História Desejo Reprimido - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Kim Namjoon (RM), Kim Taehyung (V), Park Jimin (Jimin)
Tags Brothers, Casamento, Homofobia, Jikook, Jikook Au, Jimin, Jungkook, Kathybmb, Kookmin, Taehyung, Traição, Vmin
Visualizações 284
Palavras 1.536
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E aí, pessoinhas. Olha quem apareceu...
Não irei prolongar muito, pois só vim postar para não deixar vocês sem capítulos...
(Pq lição/trabalhos é o que não falta pra mim)
Obrigada pelo comentários e favoritos no capítulo anterior

•SPOILER: CAPÍTULO QUENTE•

Boa leitura!

Capítulo 5 - Traição!?


Fanfic / Fanfiction Desejo Reprimido - Capítulo 5 - Traição!?

13:30 P.M.

Eu estava derrotado.

Assim que coloquei os pés em casa, senti todo o meu corpo vacilar e me joguei sobre o sofá, fechando os olhos, pensando em tudo o que havia passado neste dia.

Depois que fiquei sabendo o motivo de Hoseok estar ali — mesmo ainda estando confuso sobre o assunto —, Taehyung apareceu e o ruivo se apressou para falar com o outro, enquanto eu corri para o elevador, partindo de lá, sem lhe dar nenhuma explicação.

Estava chateado.

Não tinha ideia porque Yoongi havia aparecido ali e muito menos do que haviam conversado. Sim, eu estava inseguro. Taehyung e Yoongi foram apaixonados um pelo outro por muito tempo, ainda mais vivendo um amor proibido.

Yoongi era filho do inimigo de seu pai.

Cliche, não é!? Mas, foi assim que começaram a se atrair. Eu acompanhei cada passo dos dois; cada intensão; cada beijo; cada abraço. 

Foi isso que nos juntou.

Tudo começou por uma mentira.

Passei as mãos pelo rosto, sentindo a angústia tomar conta do meu interior. Minhas mãos começaram a tremer e um nó se formou em minha garganta. 

Eu não queria perdê-lo.

Observei a aliança dourada em meu dedo, a tirando e a colocando mais próxima do meu rosto, podendo ver seu nome e a data de quando tudo havia começado, cravada no objeto.

Nisso, seu rosto invadiu minha mente.

Engoli seco, colocando minha aliança de volta no lugar e me levantando, caminhando calmamente até o segundo andar. Eu precisava urgentemente relaxar e um banho me ajudaria.

Retirei minhas roupas, a jogando em qualquer canto do quarto, sem me importar. Adentrei na grande banheira com a água quente, encostando minha cabeça na parede, sentindo meu corpo agradecer por esse tempo. 

E novamente ele estava ali.

— Droga! — exclamei, soltando um suspiro cansado. 

E logo em seguida, a sua imagem com a gravata afrouxada, o semblante sério e às vezes debochado, invadiam minha mente sem nenhuma permissão. 

Ah, ele estava tão bonito...

O que?

Fique quieto, Park Jimin! 

Puxei o sabonete, começando a ensaboar o meu corpo sem pressa, enquanto tentava enganar a minha mente focando em outra coisa.

O que estava acontecendo comigo?

Com a minha mente sempre o lembrando, decidi deixar o banho de lado e sair logo do banheiro, mandar a entrevista para Namjoon e esquecer de tudo isso.

— Aí! Que susto! — exclamei assim que vi o homem de terno sentado na cama — O que faz aqui? Não era para estar no trabalho?

— Só vim pegar alguns papéis... — respondeu, observando meu corpo coberto pelo roupão. Pude ver os tais "papeis" em sua mão. Caminhei até o closet, escolhendo uma roupa qualquer — Precisamos conversar!

— Estou ouvindo... — vesti uma cueca, uma calça de moletom e uma camisa branca, pendurando o roupão e me sentando na ponta da cama. 

— É sobre o Yoongi... — imaginava que podia ser. Lhe encarei, esperando que continuasse — Eu também fiquei surpreso com a sua visita. Eu não tinha ideia que ele iria aparecer por lá, eu juro!

— Eu disse ao contrário?! — abriu a boca, mas antes que pudesse responder, fui mais rápido — Ótimo!

— Jimin, eu sei que está incomodado com isso...mas eu não tenho culpa. — suspirou alto, passando as mãos pelos fios acinzentados — Tente entender...

— Eu estou tentando... — dei de ombros — Apenas não entendo o que ele foi fazer lá depois de anos. Ainda mais estando casado...com outro. Com o Hoseok. O que ele quer com você, Taehyung?

O acinzentado ficou em silêncio, parecendo processar a cena novamente em sua mente.

— Ele... — engoliu seco, se ajeitando na cama desconfortável — Ele veio se desculpar por tudo o que aconteceu e...dizer que vai ficar um tempo em Seoul.

— E porque ele saiu daquele jeito? — fechou os olhos, ficando assim por um tempo — Por que teve que ir atrás dele? 

— Porque ele queria me dizer algo, mas assim que viu a minha aliança, ele se calou, saindo daquele jeito, desesperado. — explicou. Suspirei derrotado, sentindo aquele nó se formar novamente em minha garganta — Você escutou, vamos conversar melhor amanhã e-

— Você não vai! — sussurrei, sentindo minhas mãos começarem a tremer novamente. Eu estava nervoso.

— O que? — questionou incrédulo — Jimin, você não pode-

— Você é meu marido e eu não quero você perto dele! — acabei por me levantar, pelo impulso, observando melhor o seu rosto. Taehyung se encontrava perplexo com a minha atitude. Eu nunca agia assim, mas quando o assunto era Min Yoongi, eu não conseguia me controlar — Você não vai, Kim Taehyung!

— Quem você pensa que é pra me dizer o que fazer ou não fazer?! — ia responder, mas fui impedido pelo mesmo, que se levantou, ficando a minha frente, mas em uma distância razoável — Você é meu marido, não o meu dono! 

— Você tem noção de quem ele é? Do que ele te fez? — ri sem humor, vendo seu olhar chateado e ao mesmo tempo raivoso — Eu não acredito que depois de tudo, você irá perdoa-lo. Vai se deixar ser manipulado mais uma vez...

— Você está se escutando, Park Jimin?! — alterou a voz, me assustando, mas não deixaria transparecer. Sua voz se engrossou ainda mais, enquanto se olhos se arregalaram. Taehyung era tão calmo, mas quando se estressava, dava arrepios — É só uma conversa. Pra que todo esse alvoroço?

— Será por que você já foi completamente apaixonado por ele!? Será por que vocês eram namorados no passado e você o amava tanto, que pensou na ideia de fugir com ele!? — sem perceber, lágrimas deslizavam pela minha bochecha, demonstrando minha raiva e minha frustração — Você não vai se encontrar com ele, Taehyung! Eu não vou permitir isso.

O acinzentado não se deixou abalar pelas minhas lágrimas, pegando seus papéis em cima da cama e passando por mim, em passos firmes e maxilar travado.

— Não volto pra casa essa noite! — avisou, deixando o quarto.

Não me movi até ouvir a porta principal bater com força. Gritei, liberando toda a minha raiva, sentindo mais lágrimas molharem o meu rosto.

Eu odiava chorar.

Odiava me sentir fraco.

Enterrei minha cabeça no travesseiro e chorei. Chorei até desidratar, até sentir meus olhos arderem, até sentir minha garganta doer, até o cansaço me dominar tanto, que cai no sono.

15:34 P.M.

Assim que abri os olhos, senti uma forte dor de cabeça me atingir. Os fechei os rapidamente, fungando em seguida. Eu me sentia péssimo.

Puxei o celular que estava em cima do móvel ao lado, vendo as horas e me repreendendo por não ter lhe enviado à entrevista mais cedo. Abri o notebook, passando a gravação para o aparelho, aguardando o tempo que pedia.

Enquanto isso, procurava algum remédio nas gavetas, acabando por não encontrar. Bufei, observando a gravação ainda carregando. 

Caminhei para fora do quarto, em direção a cozinha a caça ao remédio para dor de cabeça. Me repreendi pela briga com Taehyung, pelo choro e principalmente por dormir, sem enviar a entrevista ao meu chefe.

— Achei! — comemorei, tomando o remédio com ajuda da água. 

Lavei o copo utilizado e aproveitei para comer alguma coisa. Acabei começando uma besteira que tinha guardado, subindo para o segundo andar.

Assim que estava passando pelo quarto de Jungkook, pude escutar alguns sons estranhos. Me aproximei mais da porta, não acreditando que eram realmente aqueles sons e fiz uma careta, assim que tive certeza.

Eram gemidos.

— Esses jovens de hoje em dia... — estava pronto para bater em sua porta para acabar com isso, mas, assim que toquei na maçaneta, congelei. 

— Oh, Jimin... 

Engoli seco, me aproximando mais da porta, temendo ter escutado errado.

— Jimin... — outro gemido. 

Silenciosamente, abri um pouco mais a porta — que estava entreaberta —, tentando encontrar algum outro indivíduo ali dentro, mas não...

Jungkook estava sozinho...

Me encostei no encosto da madeira, conseguindo ver melhor o que estava rolando ali e bom...minha mente dizia que era errado, mas, o meu corpo...ele estava adorando.

Jeon se encontrava com o mesmo terno de horas atrás, com a calça social abaixada até os joelhos, junto à sua cueca, enquanto sua mão subia e descia pela seu membro ereto e dolorido.

Seus olhos se encontravam fechados, enquanto sua boca entreaberta e suas bochechas coradas pelo calor e adrenalina. 

Sem perceber, acabei por apertar o meu membro semi-ereto dentro da calça, soltando um suspiro baixo, ao ver que sua mão fazia uma pressão maior.

Ele estava perto.

— Hm... — seus gemidos eram tão bons de serem ouvidos — Oh, Park...

Sentia meu corpo queimar, enquanto o suor se formava em minha testa.

O que estava acontecendo comigo?

Seus gemidos ficaram mais frequentes — por mais que fossem baixos — e sua mão subia e descia com rapidez.

Logo ele se desfez, soltando um gemido manhoso e sem se importar com mais nada, continuou de olhos fechados, levando os dedos com o próprio gosto até os lábios, os chupando.

Eu não conseguia tirar os olhos do moreno suado e jogado na cama, com a calça abaixada e bochechas coradas.

Sem perceber, minha mão já tomavam uma velocidade maior, enquanto a outro tampava minha boca, evitando emitir qualquer som. 

Pensando na cena pecaminosa que havia acabado de presenciar, cheguei ao ápice, sentindo o líquido gosmento em minha mão.

E então, tudo veio átona.

Jeon Jungkook havia se tocado pensando em mim.

Eu havia me tocado pensando em Jeon Jungkook

Eu havia traído meu marido!


Notas Finais


Sobre o Jimin ter traído o Taehyung ou não, na minha percepção, quando você começa a pensar em outro (de um jeito sexual ou querendo ela para si), enquanto você tem o seu marido ou um namorado, já é uma traição.

Cometem e favoritem

Até sexta feira


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...