1. Spirit Fanfics >
  2. Desejo Impuro - One-Shot Jeon Jungkook >
  3. Único.

História Desejo Impuro - One-Shot Jeon Jungkook - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


OIII!
como vocês estão?
cara, eu tô tão feliz de ter terminado essa one, vocês não imaginam KKKKKK demorei muito tempo, por conta da preguiça😔 mas consegui KKK

⚠️Na história contém *Incesto*! Porém, não tenho intenção nenhuma de incentivar ou apoiar tais atos na vida real, tudo não passa de apenas um entretenimento!⚠️

enfim, desculpem caso tenha algum erro, ainda não foi corrigido. espero que gostem, boa leitura meus amores❤️

Capítulo 1 - Único.


Fanfic / Fanfiction Desejo Impuro - One-Shot Jeon Jungkook - Capítulo 1 - Único.

Estava me sentindo tão feliz, hoje estou voltando para minha cidade natal para reencontrar todos meus familiares e amigos, também acabei por decidir que ficarei morando aqui mesmo, perto de todos que amo. Há quatro anos atrás decide me aventurar para fora do país, fui para os Estados Unidos fazer minha faculdade de direito que tanto anciava, mas por não estar mais conseguindo me manter lá sozinha acabei por tranferir minha matrícula para uma faculdade perto da casa de minha mãe, seria tudo mais fácil.

Acabei de desembarcar do avião, confesso que o cansaço estava me consumindo, meus olhos pesavam implorando por um cochilo, não qualquer cochilo, mas sim aquele cochilo que você dorme por horas e horas e quando acorda não sabe nem mesmo em qual planeta está ou quais são as horas. Era disso que eu precisava.

Parei de andar para pegar meu celular na bolsa, prontamente apertei no contato de minha mãe iniciando uma ligação.

— Alô?

— Oi mãe, bença.

— Oi meu amor, Deus te abençoe! Você está aonde? Já chegou? E comer, você já tomou café da manhã? Está perdida? — Fiz uma pequena careta por receber esse turbilhão de perguntas sem fim, ela era muito preocupada com todos da família, eu já deveria estar acostumada, mas mesmo assim não gosto quando me fazem muitas perguntas, pode parecer rude da minha parte, mas simplesmente me irrita.

— Vamos com calma, mãe. Eu já cheguei, estou no aeroporto pronta para pegar um táxi. E sim eu já tomei café. Só preciso que me passe o endereço certinho, acabei por me esquecer do nosso.

— Ah, esqueci de te falar. Eu vendi minha casa.

— Quê?! — Praticamente gritei atraindo alguns olhares das pessoas a minha volta, havia esquecido como a Coréia era conservadora.

— Precisava de dinheiro, oras, então vendi.

— Está bem, mas aonde a senhora está morando?

— Com Sunhee e sua família, a casa dela é grande e bem aconchegante, cabe muito bem nós duas aqui. Digo, no momento ainda não, o quarto que você irá ficar está com o teto prestes a cair, por isso terá que ficar na sala ou no quarto com Jungkook. — Arregalei meus olhos ao ouvir esse nome.

Jungkook é meu sobrinho, não é uma criança ou algo assim, ele é apenas quase dois anos mais novo que eu, digamos que nossas mães tiveram uma gravidez quase que juntas, eu nasci quando Sunhee estava com um a dois meses de gestação. Fomos criados juntos, brincávamos e nos divertiamos todo os dias. Com isso eu fui criando uma pequena paixão por ele. Mas quando ambos cresceram, acabamos por nos afastarmos, e quando eu me mudei para fora do país as coisas só pioraram, não nos falamos a anos. Não sei como irei me sentir perante a ele, afinal o mesmo cresceu e pude ver bem pela suas redes sociais que até mesmo músculos ele criou, fazendo ele ficar tão atraente. Jungkook tem uma carinha de bebê no corpo de um homem muito gostoso, devo admitir.

— Eu prefiro dormir na sala, mãe.

— Então está bem. Passarei o endereço certo por mensagem, ok? Até mais, filha. — Apenas tive tempo de abrir a boca para respondê-la, já que a atrevida desligou na minha cara.

O som da notificação anunciou que ela já havia me mandado. Ela pode ser velhinha mas é inteligente.

Valha senhor, se ela ao menos cogitar que estou pensando nisso, me desce o cacete. Já que não gosta de ser chamada de velha.

Suspirei me locomovendo mais para a beirada da calçada dando sinal para o táxi, logo um parou para mim e me deixou entrar no carro, apenas disse um bom dia e passei o endereço para o senhor. Não sou daquelas que gosta de falar pelos cotovelos com desconhecidos, na verdade sou bem tímida, então prefiro ir em uma viagem totalmente silenciosa.

Me apoiei na porta do veículo e passei a observar a rua, estava com tanta saudade dessa cidade, Coréia em si é única, tem aquele estilo de ruas que só ela obtem, e eu particularmente amo isso. As ruas estavam bem iluminadas com propagandas, ambas muito coloridas e que chamam muita atenção, não há tantas pessoas nas ruas, o único barulho que até então predominava era dos motores dos carros e buzinas.

Meu coração ainda estava aflito, não queria de jeito algum encontrar Jungkook tão cedo, tenho certeza que coisa boa não daria, ainda mais por conta desse meu desejo por si, um desejo tão pecaminoso e impuro. Lembro-me da primeira noite que tive na república da faculdade, felizmente ainda não tinha uma colega de quarto, então pela madrugada eu havia me lembrado dele, de uma forma muito nítida que me deixou abalada, acabei por me tocar pensando no garoto, e isso se repitiu por várias e várias noites que eu me encontrava sozinha, mas deu um basta nessa safadeza, esse pirralho é meu sobrinho, mas um tremendo gostoso do caralho. Perdão o palavreado.

— Senhorita? — Levei meus olhos em direção ao motorista murmurando um "hum?".— Já chegamos. — Avisou com um leve sorriso no rosto, esse ao qual eu fiz questão de retribuir.

Desci do carro e o mesmo me ajudou pegar as minhas malas, que eram quatro e muito pesadas, ele me ajudou a por na calçada da casa. Por fim agradeci e lhe paguei, logo ele entrou em seu carro e sumiu de minha vista.

Tratei de ir logo bater na porta daquela casa que de fato era bem grande, assim que o fiz ouvi uma voz roupa dizer "já vai", então apenas esperei.

— Pois não? — Minha boca involuntariamente abriu, mesmo eu não querendo!

Era ele. Jungkook estava em minha frente, e devo ressaltar que estava apenas com um calção solto, estava sem camisa esbanjando seus músculos. Deixei um suspiro fraco escapar de meus lábios, como pode aquele ratinho ter ficado um homão desse?!

— O-oi, Jungkook! Não 'tá lembrado de mim?

Ele franziu o cenho parecendo pensar, sua carinha fechado apesar de muito fofo me deu um piriri, senti o fundo da minha calcinha gotejar. Que saco, ____! Para com toda essa safadeza. Aquela sua carinha de desfez e um lindo e grande sorriso se formou em seus lábios.

— Tia ____! — Rapidamente ele me abraçou pela cintura me levantando com muita facilidade, aquele seu abraço apertado me espremeu tanto que quase fiquei sem ar.

— S-sim, sou...e-eu. — Falei com dificuldade pelo aperto. Ele pareceu perceber então me soltou.

— Está tão mudada, nem parece a mesma.

— Estou mais linda, não é? — Acabei por me gabar.

— Mais feia, isso sim. — Riu me fazendo fechar a cara.

— E você, continuou o mesmo garotinho chato e implicante! — Ele colou sua mão no peito como se estivesse ofendido. — Agora vai pegar as minhas malas ali na calçada.

— E por quê eu faria isso?

— Porque eu estou mandando, anda logo! — Falei mais alto, dando um breve sustinho nele que logo foi fazer o que eu havia pedido educadamente, risos.

De supetão acabei por entrar na residência, encontrando minha mãe com Sunhee conversando, com certeza estavam fofocando pois eu conheço bem as duas.

— Olha quem chegou. — Cantarolei chamando a atenção das duas.

— Filha! — Mamãe gritou e se levantou, correu em minha direção e me abraçou bem forte. Nesse ato pude exalar seu perfume doce, foi nostálgico, estava com muita saudade dela.

Apertei a mais velha em meus braços também, seus cabelos já começavam a ficar grisalhos mas como ela sempre deixava seu cabelo liso e bem alinhados, ela não estava parecendo uma velha, mas sim aquelas garotas que pintam algumas mechas do cabelo.

Nos separamos no abraço e eu olhei para minha irmã que já se encontrava em pé nos olhando. Não fiz cerimônias e a puxei para um abraço caloroso.

— Estava com tanta saudade de vocês duas! Nem acredito que estou aqui. — Acabei por desabafar deixando algumas lágrimas rolarem contra gosto.

— Nós também estávamos, principalmente Jungkook. Aliás cadê esse menino?

— Foi ele que me atendeu, mãe. Foi pegar minhas malas. — Ao falar no diabo que está prestes a me fazer pecar, digo, Jungkook, apareceu quase morrendo segurando tocas as malas.

Do jeito que eu o conheço bem, ele por pura preguiça de pegar uma de cada vez resolveu pegar todas ao mesmo tempo para fazer apenas uma viagem.

Eu e as outras duas mulheres ali resolvemos ir ajudá-lo, tadinho do bichinho, tava quase caindo pra trás.

— Você deve estar muito cansada né? Jungkook leva sua tia para seu quarto, para descansar.

— Tá bom, mãe. — Jungkook pegou quase todas minhas malas deixando apenas uma para mim. Acabei por fazer uma careta tentando entender como um ser humano como ele conseguia carregar tudo aquilo, já que minutos atrás estava morrendo.

Acabei por segui-lo, afinal, não conhecia nem a metade dessa casa, quando eu estava morando aqui Sunhee era dona de outra casa. Subimos a escada e caminhamos até o fim do corredor, onde se encontrava seu quarto. O mesmo foi na frente abrindo o cômodo, depois me deu espaço para entrar e eu pude observar melhor seu quarto.

Era o típico quarto de um adolescente rebelde, tudo preto, pôsteres de bandas de rock's nas paretes, alguns brinquedos de coleção e um pouco clareado. O que é ótimo na hora de dormir, vamos combinar. Mas pelo que eu sei, Jungkook já tinha abandonado essa sua fase, já que agora ele é um adulto. Irei usar o mesmo argumento das malas, ele com certeza não mudou nada ainda por pura preguiça.

Observei ele largar minhas malas em um canto e pular em sua cama, descansando enquanto sua respiração ofegava, acabei por rir e me juntei a ele, deitando-me ao seu lado.

— Depois que eu fui embora, como sobreviveu sem sua tia e melhor amiga? — Sorri ao ouvir sua risada, estava com saudade dela, era tão engraçada.

— Como é convencida, não? E eu não sobrevivi por muito tempo sem você, por isso eu arranjei uma melhor amiga.

Involuntariamente eu me sentei na cama passando a olhar em seus olhinhos profundamente, esse idiota só podia está brincando!

— Como é garoto? Você me substituiu?!

— Não, tia. Eu apenas me enturmei com novas pessoas, acabamos por ficarmos muito próximos, e como ela passou a me considerar melhor amigo, eu passei a considera-la também. — Abri minha boca incrédula, ISSO É TRAIÇÃO! — Mas relaxa tia, eu nunca dei importância a ele. Apenas a você. — Ele sorriu e levou sua mão até meu cabelo, arrumando uma mexa atrás da minha orelha. Acabei por ficar envergonhada, desviando meu olhar para um canto qualquer.

— Bom, eu acho melhor você sair, preciso tomar um banho e não te quero aqui.

— Magoou. — Um bico formou em seu lábios, o deixando fofo ao invés de um homão da porra pela primeira vez. — Certo, tem toalhas, sabonetes, escova de dente e tudo que você precisar dentro do armário embaixo da pia.

— Tá bom, agora sai. — Me levantei e passei a puxar sua mão para que ele caísse da cama. Quando ele estava de pé fui empurrando-o para fora, assim que Jungkook estava no corredor se virou para mim na intenção de dizer algo, mas não deixei e fechei a porta em sua face, face beautiful. Ri quando o mesmo soltou um palavrão baixo. — Olha a boca muleque!

Me distanciei da porta e fui para o banheiro, necessito de um banho pra tirar todo esse suor, aish, como eu odeio calor! A única coisa que nos beneficia é tomar qualquer coisa gelada e não pegar resfriado, mas como eu sou tão azarada, pego resfriado em meio ao calor de trinta graus!

Fiz um coque mais ou menos em meu cabelo e passei a retirar minhas roupas, quando já estava totalmente despida entrei dentro do box e liguei o registro, acabei por relaxar ao sentir a água fria cair sobre meus ombros, esses aos quais estavam bastante tensos. Peguei um pouco do sabonete líquido e esfreguei em meio as minhas mãos para criar espuma, depois passei em meu corpo, para limpar cada pedacinho dele, acabei por suar demais dentro daquele avião. Não tardou muito para eu terminar meu banho, afinal, temos que poupar água, eu em. Sai do box e peguei uma toalha, felizmente ela cobria todo meu corpo, como eu deixei minha mala e todas minhas coisas no quarto acabei por sair do banheiro, para me trocar lá mesmo. Só não contava que Jungkook estaria ali, mexendo em minhas coisas, forcei uma tosse para chamar sua atenção, quando o mesmo me olhou sorriu sapeca e levantou um pertence meu, me deixando branca.

— Pra quê isso, tia? — Perguntou ele, segurando meu vibrador em mãos.

Ah... Como isso é constrangedor!

— Não te interessa! — Fechei a cara com raiva indo até ele e pegando meu "brinquedo" de suas mãos, acabando por esconder dentro de outra mala. — Por que estava mechendo nas minhas coisas?! Criança enxerida!

— Primeiro, você é apenas um ano e alguns meses mais velha, então não me chame de criança. Segundo, eu estava bem curioso em relação a você, titia. — Sua voz engrossou e seu olhar escureceu, ele se levantou e foi andando até mim ficando bem próximo. — Já disse, você mudou demais. Agora quero conhecer melhor sua nova versão. — Faltei cair para trás quando ele posicionou sua mão em minha cintura deixando um aperto forte na aérea enquanto levou sua boca até meu ouvido para sussurrar. — Mas por agora, descanse. — Por último deixou uma mordida leve no lóbulo do meu ouvido, se distanciou e saiu pela porta.

Minha boca estava aberta, ou melhor, escancarada, o que foi isso?! Meu senhor. Eu estava alucinando ou meu sobrinho estava me falando coisas de duplo sentido? Deus...

Balancei minha cabeça acordando pra vida, já que estava paralisada desde o momento que Jungkook saiu do quarto. Fui até minha mala para pegar minhas roupas, até porquê não posso ficar pelada né, peguei uma calcinha e sutiã qualquer e os vesti, depois peguei um shorts de malha confortável e uma blusa regata preta, não quero morrer nesse calor. Depois de vestida me deitei na cama, passei a encarar o teto e Kook não saia da minha cabeça, esse muleque maluco fica mexendo com meus sentimentos, ele não tem esse direito!

Meus olhos acabaram por ficarem pesados, meu corpo relaxou e logo eu me entreguei ao sono.

(...)

Acordei assustada com alguém me chamando, aos poucos fui abrindo meus olhos e notei ser minha mãe. Pensei em perguntar o que a mesma queria, mas acabei por murmurar algumas coisas que nem mesmo eu entendi, mas ela com seu dom, compreendeu.

— Já está na hora da janta, não quero que você fique sem comer. — Arregalei meus olhos, eu dormi tanto assim?

— Que horas são? — Perguntei me sentando na cama coçando meus olhos, para me acostumar com a iluminação, já que a luz do quarto estava acesa.

— Quase nove da noite, querida.

Apenas concordei, ainda estava com sono, dormia sentada. O que fez minha mãe bufar.

— Anda logo, menina! — Praticamente gritou, me assustando.

— Tá bom, já levantei. — Pulei da cama e fui para o banheiro, precisava lavar meu rosto, para desinchar.

Ainda estava com meu cabelo preso, então acabei por soltá-lo e alinhar as madeixas, gosto mais de ficar com meu cabelo solto. Saí do banheiro e calcei meu chinelo, logo após saí do quarto e me direcionei para o primeiro andar, confesso que minha barriga já estava roncando.

Ao chegar na copa praticamente todos estavam sentados, menos mamãe e Sunhee que ainda serviam a mesa, acabei por me sentar na frente de Jungkook que me olhou e sorriu de forma sapeca, acabei por rir.

— Pronto, antes de comermos, vamos orar. — Disse minha irmã assim que terminou de colocar a mesa, ela e nossa mãe sentou na mesa.

Fechamos nossos olhos e ela começou a orar, nunca fui muito de seguir alguma religião, mas como eu respeitava acabei por ficar em silêncio apenas concordando com tudo que saia de sua boca.

Arregalei meus olhos ao sentir algo tocar meu joelho, olhei para frente e Jungkook estava de olhos fechados, parecia concentrado, olhei debaixo da mesa e era seu pé, acabei por bater em seu pé mas ele revidou em meu joelho. Olhei emburrada para ele que agora me encarava risonho, e pediu para que eu abrisse minhas pernas de forma silenciosa. Mordi meu lábio inferior olhando para os lados vendo que os outros ainda estavam com seus olhos fechados e Sunhee não havia terminado. Fechei meus olhos e abri minhas pernas sentindo ele indo para perto da minha intimidade, pressionando meu botãozinho com seu dedo, um suspiro escapou de meus lábios, quando ele passou a fazer movimentos circulares olhei para ele que ainda carregava em seus lábios um sorriso de lado, eu estava ficando excitada com esse bendito toque, de um pé! O xinguei quando ele aumentou os movimentos.

— Amém! — Sunhee por fim encerrou sua oração.

— Amém. — Dissemos juntos, suspirei frustada quando Kookie retirou seu pé no meio de minhas pernas e passou a comer.

Frustada?! Aish! ____ ele é seu sobrinho. Isso é mais que errado.

Mas o que eu poderia fazer, uh? Jeon Jungkook é totalmente pecaminoso, desperta um desejo fora do comum em mim, o que é realmente intrigante. Nunca um homem me chamou tanta atenção, o que é bem frustrante pensar que apenas meu sobrinho desperta tais sentidos em mim. Assustador.

O resto do jantar foi tranquilo, não houve mais provocações da parte de Jungkook, o mesmo comia sua comida com uma carinha de anjo, o que de longe ele é. Sunhee e seu marido, Doohyun, conversa sobre o trabalho e vida de ambos, as vezes mamãe se "intrometia" no assunto, eu apenas observava enquanto me alimentava.

Depois de comer pedi licença e levei meu prato até a pia, depois de lavá-lo fui para a sala. Afinal lá seria aonde eu dormiria, bom, durante algumas semanas apenas. Me sentei no sofá e liguei a televisão para assistir a programação local, não sou muito fã de ficar em frente a teve, porém, é a única coisa que posso fazer, já que está tarde e não posso sair.

Sunhee com a ajuda de Kookie trouxe um colchão para mim, será aonde eu dormirei, óbvio. Felizmente não será no sofá, que convenhamos, não é tão confortável.

— Deixarei algumas cobertas aqui caso sinta frio, está bem? Pode se sentir em casa, coma e assista teve. Eu e Doohyun temos que dormir cedo, trabalhamos amanhã cedo, e bom você conhece mamãe. — Disse apontando para atrás de mim, olhei na direção e vi a mais velha dormindo de boca aberta ainda sentada na mesa, acabei por rir. — Vou levar ela pra cima. Jungkook não vá dormir tarde em!

— Tá, mãe. — Respondeu emburrado, eu sabia que ele odiava com Sunhee o trata como um bebê.

Os três acabaram por subir e irem para seus respectivos quartos, restando apenas eu e Jungkook na sala.

— Então... Quer assistir um filme? — Perguntei quebrando o silêncio tenso que pairou no local.

— Pode ser. — Disse pegando o controle e colocando na Netflix. Se sentou ao meu lado do sofá e passou a procurar um filme. — O que acha de 50 Tons de Cinza, titia? — Perguntou com aquela maldita voz que arrepia até lá.

— O que?! Acho melhor não Kookie, esse filme tem besteira demais. — Quem vê pensa que não tem sonhos eróticos com o sobrinho.

— E o que tem, uh? Somos adultos. Tenho certeza que a senhora já fez isso.

— Aish, Kookie. Não me chame de senhora, credo! — Ele riu e se virou para mim, aproximando-se cada vez mais, acabando por ficar por cima de mim, arregalei meus olhos com medo de alguém nos ver, mas felizmente a luz estava apagada e eles já deviam estar dormindo.

— Sabe tia, a senhora mudou tanto da última vez que esteve aqui...

— O-o quer dizer com isso?

— Que você está mais gostosa.

Ok, de fato eu não esperava por essa! Puta que pariu, Jeon Jungkook realmente está falando toda essa impureza para sua querida tia, de fato ele não é um anjo! Mas eu tenho que assumir o papel de tia.

— Jungkook! Veja bem o que fala de mim, sou sua tia, garoto. — Tentei parecer brava, mas acho que não rolou muito, já que ele riu.

— Qual é... Eu sei que me deseja tanto quanto eu desejo você. — Passou sua mão em minha bochecha fazendo um leve carinho, mas levou ela até meu cabelo afastando a madeixas para ter livre acesso de meu pescoço, onde ele começou a distribuir selares molhados e algumas mordidas fortes na região me fazendo suspirar. — Sabe o que eu desejo fazer contigo, titia? Eu desejo ver seu corpo completamente nu, desejo chupar sua bocetinha até você gozar na minha boca, desejo tanto te foder de todas as maneiras até não aguentarmos mais. Eu te quero tanto, tia. — Gemeu enquanto esfregava sua pélvis em mim, fazendo com que eu sinta bem sua ereção.

Minha calcinha já estava encharcada com todas essas palavras sujas que saia de sua boquinha, não aguentando mais o puxei para um beijo, no momento que nossos lábios se conectaram uma onda elétrica subiu pelo meu corpo, de fato eu necessitava daquilo, enrolei meus dedos em suas madeixas escuras aprofundando o beijo, nossas línguas dançavam em uma perfeita sintonia, era maravilhoso. Assim que a falta de ar fez presente em nosso meio, nos separamos e ficamos encarando um ao outro, seu olhar era de pura luxúria e estavam mais escuros, pareciam que a qualquer momento podiam me engolir.

— Pois então faça o que desejar comigo, Kookie-ah. Sou toda sua. — Sussurrei a última coisa, fazendo ele rosnar e me agarrar novamente, grudando nossos lábios.

Agora seu corpo um pouco pesado se deitou por cima do meu, sentia sua região íntima tocar minha coxa, arfei com aquilo. Sua destra foi de encontro com o meu maxilar o apertando de forma possessiva e sexy, nossas línguas continuavam a trilhar uma dança rápida e gostosa, sua língua quente se enroscava com a minha, enquanto sua outra mão ia de encontro com minha boceta, aquela que ainda estava tampada pelo meu shorts e calcinha, mas ainda assim eu sentia minha intimidade pulsar pelo seu simples toque. Sua boca separou-se da minha e foi de encontro com o meu maxilar, onde ele mordeu, seus dentinhos de coelho fincaram-se em minha pele forte acabei por gemer, com toda certeza irá ficar marcado, com beijos molhados ele desceu até minha clavícula, onde lambeu, beijou e chupou a pele com força, me dando arrepios, seus dedos agora quentes foram até a barra da minha blusa fina e a puxou para cima, recebendo a visão de meus seios ainda sendo esmagados pelo sutiã, um sorrisinho perverso nasceu em seus lábios, sua língua caminhou pelo vão dos meus seios enquanto uma de suas mãos apertaram fortemente o meu seio esquerdo, doeu já que ambos estavam rígidos e prontos para ser chupados, ergui um pouco do meu corpo e facilmente ele retirou a peça, meus seios saltaram para fora e ficaram frente ao rosto do castanho, Kookie apalpou ambos e logo em seguida enfiou o direito na boca, o mamando esfomeado enquanto sua outra mão amassava o esquerdo, doía... Mas era uma dor deliciosa, e eu precisava de mais. Já com o meu seio direito babado, agora foi a vez do esquerdo, sua língua lambia incansavelmente o meu bico rígido, minhas arfadas aumentavam cada vez mais, levei minha mão até sua nuca e puxei seus cabelos ralos ali. Depois de se esbaldar nos meus seios, seus beijos foram descendo, até a cós do meu shorts, seus dedos ágeis grudaram em volta do elástico do shorts como uma criança afobada que precisava retirar aquela peça, ergui meu quadril e ele retirou a peça, por pura vergonha fechei minhas pernas para que ele não olhasse muito para a minha bocetinha que já estava sedenta por si, porém, todavia ele foi lá e abriu – ou escancarou – as minhas pernas, olhei em sua face e ele já me encarava, seu sorriso doce foi aberto, agora eu já não sabia se abraçava ele por ter uma carinha fofa ou se eu pedisse para ele me chupar logo por ser um gostoso... Maldita dualidade. Quando eu grunhi ansiosa para ele fazer o que estava planejando, logo ele entendeu e então continuou, senti o seu dedão pressionar o meu pontinho sensível, ofeguei juntado minhas sobrancelhas.

— Kookie-ah... Não me torture. — Digo com um fio de voz.

Ao ouvir sua risada, um tanto travessa, eu apenas suspirei, ele adorava provocar.

Suas mãos se direcionaram para as laterais de meu corpo, segurando minha calcinha rendada e fina, de forma lenta ele retirou a peça enquanto me encarava profundamente de forma pecaminosa, arfei sofrega não aguentando mais de ansiedade, precisava dele logo. Após retirar por completo minha calcinha ele se ajoelhou no estofado para vizualizar completamente meu corpo sem roupa alguma, seus olhos foram até meu rosto e eu mordi meus lábios da forma mais provocativa que podia fazendo ele sorrir e jogar a cabeça para o lado, parecia atingido, com meus olhos segui sua mão que foi de encontro com a ereção enorme que crescia no meio de suas pernas acabando por apertar o local, gemi manhosa já sentindo meu buraquinho se contrair. Kookie se abaixou e aproximou-se da minha boceta e a cheirou logo depois distribuiu um ar gélido sobre a mesma, dando uma sensação muito boa em mim, seus indicadores abriram os meus lábios vaginais e então senti finalmente a sua língua quente indo de encontro com a minha entrada gotejante, lambendo e beijando-a, meus dedos apertavam fortemente os lençóis e meus lábios foram reprimidos para eu me controlar e não acabar gemendo alto, sua língua trabalhava bem naquele local simulando penetrações duras, meus olhos já reviraram por conta do prazer que me era proporcionado. Dois de seus dedos me invadiram sem dó nem piedade, causando uma pequena ardência.

— Sua bocetinha é tão gulosa, tia. Veja como engole bem meus dedos. — Jungkook sussurrou, acabando com a pouca sanidade que me restava.

— Awn Kookie! — Praticamente gritei enquanto me contorcia em cima da cama, meu orgasmo estava próximo. Mas com a sua mão livre ele tampou minha boca.

— Shii... Não quer que eu alguém venha até aqui e estrague nossa brincadeira, não é? — Neguei várias vezes com a cabeça, recebendo um sorriso satisfeito dele. Passei a gemer então mais baixo, meus olhos reviravam a cada estocada forte que ele dava no meu buraquinho com seus dedos, então ele percebeu que meu limite logo chegaria acabando por aumentar a velocidade de sua mão. — Vamos, meu amor... Goze, estou louco para sentir seu melzinho. — Seu timbre rouco me causava arrepios, eu só queria mais e mais dele.

— Jungkook... Hmm. Mete mais fundo e duro.

— Você gosta assim? — Perguntou provocativo me invadindo brutalmente, seus dedos faziam um belo trabalho.

— Uhum... — Respondi sôfrega mordendo meu inferior.

Meus pelos se arrepiaram e minhas pernas tremeram, antes mesmo do meu orgasmo chegar, Kookie tratou de colocar sua boca no meu buraquinho, agora sugando todo o líquido que descia deste, às vezes sua língua ainda me invadia, me causando mais prazer e arrepios.

— Estou louco para lhe invadir e sentir essa bocetinha gostosa me receber. — O mais alto ditou se levantando e retirando todas as suas peças de roupas.

Assim que ficou completamente nu em minha frente passei a observar seu pau, esse ao qual não era tão grosso mas bem grande e sua cabecinha rosinha me dava água na boca, aproveitei que ele ainda estava em pé e engatinhei de quatro até o mesmo, segurei na base de seu pau ouvindo seu arfar forte, parecia um pouco surpreso. Comecei a masturbar seu comprimento com um vai e vem lento, cospi na sua glade colocando está em minha boca logo em seguida, seu gosto era ainda melhor do que eu podia imaginar. Apalpei suas bolas enquanto sugava firme sua cabecinha já com o pré-gozo e inchada, era tão bom senti-lo dessa maneira em minha cavidade bucal. Fui aos poucos engolindo todo seu pau, até ele chegar no fundo da minha garganta quase me fazendo engasgar. Sua mão foi até meu cabelo e neste fora feito um rabo frouxo e mal feito, agora era ele quem ditava os movimentos. Não tardou muito e eu logo senti as veias que cercavam seu pau se engrossarem, jatos de porra invadiram minha boca, seu líquido viscoso e um pouco salgado ficou em minhas bochechas, mas quando Jungkook retirou seu membro de dentro da minha boca tratou de apertar minhas bochechas me forçando a engolir, assim fiz não me importando pois eu gosto, seu indicador foi até meu lábio limpando o mesmo que ainda estava sujo de gozo, peguei em sua mão e levei seu dedo até minha boca chupando ele enquanto encarava ele nos olhos, Jungkook gemeu deleitoso.

Me coloquei de pé para apenas lhe conduzir até o sofá, fazendo com que o mesmo sentasse no estofado, sorri perversa e passei uma perna de cada lado de sua cintura para me sentar em cima de sua pélvis, sem mais enrolação peguei na base de seu pau e o introduzi para dentro da minha bocetinha, com a ajuda das suas mãos que agora estavam em minha cintura fui descendo devagar enquanto mordia meu lábio inferiore, nossos gemidos saíram em conjunto assim que ele estava por inteiro dentro de mim.

— Agora rebole para mim! — Ordenou dando um tapa forte em uma das bandas de minha bunda.

— E a camisinha?

— Relaxa, depois você toma um remédio.

Assenti e posicionei minha destra em seu peitoral, começando a subir e descer de forma lenta fazendo com que seu pau gostoso fosse bem fundo em mim, acabei por sentir ele atingir o meu ponto mais prazeroso, apoiei melhor minhas duas mãos em seus ombros largos onde passei minhas unhas arranhando a região, fiquei satisfeita quando ele gemeu, Kookie voltou com suas duas mãos em minha cintura apertando forte a carne e passou a me ajudar com os movimentos, logo passou a me fazer quicar bem rápido em cima do seu pau, me causava uma pequena ardência mas eu não estava dando tanta importância, meus hormônios estavam á flor da pele e eu só penso em saciar este prazer. Com a maior facilidade do mundo ele inverteu as posições e começou a comandar, o mesmo pegou a minha perna esquerda e a colocou por cima de seu ombro, dando mais acesso a si para entrar e sair com facilidade de meu ventre, as estocadas aumentavam cada vez mais, já podia ouvir o sofá indo um pouco para trás mas felizmente não fazendo muito barulho, Jungkook era bruto e eu gostava disso. Diversos tapas foram desferidos em minha coxa enquanto meus olhos reviraram cada vez mais, direcionei minhas duas mãos até suas costas e arranhei fortemente o local controlando a enorme vontade que estava de gritar seu nome e acordar a casa toda, o barulho de nossos corpos se chocando era uma delícia, tudo estava me levando a loucura.

— Ah! Kookie-ah... — Gemi manhosa. — Estou quase lá.

— Isso, meu amor. Jorre todo seu melzinho no meu pau, ele está louco para se banhar com seu líquido quentinho. — Ele direcionou novamente seu dedão até o meu clitóris inchado, massageando delicadamente ele.

Eu já não conseguia dizer mais nada, apenas gemidos baixos e arfares saiam de minha boca, minha garganta estava ficando seca, senti meu corpo soar frio e uma tremedeira tomou conta de mim novamente, parecia que Jungkook estava me lendo com apenas o olhar, nesse momento ele levou sua mão até minha boca me impossibilitando de gritar, mordi a mesma para aliviar minha tensão. Tirei minha perna de seu ombro e entrelacei as duas em sua cintura para que ele continuasse com as investidas até gozar.

— Hmm Kookie... — Falei sôfrega por conta do meu orgasmo estava sensível. — Quero sentir sua porra em mim... Vamos, goza até me encher do seu leitinho.

— Caralho, você é tão gostosa!

Ele se colocou por cima de mim, aumentando as estocadas e intensificando seus gemidos, sua cabeça se encaixou perfeitamente na curvatura de meu pescoço, me arrepiava com seus gemidos soltados rente a meu ouvido, seus lábios seguraram um gemido acabando por soltar um grunhido que me fez tremer até as bandas e então senti seu líquido quente me preencher.

— Fique de quatro, tia. — Novamente deu sua ordem saindo de mim, ficando em pé masturbando seu pau enquanto me observava toda aberta para si.

Respirei fundo e me coloquei nessa posição balançando minha bunda pra lá e pra cá, como se fosse um convite, para ele ir mais rápido com aquilo. Senti suas duas mãos irem até meu bumbum e elas apertarem fortemente minha carne, me assustei quando senti sua língua em meu buraquinho traseiro, nunca tinha tentado isso... Mas com ele eu me arriscaria em tudo! Gemi fraco sentindo sua língua me penetrar mais por de trás, ele devia estar me preparando. Gemi de dor ao sentir dois de seus dedos me penetrarem.

— Jungkook, assim dói!

— Calma que já passa, amor.

Mordi meu inferior ao sentir ele se mexer, estava me causando agonia pela dor que não passava, mas ao mesmo tempo eu queria aquilo, então me deixei levar. Relaxei e fechei os olhos tentando aproveitar do momento, espontaneamente passei a gemer e chamar por ele, eu queria mais, queria sentir seu pau me fodendo com força por trás, pedi e assim ele fez, se endireitou e apoiou uma de suas pernas no sofá como apoio e segurou minha cintura, pressionou seu pau em minha pequena entrada e passou a penetrá-la, pressionei meus lábios enquanto fechava fortemente meus olhos, isso doía demais! Assim que senti ele por inteiro, o maior parou e esperou eu me acostumar, suspirei e me balancei para frente e depois para trás fazendo com que seu membro entrasse e saísse de meu interior, logo ele entendeu o recado e passou a se movimentar devagar e de forma prazerosa, aos poucos aquilo estava se tornando uma sensação boa.

— Kookie, vai mais rápido bem.

Assim ele fez, passou a se movimentar mais rápido em meu buraquinho fazendo meu corpo ir brutalmente para frente, senti as veias de seu se engrossarem novamente enquanto eu tratei de espreme-lo mais dentro de mim, Jungkook rodeou seu braço em volta da minha cintura e me fez ficar de joelhos para facilitar algo que ele tinha em mente, gemi arrastado ao sentir sua mão livre ir de encontro com meu botãozinho inchado e sedento por atenção passando a estimula-lo, da forma mais gostoso.

— Jungkook! Awn. Isso, você acaba comigo.

— Geme meu nome de novo, ____!

Sorri vendo que aquilo agradava demais ele, então o obedeci, gemi seu nome incansáveis vezes. Por fim nossos grunhidos saíram em conjunto e nossos orgasmos chegaram no mesmo segundo, os líquidos que saiam de nossos íntimos se misturaram, ele estocou mais algumas vezes e saiu de mim, se jogando sentado no sofá, o acompanhei.

— Isso foi... Demais. — Falou ofegante, me tirando um riso.

— Sim. Agora precisamos de um banho. — Ele assentiu me olhando.

— O que acha de uma rapidinha embaixo do chuveiro? — Mordi meu lábio olhando para ele desacreditada, porém assenti fazendo ele sorrir abertamente e me pegar no colo, para carregar até o banheiro.

Que Deus tenha piedade de mim.

(...)

Acordei com uma barulheira, abri meus olhos devagar tentando me acostumar com a luz que invadia a sala, olhei para a copa que ficava do lado da sala e vi todos reunidos tomando café, menos Jungkook. Esse deve estar dormindo ainda, depois que tomamos banho e fizemos coisas a mais ele foi se deitar em seu quarto para que ninguém desconfiasse de nada, ficamos acordados até tarde ele deve estar cansado. Me espreguicei tratando de me levantar chamando a atenção dos demais ali do lado, desejei um bom dia e avisei que irei usar o banheiro mas logo volto.

Fui até o último cômodo citado para lavar meu rosto e escovar os dentes, ninguém é obrigado a me ver candanga e de bafo, depois de fazer ambos fiz xixi e logo sai do banheiro, encontrando nada mais que Jungkook na porta, esse ao qual me puxou pela cintura e juntou nosso lábios.

— Tá louco?! — Disse me separando. — Eles podem nos ver!

— Fica tranquila, eles estão ocupados tomando café. — Ele tinha razão, mas não podemos dar mole.

— Você devia fazer o mesmo. — Dei batidinhas em seu peito passando a andar, mas parei quando ele depositou um tapa forte em meu bumbum, o encarei emburrada.

— Ontem você não reclamou. — Provocou com seu típico sorriso perverso nos lábios.

— Há, há, há. Como ele é engraçado. — Fiz apenas ele rir com a minha cara ameaçadora. — Melhor tomar cuidado com o que fala, tá? — Dei um selinho em seus lábios, bipolaridade? Temos. Me distanciei finalmente para ir tomar café, estava faminta.

Desci as escadas e me juntei a eles passando a me servir, não demorou muito para Kookie descer e se sentar na mesa, seu sorriso cafajeste não deixava sua boca enquanto ele me encarava, e isso me deixava molinha molinha.

— Gente, vocês também ouviram barulhos estranhos essa noite? — Eu que estava levando minha xícara de café até a boca acabei por me engasgar com a pergunta de minha mãe.

— Não, eu também ouvi alguns chiados mãe. Estranho...

— Ah, deve ser ratos vó. Depois darei um jeito neles.

— Pode deixa que eu te ajudo, Kookie. — Disse por fim lançado a ele um sorriso sapeca discretamente.

Seria um prazer em tanto, sobrinho.


Notas Finais


fic com o jiminie: https://www.spiritfanfiction.com/historia/dangerous-love--imagine-park-jimin-18890211 - leia😉💞💞
fiz com tanto carinho KKKK me contem oq acharam rsrs
meus perfis: @xxcherrie e @dugguk — para lerem mais histórias.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...