1. Spirit Fanfics >
  2. Desejos proibidos- jikook >
  3. Fugir da verdade

História Desejos proibidos- jikook - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Oie! Como estão amores! Não podemos esquecer de nos cuidar nesse período de quarentena! Ir na rua só se for extremamente necessário! Vamos fazer nossa parte, na minha cidade o povo tá sem noção...😓 Se cuidem!

Boa leitura!

Capítulo 6 - Fugir da verdade


Fanfic / Fanfiction Desejos proibidos- jikook - Capítulo 6 - Fugir da verdade

Com meu pai morto e minha mãe hospitalizada, eu estava perdidinho! Meu avô veio pra me auxiliar nas coisas de funeral, eu meti as caras e resolvi boa parte sozinho, no dia em que vi o corpo do meu velho estirado na grama, eu não consegui derramar uma lágrima, não por que não o amava ou coisa do gênero, nem sempre nos entendíamos, mas ele era importante pra mim...Já com tudo pronto, para o enterro, fui buscar minha mãe no hospital. Ela estava desconsolada, chorava muito, e eu a tranquilizei. Foi horrível ver a terra cobrir o caixão, ainda assim eu não chorei, a noite fui encontrar G.d, meu avô me pediu pra ficar em casa, mas eu não dei ouvidos eu precisava me aliviar.  Coloquei a melhor roupa, como se meu exterior pudesse retratar a minha vida, mas não era assim que funcionava, havia passado um furacão e roubado o meu ponto de equilíbrio. Eu encontrei ele lá na subida do morro.

-- Tem aquele bala azul, G.d?

-- Você tá bem pra isso meu menino?! 

-- Sim, eu preciso distrair a mente! 

-- Então sobe aí! - Mais um erro cometido e as consequências viriam com tudo. De manhã eu ainda estava amarrado com as mãos dormentes, pra trás. Tudo doía não era só eu na cama como sempre! haviam duas garotas e mais um garoto, e nada do G.d, uma das meninas desamarrou as minhas mãos. Eu tava cheio de hematomas a boca roxa, de um lado haviam cortes sutis em minhas coxas e virilha, muitos deles ! Eu entrei no banheiro tudo ardia, incluindo minhas partes íntimas. Me vesti imediatamente parecia que eu tinha levado uma surra de tantas marcas roxas pelo corpo. Nam, me viu sair da casa e perguntou:

-- Você tá bem garoto?! Vou chamar um mototáxi pra te deixar em casa. - Eu sentia nojo de mim mesmo.

-- Não precisa...- Logo ele ligou para o JK. 

-- Jimin tá indo pra casa, ele não tá bem não. 

-- Ok, tô chegando aqui na praia.- Eu desci do ônibus.  Fui caminhando até a areia sentei de frente para o mar, a que ponto eu havia chegado? Eu nem sabia se me previni ou não. A garganta já doía pela vontade de chorar mas quem disse que as lágrimas saiam?! JK sentou se ao meu lado .

-- Precisa de ajuda?! 

-- E por que precisaria?

-- Porque seu pai se suicidou, por seu namorado ter feito com  você o que você não queria de fato, por você ter se sujeitado a isso? Por que tá infeliz Jimin. - Eu desabei num choro contindo a tempos. JK, só apoiou minha cabeça em seu ombro e eu acabei abraçando seu pescoço, deixando tudo úmido. 

-- Calma vai passar. - Depois de um bom tempo eu me recompus.

-- Já é a segunda vez que me deixa chorar em seu ombro, obrigado e desculpe o vexame. 

-- Hei, você quer sair qualquer hora dessas?! 

-- Eu não posso, mas obrigado! Vou pra casa meu avô está preocupado...- Atravessei a rua e fui pêgo de surpresa.

-- Quem era o cara da praia?!

-- Era um amigo! Qual o problema? Você me largou com um monte de puta e um outro qualquer que  eu nem conhecia, sumiu e quer cobrar o que?! 

-- Jimin, eu só fiz o que você pediu. Precisa maneirar na quantidade de álcool e pó! Você perde totalmente a noção das coisas, só levei as pessoas pra lá pois você queria saber como era! Eu já participei dessas coisas antes, mas eu quero só você agora. Mas não consigo  te negar nada. Isso tá acabando comigo! 

- Ouvir aquilo me fez chorar mais, eu não queria acreditar nele. Porém não parecia que ele estava mentindo, o que eu tava fazendo da minha vida?! 

-- Eu vou pra casa, não aguento mais isso...- Ele me deixou entrar, JK, me observava de longe. Entrei fui direto pra o meu quarto tomei banho, e chorei mais, tomei um calmante da minha mãe e apaguei quase o dia inteiro.

Jungkook 

Jk , seguiu para o trabalho, hoje seria um dia difícil, era aniversário do filho mais velho dele e como não havia sobrado nada  do garoto  pra enterrar, não ia poder nem ir ao cemitério pra prestar homenagem, seu coração doía, sua raiva o consumia de tal maneira que  ia foder G.d. mesmo que pra isso acabasse de destruir o garoto dele. Jimin já estava em cacos e JK trituraria esses pequenos pedaços dele. A vulnerabilidade desse momento era propícia pra se aproximar e usar o pobre Menino rico. Jeon raramente era agressivo sem necessidade, mas nos últimos dias, descontada seu ódio nas ruas, se aproveitava das situações para descarregar sua dor.

-- Capitão! Calma vai matar o moleque! Ele já disse que não sabe onde está o gerente da boca! Vamos! - Um de seus subordinados o alertou, pois a violência com que ele travava um olheiro qualquer, mostrava instabilidade.

A noite ele tomou um banho quente, chorou até a alma aliviar um pouco, mas a raiva era muito grande, Ligaria para Jimin pra botar mais uma parte do plano em prática, mas o garoto não atendeu, provavelmente estava tão destruído quanto ele. Na real Jimin não o atendeu por isso, mas sim por receio, Jungkook era bonito e seu jeito lembrava seu único amor de toda vida. O medo de confundir as coisas pairava sobre sua cabeça. No entanto fazer merda era o que ele fazia melhor no momento, então mandou mensagem.

[Jm]: Oi não vou atender, sua ligação, não tô legal pra isso, mas diga o que quer?

                      [JK] : Eu queria te ver, seu cheiro ainda está nos meus lençóis. 

[Jm] : Já disse que tenho alguém e ele me mataria se eu ficasse por aí com alguém com quem dormi.

                    [JK]: Ele não precisa saber! Proíbido é mais excitante, vem pra minha casa? 

 [Jm]: Idiota...se Ele descobrir vou morrer de verdade, você não se importa.

                 [JK] : Então manda nude! 😈

[JM]: NEM PENSAR! 

                   [ jk]: Então me encontra na Peaple! Sei que lá seu namorado não vai, o dono do lugar é rival do pessoal da porta do céu.

[JM]: Puta merda! Eu vou.

É podem me bater agora!  eu ia direto pra toca do lobo, me enfiar  num vespeiro de corpo inteiro, me ferrar mais um pouco. Chegando a boate ele me esperava bem na entrada, o filho da puta tava lindo. Sem muitas palavras entramos dançamos, até as pernas doer! Quando estávamos exaustos JK me levou para  os fundos do lugar,  tava bem escuro, eu não havia bebido muito, mas deixei Jk, me beijar, ele era muito voraz, parecia querer me engolir de uma só vez. Acabei me deixando levar pelos toques ousados, ele lambeu meu mamilo, e foi beijando toda extensão do meu abdômen, até enfim abrir minhas calças e pegar meu pau já duro, quando senti sua boca quente o envolver quase derreti de tesão,  foi perfeitamente bom, ele pôs a camisinha e me prensou contra a parede, me estocando com força. A princípio doeu, ele era bruto, sinceramente nunca pensei que deixaria alguém me pegar em um beco qualquer, minha dignidade havia sido jogada no lixo...



Notas Finais


Oie minha internet tá uma 💩 por isso demorei pra postar o capítulo de hoje. Tô desde as seis tentando e não ia.
Amanhã espero não ter esse problema.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...