, sem interrupções cruéis do destino. Eu tinha meu garotinho e minha garotinha e o homem da minha vida, saudáveis, seguros e felizes. Eu não precisava de nada além disso.

 

O coração ficou até mais quentinho depois desse cap❤

Estamos nos últimos capítulos, então me digam o que querem ver daqui para o final, beijos ❤

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...