História Deseo inexplicable - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sergio Ramos
Personagens Personagens Originais, Sergio Ramos
Tags Amizade, Amor, Marcelo Vieira, Real Madrid, Sergio Ramos
Visualizações 359
Palavras 2.366
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá meus amores 💝

Demorei, mais voltei 😉💕


Estou aqui com mais um capítulo para vocês, os dois finalmente se encontrando 😉😍

Espero que gostem do capítulo.



Leitoras novas, sejam bem vindas 💕

Boa leitura, meus amores 💕

Capítulo 6 - Olha, se não é o destino


Fanfic / Fanfiction Deseo inexplicable - Capítulo 6 - Olha, se não é o destino

 

 

Ajudo meu pai a tirar as mochilas do porta malas. Enquanto minha mãe se dispede das minhas tias. No caminho ela disse que estou com a cara emburrada, e que no dia que cismar comigo vai me dar uns tapas. Eu só queria ter voltado um pouco mais tarde, para ter assistido o jogo do Real Madrid pela Super Copa da Europa.

 

-- Filha, vá para o seu quarto, arrume suas roupas, iremos viajar - meu pai diz assim que passamos a porta de casa.

--  Para onde iremos? - pergunto, ainda surpresa com a notícia.

--  Você saberá e pelo que sei, irá adorar - ele fala sorridente.

 

Vou para o meu quarto,pego uma mochila de couro rosa. Abro meu guarda roupa pego algumas roupas calças, blusas e peças íntimas. Não esqueço de uma sapatilha e uma rasteirinha.

 

Tomo um banho rápido e troco de roupas visto uma calça jeans clara e uma baby look branca. Amarro meu cabelo, já que o lavei antes de virmos para casa. Calço minha sapatilha preta,pego minha mochila e saio do meu quarto, não me esqueço de levar o meu carregador.



 

-- Está pronta minha filha? - ele pergunta, procurando algo na estante.

-- Sim - respondo e me sento no sofá colocando minha mochila ao meu lado.

-- Só vamos esperar a sua mãe terminar de se arrumar e já iremos para o aeroporto. - ele diz encontrando o que queria, finalmente.

 

Assim que meu pai terminar de falar, minha mãe aparece.

-- Vamos logo, se não, eu desisto dessa viagem - ela fala em um tom de raiva.

-- Calma, Cláudia - Meu pai fala e se aproxima dela.



 

* * *




 

Meu pai paga e agradece o motorista do Uber. Passamos pela porta do aeroporto. Ele olha e percebe que nossa vôo em alguns minutos será anunciado.

 

-- Vocês querer comer? - meu pergunta, me sento ao lado da minha mãe em uma das cadeiras.

-- Não, pai - respondo.

-- Um café - minha mãe fala.

 

Tiro meu celular do bolso, pego meus fones. Desbloqueio meu celular, vou até a minha playlist, e deixo no modo aleatório. Ri sozinha ao ver a música que começa a tocar Acordando o prédio do Luan Santana.

Meu pai parece e indica que nosso vôo está sendo anunciado, os acompanho.

 

Assim que entramos no avião, minha poltrona é na janela, encosto a cabeça e fecho os meus olhos.



[...]




 

Aeroporto Internacional de Madrid Barajas



 

Abro os meus olhos e vejo meu pai me olhando, sorrindo.

-- Já chegamos? - pergunto e passo a mão nos meus olhos.

-- Sim - ele fala e olho para a janela, vejo que o avião já está no chão.

Saio do avião sorridente, vejo minha mãe com as malas,parecendo estar impaciente.


 

-- Imagina aonde estamos? - ele pergunta antes de chegarmos perto da minha mãe.

-- Sinceramente não - respondo, olhando a redor o aeroporto bem diferente do Brasil. Muito moderno.

-- Uma dica: Hala Madrid - eu abro a minha boca em um o perfeito.

-- Estamos em Madrid - ele afirma que sim com a cabeça, nos abraçamos.

-- Isso é magnífico - a felicidade já está estampada em meu rosto, impossível conter o sorriso.

-- Os lindos vão demorar muito - minha mãe fala em um tom irônico.


 

Caminhamos até ela. Pego a minha mochila e coloco nas costas.




 

* * *



 

Fico atenta as ruas que o táxi passava, as pessoa andando, outras conversando. Pessoas com vestimentas de verão, já que é a estação presente. Enquanto,  no Brasil quase sempre temos um solzinho, aqui pelo que sei e já li, são raros esses momentos.


 

O táxi para em frente a uma casa muito bonita. Ao descer, abro um sorriso assim que vejo quem está ali. Minha madrinha.


 

-- Vocês chegaram - ela cumprimenta meu pai, minha mãe - Mari, minha linda - nós abraçamos.

--  Bença, madrinha - digo sorridente.

-- Deus te abençoe, Mari. - sorrimos - Estou imensamente feliz em recebê-los aqui - Minha madrinha fala. -- Vamos, entrando - ela dá espaço e abre a porta e dá espaço para entrarmos.

-- Cadê o Roger, Val? - meu pai pergunta.

 

Me surpreendo ao olhar, toda com a decoração da sala, uma cor vinho muito linda.

 

-- Está resolvendo as últimas coisas para a inauguração do restaurante - olho surpresa para a minha madrinha, ao escutar isso.

-- Madrinha, a senhora vai abrir um restaurante aqui? - pergunto, minha mãe me olha brava.

-- Sim,minha afilhada. Assim que voltei de Cardiff com você,vim para cá - ela respondeu.

-- Por isso estamos aqui - meu pai fala sorridente.




 

Passamos alguns minutos conversando minha madrinha fala como conseguir encontrar um bom lugar para montar o restaurante, como encontrou pessoas gentis. Ela mostrou os quartos que meus pais vão ficar e por último o meu.


 

-- Espero que goste do quarto - Ela fala abrindo a porta,  a decoração já me deixou encantada, roxa.  - Pedi para decorar do jeitinho que você gosta, ainda falta algumas coisas seu padrinho irá arrumar - minha madrinha caminha até a cama que é coberta por um cobertor com estampa da mesma cor da decoração que tem um vestido muito bonito que tem detalhes em renda que os ombros ficam a mostra, um salto plataforma da mesma cor.

-- Essa roupa é para mim? - pergunto, ela bati na cama para eu me sentar ao lado dela.

-- Toda sua. É para você usar hoje - ela responde.

-- Obrigada, madrinha - respondo sorridente, por alguns segundos pensei como vou ficar de salto, sendo que nunca usei. Não posso deixar de usar já que eu acabo de ganhar.




 

[...]





 

  Termino de vestir o vestido, me olhando no espelho que tem na porta do guarda roupa. Estou me sentindo diferente, eu quase nunca visto vestidos, e os que uso sempre as alças cobrem meus ombros.  Meu cabelo deixo natural, solto. Minha maquiagem depois da base e do pó, rímel e um batom  matte da cor vinho. Esborrifo duas vezes em meu pescoço, calço o meu salto.

 

Saio do quarto e vou até a sala,  com uma certa dificuldade com o salto aonde.

--  Você está muito linda - meu pai fala assim que paro na frente dos dois.

-- Muito linda - minha mãe fala surpresa.

-- O táxi já está a nossa espera - saímos da casa.






 

O caminho foi rápido, meu pai conversou com o motorista, o mesmo arriscou falar algumas coisas em português, eu me segurei para não rir. O táxi para em frente ao restaurante que é em uma rua movimentada. Ao sair do táxi, olho a faixada do Restaurante Cantinho Brasileiro, janelas de vidro dando a visão de dentro do local.

 

 Passo pela porta do restaurante, havia várias pessoas o cheiro de uma boa comida brasileira de faz presente no local.

 

-- Meus convidados de honra, acabaram de chegar - minha madrinha fala assim que chegamos perto dela.

-- Esse cheirinho está me deixando com muita fome - meu pai fala, não seguro o riso.

-- Venham vou levá-los até a mesa de vocês - ela nós leva até uma das mesas, no meio do salão.


 

Meu pai assim que o garçom veio até a mesa os cardápios fez os pedidos, eu fiz um pedido totalmente contrário dos dois, enquanto eles pediram costela, eu preferi um filé de frango. Em vez de tomar coca cola, escolhi um suco de uva.


 

Assim que os pedidos chegam, comi minha comida, minha madrinha sempre fazendo questão de vir a nossa mesa para perguntar se precisamos de algo, sempre super atenciosa.

 

 É engraçado ouvir outro sotaque, além de brasileiros no restaurante, havia espanhóis. O sotaque é muito bonito. Quando eu tiver a oportunidade, pedirei ao meu pai para fazer um curso. Alguns já estavam deixando o restaurante.

 

-- Vou ao banheiro - me levanto, com cuidado para não me desequilibrar. Meus pais apenas concordam com a cabeça.

 

Assim que fecho a porta lavo as minha mãos e me olho no espelho para ver se não tem nenhum pedaço de cômoda nos dentes, ainda mais porque comi salada. Por incrível que pareça meu batom não saiu.

 

Volto a mesa, quando acabo de me sentar ao lado de minha mãe, antes de perguntar de meu pai, escuto uma voz familiar chamar o meu nome.

 

-- Olha se não está aqui a minha afilhada querida -  me levanto e o abraço. -- Você já está uma mulher  feita - ele fala em um tom engraçado.

-- O tempo está passando e estamos ficando velhos - meu pai fala no mesmo tom que o meu padrinho.

-- Realmente - meu padrinho para de falar e meu pai olha na mesma direção que ele, eu me viro e vejo as pessoas que acabam de entrar no restaurante. Sérgio Ramos e Marcelo. Minha madrinha atende pessoalmente os dois.

 

Antes deles falarem algo eu me sento na cadeira virada de costas.

--  Mari, você não quer ir conosco falar com os dois - meu padrinho não pergunta, ele afirma.

 

Eu, perco a minha coragem, sinto minhas pernas fraquejarem. Aí você de pergunta cadê a Mariane que trocou mensagens com o capitão merengue? Fico sem saber como reagir.

 

-- Filha, só vamos cumprimentá-los e voltamos - meu pai fala tentando me encorajar.

 

Me levanto e entrelaço meu braço no do meu pai olho para os meus saltos, piso firme.


 

-- Olá, sejam bem vindos - meu padrinho fala. Olho para os dois homens a minha frente, Marcelo sorridente, Sérgio me olha surpreso.

-- Muito obrigado - Marcelo fala se levanta,  Sérgio faz o mesmo.

 

Eles se cumprimentam com apertos de mãos e abraços.

 

-- Você está parecendo um tomate - Marcelo brinca comigo, quando me abraça. Com certeza estou parecendo um tomate de tão vermelha que estou no momento.

 

-- Você está incrivelmente linda  - Sérgio sussura  ao me abraçar.  Nesse instante, sinto minhas pernas fracas.



 

Sérgio Ramos




 

Como é bom estar em casa novamente, depois de uma pré temporada nos EUA e de  dispurtamos, ganharmos uma final da SuperCopa da Europa. É muito bom poder estar ganhando troféus, o nosso grupo sempre está ficando em ganhar o quanto mais, melhor. Hoje, no treino mais cedo Marcelo me chamou para ir em um restaurante que iria inaugurar. Ele não parou um segundo, só falando que precisar ir lá.

 

 

Confesso, que gostaria de estar falando com a brasileira, mais nunca mais trocamos mensagens por direct. Pelo que andei vendo o Instagram dela, nenhuma postagem nova.



 

Escuto Marcelo buzinar, guardo meu celular no bolso. Pego as chaves do meu carro e saio de casa.





 

Não foi difícil de encontrar vaga para estacionar. Entro no restaurante, assim que adentro no local uma mulher nos recebe.

 

-- Sintam-se a vontade - Ela fala sorridente. Nós mostra uma mesa disponível.

 

Me sento, olhando todo o local.Marcelo me cutuca.

 

-- Olha se não é o destino - ele vira o rosto, olho para as pessoas a nossa frente. Mariane, a ruiva.

 

Não perco a oportunidade de olha lá de perto e me perder no corpo muito bonito que tem. Sem contar as marcas de biquíni que estão a mostra.O vestido que marca a cintura e o seu busto. Nunca pensei que ficaria fascinado em uma mulher tão facilmente como estou.

No momento que vou cumprimenta lá, a elogio. Ela parece estar tímida.

 

Marcelo, os convida para sentarem. Eles aceitam. O homem que parece ser o pai dela, puxa uma cadeira e coloca a meu lado, ela se senta.


 

-- É uma honra recebe los aqui - o homem mais alto fala. - Esse é o meu  Luiz  e ela é minha afilhada Mariane, sou o Roger - sorri para os três, mais meu olhar para nela.

-- É bom saber que agora tem um restaurante com comida brasileira aqui em Madrid - Marcelo diz.

-- Parabéns por mais um troféu - Luiz fala.  

-- Jogo difícil, mais uma conquista - falo.

-- Mais uma de muitas - Marcelo fala.

-- Além da La Duodécima. Uma pena eu não ter conseguido ir - Luiz fala e olha para Mariane - mais a filha foi  - ele é o pai dela. Não parece ser bravo.

 

Chamamos o garçom, enquanto Marcelo pedia. Conversamos sobre futebol, Mariane quase não falou nada. Só foi o pai dela dizer sobre os jogos decisivos que eles sempre assistem juntos que ela resolveu falar.

--  Uma péssima coisa é assistir a metade do segundo tempo e ainda chegar e ver o time perdendo. - Ela fala olha para Marcelo e me encara diretamente.

-- Ela torce com todas as forças, quando chegou em casa  e viu que o Real estava perdendo, chorou - a maneira com o pai a descreve, ela parece ser uma verdade amante de futebol.

-- Definitivamente uma garota que ama futebol - falo e vejo ela abrir um sorriso. Fiz ela sorrir, faço o mesmo.  


 

O assunto continua, fico olhando ela mexer no cabelo e parece estar incomodada com algo.

 

-- Algo te incomoda? - pergunto em um tom baixo, enquanto o pai dela e o padrinho conversam com Marcelo.

-- Esses saltos - ela fala - eu não sou acostumada a usar - vejo ela passar as mãos nas pernas e descer para os pés, e que belas pernas. Passo a minha mão em cima da dela  e a vejo surpresa com o meu ato.

-- Você se acostuma - Falo, ela retira a mão rapidamente do pé. Ela olha para trás e volta o seu olhar para mim, parecendo  estar com medo.

-- Pai, vou voltar para mesa - vejo ela se aproximar do pai e dizer. Ele olha confuso para ela.




 

Me levanto, vejo Marcelo abraçar ela e não gosto disso. Abraço ela e sinto o cheiro do perfume dela, a aperto no abraço, sentindo o corpo dela colado no meu.

Eu a olho voltar para o lugar, a caminhada devagar. Suas curvas deixam qualquer um de queixo caído.


 

Mariane, depois de hoje quero sair com ela, a  conhecer mais.  O jeito diferente dela passa a me impressionar, tenho certeza que quando conhecer mais ela, ficarei mais encantado.  


 


Notas Finais


Obrigada a todas que leram até aqui.
Me desculpem pelos erros.


O que vocês acharam do capítulo?
Serjão, já se mostrando interessado na Mari.

Bjinhos de luz 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...