História Destined For You - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Block B, F(x), Girls' Generation, Jessica Jung, Kris Wu, Red Velvet
Personagens Hyoyeon, Jaehyo, Jessica Jung, Jung Hoseok (J-Hope), Kris Wu, Krystal Jung, P.O., Personagens Originais, Sooyoung, Wendy
Tags Block B, Choi Sooyoung, Comedia, Família, Girls' Generation, Gravidez, Hyoyeon, Jaehyo, Jbw Produções, Kris Wu, Krystal
Visualizações 9
Palavras 1.668
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Meu retorno.

Capítulo 3 - Capitulo 03


Fanfic / Fanfiction Destined For You - Capítulo 3 - Capitulo 03

Kris Wu

Eu e aquela garota passamos muito tempo juntos ontem. Ela é uma garota muito legal, mas não lembro do que aconteceu depois, acho que o efeito da bebida foi exagerado, só espero que eu não tenha esquecido de voltar para casa. ARGH! Eu odeio quando o Jaehyo vem dormir no meu quarto sem me avisar, ele ainda toma quase todo o espaço da cama.

-Virou boiola, Jaehyo? Saí de cima de mim.- Digo ainda de olhos fechados. Tem algo pesando sobre meu corpo.- Jaehyo, eu já disse... Ops...

Santo Cristo, eu dormir com a garota da festa. Tento me levantar sem acorda-la. Pra piorar não consigo achar minhas roupas, que bom que estou em casa..., espera, eu estou em casa! Ela tem que sair.

Ah não. Ela acordou.

-Quem é você? O que eu estou fazendo aqui?- A garota me pergunta.

-Você que me diga.

-Saí daqui, se não eu chamo a policia.- Ela diz se cobrindo com o cobertor.

-Essa casa é minha. Saia você.- Ela se levanta e começa a recolher as próprias roupas.

-Eu vou te denunciar, seu estuprador desgraçado.- Ela diz.

-Eu? Você acha que eu forço as garotas a terem relações comigo?- Ela está me aborrecendo.

-Pela a aparência...

-Você também não é das melhores.- Digo.

-Você não achou isso ontem de noite.- Ela fala, me encarando com uma sombrancelha erguida.- Eu vou embora. Vire-se.

Eu me viro para que ela possa se vestir.

-Espero que você não esteja olhando para minha...- Ela começa a rir.- Sua tarada!

Ela termina de se vestir e vai em direção a porta.

-Espera, me diz pelo menos o seu nome.- Peço.- O meu é Kris.

-Não interessa.- Ela diz.

-Mas eu te disse o meu.- Digo.

-Por que quis.- Ela me diz.

Ela sai, deixando a porta bater. Mulher do cão.

Vou tomar um banho.



[...]



-Kris, quem te deixou trazer garota para casa?- Diz Jaehyo.

-Ah, me deixa em paz.

-Sabia que eu conheço ela? Sabe a vergonha que eu passei?- Diz Jaehyo, ele estava ficando vermelho.

-Você a conhecia? Como?

-Ela é irmã da garota da faculdade.

-Hum... Sua crusha.

-Ah, vai...- Jaehyo é interrompido pelo meu pai.

-Kris, vou te avisando se você estiver engravidado ela, você vai sair dessa casa e arranjar seu próprio teto.- Meu pai diz em um tom furioso.- Já estou cheio de suas mentiras, vagabundo, não criei um filho para que ele ficasse fazendo festinhas com os amigos e dormindo com qualquer mulher. Se ela estiver grávida, você vai assumir, caso contrário, eu te mato e te enterro, nunca fui assim com a mãe de vocês. ESTÁ ME OUVINDO KRIS?

-Sim, senhor.- Digo.

-Acho melhor mesmo. Se ela vier aqui dando o golpe da barriga para cima de você, eu mato ela.- Ele diz e sai de casa fechando a porta em um estrondo.

-Era para eu me preocupar?- Pergunto para Jaehyo.




[...]




-Então Phillip, conseguiu reconquistar a tua garota?- Pergunta Rod.

-Nós passamos um bom tempo juntos ontem, eu já havia reconquistado-a, o problema é minha familia.- Diz Phil.

-Você tem que contar a eles, não vai poder esconder para sempre, pensa no seu filho, cara, você vai deixar de viver com ele por causa arrogância de seus pais?- Diz Brad.

-Uhu! Brad das poesias.- Diz Lewie.

Não estava conseguindo conversar normalmente com eles, pois eu pensava constantemente na mulher que estava no meu quarto hoje de manhã. Meu pai está ficando muito estressado comigo, tenho que me mudar de lá antes que ele corte minha cabeça enquanto durmo, outra coisa que preciso é o número daquela mulher.

-Pô Kris, fala com a gente.- Diz Lewie.- Está pensando na gostosa de ontem?

-Lewie! Por favor, trata as garotas com mais respeito.- Digo a ele.

-Tu não manda em mim seu otário.- Diz Lewie.

Meu celular apita com a notificação de uma nova mensagem, é o Jaehyo, ah não...

A mensagem dizia:

"Kris, tu não vai gostar disso, o pai tá com muita raiva e está nos despachando da casa dele, ele disse para nós procurarmos o próprio barraco."

-Kris.- Phil me chama.- Tenho uma coisa a te falar em particular.

Nós vamos a uma parte mais afastada.

-O que foi?

-Seu presente de aniversário. Parabéns.- Ele diz me entregando uma chave.- Seu próprio apartamento, faz um tempo que você fala que quer se mudar da casa do seu pai, então aqui está.

-Obrigado. Não sei nem como te agradeçer.- Digo.

-Vai nos meus pais e fala que eu tenho um filho.- Diz ele.

-Obrigado pela a ideia, agora mesmo eu vou lá.




[...]




-Ei Kris! Onde você estava?- Diz Jaehyo, ele estava sentado na frente de casa com todas as nossas tralhas na calçada.

-Phil me deu uma casa.- Digo a ele. Pego as minhas coisas e sigo na direção do prédio, Jaehyo me segue.

-Como assim? Do nada nós ganhamos uma casa?- Diz Jaehyo confuso.

-É o presente de aniversário mais preciso do mundo.- Digo.

-... ... ... PARABÉNS!- Diz Jaehyo, já sabia que ele tinha esquecido.

-Tá bom, agora eu tenho que contar para os pais do Phillip que ele tem um filho, para isso eu preciso do endereço da garota do Phillip.- Digo.

-Acho que eu posso conseguir.- Diz Jaehyo.- Leva as minhas coisas pra lá que eu vou atrás dela.





[...]



É, deu certo, mas eu acho que o Phillip levou uma surra e não é que eles levaram na boa (imagine se tivessem ficado com raiva).

São exatamente 15:54 da tarde e Jaehyo está ajeitando as coisas em casa.


[3 semanas depois]


-Espera, quando nós chegamos essa geladeira estava aqui?- Pergunto a Jaehyo.

-Não, eu comprei.- Diz ele.

-Comprou com que?- Pergunto a ele.

-Eu conheço um cara que conheçe um cara qu...- O interrompo.

-Mentira viado, você só conhece garotas.- Digo.

-Aiishh! Foi a tia Vivi que deu.- Ele diz com raiva.- Ei, nós temos que ir buscar nossas camas lá na casa do nosso pai? Quero dizer, ele disse que íamos levar tudo que é nosso, então as camas contam? Eu já não aguento mais dormir no chão.

-Isso faz sentido, vamos ligar para ele.

Jaehyo e eu vamos até a portaria.

-Gostaria de fazer uma ligação- Diz Jaehyo.

-No máximo 30 minutos.- Diz a recepcionista.

Discamos o número. Esperamos.

-Oi pai.- Diz Jaehyo.

- O que vocês querem?...- Diz nosso querido pai (ranzinza) do outro lado.

-Simples, nossas camas.- Digo.

-Não é de vocês, é meu.- Diz ele.

-Mas é NOSSAS camas.- Diz Jaehyo.

- MAS quem PAGOU pela AS camas?- Ele diz.

-MAS o senhor NÓS DEU as camas.- Digo.

-MAS EU PAGUEI!- Ele contesta.


[...]

Conseguimos negociar, ele só vai ceder a cama do Jaehyo. Adivinha quem vai continuar a dormir no chão? É, eu mesmo.

-Eí vocês dois.- A recepcionista nos chama.

-O que?- Digo.

-Esqueceram de pagar.- Ela diz estendendo a mão.

-Pagar?- Pergunta Jaehyo.

-É, cada 5 minutos no telefone são 10 doláres.- Ela diz.- Vocês usaram o telefone por 55 minutos, isso resulta em 110 doláres.

-Eu não tenho nem 15 doláres.- Digo.

-Passar 1 hora no telefone, só conseguir uma cama e ter que pagar 110 doláres!? Era melhor ter ído assistir o filme do pelé.- Diz Jaehyo.

-Se não tem dinheiro, simples.- Ela aponta para a rua.

-Vai nos despachar, mas somos donos do apartamento.- Digo.

-Vai nos mandar para o meio daqueles macacos?- Jaehyo diz.

Não eram exatamente macacos, eram pessoas dançando na rua.

-Ele já estão dançando para conseguir dinheiro para pagar ligações.- Diz a recepcionista.- É a única forma.

-Então vamos.- Resmungo para Jaehyo.




[...]



-Você dança e eu coloco a música.- Diz Jaehyo, eu ía abrir a boca para reclamar.- Então tá, você dança a primeira, eu danço a segunda, você dança a terceira, eu danço a quarta e assim em diante..., mas não pode reclamar da música que o outro colocar.

-Tá certo.- Digo.- Bota uma música bem legal.

Ele dá play. NÃO ESTOU CRENDO NO QUE ELE COLOCOU! JAEHYO EU AINDA TE MATO!

-Ué? Dança, pensei que você gostasse de GFRIEND, quem é o viadinho agora? Vai dança LOVE WHISPER.- Diz Jaehyo.

EU VOU TE MATAR!



[...]



-Foi sacanagem.- Digo a Jaehyo.

-Pelo menos você virou artista de comédia.- Diz ele.- Olha conseguimos mais do que precisavamos.

-O que vamos jantar?- Pergunto e ele dá de ombros.- Que tal lamén? Eu sei que você gosta.

-Falou a minha lingua.- Diz ele.

De repente todas as luzes apagam.

-Ah! Esqueci, hoje é dia de black-out.- Digo.

-As pessoas que moram em outros lugares nunca desejem ficar nas ruas de Nova York durante um Black-out.- Diz Jaehyo. Exatamente isso, Nova York inteira apagava, pessoas se batiam, bagunçavam a rua, todas as vezes morriam pelo menos umas 8 a 10 pessoas.

Lá estavamos nós, eu e Jaehyo olhando aquela cena pela a janela.

-Eu tenho vontade de sair e salvar as pessoas que estão sendo machucadas por esses desgovernados.- Diz Jaehyo.

-Então vai lá salvar eles.- Digo.

Hoje nossa rua, que sempre foi calma, estava um terror, acontecia acidentes de carro por todas as partes, haviam uns 3 mortos por ali, eles estavam queimando latas de lixo e até mesmo tentando colocar fogo em uma residência.

Alguém bate com força em nossa porta.

-Jaehyo vai olhar quem é.- Digo e Jaehyo vai devagar.

O índividuo do lado de fora está batendo desesperadamente em nossa porta. Jaehyo abre.

-Até que enfim achei vocês.- Diz a mulher que entra correndo em nossa casa.

-Quem é você?- Pergunto. Aquele rosto era familiar, mas eu não conseguia lembrar.

-Jessica Jung, a garota no bar de três semanas atrás.- Ela diz.

-O que aconteceu com você?- Pergunta Jaehyo.

-Fui perseguida por alguns caras.- Ela diz.

Lá fora parecia estar havendo uma guerra, é sério, se vocês estivessem ouvindo, pensariam que é uma guerra.

-O que você está fazendo aqui?- Pergunto.

-Simples, 1°: quero que vocês me ajudem a voltar para casa, 2°: É o principal motivo pela a qual estou aqui...


Notas Finais


É isso...

O que acharam? Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...