História Depois do silencio - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Castiel, Dean Winchester, Hannah, Sam Winchester
Tags Dean Winchester, Hannah Greene, Sam Winchester, Sobrenatural, Supernatural
Visualizações 14
Palavras 638
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Uma boa noite de sono


Fanfic / Fanfiction Depois do silencio - Capítulo 5 - Uma boa noite de sono

Já estava no meio da madrugada e ainda estávamos naquela sala.

- Eu estou com sono, tem um cobertor? – pergunto ao Sam enquanto estou indo rumo ao sofá

- Hannah, nós temos mais dois quartos fora o meu, o do Dean e o do Cas. Pode ficar com um, não precisa dormir no sofá.

- Muito obrigada, Samuel. – sorrio gentilmente e percebo olhar de Dean

- Sam, só Sam. Nem Samuel, nem Sammy.  Só Sam – ele fala sorrindo e me indicando o caminho.

Entramos num corredor longo, e ao passar pelas portas entre abertas pude ver o quarto de cada um, mas é claro que o Sam me falou de quem era cada um.

- O primeiro é o do Cas, o próximo é o do Dean e outro é o meu. Você pode ficar com o penúltimo ou o ultimo do corredor. Qual vai ser? – ele me pergunta

- Acho que o ultimo é melhor.

- Vamos até lá. – ele me direciona até o quarto

Quando chego lá, vejo uma cama bem arrumada com um criado mudo, uma mesinha para computador e uma prateleira na parede em cima dessa mesinha. Um grande tapete no chão, um guarda-roupa e uma porta.

- Aqui está. Tem a cama, essa mesinha se você quiser pode usar tanto ela quanto a prateleira superior. No guarda roupa tem travesseiro e dois cobertores. E aquela porta é um banheiro. Esse quarto é uma suíte – ele me explica e sorri

- Muito obrigada, Sam. Eu vou dormir, estou com muito sono.

Ele me dá boa noite e sai. Então eu abro a porta do banheiro, e percebo o quanto é lindo. Tem um Box de vidro, vasinhos de flores pela balcão. Tudo muito organizado, o que é estranho para uma casa só com homens. Fico pensativa.

Mas o sono é maior, então decido arrumar a cama e ir descansar um pouco.

Durmo como uma pedra, e muito bem.

Mais tarde, meio sonolenta vejo por entre olhos que a porta levemente se abriu e vejo Dean  pela pequena fresta da porta. Olho pro relógio e ainda é cinco da manhã. Ele apenas me olha como se esperasse que eu não estivesse mais ali ou tivesse morrido enquanto dormia.

- Eu ainda estou aqui, e não se preocupe não vou roubar nada da sua casa. Agora volte a dormir, porque a luz do corredor está bem no meu rosto. – falo para ele

Eu desperto as 6h da manhã e vou até a casa onde eu vivia. Eu poderia morar ali, mas ficaria muito ruim para executar todo o que eu queria fazer com a ajudar deles e do conhecimento daquela biblioteca. Resolvo pegar minhas roupas, tudo para minha higiene pessoal, o meu notebook e todos os meus livros.

Volto para o bunker, mas no caminho compro uma caixa de donuts, quatro cafés. E numa lanchonete peço para viagem ovos mexidos, bacon frito e suco de laranja.

Ao chegar lá percebo um clima estranho.

- O que aconteceu? – pergunto

- Para onde você foi? – Sam pergunta

- Buscar as minhas coisas. – olho para o Castiel – Espero que não se importe, mas eu usei o seu carro.

- Não tem problema, pode usar.  – Castiel responde

- Me agradou muito saber que não pegou o meu carro sem me avisar. – Dean fala para mim, e pela primeira vez eu sinto que aquele é o verdadeiro Dean, tranqüilo e simpático.

- Então espera para ver isso. – falo olhando para ele, enquanto eu coloco as caixas na mesa – Trouxe algumas coisinhas para tomarmos café. – sorrio abrindo as caixas

- Isso aqui agradou – Dean fala enquanto vai até as caixas. – To cheio de fome – e pega um donut e sorri.

Dean sorriu para mim, e aquilo era muito bom. Isso quer dizer que não terei mais armas apontadas para mim, assim espero. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...