História Depois do Recomeço - Negan segunda temporada de Depois do - Capítulo 47


Escrita por:

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Negan, Personagens Originais
Tags Bellamy, Bellamy Blake, Carl Grimes, Daryl Dixon, Hot, Jeffrey Dean Morgan, Negan, Sexo, Smut, The Walking Dead, Twd
Visualizações 42
Palavras 3.400
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 47 - Capítulo 46


- Ela é tão linda - Lydia disse com Nina nos braços. Ela havia chegado hoje para conhecê-la, e ela veio sozinha - Que cheirinho gostoso.

Nina estava com duas semanas agora e era paparicada por todos. Ela tinha a maior cara de brava, mas eram só as sobrancelhas franzidas, porque era um amor de bebê, um pouco diferente de Nick que acordava só para mamar. Nina era atenta e olhava tudo ao redor.

Nós estávamos sentadas na beira praia, em baixo de um toldo onde as crianças estavam protegidas do sol. O inverno já estava começando, mas o sol ainda era forte.

- Como estão as coisas no Santuário? - Negan perguntou.

- Bem. Carl é bom no que faz - ela disse toda orgulhosa - Eles estão reunindo um grupo para sair do estado em uma busca.

- Uau. Isso é grande e arriscado - eu disse. Ela concordou, logo dando uma erguida de sobrancelhas para Negan.

- Mas é você, hein? Líder de novo - ela sorriu para Negan - Esse lugar é muito legal.

- É, e estamos pensando em expandir mais. Construir mais barcos, aumentar a distribuição para as outras comunidades - Negan começou a falar.

Nina chorou e Lydia me entregou ela. Já estava na hora da próxima mamada e ela era pontual.

- Vou deixar vocês conversarem, tenho algumas coisas para fazer - Negan avisou, já se levantando - A gente se vê a noite. Prometo que chego para o jantar - ele piscou para mim antes de sair.

Eu espero, pensei para mim. Negan ultimamente passava mais tempo resolvendo as coisas daqui do que com a gente.

- Dwight está de volta no Santuário - Lydia falou, olhando o mar.

- O coração dele está naquele lugar - eu disse enquanto posicionava Nina para mamar.

- Ele está namorando - ela fez uma careta.

- Não me diga? - eu ri, contente. Dwight merecia ser feliz.

- Uma loira, linda. Todo mundo ficou cochichando em como ele conseguiu ela - Lydia riu e arregalou os olhos, como se lembrasse de algo - Ah, tem mais uma novidade. Bellamy vai ser pai.

Essa sim era uma notícia perfeita.

- Não acredito! - exclamei, feliz. Eu praticamente podia ver aquele sorriso de menino travesso na minha cabeça agora mesmo. Eu desejava que ele fosse feliz e seguro e agora ele estava formando uma família. Eu estava tão feliz quanto ele.

Lydia me contou tudo que aconteceu nos últimos tempos e a grande maioria das notícias foram boas. Nenhum ataque, poucas mortes, mais pessoas se juntando as comunidades a cada dia. Um verdadeiro recomeço.

- Vem brincar comigo, Lydia! - Nick gritou enquanto cavava freneticamente na areia. Lydia olhou para mim e eu fiz um sinal para ela ir em frente.

Ela se ajoelhou ao lado dele, onde Nick tinha construído um castelo de areia com direito a muros e torres.

- O que é isso? Um castelo? - ela perguntou e ele assentiu rápido, enchendo um balde com areia.

- Sim! - ele ofereceu uma pázinha ela.

- Eu não acredito! Você fez esse castelo enorme sozinho? - ela questionou com incredulidade para estimulá-lo - Você é muito esperto. Eu jamais conseguiria.

Eu sorri feito boba para a cena. Eles se adoravam tanto e mesmo Lydia estando longe eles não haviam perdido aquela sintonia. Olhei para minha pequena gulosa que estava sugando meus seios com tanto afinco. Logo ela estaria do tamanho de Nick, ele Nick ainda mais velho. Logo eles teriam sua própria família, eu não sabia como o mundo estaria daqui a todos esses anos, mas nós e eles iríamos reconstruir da melhor maneira. 

EMMA - DOIS MESES DEPOIS

Me olhei no espelho, vestida com uma calcinha e sutiã. Eu não tinha voltado ao peso que tinha antes de Nina, ainda tinha uma barriguinha ali e eu sinceramente não me incomodava. Só faziam dois meses que eu havia dado a luz, e de Nick levou bons seis meses até que tudo voltasse ao normal.

Todo leite que eu não tive para Nick, agora eu tinha em dobro, ao ponto de precisar tirar para que não empedrasse. Isso me deixava imensamente feliz e um pouco menos despreocupada.

Essa era uma noite que Negan milagrosamente voltou cedo e eu estava esperando-o sair do banho. As crianças estavam dormindo e tínhamos um tempinho até que Nina acordasse para mamar de novo. Negan e eu não tivemos nenhuma intimidade, respeitando o tempo pós-parto. Mas eu já estava louca de saudades e decidi que seria hoje.

Caminhei até a janela, vendo o céu escuro com a tempestade que se formava lá fora. Ouvi o chuveiro se desligar e logo Negan caminhou para fora, com uma toalha enrolada na cintura e outra menor secando os cabelos.

- Uau - ele me olhou de cima a baixo, esfregando a toalha nos cabelos molhados - Vamos ter uma festinha?

Só sua forma viril, distraída e relaxada me deixava excitada.

- Gostou? - caminho até ele, enquanto o vejo passar os dedos nos cabelos, os empurrando para trás. Não resisto ao homem a minha frente e o beijo, quase desesperadamente.

- Gostar não se encaixa na visão que estou vendo - ele murmurou sorrindo entre o beijo, meio surpreso do meu ataque repentino.

- Mmm - eu cantarolei, beijando sua garganta brevemente antes de levantar a cabeça para olhar para ele, seus olhos escuros como o céu lá fora.

Eu o beijei novamente, duro e sensual, grunhido suave quando ele me beijou de volta, assumindo o beijo, deslizando sua língua em minha boca, roubando o último suspiro de meus pulmões.

- As crianças? - ele disse quando afastou a boca da minha, ofegante.

- Se dermos sorte conseguimos ir até o fim sem interrupções - eu brinquei, mordendo seu queixo.

- Ah, é? - ele disse, mantendo-me na posição que queria agarrando meus cabelos. Eu concordei, querendo saber onde ele ia chegar.

Meu corpo todo se arrepiou em antecipação quando suas mãos pousaram em minha cintura, seus olhos contemplando minha pele.

Entrelacei minhas mãos na sua nuca e inclinei minha cabeça para o lado, oferecendo meu pescoço e Negan começou a dar leves chupões.

- Senti falta disso - ele ronronou, os polegares traçando círculos sobre a carne nua da minha cintura.

Senti minhas bochechas coradas pelo anseio delicioso da sensação que esse simples toque está enviando para o meio das minhas pernas.

- Eu também - minha resposta saiu num gemido enquanto eu esfregava minhas coxas uma na outra, procurando aliviar minha excitação latejante de alguma forma.

Deixei sua tolha cair e Negan deixou escapar uma risada grave e sensual e me puxou mais para perto, esmagando meus seios contra seu peito, seu pau duro contra minha barriga.

- Meus seios não - eu avisei antes que ele os apertasse quando tirou meu sutiã. O playground estava fechado enquanto eu amamentasse.

Negan riu e me puxou com ele e se sentou na beira da cama, me deixando em pé no meio de suas pernas.

- Eu vou explodir se você continuar me olhando assim - ele disse com um grunhido.

Ri e esfreguei meu rosto levemente pela sua mandíbula, eu amava a forma como a textura da sua barba passava contra a minha pele. Negan colocou meu cabelo para trás.

Senti seu nariz entre meus seios e gemi quando ele começou a mordiscar minha pele, sem apertar ou sugar meus mamilos. Minha mão estava em sua cabeça fazendo pressão para que ele continuasse o que estava fazendo.

- Tire a calcinha - ele disse com um tom de voz rouco e autoritário, massageando sua extensão. Enganchei os polegares em minha calcinha e a desci, a chutando de lado.

- Posso apostar que você já está pingando - disse antes de lamber entre meus seios, apertando minha bunda.

- Porque não descobre? - perguntei e puxei seus cabelos, mal disfarçando a ansiedade na minha voz.

Quando ele passou os dedos pela minha intimidade, trazendo em direção ao meu clitóris, eu me contraí inteira.

- Olhe o que nós temos aqui - ele deslizou facilmente seus dedos dentro de mim - Isso é tudo saudades do seu homem, querida? - ele massageava lentamente meu clitóris enquanto falava, e seu tom de voz era tão obsceno que me dava vontade de gemer só de ouvir.

Levei minha mão até sua nuca e pressionei sua boca contra a minha. Com os olhos fechados eu me movimentava contra sua mão, nossas respirações ofegantes batendo contra nossos rostos.

Eu nem sequer tinha a concentração para formar uma frase porque ele estava esfregando impiedosamente meu clitóris, deixando minha mente em uma confusão desordenada e luxuriosa.

Ele sabia exatamente onde me tocar, exatamente como tocar. Tonta de excitação, o orgasmo bateu em mim de uma forma violenta, fazendo meus joelhos tremeram e Negan me segurar.

- Calma, calma - Negan riu e me deitou na cama, ficando sobre mim.

- Não - eu disse, empurrando-o de cima de mim - Quero montar em você.

Já sobre ele, o tomei com os dedos e o posicionei em minha entrada. Negan segurou em meus quadris, encostando a cabeça na cabeceira e sorrindo como uma criança. Fechei os olhos e senti minha carne engolir seu pau.

Eu estava muito molhada e deslizei por sua extensão de uma só vez, seu membro enterrando fundo em mim, fazendo com que gemessemos juntos. Nossos corpos estavam quentes e eu o vi perder o fôlego enquanto comecei a rebolar lentamente, a mão dele deslizando e apertando com força minha bunda.

- Você é linda - ele disse com a voz rouca e arrastada, antes de me puxar pela nuca, beijando meus lábios. Eu o beijava e mexia os quadris, cavalgando em seu membro duro.

Negan abraçou meu corpo, seus braços pareciam estar em todos os lugares. Sua boca saiu da minha e mordiscou meu seio enquanto eu subia e descia rebolando nele.

Ele gemeu, um som rouco e duro, me fazendo tremer enquanto suas mãos passaram a ditar o ritmo repetidamente, rápido e forte, sentindo meus seios doerem conforme pulavam. Xinguei baixinho, embrenhando meus dedos em seus cabelos umedecidos e apertando-os com força.

- Merda, Emma. Eu não vou durar muito - ele disse com um grunhido. Eu também não, mas estavam sendo os melhores minutos.

- Ainda não - eu disse com minha boca colada na dele, e eu o beijei. Dessa vez minha língua entroi na sua boca, saboreando o gosto dele. Eu jamais me cansaria de ter seus lábios nos meus e suas mãos grandes me segurando firme.

Arrastei minha boca para seu pescoço, sugando sua pele, enquanto rebolava no seu colo, meu clitóris dolorido roçando intensamente na base de seu pau. Negan me apertou e gemeu junto comigo.

Ele deslizou até que está deitado, comigo ainda o montado. Alisei minha mão sobre seu peito. Meu. O pensamento possessivo me deixou ainda mais quente. Fechei os olhos e Negan envolveu minha cintura com as mãos, e eu comecei a me movimentar em cima dele com o resto de energia que me restou.

Olhei para baixo para vê-lo olhando para mim com aquele olhar que só ele me deu. Seus lábios estavam abertos, seu corpo se contraindo e relaxando com sua respiração pesada.

- Eu te amo - as palavras saíram de dentro de mim carregadas de um sentimento esmagador.

Negan engoliu, sua garganta se movendo enquanto eu ondulava meus quadris, minha intimidade esgotada tremendo ao redor do seu pau.

O desejo em seus olhos se aprofundou enquanto meus olhos caíram para sua boca, então ele levantou uma mão para meu cabelo e trouxe meu rosto para ele.

- Você é tudo pra mim - a necessidade desesperada brilhava através de seus olhos quando ele empurrou os quadris para cima, vindo dentro de mim, quente e forte, estremecendo. Eu fechei meus olhos e suspirei de contentamento com o rosto colado no dele.

__

Acordei e rolei cautelosamente para o lado. Foi quando percebi que Negan não estava na cama. O colchão perdeu quase todo o calor do corpo, as cobertas jogadas de lado. Eu me sentei lentamente e olhei para o relógio. Duas da manhã.

Foi quando ouvi sua voz. Cantando suavemente através do monitor do bebê. Claro, ele se levantou com Nina e me deixou dormir, felizmente. Mas ele aparentemente decidiu ficar com ela em vez de voltar para a cama.

Sai do quarto e fui pelo corredor até a porta do quarto dela. Lá estava ele, calças de moletom e pés descalços. Ele não tinha camisa quando nos deitamos na cama, então ele deve ter colocado quando o Nina começou a chorar. Eu apoiei minha cabeça contra a moldura da porta, vendo-o suavemente embalar nossa filha. Sua grande mão encaixava a pequena cabeça de cabelo preto enquanto a mantinha contra o peito.

Negan estava muito ausente ultimamente, cuidando dos assuntos daqui. Eu sabia que ia ser assim, mas não que seria tão ruim. Eu sentia falta dele e as crianças também, principalmente Nick. Embora ele estivesse grande parte do tempo aqui dentro dos portões, estava sempre ocupado e eu não queria que Nick o atrapalhasse. Com o tempo eu esperava aprender a administrar sua ausência. Mas cada dia ficava mais difícil.

Ele se inclinou para frente e pressionou os lábios em sua testa.

- Por que você não me acordou?

Ele olhou para cima, seus olhos arregalados como se ele tivesse sido pego com a mão no pote de biscoito. Ele sorriu, o papai orgulhoso que ele era.

- Você estava dormindo tão bem. Nina decidiu que estava com fome eu esquentei o leite que você tirou antes de dormir.

Eu sorri. Ele beijou sua testa novamente, depois colocou-a de volta no berço. Eu o assisti atravessar o quarto para mim, todo o amor que sentia por esse homem brilhava nos meus olhos. E lágrimas, sim lágrimas. Ele beijou minha testa e eu fechei os olhos. As lágrimas escorreram pelo meu rosto. Eu estava uma manteiga, sensível a tudo.

- Venha, vamos voltar para a cama.

Eu acenei com a cabeça e olhei para ele. Ele enxugou as lágrimas com a parte de trás dos dedos.

- Espero que sejam lágrimas felizes - ele disse. Eu acenei com a cabeça novamente, insegura da minha voz.

- Você está bem, querida?

- Sim, sim, estou bem.

Ele sorriu e fez meu mundo brilhar um pouco mais brilhante.

- Isso me faz feliz também - ele me beijou amorosamente nos lábios e cuidadosamente envolveu seus braços ao meu redor.

- Venha, você precisa do seu descanso e eu preciso me aconchegar na minha esposa - ele manteve seu braço em volta da cintura enquanto caminhávamos pelo corredor de volta ao nosso quarto.

Negan me colocou na cama e depois me cobriu, subindo na cama ao meu lado. Ele acariciou minhas costas, envolvendo seu braço ao redor de mim. O som de sua respiração e seu cheiro me acalmaram para dormir.

NEGAN - MESES DEPOIS

Emma mantinha Nina em seus braços assim como uma gata protegia seus filhotes, cheirando e acarinhando-a. Essa era a imagem que eu levava na minha mente quando saía de casa.

Os três estavam dormindo na nossa cama quando eu cheguei. Já era tarde e eu tinha ficado até tarde cuidando dos últimos ajustes para uma busca que seria mais longe dessa vez. Ultimamente tinha sido assim, eu chegava com eles já dormindo. E ultimamente as discussões entre eu e Emma estavam constantes.

Sentei na cama devagar, olhando Nick esparramado no meu travesseiro e Nina ao seu lado. Emma estava com o braço sobre eles, os protegendo mesmo dormindo. Eu sorri para isso.

Ela era tão forte e tão amável que partia meu coração não conseguir passar mais tempo com eles. Nina estava com quarto meses e era a alegria em bebê, risonha e com os mesmos grandes olhos de Emma. E Nick... Deus. Esse garoto seria a mente desse lugar no futuro. Inteligente e atento a tudo, me deixava mais orgulhoso a cada dia.

E Emma. Como eu poderia colocar em palavras o que essa mulher é para mim? Nada bastaria. Eu sentia meu coração inchar cada vez que eu olhava para ela.

Agora, dormindo, ela ainda parecia cansada. Sei que Nina exige sua atenção vinte e quatro horas e Nick também, e também sei que não estou com ela sempre que precisa de mim, isso era algo que eu tinha que solucionar. Eu não estava sabendo equilibrar as coisas.

Toquei seu rosto com as costas da mão o mais levemente que pude, mas ela se assustou e abriu os olhos. Ela olhou confusa ao redor até me ver.

- Oi - eu sussurrei, dessa vez tocando seu rosto de verdade - Não queria te assustar.

Emma passou a mão no rosto e se sentou, sonolenta.

- Você voltou só agora? - ela estava com aquele olhar de acusação. Eu assenti.

- Sim - falei. Seu olhar de decepção foi como um chute nas bolas e ela empurrou devagar a coberta com os pés.

- Claro - murmurou quando se levantou e passou por mim, e foi pegar Nick.

- Deixa que eu coloco ele na cama - eu disse antes de ela pegá-lo. Nick sequer se mexeu quando o peguei em meus braços, só suspirou tremulamente.

Eu o deitei em sua cama e o cobri. Ele estava tão grande, parecia ter crescido estranhamente de uns dias para cá. Beijei sua cabeça antes de sair, deixando a porta entreaberta.

- Você prometeu que chegaria para o jantar. Nick ficou te esperando - Emma disse assim que percebeu minha presença de volta no quarto, enquanto recolhia alguns brinquedos do chão, sem se dar ao trabalho de me olhar.

Eu passei a mão no rosto. Eu sabia pelo seu tom o quão brava e magoada ela estava, e o quão distante também. Nós nunca fomos distantes um do outro e só de pensar nisso eu ficava

- Desculpa, eu sei. Eu tive que...

- Tanto faz - ela me cortou, dessa vez olhando para mim - Você sabe o que vai dizer e eu sei o que vou dizer, e nada vai mudar, então vamos nos poupar.

Era raro Emma ser estúpida com alguém, mas eu via pelo seu rosto o quão decepcionada comigo ela estava, mesmo eu não fazendo nada para isso.

- Emma, por favor - ela se esquivou antes de eu tocá-la.

- Por favor digo eu - seu tom irritado aumentou - O que você vai falar? Desculpa, tive que ficar fazendo os últimos ajustes? - ela me deu um olhar de frustração antes de balançar a cabeça para minha roupa - Joga essa roupa suja no cesto, pelo menos - ela pegou Nina da cama e as duas saíram para fora do quarto.

Eu estava ferrando tudo com eles porque queria concertar tudo lá fora para que ficassem seguros. Esse era meu ponto. Não o título de ser líder. Minha motivação eram as crianças e Emma. Mantê-los seguros era a única coisa. Mas para mantê-los seguros eu estava me afastando.

Tomei um banho e quando entrei no quarto, Emma ainda não havia voltado. Sentei na cama com as costas apoiadas na cabeceira, a esperando. Eu não ia dormir brigado com ela.

Um bom tempo depois ela entrou, mas sequer falou quando deitou ao meu lado, de costas para mim. Isso não era como das últimas vezes que discutimos.

- Baby - toquei seu braço, subindo por seu ombro. Eu estava com tanta saudade dela que doía.

- Eu quero dormir - ela puxou seu ombro do meu toque. Merda.

- Eu sei, eu também - a toquei de novo, a persuadindo a virar de frente para mim. Sem dar oportunidade para recomeçar a discussão, eu a beijei, cobrindo seu corpo com o meu.

Ela não retribuiu e virou o rosto, ao mesmo tempo que me empurrava para sair de cima dela. Segundo chute nas bolas da noite.

- Emma...

- Nem tudo se resolve com sexo. Pelo menos não isso - sua voz era tão fria que parecia que ela não estava aqui. Ela não esperou que eu respondesse ou argumentasse de volta, só se virou novamente, me deixando sozinho.

 

Parece que estamos com problemas no paraíso...

Como será que vai ser resolvida a primeira crise do casal? Quem está certo?

Confira nos próximos capítulos kkk

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...