História Desafio dos 30 dias - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 12
Palavras 658
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


...

B
O
A

L
E
I
T
U
R
A

Capítulo 24 - Uma caminhada curiosa


a fruta amarelinha de cheiro agradavel e sabor delicioso foi dado a menina de cabelos cacheados que com sua irmãzinha no colo degustava a fruta deliciosa que nem ao menos sabia o nome. Seu pai estava com os bolsos da camisa simples de tecido azul  ate bufantes de tantas frutinhas e ele sorriu quando viu suas filhas estourando a fruta no dente e comendo a massa branca e suculenta das frutas que ele com tanto carrinho pegou. Triste por ter que voltar ao trabalho ele beijou suas duas meninas e se distanciou

As garotas comiam com vontade aquelas frutinhas adocicadas com um leve sabor acido que tinha um cheiro tao gotoso, a mãe das duas estava dormindo e a cacheada por ser mais velha acomodou sua irmã de pele palida  cabelos negros em seu colo enquanto lhe dava as tão gostosas frutinhas

-tata, quero mais

a pequena garotinha de bochechas grandes fez bico com seus miudos labios roseos que se dstacaram em meio ao seu rosto redondo e palido todo sujo com o melado da doce fruta e sentada no colo da irmã lhe sujava todo o cabelo quando sem vergonha alguma limpava os dedos sujos nos cachos da mais velha

Curiosa como sempre a mais velha viu quando o pa apareceu com as grandes mãos e bolsos repletos das frutas que foram rebaixadas a cascas e carocos ao chao, calçando seus chinelos um tanto grandes para a sua idade a manina pegou sua pequena irmãnzinha nos braços magrelos e se direcionou aonde ela julgava ter as frutas

A mata não era proibida, ela só não tinha intenções de entrar sempre no lugar aonde aonde seus pais não estava para a ajudar, mas naquele dia ela descidiu ignorar os fatos. logo ela estava pulando a cerca de divisa dos imensos pastos a grande mata.

Os grossos galhos repletos de folhas com um emaranhado de cipos impediam que a luz solar passar oque tornava tudo mais escuro e sombrio, a medida que as duas iam se afundando ainda mais na mata as coisas soavam mais assustadoras.

Por ser pequena a palida menina permanecia nos braços da cacheada que já respirava pesado deivido aos sons nada agradaveis dos galhos se partindo sobre seus pé, o vento fazendo ruido no oco das arvores tambem era de extremo desagrado e o medo cresceu quando os olhos astutos da mas velha se voltaram para trás e ela percebeu que não tinha a menor ideia sobre o lugar em que estava.

Mas determinada em sentir a textura da doce fruta em sua boca ela continuou a se aprofundar na mata de iemensar arvores- sera que as arvores eram grandes ou as duas garotas eram pequenas de mais?

incrivelmente a paisagem se tornou magia de mais para se sentir medo e antes que ela pudesse dar conta as imensas pedras cobertas de musgo se tornaram incrivelmante atrativas, os animais de pequeno porte correndo por entre os galho e contornando a sua presença eram lindo de mais, o brilho solar que deixava as folhas verdes brilhantes era mais que encantador e de uma hora para outra o ruido de gravetos secos sendo esmagados se misturaram com o canto dos passarinhos e o farfalhar delicioso da água corrente do rio

- tata, frutinhas

Pulando do colo da mais velha a miuda menina correu em disparada ate a baixa arvore de galhos repletos da delicia amarela que exalava um cheiro delicioso. Sorrindo abertamente a cacheada se juntou  a mais nova que estava se deliciando com as frutinhas e tinha outra vez as bochechas rosadas cobertas pelo liquido que escorria da casca amarela da fruta que demorou para se encontrar

Se nao fosse pela curiosidade da masi velha esse caminho incrivel não teria sido feito e elas não teriam tido a oportunidade de provat novamente o sabor magnifico da fruta que nem ao menos sabiam o nome

Mas a pergunta que não quer calar.

Qual o caminho de casa?


Notas Finais


escrevi saporra duas vezes e apagou duas vezes... cansada estou

é...

eu entrei na mata com a minha irmã para buscar umas frutas que eu ate hoje não sei o nome


consegui sair e isso que importa kkkkkkkkkkkkkkkkkk

obrigada por ler
beijos da panda


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...