História Destined Loves - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camila Cabello, Camila G!p, Camren, Camren G!p, Fifth Harmony, Khristtynna, Lauren G!p, Lauren Jauregui
Visualizações 216
Palavras 2.084
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, LGBT, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


*Boa Leitura! 📱📙📔📒📖📚


*LEIAM AS NOTAS FINAIS.

Capítulo 5 - Pretexto


 

{*Três Horas Depois}

*Pov. Camila

 

Já anoiteceu, estou parada na porta da casa dos Jauregui’s, não sei exatamente o que me motivou está aqui, talvez a necessidade de saber como aquela tonta está. Sou a culpada por ela está doente, se não tivesse a empurrado nada disso teria acontecido, mas Lauren não devia ter me beijado de surpresa.

 

Mais cedo quando estava fazendo a mamada da Sofi, tive uma ideia, liguei para mamãe e pedi para ela fazer uma torta de frango, os Jauregui’s adoram, este foi o motivo para estar batendo em sua porta, na verdade trazer a torta para eles é só uma desculpa para ver a tonta. Clara abriu a porta sorridente, seguro firme a bandeja com o alimento, contendo o friozinho na boca do estômago.

 

-Boa noite, querida. Entre. -Deu espaço e logo adentrei, do hall de entrada olhei para sala, vendo Mike, Chris e Michelle sentados em volta da mesinha de centro, aparentemente jogando algum jogo.

 

-Mamãe fez torta de frango, trouxe para vocês.

 

-Nossa, eu amo a torta da sua mãe. -Falou Michelle se levantando e vindo em minha direção, logo pegando a bandeja das minhas mãos e indo em direção a cozinha.

 

-Obrigada, sua mãe faz a melhor torta, ainda preciso pedir para ela me ensinar a receita. -Clara sorriu alegre. -Vamos jantar conosco?

 

-Obrigada, já jantei.

 

-Fique à vontade, vou na cozinha ver se Michelle não comeu a torta toda sozinha.

 

-Dona Clara. -A chamei fazendo se virar me olhando. -Como Lauren está?

 

-Resfriada, suba vá falar com ela, tenho certeza que vai se sentir melhor. -Sorriu de forma estranha. Hesitei um pouco, mas decidi subir, passei pela sala cumprimentando o Sr. Jauregui e Chris, subi as escadas com passos incertos; cheguei em frente ao quarto já conhecido, pois Michelle já me trouxe aqui e mesmo fica de frente ao meu e da minha irmã.

 

Dou duas batidas na porta e giro a maçaneta adentrando, vendo-a deitada na cama com lençol até a cintura, olhando para TV, concentrada, logo noto que está assistindo uma série que também curto. Ela olha em minha direção e parece ficar assustada.

 

-Uau, é você no meu quarto ou estou delirando de febre?

 

-Não sou eu, deve está delirando. -Sorrio dando passos em direção à sua cama.

 

-Que droga, queria tanto que estivesse aqui. -Lamentou puxando a coberta mais para cima, seu nariz vermelho e os olhos verdes abatidos.

 

-Sou eu sua chata. Vim saber como está? Afinal sou a culpada de estar doente, não gosto de sentir culpa, mas você bem que mereceu.

 

-Eu não me arrependo, seus lábios são deliciosos, tem gosto de morango fresco adocicado. -Sorriu. -Senta aqui comigo, vamos assistir série?

 

Levantou a coberta se afastando mais para o lado, hesito, os olhos verdes pidão me deixam fraca, sento na beira da cama tirando a sandália, em seguida me ajeito encostando as costas na cabeceira, evitando cobrir minhas pernas com seu lençol, apesar de estar bastante frio. Estou usando apenas um vestido estampado soltinho, minhas pernas estão expostas. Às vezes sinto falta do clima agradável da cidade do México, tudo parecia mais cheio de vida.

 

Lauren se mexe, se sentando ao meu lado, mantendo a coberta até sua cintura, sem que eu espere ela pega um travesseiro ajeitando atrás das minhas costas.

 

-Não quero que doa, você é tão delicada e merece ser tratada como uma princesa, a minha princesa. -Respiro fundo sentindo às borboletas agitadas no estômago, não falo nada, procuro me concentrar na TV.

 

*Pov. Michelle

 

A torta da Sra. Cabello é maravilhosa e perigosa, pois quando começo comer não quero parar, preciso me controlar, por causa da facilidade que tenho de ganhar peso.

 

Estamos sentados em volta da mesa comendo, papai na cabeceira, mamãe na outra, eu de frente para o Chris, falta só Taylor e a Lauren, mamãe fez sopa para ela e já a alimentou, tenho certeza que agora vai melhorar rapidinho, principalmente porque seu remédio veio lhe visitar.  E a bebê está dormindo no berço lá em cima.

 

Minha irmã gêmea está de quatro pela Camila, nunca a vi tão trouxa por uma garota como está pela latina, espero que possam se entender. Sinceramente quero Camila como cunhada, claro que ela casada com Lauren, não eu com Karla. Por que mesmo pensei naquela tarada do pintão? Nem devia lembrar, quanto mais cogitar a ideia de um dia sermos alguma coisa.

 

{Meia Hora Depois}

 

Terminamos o jantar, pedi para mamãe deixar a louça para eu lavar, ela foi para sala com papai e Chris, está bastante frio, e o aquecedor da cozinha está desligado, a máquina de lavar louça está quebrada, só resta lavar manualmente, até que é terapêutico.

 

Cantarolo uma canção da Beyonce enquanto faço meu serviço. Minutos depois paro ouvindo a conversa ficar animada na sala, curiosidade me acomete, procuro apressar, terminando de lavar, colocando tudo no escorredor, lavo bem minhas mãos, enxugo no pano de prato, tiro o avental pendurando no local ideal.

 

Sigo apressada para sala, logo vejo o motivo da agitação. Karla Cabello, usando um conjunto de moletom cinza, os cabelos amarrados, com alguns fios caindo em seu rosto, está sentada em volta da mesinha jogando dama com papai, os dois estão animados, mamãe já deve ter subido e Chris está eufórico esperando sua vez.

 

-Pô pai, Karla mal chegou e já lhe derrotou. -Falou Chris. Cruzo meus braços e fico parada os observando, a boçalzinha está sentada de costas, para onde estou mais não demora me notar, pois Chris, estraga tudo. -Oi maninha, nem acredita, Karla está dando uma surra no papai, logo ela vai vencê-lo. -Meu irmão está empolgado.

 

Karla imediatamente volta sua atenção em minha direção, sorrir de forma boba, morde os lábios sutilmente, fecho a cara, nem pensar em dá confiança.

 

-Vou subir.

 

-Ainda é cedo querida, fica mais um pouco? Devia pegar umas dicas com a Karla, assim poderá jogar comigo.  -Disse papai.

 

-Será uma honra ensiná-la. -Karla, egocêntrica sorriu. Só me faltava essa, aprender jogar com esta pirralha.

 

-Obrigada, mas posso aprender sozinha, não preciso que uma...deixa quieto vou subir. -Os ombros de Karla se encolheram, respirei fundo decidindo me sentar no sofá ao lado do meu irmão, observando os dois jogando, a latina sorriu parecendo relaxar, tomara que não relaxe demais e acabe ficando dura.

 

-Você não ia subir? -Questionou Chris me dando um leve escorão com o ombro.

 

-Sim, mas não quero atrapalhar Camila e Lauren.

 

-Sei. -Foi só o que Chris disse antes de voltar opinar no jogo. Papai adora jogar xadrez, dama, baralho, dominó e etc., nos incentiva aprender, pois assim não ficaremos apenas voltados para coisas tecnológicas.

 

Desde quando éramos bem pequenos ele nos levava para brincar no quintal e passeio no parque, ficar na frente da tv tinha horário, e é assim até hoje. De certa forma ajudou, Chris é um ótimo jogador, Lauren é boa em esportes e eu de certa forma também não sou um desastre.

 

Volto minha atenção para a mesa de jogo, Karla concentrada chega ser fofa, sempre morde os lábios, analisando cada passo que vai dá, não devo ficar olhando muito, pois pensamentos inadequados povoam minha mente; não posso ceder as minhas fraquezas, preciso manter minha sanidade. Karla é novinha demais, não consegue se quer controlar uma ereção, como posso ficar afim de uma garota assim?

 

*Pov. Karla

 

Camila estava demorando voltar para casa, então disse para meus pais que viria aqui na casa dos Jauregui’s chamá-la. Assim que cheguei aqui o senhor Jauregui e Chris logo me convidaram para jogar, aceitei de bom grado e mesmo quanto mais tempo fico na casa deles, mais chance de Michelle me notar, assim quem sabe queira ser minha amiga pelo menos.

 

Não demorou ela aparecer, seu pai sugeriu que eu a ensinasse jogar, mas Michelle como sempre recusou, apesar de ter dito que iria subir, acabou não indo, e isso é ótimo, pois sinto que está me olhando, quero olhá-la de volta, mas tenho medo de encontrar o olhar de desprezo, dói quando ela me trata mal.

 

Eu queria ser bonita, assim quem sabe teria chance com ela, talvez seja apaixonada por Lucy, mas lembro do nosso passeio mais cedo, a forma como caímos juntas, íamos nos beijar, se não fosse Ariana chegar, tenho certeza que seria tão bom. Não custa nada sonhar em namorar uma garota tão linda.

 

*Pov. Lauren

 

Estava meio para baixo, até Camila entrar no meu quarto, tão linda com um laço no cabelo, usando um vestidinho, suas pernas de fora, meu corpo se aqueceu insanamente, pensei até está tendo delírios, mas por sorte não é, ela está mesmo aqui, e já faz algum tempo que estamos assistindo série; mamãe já veio dá meu remédio, e depois saiu nos deixando a sós, pensei até que Camila iria embora quando ela entrou, mas nada disso aconteceu, acho que mamãe iria adorar se Camila se tornasse sua nora.

 

Sei que sou muito nova para pensar nessas coisas de adultos, mas no momento eu quero Camila e estou esperançosa que me queira. Ela está aqui já é um grande avanço, estou com medo até de falar para não a assustar, mas sei que é minha chance.

 

-Então, você gosta mesmo desta série, nem pisca? -Sorrio.

-Sim, Friends, é muito interessante.

-Eu sei, mas não é minha série favorita.

-Nem a minha, gosto de muitas, fica difícil escolher uma só.

 

-O que acha de listar suas séries favoritas e eu listo as minhas, assim podemos maratonar juntas? -Sugiro esperançosa.

 

-O que está planejando com isso? -De repente seu humor mudou. -Não vamos virar amigas, do tipo que maratona séries e faz tranças no cabelo uma da outra e blá, blá, blá.

 

-Eu não quero mesmo ser apenas sua amiga. -Me aproximo mais tocando seu rosto, por sorte ela não se afasta. -Quero lhe beijar sempre, e sei que beijar melhor amiga na boca não é conveniente acaba misturando as coisas e tende no final estragar a amizade.

 

Aproximo mais meu rosto do seu, coloco uma mão em cada lado, antes que fuja junto nossos lábios dando início ao beijo, Camila fica imóvel, mas não demora retribuir, a puxo mais para mim, fazendo-a enlaçar seus braços em volta do meu pescoço, incerta, aos poucos relaxando.

 

Não quero parar o beijo, está incrível, apesar do ar está se fazendo necessário, mas se parar ela pode correr, então a abraço mais apertado. Camila desvencilha sua boca da minha ofegante, abro meus olhos vendo que os seus estão fechados, dou um selinho em seus lábios, não me afasto.

 

Ela abre os olhos fazendo menção de falar, a interrompo voltando a beijá-la, a deitando com as costas sobre o colchão e ficando por cima dela de forma desajeitada, sem interromper o beijo puxo a coberta sobre nossos corpos.

 

Camila interrompe o beijo novamente, seu rosto vermelho e os lábios levemente inchados, sorrio ofegante, meu amiguinho já endureceu, e pior que estou usando apenas uma blusa e cueca boxer preta. Tento abrir um pouco suas pernas para me acomodar entre as mesmas.

 

-O que está fazendo? -Questiona franzido a testa.

-Só estou tentando me ajeitar.

 

-O que mais vai querer roubar de mim, além do meu primeiro beijo? -Sorrio feliz por saber disso.

 

-Sério que sou a primeira a lhe beijar?

-Infelizmente sim. -Seu olhar desvia do meu.

-Não faz assim, você já parecia saber beijar.

 

-Não, apenas repeti seus gestos, costumo aprender rápido. Agora saia de cima de mim.

 

-Não, me deixa te beijar um pouco mais, abre um pouco suas pernas? -Peço de forma manhosa, Camila revira os olhos e cede se abrindo um pouco, subo seu vestido me acomodando entre suas pernas, meu membro lateja de desejo, mas não é minha intenção fazer sexo, pelo menos é o que a cabeça de cima diz, já a de baixo está descontrolada.

 

-Você está dura? -Camila questiona nervosa.

 

-Me desculpa, mas é que eu sou virgem e meu amiguinho gosta tanto de você. 

 

-Então, trate de sair de cima de mim, não vou transar com você, nunca! -Ela me empurrou para o lado de forma bruta.

 

-Sinto muito, Camz. -Camila levantou rapidamente da cama ajeitando o vestido.

 

-Isso nunca mais poderá acontecer, Lauren Jauregui! Eu não gosto de você, fique com suas putas, tenho certeza que darão o que quer. -Calçou a sandália saindo apressada do quarto batendo a porta com força, bufei frustrada. Será que agora perdi todas as minhas chances? Que droga, me entrego ao choro abraçando o travesseiro com o cheiro dela.

 


Notas Finais


*Pessoal, um aviso importante, o enredo que tenho para esta fic é lindo, no entanto trabalhoso. Não quero forçar ninguém, mas aqueles que gostam desta fanfic, aconselho comentar, porque senão ela será cancelada, não vou tirar meu tempo para escrever. Enfim, ela só será atualizada novamente se alcançar pelo menos 10 comentários, senão já podem se despedir dela. Isso serve como aviso para todas minhas outras fics, quem me conhece sabe que não hesito na hora de desativar, pois a única recompensa para o autor são o carinho que vocês tem pela a fanfic.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...