História Desconstruído - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Boo Seungkwan, Hansol "Vernon" Chwe, Jeon Wonwoo, Kim Mingyu, Lee Jihun "Woozi", Wen Junhui "JUN"
Tags Abo, Junhoon, Meanie, Verkwan
Visualizações 434
Palavras 3.426
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 14 - Capitulo 14


I got all I need when I got you and I
(Eu tenho tudo que eu preciso quando tenho a você e eu)
I look around me, and see a sweet life
(Olho ao meu redor e vejo uma vida boa)
I'm stuck in the dark but you're my flashlight
(Estou presa no escuro, mas você é minha lanterna)
You're getting me, getting me through the night
(Você me guia, me guia através da noite)
Jessie J - Flashlight

 

 

 

— Você parece feliz — Sangwoo falou.

Era sexta à tarde, e o alfa havia chamado Seungkwan para almoçar, e como sempre, o ômega não pode recusar, estavam em um restaurante chique em uma parte reservada, e teria muitos motivos para estar chateado, mas a lembrança do beijo de Hansol do dia anterior não estava deixando Seungkwan ficar triste.

— Sim, eu acordei bem hoje — Seungkwan falou dando de ombros.

— E tem motivo pra essa felicidade toda? — o alfa perguntou desconfiado.

— Tem, e não te interessa qual é o motivo — falou antes que o alfa lhe perguntasse o motivo.

— Você anda muito abusado Seungkwan, o que está acontecendo com você? — Sangwoo perguntou tentando controlar a raiva.

— Eu só quero que você perceba que eu não tenho nem um interesse em você, quem saiba assim você me deixa em paz.

— Se me tratar assim te faz pensar que vou desistir de você, é melhorar parar, pois isso só aumenta meu interesse Seungkwan, gosto de ômegas como você, e vou lhe avisar de novo, é melhor se comportar, não vai querer ver meu pior lado.

— E tem um lado pior? — perguntou sorrindo debochado.

— Eu ainda vou calar essa boquinha linda Seungkwan, apenas espere nosso casamento.

— Eu já disse que te odeio?

— Sim.

— Ótimo, mas é sempre bom confirmar.

— Seungkwan, é melhor você se ajudar, não fale assim comigo.

— Eu realmente não me importo, já vou ter que me casar com você, quer castigo pior do que esse?

— Por que não tenta ver o lado positivo dessa história?

— E tem um lado positivo? Eu vou ser obrigado a me casar com um alfa que eu odeio, vou ter que obedecer você em tudo, e ainda diz que eu devo me ajudar. Você deveria se ajudar, eu tentei aceitar isso no começo, mas a cada vez que nos encontramos você só mostra que vai ser um marido horrível, e me dá mais motivos para odiá-lo, então não peça para eu achar um lado positivo nisso tudo.

— Você é um ômega, me deve submissão, queria que eu deixasse que você mandasse em mim?

— Eu só queria que você me respeitasse — Seungkwan falou afastando seu prato, não iria conseguir comer mais.

— Respeito? É você que deve respeito a mim Seungkwan — o alfa falou se levantando — Você está ficando abusado, não sei o que aconteceu para estar ficando assim, mas para seu próprio bem é melhor que pare.

— Eu vou pra casa — Seungkwan falou se levantando para sair, porém antes que pudesse se afastar Sangwoo segurou seu braço — Me solte.

— Eu soube que você foi à casa do meu amado tio, foi em uma festa de aniversário que nem mesmo eu fui convidado — ele falou com ironia, apertando o braço de Seungkwan com mais força — Talvez seja influência daquele marido dele você estar assim, vocês andam tão amiguinhos, até suas roupas descentes você parou de usar — falou o olhando de cima a baixo, mostrando desagrado pela calça jeans e a camiseta simples que Seungkwan usava.

— Não fale do Wonwoo, e não coloque a culpa de minhas atitudes em outras pessoas, eu sei muito bem o que eu faço.

— Sabe? Você não tem capacidade para fazer nada Seungkwan — se aproximou mais e com a mão livre agarrou os cabelos de Seungkwan e puxou sua cabeça para trás — Cresceu aprendendo a ser submisso a um alfa, e agora está assim, se rebelando, mas não tem problema, isso só me faz ter mais vontade de te foder até ensina-lo a me respeitar novamente.

— Me solta Sangwoo, está me machucando — Seungkwan falou não sabendo se o que estava doendo mais era o aperto em seu braço ou o puxão com uma força desnecessária que Sangwoo dava em seus cabelos.

— Isso é culpa sua Seungkwan, se não falasse o que não deve, eu não precisaria machucar você — Sangwoo falou soltando o ômega.

— Eu odeio você — se afastou do alfa e foi até a porta de saída a abrindo, seguindo a passos rápidos para fora do restaurante em direção ao estacionamento.

Não foi difícil encontrar o carro preto, se lembrava onde ele estava, e era o único carro com os vidros aberto e pessoas dentro, não perdeu tempo em apressar o passo para chegar até o veículo.

— Vamos para casa — Seungkwan falou para os dois seguranças que o encaravam assustados, afinal havia batido a porta com muita força.

— Está tudo bem? — Junhui perguntou.

— Sim, só vamos pra casa.

Junhui assentiu ligando o carro e começando a dirigir para fora do estacionamento, Hansol ainda estava virado encarando Seungkwan no banco de trás, o ômega massageava o braço enquanto respirava fundo para não chorar.

Seungkwan só pensava o quanto queria fugir, se antes de se casarem Sangwoo já havia tido coragem de fazer aquilo, depois de casados seria pior ainda.

— Seungkwan? — o alfa chamou com a voz calma — Está tudo bem mesmo?

— Sim, eu só quero ir pra casa.

Hansol ia falar mais alguma coisa, porém seu celular vibrando no bolso do paletó desviou sua atenção.

— É o Sangwoo, ele está perguntando se você está com a gente — Hansol falou voltando a encarar o ômega.

— Mande ele ir se ferrar — Seungkwan falou revirando os olhos.

Hansol respondeu rapidamente a mensagem do patrão avisando que estavam levando Seungkwan pra casa, em seguida soltou o cinto de segurança e passou para o banco de trás.

— Quer me contar o que aconteceu? — perguntou tocando no ombro de Seungkwan, o ômega apenas abaixou a cabeça — Sabe que pode contar, eu e Junhui somos seus amigos — segurou no queixo de Seungkwan e fez ele levantar a cabeça.

— Eu só estou cansado dessa situação toda — falou suspirando.

Hansol desceu sua mão até tocar na do ômega que ainda segurava seu braço, afastou a mão de Seungkwan e viu uma marca vermelha no braço dele, provavelmente alguém havia segurado muito forte ali.

— Está doendo? — Hansol perguntou passando sua mão no local, encarou o ômega e viu ele assentir, parecia se controlar para não chorar — Vem aqui — puxou Seungkwan para perto e o abraçou.

Na mesma hora que sentiu os braços do alfa Seungkwan começou a chorar, escondendo o rosto no ombro de Hansol, e o alfa apenas permaneceu daquele jeito, enquanto acariciava as costas de Seungkwan, nem ele e nem Junhui falaram nada, passaram o caminho inteiro naquele silêncio, apenas o choro de Seungkwan sendo ouvido.

— Ele dormiu — Junhui falou olhando Hansol que estava com Seungkwan adormecido em seus braços.

— Sangwoo o machucou — falou tocando no braço de Seungkwan onde começava a aparecer uma mancha roxa.

— Ele é um bruto — Junhui falou suspirando — Vamos levar ele para o quarto dele, Mingyu deve estar em casa, já avisamos ele também.

Hansol assentiu e esperou Junhui ir abrir a porta do carro, e quando o beta lhe deu passagem pegou Seungkwan no colo e saiu, indo para a porta que daria na cozinha.

Seguiu pela casa até estar em frente ás escadas, começou a subi-la e podia ouvir os passos de Junhui logo atrás.

Não fazia ideia de onde ficava o quarto de Seungkwan, apenas seguiu o cheiro do ômega, parando em frente à porta onde o cheiro ficava mais forte, e novamente Junhui quem abriu a porta para que pudesse entrar.

— Vou procurar Mingyu — ele falou e Hansol assentiu antes de entrar no quarto.

O quarto do ômega tinha paredes todas brancas, um guarda roupa branco e vermelho em um canto, e uma mesa com um espelho ao lado direito da cama de casal e uma estante com livros do outro lado, a decoração toda em tons rosa claro e vermelho.

Colocou Seungkwan na cama e tentou se afastar, porém uma das mãos do ômega estava firme em sua camisa, e quando o encarou viu que ele estava com os olhos abertos o encarando com uma expressão chorosa.

— Fique comigo — ele falou com a voz embargada.

— Mingyu já está vindo para ficar com você — Hansol falou levando sua mão para os cabelos do ômega.

— Não conte para ele, Mingyu não tem que se preocupar com essas coisas, e ele pode fazer algo errado.

— Ele tem que saber, é o seu irmão.

— Eu não quero dar mais esse problema a ele.

— Eu tenho certeza que ele vai ficar mais chateado de não saber o que está acontecendo — Hansol falou e encarou Seungkwan.

Ambos ficaram se encarando por um tempo, até Seungkwan começar a puxar a camisa de Hansol.

— Deite aqui comigo — Hansol respirou fundo antes de assentir e se deitar ao lado do ômega.

Assim que Hansol havia deitado, Seungkwan foi para o lado dele o abraçando, deixando a cabeça no peito do alfa, aproveitando o calor que ele lhe oferecia e sentindo seu cheiro gostoso.

— Durma mais um pouco — Hansol falou fazendo carinho na cabeça de Seungkwan.

— Vai ficar aqui comigo?

— Não vou sai daqui, então pode dormir.

— Tudo bem.

Seungkwan se aconchegou mais em Hansol, e não demorou a pegar no sono sentindo os carinhos do alfa.

 

[...]

 

— Eu vou matar Sangwoo — Mingyu falou se levantando da cama.

— Calma Mingyu, agora não adianta fazer nada, converse com seu pai sobre isso — Junhui falou tentando acalmar o alfa, se arrependeu de ter ido contar que provavelmente Sangwoo havia agredido Seungkwan, pois na mesma hora o alfa ficou possesso de raiva.

— Meu pai não faz merda nenhuma, ele não liga para Seungkwan, nunca ligou, desde que ele nasceu sempre achou que Seungkwan fosse um estorvo por ser ômega, e na primeira oportunidade está se livrando dele, então agora vou ir falar diretamente com Sangwoo.

— Por favor, se acalme, não deve fazer nada de cabeça quente — Junhui falou segurando o braço do alfa que já estava pegando a chave do carro.

— Eu vou ir conversar com Sangwoo.

— Tudo bem, mas depois, não agora — Junhui falou suplicante e Mingyu encarou o beta por um tempo ante de suspirar assentindo.

— Onde está Seungkwan?

— Hansol o levou para o quarto dele — Mingyu assentiu e saiu de seu quarto seguindo para o de Seungkwan.

Não chegou a entrar, apenas parou na porta vendo que Hansol estava deitado na cama com Seungkwan deitado em cima dele, queria entrar no quarto, mas sabia que Seungkwan estaria bem com Hansol, então voltou a encarar Junhui e fez sinal para que o beta o seguisse.

— Com quem posso conversar que vai colocar um pouco de juízo na cabeça de Sangwoo? — Mingyu perguntou assim que entrou novamente em seu quarto.

— Talvez o tio dele, conte o que aconteceu, é até melhor Hongchul cuidar disso, ele tem uma calma e um domínio sobre Sangwoo que mais ninguém tem — Junhui falou e Mingyu assentiu pegando sua jaqueta e vestindo, mal havia achegado da faculdade e já iria sair de novo — Vai ir agora?

— Sim, quero resolver isso já — Mingyu falou.

— Não faça nenhuma besteira Mingyu.

— Fique tranquilo, só vou conversar com Hongchul — falou pegando ás chaves do carro, dessa vez sem ser impedido pelo beta — Fale para Hansol ficar com Seungkwan.

— Tem certeza?

— Sim, ele gosta da presença de Hansol.

— Gosta até demais — Junhui falou suspirando.

— O que quer dizer? — Mingyu perguntou o encarando confuso.

— Você sabe, essa aproximação dos dois, tenho medo de ambos saírem machucados no final, se Sangwoo descobrir é capaz de matar os dois.

— Eu sei, e provavelmente meu pai faria o serviço — Mingyu falou suspirando — Mas Seungkwan gosta da presença de Hansol.

— Ele gosta do Hansol, não só da presença dele, e Hansol gosta dele também.

— Tudo que podemos fazer por enquanto é fazer ao máximo para ajudar eles, eu vou pedir a ajuda de Hongchul para podermos fazer algo, não vou deixar meu irmão se casar com Sangwoo.

 

[...]

 

Mingyu chegou à casa de Hongchul e foi recebido por uma empregada que o deixou esperando na sala enquanto ia chamar o patrão.

— Mingyu, em que posso ajudar? — Hongchul perguntou aparecendo na sala.

— Oi, desculpe vir incomodar a essa hora — Mingyu falou se levantando.

— Não tem problema, deve ser algo importante para você ter vindo — falou fazendo sinal para que Mingyu sentasse.

— Na verdade é bem importante mesmo.

— Então, em que posso ajudar?

Mingyu contou tudo para Hongchul, desde que seu irmão havia descoberto sobre o casamento até aquele dia em que Sangwoo o havia machucado, e o alfa mais velho escutava tudo sério.

— Eu sei que você não tem nada a ver com isso, mas eu realmente não faço ideia de como ajudar meu irmão — Mingyu falou soltando um suspiro.

— Eu realmente não sabia que isso tudo estava acontecendo — Hongchul falou pensativo — Eu conversei com Sangwoo á um tempo atrás, conversei sobre Seungkwan, eu não posso cancelar esse contrato, só quem pode é seu pai, e nem ele e muito menos Sangwoo querem isso.

— Então eu vou ter que apenas ver meu irmão se casando com aquele cara?

— Faz umas duas semanas quando chamei ele para conversar, pedi para que ele tratasse Seungkwan bem, inclusive pedi para ele esperar até se casarem para passarem o cio juntos — Hongchul comentou pensativo — Mas vou falar com ele de novo, ele não pode tratar ás pessoas da forma que quer, ainda mais um ômega.

— Você não tem como cancelar esse casamento?

— Não, como eu disse, só seu pai pode fazer isso.

— E o que meu pai mais quer é esse casamento — Mingyu falou revirando os olhos.

— Infelizmente ele não soube escolher um alfa para o seu irmão.

— Meu pai nunca sabe fazer nada — Mingyu falou suspirando.

— Ele te arranjou um casamento também?

— Não, ele não é louco, sabe que eu não me casaria se ele fizesse isso, eu nunca aceitaria um casamento arranjado, na verdade nem Seungkwan aceita, mas ele não se importa com a opinião de um ômega.

— Como seu pai não vê que seu irmão está sofrendo? — Hongchul perguntou indignado.

— Ele vê, mas não se importa, ele não se importa com nenhum ômega na verdade, acha que só servem para ter filhos, então quando Seungkwan nasceu e ele viu que era um ômega ficou com muita raiva, ele queria outro filho alfa, e agora na primeira oportunidade está se livrando de Seungkwan.

— Alfas assim me dão nojo — Hongchul falou suspirando — Mas vou conversar com Sangwoo, vou ver o que posso fazer.

— Muito obrigado, não sei como posso agradecer.

— Tem uma coisa que pode fazer por mim — o alfa falou após ficar um tempo em silêncio — Quero que cuide do Wonwoo e do Youngjae.

— O que? Como assim? — Mingyu perguntou arregalando os olhos.

— Pode parecer confuso, mas quando for à hora vai entender — Hongchul falou sorrindo — Por falar em Youngjae.

Mingyu olhou para trás vendo Youngjae aparecer na sala, ele vestia apenas um pijama comprido e carregava um ursinho em mãos, Mingyu estranhou a roupa do pequeno, assim como o jeitinho dele, sabia que o ômega era animado, e não estava frio para usar um pijama comprido.

— Papai, eu não consigo mais dormir — Youngjae falou choroso enquanto se aproximava.

— O que houve bebê? Está com dor? — ele perguntou pegando Youngjae no colo, o ômega apenas assentiu — Encontrou o papai Wonwoo?

— Não, ele sumiu — Youngjae falou querendo começar a chorar.

— Ele deve estar lá nos fundos, mas pode deixar que eu pego seu remédio — Hongchul falou se levantando — Olhe quem está aqui.

— Tio Mingyu — Youngjae falou finalmente olhando para Mingyu.

— Oi garotão, como está? — Mingyu perguntou sorrindo.

— Doente, bem doente, e não deveria sair da cama, se tivesse chamado eu iria até você — Hongchul respondeu por ele.

— Desculpa papai — Youngjae falou o abraçando.

— O que ele tem? — Mingyu perguntou.

— Só uma gripe bem chata, foi na escolinha, uma das crianças ficou doente e passou para as outras, mas está tudo bem, logo ele melhora — falou fazendo carinho na cabeça de Youngjae — Segure ele pra mim por favor, vou buscar o remédio dele — entregou Youngjae para Mingyu e saiu para pegar o remédio.

— Eu estava com saudade tio Mingyu — Youngjae falou abraçando Mingyu, o alfa sorriu ao sentir os bracinhos do pequeno envolta de seu pescoço e ele encostar a cabeça em seu ombro.

— Eu também estava, prometo começar vir te visitar — falou abraçando o corpinho de Youngjae, gostava tanto daquela criança.

— Eu quero ir tomar sorvete com o tio Mingyu de novo — Youngjae falou antes de começar a tossir.

— Assim que você melhorar eu te levo, mas tem que fazer tudo que seus pais mandarem pra melhorar logo e poder sair comigo.

— Eu vou — Youngjae falou um pouco mais animado.

— Youngjae, por que você está fora da cama? — ambos olharam para Wonwoo que andava apressado até eles, porém parou no lugar assim que reparou que era Mingyu — Mingyu, não sabia que estava aqui — falou nervoso.

— Eu vim conversar com Hongchul — explicou.

— Conversar com ele? O que?

— Depois ele te conta tudo direitinho — Mingyu falou apontando discretamente para Youngjae, mostrando que aquele não era assunto para uma criança ouvir.

— Tudo bem, agora Youngjae, o que está fazendo fora da cama? Eu mandei você ficar lá — ele falou colocando a mão na cintura enquanto tentava parecer bravo, porém Mingyu o achou adorável.

Wonwoo era por inteiro adorável, sempre que o via ele estava usando roupas pretas, mas dessa vez ele usava uma calça jeans de lavagem clara, e uma camiseta cinza, o cabelo preto como sempre meio desarrumado, e agora o vendo tentar repreender o filho o achou mais lindo ainda, ele ficava lindo até com uma expressão brava.

— Eu acordei sozinho e vim procurar o papai, estava doendo — Youngjae falou apontando para sua barriga.

— Quer vomitar? — Wonwoo perguntou se abaixando para poder ficar na altura do filho, sem perceber que havia se apoiado na perna de Mingyu.

— Não, só dói, o papai foi buscar remédio — ele falou deitando a cabeça no peito de Mingyu.

— Eu não deveria ter te deixado sozinho no quarto — Wonwoo falou se repreendendo — Ele pegou uma virose na escola, fiquei quase louco ontem quando ele começou a ter febre e vomitar.

— Logo ele vai melhorar, é forte, e temos que ir tomar sorvete juntos, então melhore logo — Mingyu falou começando a fazer um carinho na cabeça de Youngjae, o pequeno assentiu e agarrou sua camiseta enquanto fechava os olhinhos.

— Ele gosta tanto de você — Wonwoo falou sorrindo ao ver que Youngjae se grudava em Mingyu.

— É o meu charme, eu sou bonito demais — piscou para Wonwoo que revirou os olhos, mas acabou sorrindo ainda mais.

— Não posso discordar — corou na mesma hora que se deu conta de que havia falado aquilo alto demais.

— Bom saber que me acha bonito — falou sorrindo galanteador, fazendo o ômega corar ainda mais.

Mingyu analisou melhor o ômega que ainda estava abaixado a sua frente, ele abaixou a cabeça para desviar o olhar e Mingyu o achou mais fofo ainda daquele jeito.

Wonwoo não queria voltar a encarar Mingyu, se sentia idiota por agir daquele jeito na frente do alfa, era casado, nem deveria estar tão próximo, e quando percebeu que sua mão estava na perna do alfa a puxou rapidamente enquanto se levantava.

— Achei o remédio — Hongchul falou aparecendo na sala — Wonwoo, onde estava?

— Lá nos fundos, fui conversar com uma das empregadas — o ômega explicou sem encarar o marido.

— Tudo bem, eu peguei o remédio do Youngjae, ele apareceu falando que estava com dor.

— Eu o deixei sozinho no quarto, desculpe — falou vendo o marido se aproximar de Mingyu.

— Não tem problema, de qualquer forma não temos como ficar em cima dele vinte e quatro horas — falou tocando em Youngjae — Ele dormiu, vou te trazer mais vezes aqui para fazer ele dormir — Hongchul brincou encarando Mingyu.

— Vou levar ele para a cama — Wonwoo falou indo até os dois alfas, pegou Youngjae no colo tentando não tocar desnecessariamente no alfa — Tchau Mingyu — falou rapidamente antes de sair da sala.

— Aconteceu alguma coisa? — Hongchul perguntou estranhando a reação do marido.

— Nada — Mingyu falou forçando um sorriso enquanto se levantava — Tenho que ir agora, mais uma vez obrigado Hongchul.

— Tudo bem, e sempre que precisar não hesite em vir me pedir ajuda — Mingyu assentiu sorrindo antes de seguir em direção à saída da casa.

Assim que ouviu a porta se fechar Hongchul sentou no sofá sorrindo, havia presenciado a cena de Wonwoo e Mingyu, e cada vez estava mais certo que havia escolhido a pessoa certa.


Notas Finais


OLHA QUEM CHEGOU \O/
UHUL \O/

Gente quanto comentário maravilhoso no capitulo anterior, muito obrigada <3

Eu acho que vocês já notaram que eu só respondo os comentários quando vou postar o capitulo, é que não tenho muito tempo durante o dia, e durante a noite quando chego da faculdade to só o bagaço kkkkkkk
Mas sempre darei um jeito de responde-los, obrigada <3

Ah, uma coisinha, quem quiser recomendar alguma musica q ache q combina com a fic eu super agradeço, minhas ideias tão sumindo aos poucos eowiuroewiuroiewur
Daqui a pouco vou usar musicas da Disney nessa fic oeiwuroewruoeiwur

Beijinhos gente, e até o próximo \o\o


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...