1. Spirit Fanfics >
  2. Descobertas da Adolescência (Romance Gay) >
  3. E Todos Viveram Felizes Para Sempre (Último Capítulo)

História Descobertas da Adolescência (Romance Gay) - Capítulo 50


Escrita por:


Notas do Autor


Olá amores, tudo bem? Bom, infelizmente (ou felizmente) chegou o último capítulo da nossa história, ela foi escrita com muito amor e carinho, espero que vocês gostem.
Então, boa leitura para todos!

Capítulo 50 - E Todos Viveram Felizes Para Sempre (Último Capítulo)


Acordei com minha irmã chamando por mim, assustado perguntei o que havia acontecido.

- Eu estava morrendo de medo e me tranquei no meu quarto, sai só quando escutei o barulho do carro do Giovanni. - Falou minha irmã enquanto eu me levantava e me recordava do que havia acontecido minutos atrás.

- Não me diga que aquele infeliz fugiu. - Falei indignado.

- Se você quiser eu digo que não, mas a verdade é que ele fugiu sim. - Falou Karol.

- Maldito!

Eu e Karol estávamos vendo televisão quando a nossa mãe chegou do serviço e assim que isso ocorreu eu e minha irmã nos sentamos com ela para contar o que acontecera. Mamãe ficou chocada e chorou muito, não queria crer no que escutara e depois de desabar em lágrimas ela perguntou a Karol se era verdade tudo o que eu falara.

- Infelizmente é sim.  - Respondeu Karol cabisbaixa.

Mamãe aos prantos abraçou a Karolayne e quando se acalmou um pouco ela perguntou onde estava o infeliz do Giovanni.

- Ele conseguiu fugir. - Falei.

- Desgraçado. - Falou minha mãe ao tapar os ouvidos de Karol pois não gostávamos de falar palavrão perto dela.

Nesse momento começou o noticiário e foi algo surreal o que vimos e que ninguém esperava. Havia começado o programa Balanço Legal com o Lúcio Beco e ele já começou anunciando a morte de um homem, parece que o carro onde ele estava havia capotado em um penhasco enquanto o homem fugia da polícia. E gente vocês não vão acreditar em quem era esse homem. Se você chutou no Giovanni você acertou. Era o próprio e descobrimos que ele havia abusado de outras cinco garotas, sim eu falei outras CINCO garotas ou seja, Karol não foi a única. Parece que Giovanni capotara o carro enquanto fugia da polícia que o seguiu ao ver ele sair de um banco onde havia sido sacado vinte mil reais, o que levava a crer que ele iria fugir do país, agora poderíamos ter certeza de que estávamos livres daquele miserável de uma vez por todas. Nunca se soube da onde ele tinha tanto dinheiro mas achamos que talvez ele tivesse algum trabalho ilegal.

Os dias se passaram e tanto mamãe quanto Karol estavam bem melhores. Mamãe passou a ficar mais presente em nossas vidas e Karol voltou a ser aquela garota doce e angelical de sempre. Ah, alguns dias depois eu e Karol saímos com Victor e seus irmãos e eu contei todo ocorrido a ele que se apavorou e morreu de dó da Karol. Ari, Cris e Karol ficaram brincando de pega - pega próximo a gente enquanto Victor e eu conversávamos e nesse instante apareceu Brenno que me cumprimentou numa boa e eu já aprovei para apresentá- lo aos demais. Brenno e Ari ficaram muito amigos e não deu uma semana para que eles estivessem namorando (lembrando que Brenno era bissexual).

Um ano se passou desde a morte do Giovanni e mamãe acabou conhecendo um argentino com quem ela se casou. Juan Pedro ou Peter como a gente chamava era um cara super legal, havia vindo para o Brasil a pouco tempo e tinha deixado na Argentina duas filhas gêmeas de três anos que moravam com a mãe que era ex mulher dele. Achei super bacana ter um padrasto argentino até porque eu amava espanhol e assim podia treinar bastante com ele. Peter se tornou como um segundo pai para mim e minha irmã que por sua vez adorou ele. Era eu e mamãe sair de casa para os dois fazerem a festa até porque com Karol, Peter voltava a ser criança e isso era outra coisa que eu gostava muito nele: o amor que ele tinha com a minha irmã.

- Puedo ir a la casa de mi noivo, Victor? - Perguntei a Peter já que eu só falava em espanhol com ele.

- Claro, pero no vuelves tarde. - Falou Peter.

- Vou na casa do Victor, você quer ir comigo ou prefere ficar com o Peter? - Perguntei a minha irmã.

- Quero ficar. O Peter faz pipoca doce e vê desenho comigo. - Respondeu Karol.

Ao chegar na casa de Victor fiquei sabendo que ele estava sozinho em casa e assim fomos direto para o seu quarto para aproveitar um pouco (se é que vocês me entendem).

- Bora brincar um pouquinho? - Ele perguntou.

- Bora. - Respondi me pondo a beijar aqueles deliciosos lábios.

No dia seguinte ao acordarmos Victor ficou me olhando com um sorriso bobo na cara me deixando super envergonhado.

- Que foi? - Perguntei timidamente.

- Casa comigo? - Me perguntou Victor.

Oi? Como assim? Era sério isso? Victor estava mesmo me pedindo em casamento?

- Está falando sério? - Perguntei sorridente.

- Nunca falei tão sério em toda a minha vida. - Falou Victor. - Casa comigo Manuel?

- Caso. - Falei me pondo a abraçar Victor.

Nos casamos no fim do ano em uma pequena igreja com poucos convidados já que era para os mais chegados. Uns sete anos depois eu e Victor acabamos adotando três crianças que por sinal eram trigêmeos, se tratava de duas meninas e um menino, na época em que a gente os adotara eles tinham um ano, agora já estão com cinco e todos nós vivemos muito bem e felizes em uma casa que eu e Victor compramos.

Hoje com trinta anos eu sou professor de espanhol e dou aulas para turmas de ensino médio, já Victor é médico e trabalha em um hospital perto de nossa casa. Mamãe teve uma outra filha com Peter chamada Milleny que hoje está com dez anos. Karol agora com vinte e dois anos acabou de se formar em Pedagogia, porém trabalha desde os dezessete anos em um abrigo e sonha em abrir um espaço para acolher todas as crianças violentadas sexualmente. Ariele se casou com Brenno e hoje eles têm dois filhos, o Bryan de sete anos e o Mikael de três. Christopher agora tem vinte e um anos e namora um rapaz a mais de um ano. E assim como nos contos de fadas todos vivemos felizes para sempre.

 


Notas Finais


Gente, muito obrigada por ter acompanhado essa história até aqui, vocês são incríveis, valeu mesmo. E bom, gostaria muito que vocês comentassem o que acharam desse último capítulo, quero saber se gostaram ou se esperavam mais.
Ah, e quem quiser dar uma olhada em minhas outras histórias, eu ficarei muito grata, tenho romances héteros e gays no meu perfil, espero que continuem me acompanhando.

Obrigada por tudo.
Beijinho, beijinho, tchau, tchau.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...