História Destinados - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Supernatural
Tags Drama
Visualizações 11
Palavras 1.661
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Magia, Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura!😘

Capítulo 7 - A Bruxa de Ferro


Fanfic / Fanfiction Destinados - Capítulo 7 - A Bruxa de Ferro

Pov Estela 

Entramos no orfanato e logo uma mulher com roupas de freira chegou sorridente para nós. 

-Posso ajuda-los? - Dean então passou o braço pela minha cintura e me puxou pra perto de seu corpo falando sorridente para a mulher. 

-Minha esposa e eu estamos pensando em adotar. - a mulher sorriu com a fala do Winchester. 

-Ah que maravilha, as crianças daqui são maravilhosas, precisam de um lar e de pais carinhoso. - sorrimos. 

-Podemos conhecer as crianças? - perguntei. A mulher sorriu assentindo. 

-Qual faixa etária vocês gostariam? - Dean me olha e eu digo. 

-Entre 10 e 14 anos. - a mulher nos olha surpresa. 

-Normalmente as crianças menores são adotadas primeiro. - fala.

-Sabemos disso, e é exatamente por isso que queremos os mais velhos. - Dean responde. A mulher sorri. 

-Bom, vamos na minha sala conversar. A propósito me chamo Marta. - se apresenta. 

-Sou Mikael Jonson e ela é a Jenna. - Aposto que esse foram os primeiros nomes que passaram na cabeça de Dean. Jenna? Sério? Não combina nenhum pouco comigo. Marta nos guia até a sua sala, passamos por um corredor extenso com vários quadro antigos e assustadores. Dean mantinha seu braço as meu redor e eu tentava controlar as batidas do meu coração e meu nervosismo sobre isso. Assim que entramos na sua sala, sentei em uma cadeira, Dean a meu lado e Marta na nossa frente. 

-Aqui são as crianças mais velhas daqui. - disse colocando umas pastas na mesa. -Tanto as mais novas quanto as mais velhas são uns amores e muito adoráveis. - Dean e eu começamos a olhar as pastas e tinha várias crianças, elas eram lindas, todas elas. Dean me mostrou a foto de um garotinho que parecia ter uns 12 anos e eu concordei. 

-Esse aqui. - Dean entregou a pasta para Marta que sorriu dizendo que era um garoto adorável. Nós saímos da sala dela com a intenção de conhecer o menino. Marta foi, de novo, nos guiando pelos corredores assustadores do orfanato. Logo chegamos ao pátio da parte de trás onde algumas crianças brincavam e outras ficavam sentadas. Marta nos guiou ate o menino, que se chamava Felipe. 

-Felipe, querido, esses são os Jonson's. Por que não conversa um pouco com eles? - a freira perguntou para o menino, parecia ser um menino adorável mesmo, tímido, mas adorável. Ele sorriu envergonhado para nós. 

-Olá. - falou com voz baixa. Dean de agachou perto dele e se apresentou. 

-Eai, carinha. Sou Mikael e essa é minha esposa Jenna. - ele sorriu pra mim então disse. 

-Sua esposa é muito bonita. - sorri para o menino que tinha agora as bochechas em um tom avermelhado. 

-Obrigada, você é muito mais. - agradeci para a criança. Marta disse que iria lá dentro resolver algumas coisas e logo voltava para ver como estávamos. Acompanhei seu percurso até dentro do orfanato e vi uma menininha brincando sozinha em um canto. Ela tinha os cabelos loirinhos e aparentava ter uns 4 anos. Sorri vendo ela fingir que a barbie estava voando, ela ate imitava o barulho. Então ela começou a falar com alguém que estava atrás de uns arbustos que eu não conseguia ver muito bem pois era atrás da casa. Meus pés se moveram ate ela, acho que por puro instinto. Ouvi Dean me chamar mas ignorei e continuei a andar até a menina. Assim que parei perto dela olhei na mesma direção que ela mas se tinha alguma coisa ali já havia ido embora.

-Oi. - chamo atenção dela que rapidamente me olha e depois olha de novo para os arbustos vendo que não tinha mais nada lá. 

-Oi. - diz e a vozinha dela tem um tom de muita fofura. Me sento perto dela e pego uma das barbies dela indicando que brincaria com ela. 

-Qual é seu nome? - pergunto tentando o máximo passar confiança para que ela se abrisse comigo. 

-Elena. - sorrio para ela a achando o nome lindo. 

-Sou Jenna. Por que está brincando aqui sozinha? - a menina me olha com um semblante meio triste. 

-As outras crianças não gostam muito de mim aqui. - olho ao redor vendo as outras crianças brincando entre si. 

-Mas por que não? Você é uma criança adorável. - ela da um sorrindo sem muito ânimo e olha distraidamente para sua boneca.

-Elas me acham estranha por conversar com Agatha. - olho para garotinha em duvida. 

-Agatha? - pergunto e ela sorri. 

-Ela é minha amiga, minha única amiga aqui. As crianças tem medo dela pelo que aconteceu com os outros. Mas Agatha não os machuca por mal. Ela foi machucada também. - Elena fala com tanta inocência. Juntos os pontos da história dela com o que lemos no jornal. Uma mulher deformada e cheia de ferrugens. 

-Ela ainda está machucada? - pergunto e ela assente. 

-Ela tem alguns metais nos braços, mas ela fala que gosta deles. - assinto dando um sorriso sem muito animo para menina. Vejo Dean vindo na nossa direção e logo me levanto. O loiro sorri para menina.

-Elena, esse é meu marido Mikael. - ela sorri e entende a mão pra ele, não consigo evitar um sorriso com essa cena, muito menos Dean que aperta a mão da menina sorrindo. 

-Tudo bem, lindinha? - pergunta de forma carinhosa Elena sorri. 

-Sim. São um casal bonito. - diz envergonha e me deixando envergonhada também. Dean bagunça os cabelos dela, e isso também é muito fofo. 

-Obrigado. Bom, nós temos que ir agora. Amanhã nós nos veremos de novo, loirinha. - Diz o Winchester e a menina sorri e me olha.

-Agatha não gosta que eu fale da vida dela pros outros. Pode guardar segredo do que te contei? - assinto e Dean me olha confuso. 

-Fique tranquila. Até amanhã. - nos despedimos e saímos do orfanato entrando no Impala direito para o motel com Dean me perguntando o que tinha acontecido. Só disse que era melhor falar junto com Sam também e o resto do caminho foi silêncio, mas confortável. 
  
                       ••••••••

Chegamos no motel e não encontramos Sam. Ele devia estar no hospital ainda. Me sento na cama e Dean me olha. 

-O que aconteceu lá? - Perguntou. 

-Vi a menina falando com o nada, então fui lá ver. Ela disse que conversa com Agatha. As outras crianças tem medo dela justamente por ela ter contato com ela. Pelo que Elena descreveu, Agatha tem ferros no corpo, disse que ela já foi machucada mas que não está machucando essas crianças. - explico para Dean resumidamente. 

-Ferros pelo corpo? Na reportagem diz que as crianças veem uma mulher deformada, mas agora vai ficar mais fácil de pesquisar com esses detalhes. - falou o loiro que caminhou ate a mini geladeira pegando duas cervejas e me estendendo uma. Arqueei as sobrancelhas. -Qual é, não sou idiota, sei que nenhum adolescente espera a maior idade para beber. - bom, ele não deixa de ter razão, mas no meu caso eram raras as vezes que eu bebia, mas decidi aceitar arrancando um sorrido do caçador. 

-Que mal irá fazer, não é mesmo? - brindamos e tomei um gole da bebida amarga.  

                        ••••••

Sam já havia chegado e já estava ciente das coisas do orfanato. Ele nos disse que as crianças disseram que foi a mulher do metal e que ela tinha quebrado os braços e pernas deles sem nem toca-los. Desde que chegou Sammy ficou no computador pesquisando alguma coisa que batesse com as descrições das crianças, o que demorou algumas horas ate ele exclamar. 

-A lenda da Bruxa de Ferro bate com a descrição das crianças. - disse o caçula e logo prosseguiu. -" Em um hospital em uma cidadezinha do interior de Nebraska, havia um hospital para crianças com problemas nos ossos. Lá tinha uma enfermeira muito estranha que se apegou demais a um paciente em estado terminal. O menino tinha os ossos dos braços e das pernas sustentados apenas pelas maquinas. A mulher vendo a situação do menino tentou acabar com o sofrimento dele desligando os aparelhos levando o menino a óbito. Para sempre lembrar do meninos ela colocou os aparelhos que sustentavam seus braços e pernas nela. Mas depois de um tempo não aguentou a crueldade que fez e se suicidou se jogando em um poço do hospital. Logo o hospital foi fechado e no seu lugar foi aberto um orfanato, as crianças dizem ouvir barulhos de ferros durante a noite e veem uma mulher com ferros no corpo. A Bruxa de ferro quebra as pernas e os braços das crianças e assombra os orfanato ate hoje." - termina de ler nos olhando em seguida. 

-A solução é simples. Queimar os ossos. Mas os ossos dela, se essa matéria estiver certa, estão em Nebraska. Demoraríamos dias para chegar lá. - falei e os irmãos concordaram. Dean então levantou e pegou o celular. 

-Castiel vai ter que dar uma ajudinha aqui então. - logo o loiro discou para o anjo falando nossa localização e ele apareceu segundos depois. 

-O que houve? - perguntou o dono dos olhos azuis mais lindos que eu conheço.

-Precisamos que queime uns ossos em Nebraska para gente. - o anjo assentiu. 

-Onde? - pergunta.

-Bom, aqui não especifica onde. Mas é em um orfanato, em um poço. - o anjo assente. 

-Voltarei em alguns segundos. - diz e logo sumindo. 

-Bom é que poupou muito trabalho com a ajuda dele. Mas me sinto mal pelas crianças machucadas. - digo.

-Pelo menos mais nenhuma criança ira se machucar. - diz o loiro. Castiel logo reaparece e diz. 

-Pronto. Agora preciso voltar para o céu. Chamem quando precisarem. - e puf, desaparece de novo. 

-Acho melhor ficarmos na cidade por mais alguns dias. So para ter certeza de que foi tudo certo. - propõe Sam e eu concordo. Dean da os ombros e se deita na cama.

-Pelo menos esse caso não precisou de muita ação. - rimos. 


Notas Finais


Esse capítulo não tem muita ação pois mesmo se tivesse, Estela não saberia se defender. Logo logo os Winchester's treinarão ela e ela estará bem mais ativa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...