História Descendentes: Uma História Tocada Pelo Caos - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Descendentes, Once Upon a Time, X-Men
Visualizações 29
Palavras 1.766
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Magia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Mutilação, Sexo, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Nesse capítulo tem uma homenagem de dia dos país (atrasada, e completamente sem querer, já que não comemoro a data kkkk). Sem música nesse capitulo gente. Espero que gostem.

Capítulo 25 - A Pedra Anti-Magia


Fanfic / Fanfiction Descendentes: Uma História Tocada Pelo Caos - Capítulo 25 - A Pedra Anti-Magia

Mal: Ele já está melhor? - Perguntou entrando na enfermaria acompanhada por Ben e Lotte. 

Fada Madrinha: Ficará - Informou. 

Carlos: Pelo menos ele ficará - Disse na cabeceira da cama do primo - Não se pode dizer o mesmo do outros. 

Harry: Houveram muitos mortos? - Perguntou a Ben. 

Ben: A contagem não terminou, mas da última vez que vi beirava duzentos – Informou olhando estranho para Harry. 

Charlotte: Meu Deus, que massacre – Lamentou - Já sabem quem eram aquelas duas? 

Mal: Não, mas elas fazem exigências em troca de Uma e Celia – Revelou. 

Sam: Que tipo de exigências? - Perguntou. 

Ben: Querem todo o tesouro real, mas creio que é um blefe – Revelou. 

Fada Madrinha: Exato. Temos que pensar em outra alternativa. Podem muito bem se livrar delas ao entregarmos o que querem. 

Harry: Mas farão alguma coisa, não é? - Perguntou alterado - Não deixarão minha... Não deixarão Uma morrer, não é? 

Mal: Fique calmo – Disse o segurando pelos ombros – Faremos o impossível para tê-las de volta. Sei que ama Uma – Disse ao abraça-lo – Logo a terá de volta. 

Harry: Obrigado – Agradeceu com lágrimas nos olhos - Não sei se viveria sem ela. 

Bem: Não se preocupe – Disse com ciúmes - Nós a traremos de volta – Algo lhe dizia que era mentira dele. Que Harry, na verdade, ama sua esposa. A imagem de Harry e Mal juntos na cama voltou a sua mente. O que estava fazendo? Não devia pensar nisso, repreendeu-se. Aquilo não era verdade. Não era o momento de ser paranoico. 

Sam: Vamos – Disse ao irmão, depois de ficar algum tempo olhando para Lotte, que não notara seu olhar - Te darei a receita do papai pra acalmar os nervos. 

Charlotte: Deixe-me pensar – Disse – Rum – Riu. 

Sam: Coisa de pirata, neh? - Riu sem jeito. 

Charlotte: Outra hora você tem que me contar como foi o encontro com o terrível Capitão Killian Jones Gancho – Sorriu de volta. 

Sam: Com certeza – Corou. 

Harry: Vamos – Disse ao ver que o irmão estava sem graça - Depois venho ver Diego - Disse a Carlos antes de sair. 

Carlos: Certo. 

Ben: Voltando a falar sobre as sequestradoras de Uma e Celia – Pigarreou – Temos que arrumar uma forma de para-las. 

Matt: Não se preocupe vossa majestade – Zombou – Hades disse que há uma forma – Informou ao entrar com Hades na enfermaria. 

Ben: Não me chame de vossa majestade – Disse ao irmão - Já te pedi isso. É estranho meu irmão me chamar assim – Qual a forma? - Perguntou a Hades lembrando-se do resto da informação. 

Matt: Sei que pediu, mas faço pra te encher o saco majestade – Zombou novamente. 

Hades: Bem – Pigarreou – Existe um artefato, que funciona apenas nas mãos de sangue olimpiano, e que serve para anular qualquer forma de magia temporariamente. 

Charlotte e Mal: Onde está? - Perguntaram juntas. 

Hades: Em um reino distante – Segurou um sorriso ao vê-las tão próximas - Onde só sangue olimpiano pode pisar. 

Charlotte: Então quer dizer – Olhou para a irmã - Que você e Hades podem ir. 

Mal: Eu? - Não entendeu - Só Deuses podem ir, não é? 

Charlotte: Ele disse sangue olimpiano – Lembrou – E mesmo que tenha apenas uma parte, você tem esse sangue. 

Hades: Não só ela - Sorriu 

Charlotte: Quem mais? - Indagou. 

Hades: Você - Revelou - Apesar de Malévola ter ocultado sua origem paterna com magia, por isso seu pai apareceu como humano no feitiço de DNA, eu sou seu pai. 

Charlotte: Nossa – Disse boquiaberta ao se sentar em uma cama vazia - Não esperava por isso. 

Hades: Por isso também, não tem uma herança minha. Malévola e suas amigas não quiserem que os pais tivessem contato com seus filhos, por isso lançaram esse feitiço - Revelou. 

Mal: Então por que ela não lançou esse feitiço em mim? - Quis saber. 

Hades: Quando nasceu descobri o que ela pretendia e evitei, já com Charlotte não pude. Malévola escondeu estar grávida de mim quando a abandonei – Olhou para o chão visivelmente sentindo-se culpado – Me desculpe. 

Charlotte: Não precisa se preocupar. Só me diga uma coisa. 

Hades: O que quiser. 

Charlotte: Como sabe sobre mim se há a maldição? 

Hades: Ótima pergunta – Disse – Com sua chegada e de seus amigos a Auradon, a Madição Das Trevas começou a enfraquecer, e alguns de nós despertamos, como foi o meu caso e o de Gancho, mas não temos tempo para falar disso agora – Pigarreou - Temos que ir atrás da Pedra Anti-Magia. 

Matt: E nós? - Apontou para si e para Ben, visivelmente assustado com a fato de Hades ser o pai de Lotte – O que faremos? 

Hades: Provem que servem para algo – Disse rispidamente – Enrolem essas duas. Finjam querer negociar, e nos ganhem tempo. Afinal são da realeza, é o que sabem fazer – Debochou – E aprece-se em encontrar meu filho Hadie e minha brasa - Falou para Ben - Antes que a próxima coisa a sumir seja o que está entre suas orelhas. 

Mal e Charlotte: Papai! - Repreenderam. 

Hades: Certo meus amores – Sorriu ao passar as mãos pelos ombros das filhas – Hora de um passeio com o papai. 

 

Hades levou as filhas para a Ilha dos Perdidos. Lá seguiram para seu antigo covil. Andando por um sistema de túneis, chegaram a uma sala, em seu centro havia um enorme pentagrama azul florescente riscado com fogo no solo de pedra. 

Usando sua magia, o Deus renegado abriu um portal, levando a si e suas filhas para uma dimensão tão antiga quanto a existência dos seres humanos. 

A dimensão era completamente estranha. Parecia um gigante funil de sombras roxas, repleto de enormes pedras e montanhas flutuantes. No fundo havia uma brilho azul florescente, e no topo uma luz amarela iluminava as sombras. 

 

Mal: Que lugar... - Foi interrompida. 

Charlotte: Legal! 

Mal: Eu ia dizer estranho, mas também achei legal – Admitiu. 

Hades: É normal que se sintam assim aqui – Disse – Olhem lá em baixo – Indicou da borda da pedra flutuante – Aquelas chamas azuis são o submundo. São minhas filhas, é natural que se sintam atraídas a locais como esse. 

Charlotte: E aquilo ali deve ser o Olimpo – Apontou para cima. 

Hades: Exatamente. Conhece sobre os Deuses? 

Charlotte: Adoro coisas sobre mitologia grega. Quer dizer... História grega. 

Hades: Qual se Deus preferido? - Quis saber com a sobrancelha erguida. 

Charlotte: Não ache que é puxa-saquismo, mas é você - Disse corando – Se não acreditar, pergunte aos meus amigos. Tenho vários livros de mitologia, na capa risco o seu nome - Corou ainda mais – Em uma festa de halloween da escola fui vestida de Hades. E... Eu vou parar de falar. Estou passando vergonha – Disse ao se dar um tapa na testa. Mal e Hades riram dela. 

Hades: Não passou vergonha - Riu ao abraça-la pelo ombro - Eu gostei, isso encheu a minha bola um pouco – Disse ao lhe dar um beijo na testa – Sabem. Antes quando a barreira estava em vigor, meu irmão Zeus ajudou a Fada Madrinha a me impedir de vir aqui. Assim não poderia saltar desse mundo para o submundo – Informou. 

Mal: Agora pode – Disse um pouco triste. 

Charlotte: O que o impede? - Quis saber. 

Hades: Vocês - Revelou - Não as deixarei por nada nesse mundo – Prometeu as beijando nas bochechas. 

Charlotte: Você não é como imaginei – Disse ao pai. 

Hades: E como me imaginou? - Quis saber. 

Charlotte: Egoísta, malvado e raivoso. Pelo menos é o que dizem – Revelou. 

Hades: A história é escrita pelos vencedores, eles pintam tudo como querem – Disse - Nem tudo que dizem é verdade. Há motivos para as maldades que nós “vilões” cometemos. Ninguém é totalmente bom ou mal. Todos temos luz e trevas dentro de nós, o que importa é o lado pelo qual escolhemos agir. 

Charlotte: Nossa. Você é um pai legal – Sorriu ao dizer. 

Hades: Você não viu nada morceguinha – Disse fazendo cocegas na filha. 

Charlotte: Cócega mata - Disse ofegante - Da uma ajuda aqui Mal. 

Mal: Eu não - Zombou – Depois ele começa a me fazer cocegas, também tenho agonia disso. 

Hades: Havia me esquecido desse pequeno detalhe minha uvinha - Disse ao puxar Mal e lhe fazer cocegas também. 

 

Após ficarem um tempo brincando, os três caminham até chegarem numa torre branca. Lá sobem até o último andar. Sob um pedestal, se encontra uma pedra branca com inscrições em dourado. 

 

Hades: Aqui está a Pedra Anti-Magia – Apontou – Deixem que eu pego - Ao pegar a pedra ele a atirou para Mal. Uma barreira de energia desceu separando-o das filhas. 

Charlotte: Que isso? - Disse indo até a barreira. Ao tocá-la, sentiu a mão queimar como se relasse em uma chapa quente. 

Hades: Não se aproximem - Pediu - A barreira as machucará e não deixará que passem. 

Mal: Mas e o senhor? 

Hades: Eu fico aqui. 

Mal: Como assim? -  Quis saber exaltada. 

Hades: Zeus impôs essa condição. Quem quiser a pedra tem que quere-la para outra pessoa, já que essa armadinha prende aqui quem a tira – Revelou serenamente. 

Charlotte: Sabia de tudo isso e não contou para nós? - Exaltou-se também. 

Hades: Se dissesse me deixariam ficar aqui para ajuda-las? 

Charlotte e Mal: Não! 

Hades: Então, por isso menti – Revelou - Não temos tempo para discussão, voltem e salvem Auradon. Eu não sairei daqui. 

Charlotte: Você é mesmo um idiota – Choramingou. 

Hades: Eu só queria um tempo com as minhas garotinhas – Contou – E me sacrificar por vocês é o certo, finalmente estou agindo como pai. 

Mal: Quero hora para começar com mais afinco – Riu feito boba, sendo seguida pela irmã e pelo pai. 

Charlotte: Antes de irmos quero dizer uma coisa – Pediu – Sempre quis um familiar que se importasse comigo. 

Hades: Agora tem – Informou. 

Mal: Dois – Disse ao pegar a mão da irmã. 

Charlotte: Preciso te contar uma coisa, eu sou... - Tentou dizer. 

Hades: Trans – Sorriu – Eu já sabia. 

Charlotte: Como? - Quis saber. 

Hades: Sou seu pai. Sei que Malévola teve um menino, mas se o destino quis me dar duas garotas ao invés de uma, quem sou eu para discordar - Falou compreensivamente. 

Charlotte: Eu te amo pai - Disse - Quero te abraçar. 

Hades: Um dia vai poder me abraçar quando quiser – Prometeu escondendo as lágrimas - Agora vá, você e sua irmã têm uma missão importante. 

Mal: Vamos - Pediu com lágrimas nos olhos - Nós voltaremos papai, e vamos tirá-lo daqui. É uma promessa. 

Mal e Charlotte: Nós te amamos. 

Hades: Sei disso, eu as amo também - Piscou ao mandar-lhes um beijo. 

 

Ambas saíram da torre indo enfrentar suas oponentes, porém com a certeza em seus corações de que voltariam para buscar seu pai. 


Notas Finais


O que o Hades disse sobre as amigas de Malévola (Isso inclui Úrsula, apesar de elas não serem amigas) quererem esconder quem é o pai de seus filhos, será explorado depois, aí revelarei quem é o pai da Evie, Melinda, Carlos, Alec, Uma, Louise, Jay, Wally, Harry e Sam (no caso dos quatro últimos é a mãe que revelarei e não o pai). Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...