História Deseo inexplicable - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Sergio Ramos
Personagens Personagens Originais, Sergio Ramos
Tags Amizade, Amor, Futebol!, Marcelo Vieira, Real Madrid, Sergio Ramos
Visualizações 198
Palavras 1.467
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OOOIII OOOII MENINAS ❤
SIM,SOU EU \O/

Saibam que não desisti da fanfic não. Só demorei possivelmente um século pra voltar, já peço desculpas.

Obrigada a moça que me mandou mensagem pedindo pra não desisiti, apareci 🙌

Aqui vai aquele capítulo atualizado para as lindas que não me abandonaram 😍😘

Desejo a todas uma boa leitura ✨

Capítulo 22 - Meses doloridos


4 meses depois

 

Longos e dolorosos quatro meses em solo brasileiro. Sim, estou aqui novamente. Posso dizer que não tem sido dias fáceis, desde que voltei de Madrid. Voltei pra cá, no dia que Sergio me deixou na casa da minha madrinha, após sairmos da casa do Marcelo. Mau eu sabia que a minha mãe me esperava com seu pior humor.





 

Flash Back On



 

Desço do carro de Sergio e me despedir dele, antes de entrar em casa, não sabia mais voltei e dei um abraço apertado nele, o mesmo ri da minha atitude, me abraçando ainda mais forte.

Ao voltar a caminhar e colocar a chave na porta, destracando, adentro na mesma. Na sala, meus olhos ficam surpresos com a pessoa sentada, o corpo ficou sem reação, tudo parecia ter paralisado.

 

-- Eu disse para não se aproximar dele, vejo que não cumpriu. Mariane, você é a minha maior decepção - Ela fala séria e caminha até aonde estou - EU NÃO POSSO FICAR LONGE, QUE VOCÊ MOSTRA AS ASAS, PÉSSIMA IDÉIA DE DEIXA-LA AQUI. SEM PROBLEMAS, VOCÊ VOLTA E VOLTARÁ A ANDAR NA LINHA! - Minha mãe me olhava furiosa. Mordi o lábio inferior com toda força ao sentir um tapa no rosto. -- Pegue suas coisas, vamos embora e você não pisará mais aqui! - Outro tapa é deixado em mim, só que dessa vez foi no meu braço.



 

No momento que encontrei no quarto pensei em gritar ou sair correndo, mais não tinha tanta força e agilidade para isso. Meu estado de choque e supresa não me permitiu. Ela veio até aqui e acaba de destruir a felicidade que vinha construindo. Enquanto fazia as malas, uma só, pois a outra já estava pronta. Meus olhos se enchem d'água, sim, estou indo embora e da pior maneira. A minha certeza é que ela não deixará barato, a minha preocupação talvez nem seja essa é sim, ele!

 

-- Nem pense em mandar mensagem para o jogador, me dê seu celular agora! Nunca mais, está me ouvindo nunca mais verá ou terá contato com esse homem! - Ouço a voz dela carregada de raiva na porta do quarto.

Desliguei o celular, antes disso troquei a senha é bloqueio tudo. Entreguei, a minha última chance de entrar em contato com ele.

 

 

Flash Back Off


 

Não tem um dia que pela noite ou quando me pego pensando nele que não chore. A minha vida não tem sido fácil. Apanhar não é o pior, os olhos da minha mãe transbordam raiva sobre mim. Choro pelas marcas que carrego no corpo, das dores que sinto ao deitar. Ela não me poupa, tudo e motivo para levar tapa o pior é quando se apanha com uma cinta.


 

Meu coração continua vivo o amor,sim amor por Sergio. Nesses meses descobri que o amo, a falta que faz é imensa. Tento recordar de todos momentos bons que tive ao seu lado e me dói ao lembrar o que ele pode estar pensando sobre mim, que talvez tenha o esquecido ou coisa parecida. Jamais! Não tenha uma noite, hora do dia que não me pego pensando nele, o homem que sempre foi o respeitoso e que despertou os mais sinceros sentimentos em mim. A única coisa que tenho dele comigo é sua camisa, sim da Champions passada, a roxa que pedi ao vê-lo pela primeira.

 

Falando em futebol: não assisto, ela não deixa, meu coração triste por esse motivo também. Uma das coisas que me arrancava um sorriso sou proibida de ver.

 

Não tenho contato com a minha madrinha. Só com as tias que só falam besteiras e não querem saber do seu verdadeiro estado. É pra piorar desde que voltei o meu pai não está aqui, segundo a minha mãe foi viajar a trabalho.

 

Eu já tentei por quatro vezes recuperar o meu celular, falhei. Ela me pegou e não deu muito bom pra mim.



 

Não saio de casa, sem ser acompanhada por ela, sua segurança comigo aumentou, dobrou ainda mais. Minha vida se resume em ficar em casa e quando estou aqui, fico trancada no meu quarto, com os meus pensamentos que sempre voam até ele.


 

A falta que sinto dele chega a doer no coração, é algo que já não sei lidar. O meu coração parece aquecer toda vez que lembro do seu sorriso, as forças que encontro todos os dias. Saudades de escutar ele falando algo que me deixe com vergonha, principalmente quando me chamava de corazon.


 

Você sabe que é a felicidade, quando te tiram ela. Eu fui muito feliz nos meses que estive em solo espanhol e poderia ter sido ainda mais. Porém,nem todos gostam de ver os outros felizes.


 

Me dói na alma, saber que não tenho o apoio dela. Pra ela, jogador não é pessoa que preste, não tem futuro amizade ou algo a mais com ele. O ódio ou sei o que tenha por jogadores, passou a me ter raiva a toda vez que a escutar abrir a boca pra falar algo relacionado ao assunto.



 

-- Mariane, se vista temos vista - Sua voz me causava ânsia.

 

Tiro a toalha que tinha sobre o meu corpo,vejo as marcas nos braços e na parte interna da coxa, suspiro fundo. Não dói tanto assim mais, acostumei. Procuro o que vestir uma blusa de mangas longas preta, uma calça jeans de cós alto escura.


 

Já vestida, me olho no espelho. Como queria sorrir de verdade, gostaria de voltar a ser feliz. Até quando aguentaria isso? Queria tanto mais tanto um abraço do meu pai. Ele sim me entende e não estaria me tratando assim.



 

Ao chegar na sala, forço o meu melhor sorriso, até gostaria de voltar ao quarto ao perceber de quem se trata, Lorenzo.

 

-- Vá falar com o seu amigo, filha - Ela fala com o tom mais falso que já ouvi.

 

Forçada, caminho até ele é estendo a mão, porém ele não aperta e sim me puxa para abraço. A força com que me puxou fez as dores reapareceram, quis gemer de dor.

 

-- Como vai a ruiva mais gata que eu conheço - Ele fala e eu me afasto rapidamente, o encarando séria sem responder.

 

Sem contato físico. Se fosse para querer ver alguém, que fosse meu pai, não esse garoto que só pensa em nada que preste, pra minha mãe é um garoto ideal para namorar, mau ele sabe quem é.


 

Ser obrigada a jantar com uma pessoa que te incomoda é só te olha com segunda intenções e péssimo. Minha mãe insistia toda hora em puxar assunto, já eu não fiz questão. O que fiz foi beliscar a comida é torcer para quanto o jantar acabasse ele fosse embora.

Não foi o que aconteceu. Além de jantar, ter que ser companhia dele,nada legal.


 

-- Mari, não precisa ficar assim, não sou o Ramos mais te garanto que sou melhor que ele - Ele fala e tentar passar a mão nos meus fios ruivos.

-- Não fala dele, você não o conhece. É o Ramos é mil vezes melhor que você, garoto, se toca! - respondo e vejo ele me olhar arqueando as sobrancelhas.

-- Não se iluda, voce com certeza já foi esquecida por ele, como as outras. Poxa, ruivinha, me dá uma chance. - o tom dele de pura raiva não me atingiu em nada.

 

Ego ferido com sucesso. O tempo me fez amadurecer para enxegar as intenções das pessoas. É sei bem que este a minha frente só me quer me levar a sua cama.


 

-- Se está pensando que será o primeiro a se deitar comigo, aí que se engana. Esse prazer dei a uma pessoa que me compreendeu e soube me tratar como você nunca será capaz de fazer - respondi, cuspindo as palavras em seu rosto, convicta no que havia acabado de falar,por mais que não seja verdade. Ele precisa se tocar que não iremos ter nada.

-- Sério mesmo que você foi tão baixa de se entregar para um cara que saí com várias e você só foi mais uma na listinha dele? Mari, você está mentindo. - Ele fala em um tom debochado.

-- A vida é minha é faço o que eu bem entender. Me entreguei e não me arrependo. Pra você que eu não faria isso, acorda nunca serei nada sua. - respondo irrritar, me levanto e encaro o bobo parado ali.




 

***


 

Ao deitar e fechar os olhos,depósito de escutar os berros da minha mãe por ter tratado o sem noção mau, tenho os minutos de paz.

Menti e não volto atrás. Se ele precisava de algo para parar de tentar forçar algo, dei a última cartada. Estou de paciência esgostada desse garoto.





 

Aonde quer que esteja, saiba que ainda sou sua, Serjão Sensual, penso antes de conseguir pegar no sono.

 


Notas Finais


Obrigada por lerem 💕

Eii meninas o que vocês acharam do capítulo?

Vida sofrida essa da ruiva longe do Serjão.

Comentem, gostariamde saber as opiniões de vocês ✌😎

Um beijinho, gatas 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...