História Descendentes 2 - Arco Guerra - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Dragon Ball, Naruto
Personagens Androide Nº 17, Androide Nº 18, Bardock, Bills, Cooler, Daishinkan, Freeza, Goku, Goku Black, Naruto Uzumaki, Orochimaru, Personagens Originais, Sasuke Uchiha, Turles, Vegeta, Whis, Zen'Oh
Visualizações 13
Palavras 1.297
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Festa, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Two - The Past of Hope


Cauã Vision On

Yuri — O gato comeu a língua de vocês? Ou será só surpresa? Hm? - Falou fitando-me e Vega.

— Você conseguiu o queria... O que você quer agora, hein? - Falei tentando ganhar tempo.

Eu só preciso de mais um pouco de tempo e fazer a Vega voltar ao passado. 

Yuri — De você, eu não quero nada... Mas sim, essa garota. - Falou sorrindo malignamente.

Vega — Eu? Que tem eu? - Ela falou se prontificando, logo aumentando sua energia.

Yuri — Você é o único impesilho que eu poderia ou poderei ter. 

Vega — É por que eu sou mais forte que você? Ah! Não se preocupe, prometo pegar leve quando eu for te matar, maldito! - Eu poderia explodir agora, se não estivesse bolando um plano.

Yuri — Quando? Hahahahaha! Esse seu "quando" nunca chegará, queridinha. - Ele então mudou de expressão completamente. — No que está pensando, meu querido Cauã? - Arregalei os olhos ao ver que estava se dirigindo a mim.

— E-E-Eu?! - Lhe encarei surpreso, não sabia o que dizer ou fazer. — Não estou pensando em nada.

Yuri — É que... - De repente ele surgiu ao meu lado e passou sua mão sobre meu peito por cima da minha camisa. — Você nunca ficou tão calado assim diante desse tipo de situação... Fiquei até surpreso. - Eu estou sentindo meu rosto queimar por completo.

— E-Eu não s-sou o-ob-obrigado a fa-falar toda ho-hora nesse t-tipo de sit-situação... - Não conseguia ficar com raiva, eu estava muito envergonhado.

Yuri — Ah, não? Que estranho... - Senti sua mão passear pelo meu corpo, estava paralisado.

Vega — E-Ei! - Ela se afastou um pouco e se virou de costas, estava com suas bochechas rosadas também.

Yuri — Sabe... Eu posso ter ficado mal... - De repente ele me puxou colando nossos corpos, eu não conseguia me mexer. — Mas ainda tenho desejos nesse corpo... - Meus lábios foram tomados, percebi que ele estava de ponta de pé.

Instintivamente correspondi ao beijo, eu sentia saudades daqueles lábios, daquele sentimento de posse daquele... Mas o que estou fazendo? Ele não é mais o garoto que conheci... Mas não consigo suportar, eu ainda amo você... Quando parei para perceber, ele estava parado a minha frente me encarando, fiquei mais envergonhado.

Yuri — Você, apesar de mais velho, ainda fica muito fofinho corado. - Arregalei meus olhos e fiquei boqui-aberto com o comentário.

Vega — O Cauã? Corado? Fofinho? Me poupe viu... Tem coisa mais fofa que isso... - Ela ainda se encontrava de costas.

Yuri — Silêncio! Não atrapalhe esse momento! - Yuri falou encarando meus olhos.

— N-Não fale c-c-com ela a-assim! - Eu não conseguia retirar meus olhos dos olhos dele. Eram tão lindos, tão chamativos, tão penetrantes...

Yuri — Aff... Então tá bom... - Ele me prensou contra uma parede enquanto falava. — Mas até agora você não falou nada sobre o que estou fazendo... Não consegue? - Seu sorriso brilhou, senti algo dentro de mim, uma sensação que tinha sido perdido em mim.

— N-Não con-confunda as coisas...! - Falei sentindo sua mão indo até minha região íntima, arfei.

Yuri — Me diga... O que estou confundindo? - Me provocou um pouco, apertando meu membro por cima da calça, me fazendo soltar um gemido.

— Q-Que estou... Fa-Fazendo a-algo com v-você por al-algo a mais que... N-Nececitado ne-nesse tipo de co-coisa... - Falei claramente mentindo, não estou aguentando toda essa provocação. 

Yuri — Necessitado? Sabe que... - Arrancou minha calça, a rasgando. — ...Eu tô sentindo que você está tentando mentir? Isso não é legal... - Retirou minha camisa, agora estou apenas de cueca.

— N-Não! - Senti sua mão adentrar minha cueca, pegando em meu membro me fazendo soltar um gemido de excitação.

Yuri — Então... Parece que seu amiguinho não brinca a algum tempo... Quero dar o prazer de brincar com ele um pouquinho. - Retirou minha cueca e colocou meu membro dentro de sua boca.

Encostei minha mão esquerda sobre a parede atrás de mim, logo fechei minha mão quebrando uma parte da parede, meus gemidos teimosos escapavam de meus lábios contra a minha permissão, mordi meu lábio inferior na tentativa de conter os gemidos, porém tudo que consegui foi arrancar sangue que escorreu sobre meu queixo, caindo sobre meu peitoral.

Yuri — Calminha... O seu sangue tem que ficar aí dentro ainda... - Falou e em seguida começou a lamber  meu peitoral, logo o sangue junto.

— Qu-Que nojo! N-Não f-faça isso! - Falei entre alguns gemidos.

Yuri — Hmmm... Só porque você pediu... Hihihi! Mas vem cá... Você não vai fazer nada? Vai ser só eu que vou fazer as coisas? - Ele então pressionou minha mão, disparei um raio sobre a parede atrás de mim que virou uma cama, em seguida caí sobre com Yuri sobre mim.

— I-Isso não de-deveria s-ser fe-feito ao ar l-livre e... - Ele então colocou seu indicador sobre meus lábios, me fazendo encarar sua face.

Yuri — Não estraga o momento... - Senti algo quente engolindo meu membro, gemi com o ato. — Você não perde... Ooooh... o costume, né? - Ele segurou meus braços e voltou a selar nossos lábios, logo senti que ele movimentava-se quicando sobre meu membro.

— Aaaah... É v-você que n-não perde o co-costume...! - Meu corpo anseiava por aquilo, era um desejo de muitos anos, sinto-me finalmente realizado, meu sonho finalmente se concretizou.

Vega — O que vocês tão fazendo? Estou escutando... Gritinhos baixinhos... - Olhei em sua direção, ainda se encontrava de costas.

— N-Não olhe p-para c-cá! - Ao terminar de falar, soltei um gemido junto a Yuri.

Vega — Tá bom! - Ela cruzou os braços.

Estava sentindo muito prazer, era algo que não aconteceu a muito tempo, não consigo aguentar de tanto prazer, senti uma ardência em meu membro e acabei gozando adentro de seu corpo, enquanto ele gozou sobre mim.

Estávamos arfando, ele então se retirou de cima de mim se vestindo, me levantei também me vestindo, ele então pegou uma Kunai e me prendeu na parede, então lhe encarei.

Yuri — Não fique triste... Eu disse que ia matar vocês mas decidi que você ficará vivo... Ainda será bem útil para mim... Mas ela sim vai morrer! 

Vega — Epa! - Ela se virou e Yuri deu alguns passos até ela.

Fiquei com muito medo, foi então que consegui retirar a Kunai, a lancei em Yuri mas ele a segurou, aproveitei a distração e me teletransportei para Son Vega, logo lancei uma energia no Ninja e saí correndo com a garota, escondendo minha energia.

— Anule seu ki e fique em silêncio! - Falei autoritário e sussurrando.

Vega — Tá! 

Olhei para o local, estávamos longe e Yuri parecia não estar mais ali, então entrei dentro do prédio que estávamos perto, a garota então passou a minha frente. Olhei para os lados e não vi Yuri em lugar algum.

Fomos correndo, a cada passo que dávamos era algo muito pesado que sentíamos, era um sentimento de medo, foi quando percebi que chegamos perto da Corporação Cápsula. Peguei Son Vega e entramos.

Brun — Cauã! Vega! Que bom! Venham! Não temos tempo a perder. 

— Vega! - Chamei sua atenção, ela então olhou em minha direção.

Vega — O que foi, Senhor Cauã? - Ela estava com uma expressão confusa.

— O futuro depende de você! Esse futuro de horror só pode ser concertado pelo passado da esperança... Então nós traga esse presente.

Vega sorriu e acentiu com a cabeça, então entramos numa sala, a máquina estava pronta, Vega então subiu.

Brun — Aperte o botão azul e a máquina irá ligar, depois aperte novamente o botão azul que ficará roxo e você voltará no tempo.

Vega — Entendi!

— Tome cuidado! Estarei te esperando...

Vega então apertou o botão e um brilho envolveu a máquina, logo em seguida a máquina sumiu.

Cauã — Futuro de terror... Passado de esperança... Salvação é o nosso presente...

Brun — Que belo jogo de palavras...

To Be Continued...


Notas Finais


Presentin pra vocês :3

Eae? O que acharam? Esse arco... Espero que estejam gostando.

Bjs de chocolate e até a próxima
Good Bye! 😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...