1. Spirit Fanfics >
  2. Destined for love. >
  3. Amigo?

História Destined for love. - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Hehe lá vai, beijin

Capítulo 2 - Amigo?


Fanfic / Fanfiction Destined for love. - Capítulo 2 - Amigo?

Destined for love.

Por Botam-

Autora

Himuro Tatsuya, nome bonito não acham ?

Mas para kagami no momento ele lhe dava nojo e receio!

A ruiva estava em um turbilhão de emoções tristeza raiva rancor remorsos, queria pedir desculpas queria lhe bater mas o que precisava era um abraço, para acalmar a fera dentro de si entre a razão e a emoção de kagami tinha uma linha tênue mas era muito fina por isso não sabia o que queria naquela hora gritará com ele e rejeitou seus sentimentos quando sentia culpa sentia ódio logo em cima não dava tempo de sentir o ápice dos sentimentos de pensar direito de tão confusos que estavam, precisava se acalmar, se deitou na cama com a falsa ilusão de dormir errado ficou relembrando a cena no colchão logo o seu quarto ficou sufocante queria fugir,

sabia que o basquete a acalmava pegou a sua bola e sua bolsa colocou seus materiais de treino, abriu a porta com raiva estava com tudo na flor da pele tinha dó da pessoa que ficasse em sua frente naquele dia, desceu as escadas sua mãe estava no trabalho só ia voltar de noite ótimo! Era silêncio e paz que precisava ficar só com seus demônios. Abriu a porta andou –trancando em seguida– rápido até a quadra talvez chegasse alguém mas ia levar uma bolada na cara era o que seus instintos raivosos gritavam.

Passou o tempo ela desviava dos seus adversários imaginários lançando as cestas certeiras uma após outra .

Depois de horas jogando sem parar ficou zonza caiu sentada no chão frio da quadra no meio da rua a luz automática da quadra ligou já estava a escurecer.

Raiva e só mais raiva... confusão de sentimentos.. bateu o punho no chão arremessando a bola de basquete pra longe logo ouviu o som característico do quicar dá bola seu punho doía mas não ligava.

Não queria chorar mas lágrimas confusas de raiva ódio tristeza vieram limpava com rapidez depois só depositou as mãos no rosto para ninguém ver seu rosto sentia que cada lágrima era uma coisa ruim saindo estava suada cansada e logo começou a soluçar.

Sentiu uma presença na quadra mas não se virou ou tentou camuflar a situação não tinha como mesmo se tentasse agradecia aos Céus por a rua não estar tão movimentada mas.. ? Quem iria ligar pra uma garota suada e exausta, agachada no meio da quadra chorando ?Talvez um moreno que teve a mesma ideia já que tinha a esperança de encontrar com ela.

Ela só queria que ele viesse atrás dela pois seu orgulho lhe enpedia.

aos poucos foi se acalmando.

Queria um abraço...

.

Autora/Himuro Tatsuya

Himuro andava em direção a quadra mesmo com ansiedade de encontrar ela ali, se ela lhe batesse não ia doer muito –riu com aquilo– e também merecia e como merecia sentia que merecia a pior surra do mundo socou tanto a parede de seu quarto sua mãe entrou apavorada pra ver o que aconteceu contou pra ela, queria uma ajuda ela só podia dizer que deveriam conversar, se ela soubesse como era conversar com kagami Taiga depois de um surto de raiva era pedir pra ir pro hospital riu com o pensamento idiota já sentia saudades de seus gritos.. afinal ela era a sua Tiger né?

– O que eu fiz Taiga..?– estava deplorável uma mão enfaixada olheiras não comeu direito estava pálido a culpa fazia o desmoronar se não falasse logo com a aquela garota ia morrer sufocado com seu próprio veneno.

Andou mais um pouco chegando na entrada da quadra uma brisa passou suave balançando a franja parecia que ia chover olhou ao redor da quadra e seus olhos viram a imagem de sua amiga chorando ao ponto de soluçar estava tão indefesa mas o que ele ia fazer se chegasse perto com toda certeza ela ia começar uma briga – e com razão– mas queria tanto abraçar ela, sentia que ela precisava de um abraço, leu e lia as entre linhas dela por muitos anos.

Perdendo o medo andou calmo ansioso suava frio chegando perto dela sentando do seu lado.

Ficou lá segundos paralisado, só podia escutar os seus soluços se sentiu muito mal sabia que era por sua culpa aquele choro, juntou todas as forças que tinha preparou os músculos tensionado para uma cotovelada nas costelas, passou o braço por cima de seus ombros no momento caídos juntando os dois em um abraço de um braço só fechou os olhos com força esperando alguma sei lá agreção?

Não veio se assustou quando sentiu ela se aninhar no seu peito seu coração batia forte quando sentiu as mãos dela saindo do rosto e contornando seu tórax.

Não ia pedir desculpas ou ia ? Ele merecia ? Não mas... Ia doer muito depois amargura era um sentimento ruim e quando passa muito tempo corrói um ser.

Engoliu todo o orgulho sentindo o estômago embrulhar.

– D-desculpa por ter feito aquele escando, imbecil! mas você mereceu e muito eu... –ja começava a se alterar se novo por isso fechou a boca.

Num sussurrou Himuro falou o nome dela abaixou a cabeça sentindo o cheiro doce de framboesa de seus cabelos vermelhos sentia saudades de seu calor. – desculpa Taiga, desculpa mesmo –

Ela balançou a cabeça não falou mas aquela confirmação foi tudo pra si – amigos?...– ela se separou do abraço o olhando nos olhos agora inchados – sabe eu ainda estou muito magoada com você não acho que vamos ser a mesma coisa mas.. amigos! – falou quebrando o contato dos olhos se levantou ele seguiu seus passos ela pegou a bola segurando a vontade de arremessar na cara dele não ia agredir dessa vez não ia, saiu da quadra pegando sua bolsa que tava mais pra uma mochila levava de tudo ali dentro ainda estava triste magoada depois de chorar tanto, se estabilizou a sua linha tênue.

Sentiu os braços dele ao redor de seu tronco não estava preparada para um abraço ou melhor outro logo sentiu o rosto dele se encaixando na curva do pescoço, apertou com cuidado parecia querer apreciar o momento – tô e segurando pra não jogar essa bola em você não abuse da sorte – ele pareceu sorrir – te amo.. taiga – não queria acreditar ele por algum acaso estava se aproveitando da situação riu incrédula – eu avisei – desfiz o abraço joguei a bola nele ele só agarrou fazendo uma cara de dor foi aí que ela percebeu a mão enfaixada – o que foi isso Idiota !– chegou perto dele segurando a mão do Himuro com cuidado , procurou seus olhos mas eles olhavam para baixo com vergonha – eu soquei a parede estava me sentindo um lixo, desculpa – o coração de taiga palpitou em preocupação não era um monstro, poxa! ainda estava com raiva dava pra sentir na rispidez da voz seu orgulho amargava na boca parecia estar quebrando ossos em se preocupar com ele mas ainda era o Himuro não tinha paixão por ele mas tinha amor fraternal era muito nova mas sabia diferenciar um do outro já teve umas paixonites por um loiro tatuado jogava basquete muito bem lembrava da época o Himuro vivia emburrado.

– Idiota, você é um Idiota Himuro – falei zangada, – e não ouse se desculpar mais, – olhei em seus olhos tinham um brilho diferente– idiota...– soltei sua mão fui andando até a sorveteria ele vinha atrás, Ukatu-kun estava na porta parecia observar a situação de longe – ei ruivinha... – ele segurou meu braço gentilmente, não gostei do contato não vou dizer que fiquei com trauma daquilo mas mesmo assim não me senti bem, desfiz o contato mas não bruscamente ele não merecia– sim, Ukatu-kun? – sabia que estava com os olhos vermelhos provávelmente inchados logo senti o Himuro se aproximando senti uma tensão no ar parecia que o Ukatu-kun e o Himuro estavam soltando faíscas dos olhos – olá.. Ukatu–

–hello franjinha, o que foi ? – olhei de relance para as mãos do Himuro estavam tensas ele tinha ficado com raiva, mas era possível ciúme? A não !

– Ukatu-kun um sorvete de flocos, sim?– tentando desfazer o clima não era uma especialista mas deu certo a tensão se foi ele sorriu falou um é pra já ruivinha, escolhemos um lugar para sentar perto da saída já estava tarde já estava esperando minha mãe ligar.

– sério, sei que não estou na posição de falar mas.. eu odeio essa cara – falou desviando o olhar com ódio para ele.

– é não está... O que você vê de ruim nele ? Ele é muito gente boa Himuro – foi estranho falar, mas já tinha me acalmado os laços não estavam unidos, as coisas mudaram só não estava mais zangada com ele talvez perdoará? Talvez – Você ainda é bem inocente– o olhei indignada.

– é, sou! Tanto que confiei em voc- – senti ele acariciar minha bochecha – suminassai Tai-chan – falou em sua língua de origem aprendeu muita coisa com ele sobre o Japão – olhei ele nos olhos, desviando em seguida – baka!– o sorvete chegou não demorou muito para eu comer estava faminta ele ia pagar mas n deixei mas não adiantou ele pagou fiz birra o caminho da volta quase todo só calei quando ele comentou– já estava ficando com medo de não ser mais o sentro de seus chiliques dentucinha!– olhei para ele surpresa a carga toda tinha ido embora mas ainda tinha coisas ruins no peito mas pelo jeito não iam demorar muito para saírem – acho.. acho que não consigo guardar rancor de você Himuro-kun–ja chegando na entrada de casa olhei para ele – boa noite – não olhei para trás já ia entrando ele segurou meu pulso – espera ! Eu.. você.. ainda vai comigo pro Japão ? Vou ficar na Yosen !– olhei para ele desfazendo o aperto gentil no local – Vou para Seirin eu acho, só isso?– olhei sem reação arqueando uma sombrancelha bifurcada – er.. só, bom boa noite – entrei e fechei a porta.

–mas é muito idiota mesmo – coloquei a mão na testa não acredito que não matei ele hojr, argh vou tomar banho joguei a bola na sala enquanto a bolsa ainda comigo migrou até o quarto pegou uma roupa na mala foi pro banheiro o vestidinho estava ali também – culpa sua ! _ peguei o pedaço de pano jogando no lixo foi com raiva– tomei o banho demorado a água quente ajudava a pensar lavei os cabelo com meu shampoo de franboesa sentiu o cheiro e percebeu que ainda estava faminta não ia comer o shampoo só terminou logo o banho indo para a cozinha sua mãe tinha chegado decidiu não contar as coisas daquela manhã foi um dia exaustivo estava meio frio parecia que ia chover.

Olhou para a janela contemplando os pingos da chuva e pensou – será que são os sentimentos ruins das nuvens caindo?

O Himuro tinha razão Kagami era inocente demais... Como será que ela vai encarar sentimentos diferentes ? Com uma pessoa diferente ?

  Continua?


Notas Finais


Vcs podem dar ideias também amores (◍•ᴗ•◍)❤(●♡∀♡)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...