História Desejo incontrolável - Em revisão - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Personagens Rin, Sesshoumaru
Tags Desejo, Medo, Obsessão, Reencontro, Rin, Sesshoumaru, Sesshrin
Visualizações 439
Palavras 2.241
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Esporte, Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa noite , fiz agora o cap, então desculpem os erros.
li todos os comentários hj e amei cada um , e eu estou muito feliz por vcs estarem com tanta raiva do sesshy rs

Capítulo 16 - O Manipulador


Fanfic / Fanfiction Desejo incontrolável - Em revisão - Capítulo 16 - O Manipulador

DESEJO INCONTROLÁVEL  

capítulo  16 - o manipulador 

 

Havia feito merda e ele sabia disso, e sua confirmação era o fato de ter uma criança, o seu filho ali,  o fato dele estar chamando pela mãe  só confirmava ainda mais a besteira que tinha feito. 

— onde estamos indo? Cadê minha mãe... ?

— acalme-se querido... Estamos indo para sua casa... -dizia a assistente social tentando acalmar ao menino. 

— mas e minha mãe? 
 

Não demorou muito para o carro entrasse pelos os enormes portões da casa, casa esse que seria o novo “lar” de sesshoumaru e de sua esposa .

sesshoumaru foi o primeiro a descer do carro e ao entrar na mansão , para em seguida ser a vez de a assistente social entrar de mãos dadas com Seiji. 

— essa não é minha casa, cadê minha mãe! eu quero ir embora... Porque me trouxe pra cá? – o menino já enchia a loira de perguntas. 

— acalme-se Seiji... - pedia assistente

— Não! Eu quero ir embora! 

— seiji... - ela o segurou quando o mesmo tentou correr em direção a porta .

— me solta moça... Eu não quero ficar aqui!  - Seiji gritava sem parar. -  Eu quero a minha mãe , me solta , essa não é minha casa , vocês são maus! Me deixa ir !

— CHEGA! - gritou sesshoumaru já irritado pelos berros do menino , ele então se aproximou de Seiji , abaixou-se ficando na altura do garoto na qual ele segurou pelos ombros. - para de chora , pare! 

— NÃO! 

— JÁ DISSE PARE DE CHORAR... - disse com voz irritado. 

— senhor sesshoumaru acalme-se ... Ele apenas esta assustado. - pediu assistente , porém o prateado nem ao menos a escutou .

— olhe você  vai morar aqui , vai ter brinquedos ... Vai ter tudo que quer , então agora pare .

— EU NÃO QUERO MORAR AQUI!

— MAS VOCÊ VAI TER QUE  MORAR QUERENDO OU NÃO! Você vai morar aqui a partir de agora! E você vai ter que me obedecer. 

— NÃO! EU NÃO, EU NÃO... EU NÃO VOU MORAR NESTA CASA E MUITO MENOS VOU OBDECER O SENHOR! 

— vai porque eu sou seu pai! - disse irritado 

— senhor sesshoumaru! - gritou assistente social pelao pequeno descaso do homem de revelar assim ao menino que ele era o pai , porém o pequeno menino calou-se; encarando o homem a sua frente , no canto do olho direito de Seiji havia uma pequena lagrima, sesshoumaru sorriu feliz por acreditar ter conseguido acalmar o filho. Porém o menino fungou o nariz em seguida disse:

— eu não ligo!

— o quê? – sesshoumaru encarou o menino surpreso.

—eu não ligo que o senhor seja meu pai ! Não ligo – o menino balançou a cabeça para um lado e para outro. - é com minha mãe que eu quero ficar ! Então eu não vou ficar aqui! NÃO VOU!

Sesshoumaru sentiu uma agitação em seu peito, mas antes que ele pudesse responder o garoto.  A voz de Sara invadiu a sala os gritos sua maquiagem estava toda borrada, e atrás de si estava Arina, Inuno,

—COMO PÔDE! – gritou Sara – COMO PÔDE ME HUMILHAR DESSA MANEIRA!

 

Sesshoumaru levantou-se , colocando Seiji atrás de si.

 

— ele é a Cara do sesshoumaru – disse Arina surpresa pela grande semelhança dos dois, para ela era como ver o passado e  o futuro.

—ESSE É O MOLEQUE QUE É FILHO DA SUA VAGABUNDA!

— Sara controle-se – pediu Sesshoumaru , ficando ainda mais a frente do menino.

— EU FUI HUMILHADA NAS REDES SOCAIS!  ABANDONADA EM MINHA FESTA DE CASAMENTO E VOCÊ ME PEDE CALMA!

— Sara! – a voz de Inuno foi ouvida , o homem colocou suas mãos sobre os ombros alvos de Sara – escute seu Marido , eu tenho certeza que ele tem boas explicações... - afirmou olhando para o filho que nada disse – Arina você poderia levar o menino ate a cozinha,  dá-lo algo para comer , tenho certeza que ele deve estar com fome .

— claro. – Arina respondeu aproximando-se do garoto, em seu rosto havia um leve sorriso– Olá querido... Me chamo Arina, Bom. Que tal irmos ate a cozinha comermos um pedaço de bolo?

Seiji nada disse, continuava atrás de seu pai, estava assustado com tudo aquilo.

— não precisa ter medo de mim, pequeno... Eu vou cuidar de você pode confiar – ela estendeu a mão ao garotinho, que fungou o nariz antes de pegar  na mão da mais velha, ambos andaram em direção a cozinha sendo acompanhados da assistente social.

— depois de esclarecer tudo com sua esposa, venha ate o escritório - disse inuno deixando os recém casados a sós.

— Sara... – sesshoumaru se aproximou dela, em seguida sentiu a face dolorida devido tapa que acabara de levar .

— como pôde gerar um bastado! Como pôde me humilhar e me rebaixar.

— me deixe explicar – ele disse massageando a face e agora a encarando serio - eu nunca quis fazer isso com você amor, mas eu não podia deixar meu filho partir!  Eu soube dessa criança hoje, e quando eu soube que a mãe dele iria fugir com o menino , o meu instinto de pai falou mais alto...

— como pôde engravidar outra sesshoumaru.

— eu não sabia da existência dessa criança, foi um erro que não é culpa minha , a mãe dele engravidou de mim quando éramos adolescentes , enquanto eu estava bêbado, eu nem se quer me lembrava dela!  E hoje quando ela me ligou dizendo que eu era pai, eu não sei o que aconteceu comigo, só pensei em ir atrás do meu filho.

— como tem certeza que esse menino é filho seu!

— ela era virgem , alem do mais olhe o menino é minha cara ...

— pensei que não se lembrava dela – riu amargurada – agora ate virgem lembra que essa vagabunda era !

— eu estava bêbado para lembrar o nome dela , éramos adolescentes , ela chegou a uma festa em minha casa que estava sendo organizando por mim e uns amigos , e me disse que era virgem , eu era um adolescente , me deixei levar pela bebida e os hormônios ...- ele passou a mão nos fios prateado da cabeça - Sara me desculpe eu não podia perder meu filho !Entenda Sara!

— como queres que eu entenda! Eu fui humilhada – disse ela.

— eu sei, e me perdoe amor, eu nunca quis fazer isso com você! Sara, você é a mulher que eu amo. – ele envolveu suas mãos no rosto da morena – eu te amo Sara, e vou te recompensar pelo meu erro – dito isso ele a beijou.

 

(...)

 

Kagura abraçava Rin forte enquanto a mesma chorava em meia a rodoviária, as pessoas que antes as encaravam elas agora as ignoravam.

 

— Rin, vamos sair daqui!

— eu preciso ir atrás do seiji! – disse Rin afastando-se da morena e levantando-se atrapalhadamente do chão.

— Rin!  Eu vou com você espera – Kagura levantou-se do chão indo atrás da morena que parecia atordoada.

 

(...)

 

Na cozinha Arina , e a assistente social  encaravam Seiji .

 

— pode comer querido... Você não gosta de bolo?

— gosto – disse baixo vendo o pedaço de bolo sobre o balcão.

— então...

— eu quero a minha mãe... - disse o menino , com a voz     chorosa

— Oh, querido... Não precisa chorar! Logo tudo vai se resolver, e logo você vai poder ver sua mamãe...

— promete... – os olhos de Seiji brilharam com essa pequena esperança.

— Bom...

­ — por favor...a senhora promete que irei ver minha mamãe...

— Okay,... Querido – Arina mordeu o lábio inferior, pois não sabia se poderia cumprir a promessa – mas, coma um pedaço de bolo Okay?

— Okay. - ele respondeu puxando o prato para perto de si .

 

 

Arina sorriu.

— ele é a cara do sesshoumaru... - disse para si em seguida aproximando-se da assistente social – ele vai poder ver a mãe ?

— Bom isso é uma decisão do senhor sesshoumaru... Pois agora ele tem a aguarda total da criança...

— meu Deus, tomara que o meu filho não seja tão cruel de afastar esse menino da mãe, e ainda mais agora que eu fiz uma promessa dele rever a mãe...

— ah, senhora não deveria ter feito isso...- falou assistente .

— eu não poderia deixar essa criança mais triste do que já esta – disse Arina encarando o menino que comia uma fatia de bolo.

 

(...)

 

Sesshoumaru entrou no escritório vendo seu pai próximo ao barzinho, em sua mão havia um copo com uísque.

 

— nossa família sempre esteve no poder de Tókio, e nunca passou por uma humilhação como essa – o homem bebeu um gole da sua bebida.

— pai...

— cale a boca seu moleque! – disse Inuno calmo – você é um idiota sesshoumaru!  Desde que você era um adolescente só me dava trabalho... Mas abandonar uma garota grávida isso é coisa de mau caráter sem tamanho...

— eu...

— nem tente me enrolar como você enrolou a idiota da sua esposa! Eu sei de tudo Sesshoumaru desde que você expôs a menina em um vídeo de sexo, de tê-la deixado grávida, e todas as barbaridades feitas ate hoje... Agora você fazer isso!  Trazer um menino filho de uma outra mulher para sua casa, e alem de expor sua esposa, expôs toda a nossa família!- Inuno enfiou as mãos no bolso da calça - Você vai dar um jeito em todo esse circo que você armou!- Inuno respirou fundo - eu deveria ter lhe dado uma boa surra quando você ainda era criança. – comentou mais para si do que para sesshoumaru que em seguida respondeu .

— como você me daria uma boa surra? Para isso você teria que pelo menos notar minha presença ser presente em minha vida!

— oh Meu Deus... - Inuno riu – pare de dramas Sesshoumaru eu sempre dei atenção a você e o seu irmão , mas você é então egoísta que queria as atenções só para você, acha mesmo que esses draminhas de criança vai me abalar ? – riu - engane-se ! Diferente de você eu amo de verdade meus filhos , ele sendo um mau caráter ou não , já você pegou apenas esse menino para machucar uma mulher que te odeia ! – disse Inuno- Bom , estou cansado amanha quero tudo resolvido.

 

(...)

 

Em frente a um prédio luxuoso de Tókio .

 

— eu tive aqui varias vezes com sesshoumaru – dizia Rin ao porteiro.

­

 — eu sei senhora, mas como eu te disse o senhor sesshoumaru não esta aqui!

— por favor! Me deixe entrar...

— Rin acalme-se... Ele já disse que eles não estão aqui - disse Kagura tentando acalmar a morena . Mas a morena ignorou o fato continuando a falar.

— ... Ele é pequeno! desse tamanho – ela indicou com mão altura do garoto – ele tem cabelos prateados e olhos dourados...ele se parece com sesshoumaru – falou Rin .

— lamento senhorita , eles não estão aqui... – dito isso Rin caiu no choro.

— eu preciso ir atrás dele ...- falou , dando dois passos para frente – o meu ... – Rin não disse mais nada, pois sua visão ficou turva, ela então desmaiou, sendo socorrida por Kagura e o porteiro.

 

(...)

 

Inuno entrou na cozinha chamando por Arina .

— Arina.

— sim , Inuno .?

— vamos ?  Olá garotinho ...- disse ele finalmente olhando para Seiji – me chamo Inuno ...

— Oi . – Seiiji o respondeu serio, Inuno sorriu .São pai e filho mesmo – pensou Inuno.

— Inuno eu vou dormir aqui hoje , amanhã irei ... – disse Arina .

— mas por quê? – questionou Inuno .

— Inuno... – Arina se aproximou do homem falando baixo, para que apenas ele ouvisse – viu como a Sara esta ...

— ela esta do jeito que qualquer pessoa ficaria depois de uma humilhação...

— sim , eu sei , mas tenho receio de deixar o menino aqui , depois de toda essa confusão ...  O menino não deve ficar sozinho ...

­ — ele esta com o pai dele ...

— Inuno sabemos que sesshoumaru não é das melhores pessoas para cuidar de uma criança , pelo menos não hoje ...

­— Ok Arina , eu tenho que ir , mas fique...- o homem disse calmo – qualquer coisa me ligue.

— certo...

 

 

(...)

 

Rin acordava meio atordoada estava em uma grande escuridão seus olhos estavam pesados e seu corpo mole , tentou identificar a onde estava , olhou para os lados , talvez estar daquele jeito fosse sinal que tudo no passara de um sonho ruim .

— S-Seiji ...

— Rin ... – em meia escuridão Kohaku apareceu .

— K-Kohaku ... Onde eu estou , o que você faz aqui ...?

— acalme-se – pediu sentando na cama que Rin se encontrava deitada - você esta na sua casa !

— como eu vir para aqui ... E o seiji ?

— a Kagura me ligou , você desmaiou, e depois de acordar ficou vagando pela ruas aos protesto dels que não sabia mais o que fazer ... Ela então me ligou e te dei um calmante , então depois te trouxemos para casa ...

— minha cabeça ... – ela passou a mão na testa – eu preciso ir atrás do Seiji ...Sesshoumaru Ele tirou meu filho – disse tentando levantar-se da cama , mas foi parada por Kohaku .

— você não vai a lugar algum !  Agora vamos cuidar é de você ...

— mas .,. o seiji ...

­ — acalme-se eu já liguei para minha irmã que é advogada , iremos dá um jeito para você ter o seiji de volta ...

— Kohaku ...- Rin o abraçou forte começando a chorar – eu não vou conseguir viver sem meu filho , eu não vou ...

— shhh, acalme-se ... Vai dar tudo certo , vai dar tudo certo ...- dizia Kohaku enquanto acariciava os cabelos de Rin.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...